Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2022 | 03h00

Eleições

Programas de governo

Aproximam-se as eleições e as indagações se multiplicam na cabeça dos brasileiros. Amargando as consequências – sim, o voto tem consequências – da marcha da insensatez de 2018, o eleitor reflexivo escaldado parece interessado em entender como chegamos até aqui e como vamos sair dessa enrascada. A pergunta de Gabeira (Programa de governo, ter ou não ter?, 22/1, A4) é pertinente, além de complexa e polêmica. Minha resposta é sim. Ter programa de governo, precedido de um projeto de nação, é necessário, imprescindível e urgente. Não como panaceia, amuleto, fetiche ou documento burocrático. Como ferramenta, norte, direção, rumo, bússola, mapa, estrela, orientação. Antídoto para “aos trancos e barrancos”, na feliz expressão de Darci Ribeiro.

João Pedro da Fonseca

fonsecaj@usp.brl

São Paulo

*

Mudanças necessárias

Com meus atuais 84 anos de vida, desde que me tornei adulto e eleitor, idos de 1955, acompanhei a corrupção e as mazelas dos nossos políticos. Culminamos atualmente e atingimos o máximo possível. Criaram o fundo eleitoral, o orçamento secreto e inúmeros outros mecanismos para se apropriarem das verbas públicas. A tributação que sofre o contribuinte brasileiro é descomunal. O IPTU é imediatamente corrigido pela inflação, o IPVA arrecada sobre valores de veículos velhos, valorizados pela falta de novos em mais de 30%. A Prefeitura de São Paulo aumenta a zona azul em 15%, arrecada sobre espaços públicos, com serviço precário, ineficiente e sem segurança. Sobre o combustível então é assustadora a gana arrecadadora de cada Estado, com tributação pelo ICMS de porcentuais que chegam a 34%. Finalmente, a tabela do IR na fonte permanece sem nenhuma correção nos últimos dez anos. Os aposentados e pensionistas pagam 27,5% de IR na fonte, mas a Receita ignora que gastam em remédios, cuidadores, cadeiras de rodas, além dos medicamentos necessários para sua sobrevivência. Agora, pergunto, será que temos alguma esperança para mudar alguma coisa com as eleições deste ano? Os eleitores responderão.

João Ernesto Varallo

jevarallo@hotmail.com

São Paulo

*

Combustíveis

Alta dos preços

Por que o governo não volta ao sistema de recolhimento dos impostos como era feito antigamente. Os produtos saíam da refinaria com todos os impostos inclusos, havia menos sonegação, menos conluios e os Estados respeitavam as leis sem essa guerra de valores discrepantes, impunes e ao bel-prazer e interesses políticos.

Jaime Eufrasio Sanches

jaime@carboroil.com.br

São Paulo

*

Saúde

Carnaval adiado

Finalmente, a idiotia política e a ganância deram passagem à sensatez (se é que político possui a qualidade só vista em altruístas) e Rio de Janeiro e São Paulo resolveram adiar os desfiles de carnaval por causa da pandemia. Não que os respectivos governos, a exemplo da grande maioria de seus representantes, pensem no agravamento de toda a crise causada pela covid-19 e por suas intermináveis variantes. Foram forçados pela Justiça e pelos que têm consciência de que a vacina, a proteção individual e o distanciamento social são as nossas maiores fantasias, alegorias e adereços para enfrentar o principal enredo que é toda a tragédia causada pela doença, seus desdobramentos e pela estúpida – para ser polido – negação à ciência. Se dependesse, apenas, da vontade deles e da necessidade incontrolável de obter vantagens, geralmente, financeiras, haveria desfiles, blocos, ruas e clubes cheios e mais foliões e inocentes mortos ou contaminados.

João Di Renna

joao_direnna@hotmail.com

Quissamã (RJ)

*

Decisão sensata

Em razão do recrudescimento dos casos de covid-19 causados pela contagiosa variante Ômicron, não poderia ser mais responsável e oportuna a decisão dos prefeitos de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), e do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), de adiar a data dos desfiles das escolas de samba para abril, no feriado de Tiradentes, em 21/4. Caso contrário, a comemoração do carnaval em fevereiro seria um verdadeiro “alalaôô Ômicron”, espalhando o vírus por toda a avenida e arquibancadas. Como se vê, felizmente há vida inteligente no Brasil dos Bolsonaros. Viva!

