Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2022 | 03h00

Eleições

Jogo político

Admitindo dialogar com o Centrão, Lula da Silva amplia, a meu ver, as chances de liquidar a fatura no primeiro turno das eleições presidenciais. Nunca votei nele, nem pretendo votar. Lido com fatos. Não torço nem distorço. O pragmatismo político do ex-presidente é abrangente. Como observou o experiente senador Renan Calheiros, “Lula tem capacidade de articular diferentes forças políticas a seu favor”. Lula dorme e acorda fazendo política. Cresce e avança diante do impaludismo político-eleitoral dos adversários. Valdemar Costa Neto e Ciro Nogueira, detentores das maiores fatias do bolo e das riquezas do Centrão, aguardam, de braços abertos, para conversar com o sedutor Lula. Ambos já foram aliados de Lula. Na quadra atual, os tinhosos Valdemar e Ciro estão casados, de papel passado, com Bolsonaro, no Orçamento e no fundo eleitoral. Conversar não tira pedaço.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília (DF)

*

Eleitores distraídos

Em recente pesquisa publicada, apenas 8% dos eleitores consultados disseram que “poderiam” votar no chefe do Planalto, Jair Bolsonaro. Devem ser aqueles distraídos que não sabem o que ocorreu no País e no mundo nos últimos anos.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

São Paulo

*

Sérgio Moro

Apresentar-se à sociedade brasileira, exausta de hipocrisias, como juiz paladino da moralidade, atropelar as regras mais comezinhas de processo penal, sobretudo as que delineiam as competências e a competência absoluta, a ponto de não poder responder tecnicamente à altura do Supremo Tribunal Federal (STF); deixar o cargo revestido de honorabilidade de juiz para servir a Bolsonaro, deixando inequívoco que fazia sempre seu jogo em plena magistratura; defenestrado pelo chefe, passar a prestar serviços a uma empresa de auditoria envolvida no processo que comandou, gerando suspeitas, inclusive em razão dos altos salários recebidos; tudo isso demonstra, a quem tem um mínimo de revestimento deontológico no campo da magistratura, tudo o que não se deve fazer enquanto juiz. E esse cidadão acumula essas virtudes para lançar-se à Presidência da República. Nossa pobreza de opções políticas é franciscana.

Amadeu Roberto G. de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

Governo

Impunidade

O presidente da República, ao praticar charlatanismo, o ministro da Saúde e o diretor técnico, ao praticarem curandeirismo, incorrem em crimes previstos no artigo 283 do Código Penal, podendo pegar até um ano de cadeia, não é mesmo procurador-geral da República, Augusto Aras?

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

Sociedade

Pobreza em São Paulo

O censo da Prefeitura de São Paulo, segundo o qual 31 mil pessoas estão em situação de rua – um aumento de 30% em relação a 2019, pode até estar subestimado, mas já configura verdadeira tragédia humanitária e, pior, de dificílima solução. As causas são várias, como desemprego, disrupções familiares e uso de drogas, entre outras. É até louvável o projeto da Prefeitura de destinar 3 mil moradias a estas pessoas com o devido monitoramento, mas será de pouco impacto, pois, ao serem retiradas das ruas, serão rapidamente “substituídas” por outras tantas. É preciso impedir, no bom e amplo sentido da palavra, que o cidadão chegue às ruas e isso só é possível por meio de políticas de assistência social de médio e longo prazos eficazes, preventivas e proativas. Infelizmente não existe solução mágica imediata para um problema tão complexo.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Lição de respeito

A morte como piada’

Excelente o texto de Eugênio Bucci sobre a repercussão da morte do escritor Olavo de Carvalho (27/1, A8). É compreensível a repulsa do autor com o deboche da morte dessa pessoa, “(...) no fundo de cada crápula, ainda tenta respirar um ser humano”, entretanto, não se pode fazer nenhuma concessão a respeito do legado de obscurantismo deixado pelo falecido, que é desprezível e um risco à democracia.

Álvaro Paulino César Júnior

alvaropcj@gmail.com

Belo Horizonte

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

‘A MORTE COMO PIADA’, EUGÊNIO BUCCI (27/1, A8)

A morte é a única certeza que se tem na vida. Quem se faz de piada, durante sua existência terrena, continuará a sê-lo, até o fim.

