Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2022 | 03h00

Economia

Desigualdade

Enquanto o salário médio pago por estatais sob controle da União chega a RS 34,1 mil, temos no Brasil mais de 18 milhões de aposentados pelo INSS que passarão a receber apenas R$ 1.210 mensais.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

Empresários brasileiros

Em relação ao artigo Estamos por nossa conta e risco (21/1, A8), no meu entender, quem está por sua própria conta e risco são os consumidores brasileiros que são obrigados a aturar uma indústria que vive de glórias passadas e prefere recorrer a Brasília em busca de subsídios e protecionismo, em vez de olhar para o que países bem-sucedidos estão fazendo. Prova disso são empresários da própria Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) aplaudirem em peso o atual dirigente da Nação, em evento interno recente daquela entidade, no qual aparentemente não ocorreram questionamentos relevantes no tocante à condução da política econômica atual.

Fernando T.H.F. Machado

fthfmachado@hotmail.com

São Paulo

*

Corrupção

Trupe da ‘rachadinha’

O coordenador das eleições de 2018 e amigo íntimo de Jair Bolsonaro, Waldir Ferraz, afirmou que a trupe da “rachadinha” sempre foi formada por toda a famiglia – do presidente ao vereador. Disso ninguém duvida, haja vista a enxurrada de provas e a confissão do próprio presidente que disse: “Rachadinha? Quem não faz!”. Na verdade, quem não tem interesse em investigar o ilícito é o subserviente “espectador-geral” da República, Augusto Aras, mas, para adular seus pares pelo seu descumprimento constitucional, liberou contracheques de quase meio milhão de reais para cada um deles. Afinal, mesmo com fartas provas e confissões, o “espectador” continua dentro de sua bolha omissiva.

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

Eleições

Falta grave

Os políticos brasileiros mentem durante as campanhas eleitorais e no exercício de seus cargos também. Enganar os eleitores deveria ser considerado crime grave, mas nada acontece aos portadores de foros privilegiados. A corrida atrás do dinheiro chega a ser descarada. O importante é pegar a maior fatia possível dos R$ 5,7 bilhões em 2022. A inimaginável foto de Lula abraçado a Alckmin já circula na mídia, o ex-ministro Sérgio Moro está correndo atrás dos votos femininos, entre outras cenas bizarras. A falta de educação do nosso povo e o baixo nível de civilização garantem um lugar privilegiado aos ladrões, que saquearam a Petrobras num passado recente. Tudo pode acontecer até o pleito de outubro.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

Teste de fogo

Pesquisas indicam que Lula poderá vencer as eleições no primeiro turno, para o nosso desgosto, e receberá um cenário de terra arrasada, deixado pelo falastrão Bolsonaro. Os petistas, após conquistarem o poder em 2002, conseguiram emplacar a mentira da herança maldita do governo Fernando Henrique Cardoso, mesmo com o real e a inflação sob controle. Com o “mito”, o Brasil chegou ao fundo do poço. Resta saber se o PT vai continuar a escavação ou vai finalmente fechá-lo.

José Alcides Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

Perda

Elza Soares

A morte da cantora Elza Soares, a rainha do “planeta fome”, mostra como a realidade de décadas atrás pouco se modificou nas camadas majoritárias de nossa população. Sua história de vida ainda é o retrato de um contingente de pessoas que vivem nas chamadas comunidades, que as elites socioeconômicas fingem não ver.

José de Anchieta N. de Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Correção

A PwC informa que não há citação ou menção na sua 25ª CEO Survey sobre retirada de recursos no País de fundos de investimentos no Brasil por motivos políticos, ao contrário do que foi publicado na edição de 21 de janeiro, no editorial O Brasil ficou menos atraente para o capital.

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SÁBADO

ROBINHO

A Justiça italiana condenou por 9 anos, em regime fechado, o ex-jogador Robinho. Contudo, os italianos desejam que o ex-jogador cumpra a pena no Brasil. É um escárnio empurrarem para o Brasil mais um canalha estuprador. Já temos muitos por aqui, soltos, cometendo mais delitos e rindo da cara da sociedade e da canhestra Justiça. Presente de grego dos italianos. No Brasil,  o moleque, irresponsável e covarde Robinho não fica preso uma semana. É mais fácil despoluir a Lagoa Rodrigues de Freitas ou acabar com a pandemia. Pelo Código Penal, Robinho pegaria pena branda, com distribuição de cestas básicas.  Em português claro e rasteiro, a meu ver, é melhor jogar o Código Penal no lixo.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CAIXA-PRETA

A maior caixa-preta que existe no Brasil se chama Poder Judiciário.  Ali só existem marajás que se consideram dono do Brasil! Mandam e desmandam.

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

HOMEM DE VISÃO

Será que o Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, ao resolver pagar todas as benesses aos seus colegas procuradores, justo agora que falta dinheiro para tantas coisas mais urgentes, está de olho numa nova lista tríplice? Eita homem de visão! Afinal, haverá eleições para presidente, e... 

Tania Tavares   

taniatma@hotmail.com  

São Paulo

*

INDENIZAÇÕES E PENDURICALHOS DE MEIO MILHÃO

Que país é este?

Como os juízes nadam em mamata, os procuradores, também, não é?