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OBRA-PRIMA DA LITERATURA JURÍDICA

A sentença que liberou a madeira de desmatamento ilegal apreendida na Amazônia na maior operação do tipo da história deve ser uma obra de arte da literatura jurídica que merece ser conhecida por todos. Será que teremos de esperar 100 anos para poder ler essa obra-prima do cinismo negacionista?

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

AS QUATRO LETRAS DE BOLSONARO

 As famosas quatro letras de Bolsonaro só incluem dispositivos da Carta Magna que não lhe afetem o mandato nem a reeleição. Luta para alterar a Constituição da República, criando até itens nas suas letras para obter recursos eleitorais para sua reeleição. E custe o que custar assim procede, mesmo que seus desejos chamem R$ 57 bilhões ou mais e mesmo que eles custem alterações tributárias que enfraquecem o erário. Nunca tanta verdade legal e jurídica foi dita como no editorial deste periódico: Brincando com a Constituição (A3- 22/1), onde se vê que Jair Messias Bolsonaro não respeita a Carta Magna e muito menos as suas quatro letras, desde que seja para satisfazer os seus interesses. Como Lula da Silva diria, os outros é que são culpados por ele ser assim. Infelizmente!        

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

HITLER TUPINIQUIM      

O jurista Miguel Reale Jr. disse que o presidente Jair Bolsonaro é uma pessoa que apresenta quadros de “anormalidade, falta de empatia, personalidade antipática e antissocial, gosta de tortura e é pouco solidário na doença”. Pensando bem e como já é conhecido como “mercador da morte”, Jair Bolsonaro pode se tornar o “Hitler Tupiniquim”, bastando  adotar o inconfundível bigode de broxa. Na verdade, Hitler vai ficar orgulhoso por alguém manter sua trajetória!        

Júlio Roberto Ayres Brisola       

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

JACARÉ REVELA ‘RACHADINHAS’

Segundo se pode depreender das fortes e bombásticas declarações à revista Veja de Waldyr Ferraz, vulgo “Jacaré”, amigo de décadas do presidente Bolsonaro, havia um esquema de devolução de dinheiro público pago a assessores dos gabinetes do próprio Jair e de dois de seus filhos, Flávio e Carlos, orquestrados pela advogada Ana Cristina Valle, segunda ex-mulher do presidente da República. Em vez de “tarados por vacina”, trata-se de uma famiglia tarada por rachadinhas. Vergonha!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

INTERESSES INCONFESSÁVEIS?

É inaceitável que uma considerável parcela de cidadãos brasileiros de um universo composto de pessoas muito bem informadas e inteligentes e sabendo  tudo que  sabem, e do qual faz parte a  grande mídia, venham sistematicamente  se  empenhando  no sentido de promover a volta  ao poder do Partido  dos  Trabalhadores  e sua  “gangue”. Há algo de muito podre no reino da Dinamarca !

Maria Elisa Amaral

melisalf3175@gmail.com

São Paulo

*

VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES

O Banco Central confirma  vazamento de mais de 160 mil chaves PIX. A imprensa divulga este e outros vazamentos, tipo os do Telegram, que “condenam” o Moro e o Deltan, heróis da Lava Jato. Mas não informa nenhum vazamento sobre conversas de Bolsonaro, seus filhos e suas rachadinhas. Não informa nenhuma conversa nada republicana entre Lula e Zé Dirceu. Enfim, como acreditar na mídia? E como acreditar nas redes sociais? Se é para vazar, vamos vazar geral. Telegram para mim só sobrevive graças ao dinheiro petista, ou melhor dizendo, graças ao meu dinheiro, via impostos. E cadê a mídia séria? A mídia investigativa? A que realmente defende uma imprensa livre? Será que tal mídia será vencida pelo Telegram? 

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana 

*

OS DOIS BRASIS

Mais de 12 milhões de desempregados, milhares de desalentados e de famélicos buscando comida no lixo e clamando por ajuda governamental e por doações  privadas. Este é  um lado da moeda Brasil. O outro lado é representado pela classe política, da Justiça  e pelos servidores públicos que, mesmo gozando de estabilidade e de salários muito maiores  que a média nacional, ameaçam com greves e paralisam setores essenciais da economia. Quanto aos políticos, o tal do  Fundo Eleitoral é uma aberração e exclusividade brasileira. Procuradores de Justiça recebendo, em alguns meses, R$ 400 mil, é um acinte e um absurdo num país que está entre Bolsonaro e lula.

