Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2022 | 03h00

Meio ambiente

Governo da destruição

É inacreditável que o presidente Jair Bolsonaro tenha decidido levar a destruição ambiental para o subsolo com uma canetada. Sem estudar nada nem ouvir a opinião dos especialistas, Bolsonaro decretou a destruição das cavernas brasileiras. Cavernas são formações exóticas, muitas vezes apresentam formas de vida endêmicas, que só existem lá, têm uma enorme vocação para ser atrações turísticas e muitas desempenham ainda importante papel regulador dos importantíssimos aquíferos subterrâneos. A destruição ambiental doentia que Bolsonaro está impondo ao País precisa acabar, não é possível que as instituições se calem diante de mais essa agressão à natureza, às riquezas da Nação, à lógica e ao bom senso.


Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Eleições

Retrocesso

Após ler o elucidativo artigo do sociólogo Paulo Delgado (O que podemos esperar, A4, 12/1), expondo as mazelas dos Três Poderes, duas páginas adiante nos deparamos com as propostas da equipe econômica do PT propondo o fim do teto dos gastos, para explodir ainda mais o Orçamento; a revisão da reforma trabalhista, leia-se, a volta do imposto sindical; e a ênfase na distribuição de renda, ignorando que os salários, as aposentadorias e os benefícios da elite dos servidores são um dos pilares dessa concentração de renda, corrigida somente com uma não mencionada reforma administrativa. Também omitida uma reforma eleitoral que nos tire das mãos dos caciques partidários e nos entregue, de verdade, o preceito constitucional “todo poder emana do povo”. É angustiante ler sobre a realidade brasileira e, em seguida, sobre outro projeto de poder que nada tem a ver com as nossas reais necessidades.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

Acusação de fraude

Em julho do ano passado, Bolsonaro prometeu apresentar provas de que as eleições de 2018 tinham sido fraudadas, para em seguida declarar que “não tinha como comprovar”. Agora, no Amapá, voltou a acusar, sem provas, fraude nas eleições presidenciais de 2018. Sendo ele um médico autodidata, atacou as medidas de combate à pandemia. Contrariando a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) declarou que não vai vacinar a filha de 11 anos. Presidente, faça algo concreto para resolver os graves problemas que afligem os brasileiros: a pandemia, o desemprego e a fome!

Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

Campanhas políticas

O cientista político Fernando Schüler, na excelente entrevista ao Estado (14/1, A9), referiu-se a uma pesquisa recente que mostra que o tom da campanha dos bolsonaristas para as próximas eleições será o de “não nos deixaram governar” e, o dos petistas, “já fomos mais felizes no passado”. Pura retórica eleitoreira que será usada pelos marqueteiros visando, segundo ele, a simplificar o discurso para atingir a massa, em detrimento de discussões necessárias e complexas. Vale acrescentar que é de interesse velado, mas nem tanto, de candidatos populistas, que a massa votante manipulável permaneça nas trevas da ignorância e, portanto, não aprenda a pensar. É importante que os candidatos da chamada terceira via elevem o debate, mas é vital também que a sociedade cumpra sua parte e cobre propostas pragmáticas dos candidatos. Só assim sairemos da retórica. Difícil, mas não impossível.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Pandemia

Carnaval no Rio

Surreal! Desfiles das escolas de samba na Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro, garantidos em fevereiro. Por lá, haverá como exigir e fiscalizar o cumprimento das normas sanitárias, disse o prefeito Eduardo Paes, que está feliz porque vai fazer seu pas de deux com as porta-bandeiras das agremiações carnavalescas na avenida! Em casa, com exames de covid/influenza agendados há uma semana, em razão da forte demanda, o laboratório me comunicou o cancelamento pelo meu plano de saúde por tempo indeterminado de todos os exames agendados ou não a partir de 13/1. Excepcional e exclusivamente somente os internos dos hospitais serão assistidos. O que fazer, prefeito? Será que sobreviverei até o carnaval?