Não importa a disparidade social e afundar o Brasil em gasto público?

Não importa o respeito ao limite constitucional?

Só importa o meu umbigo ou meu bolso?

Estamos na Idade da Pedra, em que só há a lei do mais forte?

Alice Arruda Câmara de Paula

alicearruda@gmail.com

São Paulo

*

A CASTA

A denominada e exaltada casta que se autointitula “Prerrogativas“ é composta por advogados milionários com acesso exclusivo ao STF, que ganharam milhões de reais na defesa de corruptos. Além de não representarem os advogados, são liderados por aquele bandido que se autointitula o “mais honesto do País”. Mercê da vergonha, deveriam ficar calados, contando seus milhões de reais em suas aplicações financeiras.

José Rubens de Macedo Soares Sobrinho

joserubens@jrmacedoadv.com.br 

São Paulo

*

O TRIUNFO DO CRIME

O advogado pessoal da família Bolsonaro conseguiu a formidável proeza de liberar a madeira apreendida na maior ação contra o desmatamento ilegal na Amazônia. O ex-ministro do meio ambiente Ricardo Salles já havia atuado como despachante aduaneiro a favor dos criminosos da floresta, agora é o próprio presidente da República quem atua, por meio de seu advogado pessoal, de confiança, para favorecer os criminosos que estão destruindo a Amazônia. Com a palavra as instituições que ainda existem neste país.

Mário Barilá Filho 

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

SIMPLES ASSIM

Os pleitos do funcionalismo por aumento poderiam se dar com a simples correção da tabela do Imposto de Renda na fonte em 100%, que é a defasagem apurada pela própria Receita. Exemplificando, uma pessoa que ganhe R$ 6 mil paga hoje em torno de R$ 600. Com a correção, pagaria apenas R$ 115. Essa diferença significa um incremento de 10% no seu salário líquido. Valores mais altos teriam porcentuais menores, o que significaria uma melhor distribuição de renda. A perda de receita poderia ter uma compensação ampliando as alíquotas até 40% que ainda estariam mais baixas que em países do Primeiro Mundo. Esta simples providência iria girar a roda da economia, gerando mais vendas e, consequentemente, uma maior arrecadação.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O FUTURO PRESIDENTE E A CAVERNA DE PLATÃO

Fazendo uma analogia com a famosa alegoria da Caverna de Platão, o povo brasileiro está confinado no subterrâneo da Caverna, onde enxerga somente as sombras distorcidas e irreais projetadas por promessas dos governantes que fingem defender os interesses dos eleitores.

Precisamos de um presidente que nos tire da escuridão, deixando para trás o mundo das aparências e antigas crenças, numa viagem ao exterior da Caverna, à realidade e ao conhecimento; na conquista de maior desenvolvimento, transparência, simplicidade e muita luz.

 Gilberto Cavicchioli

gilberto@cavicchiolitreinamentos.com.br

São Paulo

*

TÁ DIFÍCIL

O Lula não sabe o que fazer: se sair na rua será hostilizado, se ficar em casa não faz campanha.

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

OS POLÍTICOS E OS OBJETIVOS           

Desde os tempos de universidade, era costumeiro o dístico: o político não tem objetivo. Na verdade, não o tem porque sempre a sua meta é ele próprio e suas satisfações, enquanto os objetivos de interesse nacional e local são tratados em paralelo e quando possível. Daí que os projetos de campanha e os planos partidários assumidos têm pouca importância, porquanto não são comparados nem discutidos com seus autores. Entretanto, resta uma arma para os eleitores: guardar os planos, projetos e promessas para, quando necessário e oportuno, apresentar as respectivas cobranças. Não vai resolver, mas, pelo menos, força os políticos a se justificarem pela omissão e pelo descumprimento do prometido e do programado. Ou não?          

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

JUSTIÇAS 

Quanto mais justiça social, menos justiça criminal. Democracia liberal sem contrapartida de educação, saúde e oportunidades para todos, numa sociedade socialmente justa, nunca prosperará de verdade. Paz entre nações e pessoas implica justiça na divisão das riquezas mundiais. 

Paulo Sergio Arisi

paulo@arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

EVIDÊNCIAS

Enquanto afortunados aguardam na fila VIP  para comprar seu jatinho, Jaguar ou helicóptero, do outro lado temos a fila dos miseráveis aguardando para comprar 1 quilo de osso. Aqueles dizeres que eu ouvia há 70 anos, de que aqui no Brasil teríamos ricos cada vez mais ricos e pobres cada vez mais pobres, nunca foram tão evidentes como nos dias atuais.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

ELZA SOARES

Um minuto de respeitoso silêncio em homenagem ao talento único da poderosa voz marcante de Elza Soares, a rainha do samba, a “voz do milênio” (BBC), uma das maiores cantoras de todos os tempos, do mesmo quilate de Ella Fitzgerald e Sarah Vaughan. Uma forte mulher guerreira, saída da pobreza da favela Vila Vintém, no Rio de Janeiro, para ser aplaudida nos palcos do Brasil e do mundo como vencedora de nada menos que 5 Grammy latinos. Quis o caprichoso destino que ela partisse no mesmo dia em que há 39 anos o genial Mané Garrincha, seu grande amor, deixava esta vida. Viva Elza!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*







 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.