Não há incivilidade. Somente inércia. A naturalidade da morte não conferirá a quem quer que seja respeito algum, especialmente a quem não se dá a ele.

Miguel Angelo Napolitano

mnapolit@gmail.com

Bauru

*

PÊSAMES POR BOLSONARO

Que as urnas de outubro decretem luto oficial, um minuto de silêncio, bandeiras a meio mastro e nota de pesar pela “morte” do desgoverno Bolsonaro. Já terá ido tarde. Muda, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

NO MATO SEM CACHORRO

Lula anda dizendo para quem quiser ouvir que vai acabar com o teto de gastos; que imprimir dinheiro não causa inflação, mas, sim, crescimento econômico; e que a reforma trabalhista, entre outras reformas caras ao liberalismo econômico, serão revistas. Seu clone, Boulos, disse reiteradamente que o problema da previdência pública (um verdadeiro câncer no Brasil) se resolve contratando mais funcionários públicos. Dilma, poste do candidato presidiário, que dizia o PT ser a mais profunda conhecedora do setor de energia, quebrou a Petrobras e a Eletrobras. Ciro, o candidato a herdeiro de Lula, afirma, sem ficar vermelho, que a solução dos problemas do Brasil passa por perdoar a dívida das pessoas físicas inadimplentes. Se as pesquisas de intenção de voto estiverem certas e tivermos um retorno da esquerda ao poder, estamos num mato sem cachorro. Procura-se um estadista.

Oscar Thompson

oscarthompson@gmail.com

Santana de Parnaíba

*

PARAÍSO DOS ELEITOS.

Uma análise criteriosa que se faça sobre o serviço público, neste país, vai resultar em que se pense que se trata de um sistema feudal, onde cada nobre possui o seu quinhão de mando e de atuação burocrática, com raras exceções, como toda a regra objeto de considerações. São tantas as regalias que só as suplanta o vencimento recebido pelos eleitos e agraciados que representa, em média, o dobro do quanto paga a iniciativa privada. E quem arca com tantos privilégios? São os brasileiros que suportam uma carga tributária excessiva, por volta de 36% do PIB, suportando, ainda, outros senões como as dificuldades no trânsito  e na busca da realização de direitos líquidos e certos, em que sempre se encontram inúmeras dificuldades burocráticas. Aliás, quem deseja produzir neste país conhece as dificuldades que precisa enfrentar para conseguir regularizar sua empresa. Reforma administrativa para melhorar? Quem acredita que possa vir? Em resumo: o regime feudal continua intocável!

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

VANTAGENS

Um sistema político recheado de centenas de políticos que escolhem se apropriar legalmente de grande parte do dinheiro público, via orçamento público e decisões políticas, não para as maiores necessidades da população, mas para os seus interesses nada democráticos, não passa de chiqueiro de sujos, desprezíveis e cheirando, desde já, ao fedor dos que já morreram.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

O INOLVIDÁVEL

A incógnita das eleições preocupa-me sobremaneira pela falta de imaginação que as pesquisas têm revelado. O horroroso Bolsonaro, com sua cruzada pela ignorância, ou Lula, com sua notória carreira montada sobre verborragia e lances de malandragem. Não posso de maneira alguma esquecer o que Lula representa. Hoje mesmo, ao abrir meu contracheque de janeiro de aposentado da Petros, estava lá um desconto de R$ 1.186,04, resultado dos prejuízos causados à Petros por aplicações feitas durante os governos petistas, em “coisas” como a 7 Brasil, que deveria construir sondas, e outras centenas de investimentos feitos sob inspiração política. Eu e meus colegas pensionistas da Petros, que durante nossas carreiras pagamos pelo plano de previdência, estamos agora financiando esses desmandos, que não envolvem somente investimentos mal feitos, mas também algumas doses de enriquecimento ilícito. Pior é que, além de não sabermos até quando durarão esses descontos, há a expectativa de novo prejuízo.

Nestor Rodrigues Pereira Filho

nestor.filho43@gmail.com

São Paulo

*

BALÃO DE ENSAIO

O anúncio do senador Randolfe Rodrigues, quanto à possível candidatura ao governo do Pará, não deve passar de balão de ensaio; não creio que vá abrir mão de mais quatro anos de Senado pelo incerto. Seria muito desprendimento, e na política é o que menos há.