Celso David de Oliveira david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

___________________________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

EFEITO DUNNING-KRUGER 

Segundo a Wikipedia, “o efeito Dunning-Kruger é um fenômeno que leva indivíduos que possuem pouco conhecimento sobre um assunto a acreditarem saber mais que outros mais bem preparados, fazendo com que tomem decisões erradas e cheguem a resultados indevidos; é a sua incompetência que restringe sua capacidade de reconhecer os próprios erros. Estas pessoas sofrem de superioridade ilusória”.

“Em contrapartida, a competência real pode enfraquecer a autoconfiança e algumas pessoas muito capacitadas podem sofrer de inferioridade ilusória. Esses indivíduos podem pensar que não são muito capacitados e subestimar as próprias habilidades, chegando a acreditar que outros indivíduos menos capazes também são tão ou mais capazes do que eles. A esse outro fenômeno dá-se o nome de síndrome do impostor.”

 A melhor ilustração desse fenômeno se dá entre nós. Dos esgotos das redes sociais surgem “entendidos” pontificando sem o menor pudor a respeito de assuntos relacionados com a vacinação, sem ter o menor embasamento. Surgem perguntas do gênero: “Vocês têm ideia sobre o que poderá acontecer aos vacinados?”. A resposta é bem simples, e é fornecida por fatos inquestionáveis: sabe-se o que acontece aos não vacinados. Oswaldo Cruz deve se revirar na tumba. Com um século de defasagem a ignorância ataca novamente, aqui e em outras latitudes.

Alexandru Solomon

asolo@alexandru.com.br

São Paulo

*

FIBRA DOS SOFRIDOS

O povo sofre, mas não se entrega à  desesperança. É tomado por luz divina que fortalece o espírito.  A solidariedade conforta a alma. Pessoas que já têm pouco para o próprio sustento estão na trincheira do bem. Sabem que criança com fome corrói o coração. É sublime ajudar quem esteja em pior situação. O entusiasmo para ajudar o próximo é contagiante. Os brasileiros enfrentam adversidades com galhardia. Não esmorecem com  enchentes, enxurradas, desabamentos. Luta agora contra o dramático coronavírus. Vidas  e atividades são afetadas.  O coração aperta. O amor floresce.  Desperta a união. Ninguém  se omite. Tira energia e fé das profundezas da alma. Precisamos encher o peito de patriotismo e perseverança.   O terrível coronavírus destrói famílias. A guerra contra o vírus clama pela união dos brasileiros. Irresponsáveis precisam ter consciência que aglomerações e sair de casa sem necessidade fazem a alegria do vírus. Precisamos dos esforços de todos. Ricos, pobres e remediados.  A satisfação de colaborar de alguma forma é cativante. Mostra que nem tudo está perdido no reino dos mortais. Políticos precisam trilhar o caminho do bom senso. Da civilidade. Esquecer picuinhas e intrigalhadas. Pensar nas vidas das pessoas. Não é hora de brigalhadas. Acorde e cresça, Bolsonaro. O senhor foi  eleito para zelar pelo bem-estar do povo. Evite ser destemperado. Pare de escoicear adversários e instituições. Seja comedido. Deus observa tudo.

Permanece  no comando. 

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CONTRIBUINTE SEGUE LESADO

Jair Bolsonaro não tem piedade em relação ao uso dos recursos dos contribuintes.  Em ritmo de orgia no último ano de seu mandato, o presidente, para atender seus colaboradores, como ministros e servidores, acaba de autorizar por decreto que em viagem ao exterior todos podem ir na classe executiva. Ou seja, aos amigos conforto e luxo, e ao povão nada. Custo?! Ora, o absurdo de R$ 9.251, ante os R$ 3.919 que seriam pagos, como exemplo, para Paris, viajando de avião na classe econômica.  Assim Bolsonaro revoga a norma editada por Michel Temer, na qual, todos os ministros e servidores deveriam viajar na classe econômica.  Esse é o pior presidente da nossa história que governa somente para suas milícias, aliados, etc.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