J. A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PAGAMENTOS “EXTRAS”

O povo sem emprego, sem o que comer, sem roupa para vestir, sem casas para morar, sem esperança alguma, mas os procuradores receberam quase meio milhão de reais de pagamento extra nos seus contracheques de dezembro  de 2021. Será que esses procuradores não têm vergonha de receber essas quantias estratosféricas e indecentes, sabendo a situação do povo? Meu Deus, que país é este???

Károly J. Gombert

kjgombert@gmail.com

Vinhedo

*

ROBSON MARINHO

Pelo que entendi, esse senhor Robson Marinho estava sendo processado por fatos ocorridos entre 1998 e 2005, mas esse processo prescreveu agora sem ser julgado. Um país com um Judiciário que demora 20 anos para concluir um julgamento certamente não tem futuro.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

*

CARNAVAL ADIADO

Com o adiamento para abril do carnaval do Rio e São Paulo em razão do avanço da cepa Ômicron, teremos condições de ter diminuído o avanço dessa pandemia entre nós. Precisamos, ainda, que nossa população tenha a capacidade de seguir as recomendações profiláticas dos cientistas, no sentido de tomar os cuidados recomendáveis ,para que possamos estancar essa pandemia e assim voltar o mais breve possível a um novo normal, que tanto estamos a necessitar.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

OS COVEIROS

Com telefonema do presidente, visita de Queiroga e Damares, podemos chamá-los de “coveiros”. Todos tinham a esperança que o motivo da parada cardíaca (em criança vacinada contra a covid-19) tivesse sido uma reação adversa à vacina (segundo apuraram os médicos, a criança sofre de uma má-formação cardíaca congênita que causou o mal súbito).

Como já disse o presidente: “Não sou coveiro, tá?”.

Seria um coveiro seletivo, depende do que ocasionou a  morte.

Vital Ronaneli Penha

vitalromaneli@gmail.com

Jacareí

*

 INTERNET: A TORRE DE BABEL DA POLÍTICA

 A internet, moderna versão da Torre de Babel bíblica, ficará ainda mais igual à original neste ano de eleição presidencial. Se na Torre de Babel construída pelos homens para atingir o céu, o desentendimento foi por todos começarem a falar idiomas diferentes, por interferência divina, para que não se entendessem e a obra parasse de ser construída, na internet a total confusão e balbúrdia é por se agredirem verbalmente por terem opiniões opostas e todos se odiarem mutuamente. A humanidade, em sua ânsia de poder e domínio de uns pelos outros, continua a mesma e ninguém entende ninguém. Deus não precisava fazer os homens falarem línguas diferentes para não se entenderem, como Ele descobriu ao longo da História e agora na Torre de Babel digital. 

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

TONGA

Lendo sobre Tonga, o local sofre com vulcões, mas gasta menos e é mais rico que nós. É quase zero a corrupção e não há partidos políticos, o que livra os tongueses de partidos fortes e perigosos, como ocorre no Brasil, onde o presidencialismo é totalmente obsoleto e podre. O país tem primeiro-ministro, rei e apenas 36 representantes na política unicameral, garantindo o povo no poder.

Roberto Moreira da Silva 

rrobertomsilva@gmail.com

São Paulo

*

TV POR ASSINATURA

Já deu. Estes canais de TV por assinatura que surgiram na década de 80 viraram  febre, etc., já cansaram. Repetem filmes de 30, 40 anos atrás. Não há novidade. Agora, há uns meses voltaram com aquele Starsky e Hutch da década de 60. Parem com isso! Pagar uma assinatura para isso. Não é culpa das emissoras. Elas têm contrato com Paramount, Sony, TCM, e outras de usarem o sinal e retransmitem para seus assinantes. Ainda há grade errada que anuncia um filme e passa outro,  horários errados, etc. É um modelo de produto que já saturou. Excluindo os telejornais e algumas modalidades esportivas, não está mais valendo a pena. Seu tempo já passou.

Panayotis Poulis 

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*











 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.