Paulo Tarso J. Santos

ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

A HIPOCRISIA DOS CANDIDATOS

Nossos pretensos candidatos à Presidência enfatizam planos econômicos, ignorando uma necessária reforma administrativa para acabar com seus próprios  privilégios. Pudera, todos os ex-presidentes têm direito a 2 carros, com motorista e combustível, 8 servidores de livre escolha, além de pagamentos de viagens e diárias. Dilma Rousseff gastou R$ 488 mil em viagens, no período de dez meses em 2019. Lula da Silva, além desses benefícios, também recebe R$ 30 mil como ex-presidente, R$10 mil como anistiado político e R$ 22 mil de salário do PT; assim como Ciro Gomes recebe R$ 21 mil do PDT. Sérgio Moro também recebe seu salário partidário de R$ 22mil do Podemos, além da aposentadoria de juiz federal, em torno de R$ 33mil. Jair Bolsonaro aumentou o próprio salário de R$ 23 mil para R$ 32mil! João Dória, milionário, afirma doar seus salários. Essas são as despesas ocultas de um lar espoliado chamado Brasil. Nossos atuais e pretensos líderes têm um comportamento oportunista de manter falsas aparências, enquanto sorrateiramente consomem, em causa própria, o dinheiro farto e fácil do orçamento público. E não se vislumbra a intenção de acabar com esse descalabro. É a hipocrisia como bússola, sem exceção.

Honyldo Roberto Pereira Pinto

honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

ESCOLHA A DEDO

O presidente Jair Bolsonaro conseguiu se filiar ao PL após se mancomunar com o ex-presidiário e presidente do partido, Valdemar Costa Neto, e se desculpou quando, lá atrás, classificou-o como “corrupto”. Aliás, quase todos os filiados do partido respondem ou já responderam a investigações policiais. Conhecendo Bolsonaro, conclui-se que ele escolheu a dedo o partido do Centrão “pelo programa ideológico” apresentado. Tudo “óquei e daí”. Parabéns!

Júlio Roberto Ayres Brisola       

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ENGODOS DE LULA E BOLSONARO

Lula e Bolsonaro serão candidatos ao Planalto neste ano! Um horror! Engodo total! Diferenças entre os dois só no nome! Porém, num quesito são iguais: Lula em dois mandatos e Bolsonaro (pouco mais de três anos de gestão) promoveram um retrocesso econômico e social dos mais perversos da nossa história!  Também os dois afrontaram as nossas instituições, são idólatras de ditadores e de regimes totalitários.  São demagogos e populistas e também cometeram crimes. Lula, como chefe de quadrilha em megaevento de corrupção, desviou recursos das nossas estatais e quase quebrou a Petrobras. E Bolsonaro comete crime contra a humanidade pelo seu total desprezo à pandemia e em salvar vidas, contra o meio ambiente e de afronta as nossas instituições, etc. Também sem nenhuma cumplicidade com a ética, ajudou a acabar com a Lava Jato e protege sua família investigada por crime de rachadinhas. Outra diferença é que, pelos crimes cometidos, Lula foi preso, e Bolsonaro, infelizmente, ainda está solto. Ou seja, Lula e Bolsonaro nunca mais.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

CADÊ A TRANSPARÊNCIA?

É certo questionarem os ganhos de Sérgio Moro na iniciativa privada? Quem atuou para acabar com o Coaf? E, quando um advogado recebe para defender bandidos, de onde vem o dinheiro? Quem quer saber dos pagamentos recebidos por Moro não se interessa pela origem do dinheiro dos defensores de bandidos? Estranho isso. Para uns existe a obrigação de mostrar, para outros o direito de esconder. Cadê a transparência? Quando Márcio Thomaz Bastos recebeu R$ 15 milhões numa clara lavagem de dinheiro dos corruptos, todos se calaram. Pau que bate em Chico não bate em Francisco?

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

REFORMA TRIBUTÁRIA

O Brasil não precisa de uma reforma tributária. O Brasil precisa apenas acabar com os privilégios e tratar todos igualmente, como manda a Constituição.

  • Acabem com as isenções da Zona Franca de Manaus, onde só existe multinacional milionária, que só estão lá para não pagar imposto!
  • Acabem com todos os subsídios do setor agrícola, hoje o mais rico, o que mais cresce, não precisando mais de subsídios.
  • Acabem com “entidades sem fins lucrativos”, pois isto não existe. Qualquer negócio é montado com a intenção de lucrar ou no mínimo viver à custa dele!