DESCONFIANÇA

Estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) revelou que apenas 12,6% (!) dos latino-americanos confiam na maioria das pessoas. Dentre eles, o Brasil tem desconfiança ainda mais alta: de apenas 4,6%, abaixo do Uruguai (21,08%); do México (18,37%); do Chile (17,07%); da Argentina (16,15%); e da Venezuela (5,21%). Para efeito de contraste, o porcentual da média mundial é de 25% e dos países ricos da OCDE, de 41%. Além da desconfiança nas pessoas, o estudo também concluiu que somente 29% dos latino-americanos confiam nos governos, ante 44% no mundo todo e 38% nos países ricos. A fé no Estado de Direito é de 44,8% nos latino-americanos, ante 50,8% no mundo e 86,12% na OCDE. Como se diz, confiança é como taça de cristal ou casca de ovo, uma vez quebrada... Tristes trópicos, pobre Brasil.


J.S. Decol 

decoljs@gmail.com

São Paulo

*


LULA E A ECONOMIA

A imprensa que patrocinou a eleição de Bolsonaro viu que as reformas da extrema direita não geraram empregos nem alavancaram a economia. Sem retirar direitos, Lula pagou a dívida histórica com o FMI, gerou recordes de empregos em que trabalhadores e empresários ganharam muito dinheiro e mesmo assim a imprensa voltou a fazer seu terrorismo contra Lula. Não sei como um país saqueado se eleva em potência econômica, como no caso Brasil, quita dívidas e ainda deixa reservas.  

Eliel Queiroz Barros

monoblocosantoandre@hotmail.com

Santo André

*

TERCEIRA VIA

Bolsonaro põe fim à trégua com o STF e liga ministros à candidatura de Lula, noticiou o Estadão.

Acho que já está passando da hora de os políticos brasileiros decidirem lançar os candidatos a presidente e vice-presidente para a eleição de 2022 e acabar com as intenções de Bolsonaro e de Lula.

Minha sugestão: candidata a presidente: Luíza Helena Trajano; candidato a vice-presidente: Luiz Roberto Barroso

Edson Medeiros

elmer.corretor@gmail.com

São Paulo

*

KAJURU, PGR E STF

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para abrir inquérito contra o senador Jorge Kajuru, por supostas ofensas contra o ministro do STF Gilmar Mendes. Mas e sobre as muitas acusações de Kajuru contra Gilmar Mendes, alguma consideração ou investigação? Porque as acusações são as mesmas de há muito tempo, as mesmas que muitos já o fizeram a Gilmar Mendes. E aí, a PGR só funciona como defesa intransigente dos acólitos dos Poderes do Estado, ficando cega, muda e surda com relação a qualquer denúncia e acusação? Por que pagamos, todos, tantas viagens a Portugal do senhor ministro? Por que tantos habeas corpus do senhor ministro a compadres, empresários e amigos?  Por que tantas denúncias de enriquecimento ilícito do senhor ministro? Alguma sugestão sobre o que vem acontecendo no Brasil?

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CENTRÃO    

O Centrão no comando, como águia de duas cabeças: Arthur Lira comanda a Câmara e Ciro Nogueira, o Executivo, na Casa Civil e na Economia. O presidente se dedica a infernizar a nação e cuidar de sua reeleição. Tudo como o diabo gosta, e os brasileiros riem.

Paulo Sérgio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

A MAMATA É BOA

Paulo Guedes está esperando o que para pedir as contas? Ou será que a mamata vale a pena ser fritado constantemente?

Robert Haller

São Paulo

*

IRMÃOS XIFÓPAGOS

A moderação do discurso do PT em favor de ditaduras aliadas, para evitar danos à campanha de Lula, é hipócrita até o talo. Nas entrelinhas o que se infere dos petistas é o seguinte: “Tudo bem sermos amigos de ditadores e termos inspirações ditatoriais, mas é hora de fecharmos a boca. Ninguém precisa saber ou refrescar sua memória acerca disso. Quando estivermos de novo no poder nossa índole ditatorial poderá aflorar e vir à tona, mas, agora, não”.