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

NOVA POLÍTICA AMBIENTAL

Soluções simples podem ser aplicadas e ter efeitos impactantes! Luís Felipe D’Avila (Potência ambiental, A4, 26/1) com proposta simples quer colocar o Brasil no século 21! Além de créditos de carbono, empregos e geração de renda, podemos adicionar também melhoria climática e proteção aos mananciais. Água é tudo! Água é vida!

Maria Cecília Penteado Buschinelli Rino 

ceciliabhuschinelli@hotmail.com

Santos

*

RESOLVENDO A MATRIZ ENERGÉTICA SEM GERAR POLUIÇÃO

Querem ver como se resolve a matriz energética de forma barata, limpa, segura e sem precisar desenvolver nenhuma tecnologia nova? Ora, a energia nuclear é considerada “energia limpa” porque a geração de energia nuclear não libera gases de efeito estufa. Alguns acidentes no passado geraram uma má reputação para as usinas nucleares, mas as versões mais modernas são extremamente seguras. Mas o que fazer com o lixo nuclear? Que tal mandar para o espaço sideral fora do sistema solar numa SpaceX ou em veículos similares? Já não é caro e resolve perfeitamente a questão. Melhor do que usá-las para o turismo espacial inútil de alguns bilionários. 

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

ESTATAIS X SABEDORIA

Quando falamos de estatais, lembramos da Petrobras, Eletrobras, Correios, Banco do Brasil. Mas jamais lembramos da EPL (Empresa de Planejamento e Logística), criada para desenvolver o trem-bala e a Valec (estatal ferroviária), que o próprio Guedes (vulgo posto Ipiranga) já declarou que é um centro de corrupção e que deveria ser fechada. Ok, em pleno 2022, ano de eleição, EPL e Valec estão em alta, com orçamento garantido para eleger Bolsonaro ou Lula, pois ambos são farinha do mesmo saco e desejam o seu voto, para manterem tais estatais em funcionamento e assim continuar nos roubando. Vote Lula ou Bolsonaro e garanta a corrupção nas estatais. Ou vote em qualquer outro candidato, para dar uma chance para o nosso país sair do buraco. Enfim, se desejamos um país melhor, vamos eleger pessoas novas e dignas para a Presidência e para o Congresso. Pessoas competentes e não porque é um bom jogador de futebol, um cantor ou ganhador do BBB e muito menos um bom palhaço, que nada faz no Congresso, mas ri da nossa ignorância como eleitor. Certo ou errado? Preciso desenhar?

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

O BRASIL NÃO VAI FICAR RICO NUNCA

O Brasil não vai ficar rico com a mineração tosca praticada ilegalmente na Amazônia. O dinheiro sujo não tem origem, não entra na economia formal, não paga impostos, não pode nem ser depositado nos bancos, o dinheiro da mineração ilegal será todo usado no submundo das drogas, prostituição, etc. O Brasil não ficou rico destruindo a maravilhosa Baía da Guanabara, que poderia ser um dos lugares mais incríveis do mundo e hoje é uma enorme vergonha irrecuperável para o País. O Brasil não ficou rico destruindo seus principais rios, ninguém ganhou nada com a destruição dos Rios Tietê e Pinheiros, muito pelo contrário, a cidade de São Paulo perdeu sua razão de ser ao destruir o Rio Tietê, afinal, a cidade foi fundada às margens dele. O Brasil segue repetindo os mesmos erros de sempre, está destruindo o maravilhoso Rio Tapajós, que tem a melhor água de toda a Amazônia, tem uma enorme vocação para o turismo, estão envenenando a água, os peixes e as populações ribeirinhas, basicamente para pagar as drogas e as prostitutas dos mineradores ilegais. O pior é que a mineração ilegal é enfaticamente estimulada pelo presidente Bolsonaro, que desmontou todas as instituições que tentavam conter essa atividade ilícita, acabou com as multas ambientais e as apreensões de equipamentos. Além de estimular o desmatamento, Bolsonaro é o maior responsável pela destruição do melhor rio da Amazônia, é inacreditável que ele continue na Presidência da República, o Brasil precisa criar vergonha na cara.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.