Petismo e bolsonarismo são irmãos xifópagos ligados pelas costas. Cada um aponta o nariz para um lado – um para a esquerda e o outro para a direita –, mas compartilham as mesmas entranhas cheias de putrefação e de gases tóxicos.

Túllio Marco Soares Carvalho

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

PAÍS DECADENTE

Eu sempre votei no PSDB, em FHC, Covas, avô e neto, Serra, que fez um belo trabalho como ministro da Saúde, mas fui fazer uma comparação e fiquei desanimado. O Rodoanel de São Paulo foi planejado há uns 20 anos, não lembro bem, e ainda falta um pedaço. A linha de metrô que vai de Congonhas ao Estádio do Morumbi ia ficar pronta para a Copa de 2014, está prevista agora para 2024. Vocês lembram de Juscelino Kubistchek, o nosso JK?  Em quatro anos ele construiu e se mudou para Brasília e trouxe a indústria automobilística para o Brasil, só isso. É desanimador...

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

*


LUTA INSANA

A Suprema Corte de Justiça dos EUA bloqueia pretensão do presidente Biden de exigir vacinação da população, fazendo coro com Jair Bolsonaro e o tenista sérvio Novak Djokovic. Na contramão e a favor da ciência, o técnico Tite não convoca Renan Lodi por falta do imunizante. A gigante Nike, o Citibank e o JP Morgan passam a exigir vacinação de seus funcionários e o Estado de São Paulo dá o pontapé inicial na vacinação de crianças. É a ciência lutando contra a ignorância.

J.A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*


ESPORTE, PANDEMIA E VACINA

No Austrália Open, o tal “Djokovid” já faz por merecer uma

raquetada. Pra parar de se achar e largar de ser besta...

Ademir Valesi

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

Petrobras, agora na rota da boa governança corporativa

Eis que logo nos primeiros dias de janeiro, o jornal O Estado de S. Paulo dedica sua manchete à entrevista concedida pelo presidente da Petrobras, general Joaquim Silva e Luna, sob o título Petrobras não pode fazer políticas públicas.

A posição do presidente da empresa é muito oportuna e respeita as regras da boa governança corporativa.

Fica claro a defesa da independência da empresa em relação à prática de preços e o compromisso com os acionistas.  

A Petrobras vem gerando lucros e, segundo o entrevistado, tem por objetivo ser cada vez mais produtiva e lucrativa. Está certo o general em suas reflexões, pois defende a destinação dos lucros a novos investimentos, pagamento de dívidas e distribuição de dividendos. Pensam errado aqueles que acham que os lucros se destinam apenas à  distribuição aos sócios. Ao contrário, o lucro é a fonte de recursos para investimentos. Sem investimentos a empresa não sobrevive a médio e longo prazos, podendo perder sua competitividade produtiva, de exploração e tecnológica.

Pelos números podemos ver que a empresa está alcançando resultados e remunerando seus sócios. A distribuição de dividendos em 2021 chegou a R$ 27 bilhões. A Petrobras também honrou seus compromissos com o Estado recolhendo para os cofres públicos R$ 220 bilhões em tributos e taxas de impostos. É um quadro saudável, mostrando a responsabilidade social da organização e de sua governança.

Milhares de acionistas confiam na empresa e nela investem na expectativa de obter retorno de seus investimentos. A Petrobras precisa dos investidores para obter recursos para suas finalidades empresariais. A empresa não tem finalidade política e nunca deveria ser utilizada pelo Estado para esses propósitos. Infelizmente, as tentativas de interferências indevidas são grandes, o que gera uma enorme desconfiança por parte dos investidores, a perda de valor da empresa e, sobretudo, sua credibilidade.

Mãos fortes são necessárias em nossos dias para conduzir a Petrobras, o que também significa ter conhecimento profundo da boa governança corporativa. O general Silva e Luna demonstrou em sua entrevista que é a pessoa certa no lugar correto.

Thomas Lanz

tlanz.consultores@gmail.com

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.