Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2022 | 03h00

 Judiciário

Desrespeito ao STF

O presidente Jair Bolsonaro segue os passos de Lula. Depois de ignorar a ordem para depor do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, desrespeitando a Justiça, o presidente criou uma situação na qual poderá ser submetido ao constrangimento de receber uma merecida ordem de condução coercitiva. Bolsonaro se sustenta no cargo graças à incansável capacidade de prevaricação do procurador-geral da República e ao desinteresse do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, que não quer matar a galinha dos ovos de ouro: nunca se desviou tanto dinheiro público quanto na gestão Bolsonaro. É melhor o Brasil já ir se acostumando ao constrangimento de ter novamente um presidente da República atrás das grades.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Buscando os holofotes

Na minha opinião, não só o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, como grande parte dos políticos e da imprensa são muito ingênuos dando ênfase ao não comparecimento do presidente Jair Bolsonaro para depor, até porque, diante da impopularidade do presidente, tudo o que ele mais deseja é estar sob os holofotes. Simples assim.

Virgilio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

Acima da lei

Não sei por que a família Bolsonaro me lembra aquela do Papa Doc, Baby Doc, do Haiti. Gente cafona que confunde o público com o privado e se acha acima da lei. Seus integrantes estão momentaneamente no poder, pelo voto, mas terão de prestar contas cedo ou tarde.

Elisabeth Migliavacca

Barueri

PT

Impunidade

A Justiça elimina acusações e penas a cumprir de Lula com a prescrição, porque ele está “velhinho”. Agora, para tentar voltar à Presidência da República, está apto e com toda saúde para retomar os malfeitos e ainda para se proclamar inocente.

Luiz Frid fridluiz@gmail.coml

São Paulo

*

Difícil punição

No Brasil, não há como punir os poderosos, tantas artimanhas e recursos que as ações caducam, parece tudo feito por encomenda. Os envolvidos ficam apenas com caras de inocentes, mas nunca vão conseguir apagar, definitivamente, a mancha.

Paulo Tarso J. Santos ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

Lula e Bolsonaro

Um tem seus processos extintos, frise-se por decurso de prazo, motivado esse decurso de prazo por firulas jurídicas, e outro descumpre ordem judicial da mais alta Corte. Que outro nome se pode dar a esses fatos, senão anomia? E se os mais de 200 milhões de brasileiros se acharem no direito de não mais cumprirem as leis?

Carlos Ayrton Biasetto carlos.biasetto@gmail.com

São Paulo

*

Eleições

Construir pontes ou poços?

O PT defende a construção de pontes com adversários em prol do Brasil, querendo demonstrar que o “nós contra eles” ou “coxinhas versus mortadelas” são coisas do passado. O que importa agora é atrair Geraldo Alckmin. A “ponte para o futuro” do governo Temer foi detonada pelos aloprados e, principalmente, por Lula, que se referiu ao programa do MDB como ponte para o abismo. Em vez de pontes, viadutos e túneis, o futuro do Brasil com Lula ou Bolsonaro é continuar a cavar o poço da discórdia.

Jose Alcides Muller josealcidesmuller@hotmail.com

São Paulo

*

Abertura geral de sigilo

Já que, por pressão das candidaturas que pretendem disputar a eleição presidencial de 2022 por meio de uma polarização, o candidato mais viável da terceira via, Sérgio Moro, teve de abrir seu sigilo fiscal em relação ao seu contrato com a Alvarez & Marsal, no qual ganhou R$ 3,6 milhões no período de um ano, que tal o ex-presidente Lula tornar público quanto recebeu de comissão das empreiteiras para as quais abriu os cofres públicos da Nação? E ainda, o presidente Bolsonaro revelar quanto abiscoitou nas rachadinhas que promovia com os funcionários de seus gabinetes, nos sete mandatos de deputado federal, durante sua vida parlamentar?

Abel Pires Rodrigues abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

________________________________________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

NÃO É NENHUMA NOVIDADE

Todos os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) fizeram a lição de casa e apresentaram ao departamento médico daquele órgão o ciclo vacinal completo contra a covid-19, com as três doses. Todavia, três deles ainda se furtam em cumprir essa obrigação moral e respeitosa para com seus pares. Na verdade, esses “embromadores” nada mais são do que os ministros Kassio Nunes Marques, André Mendonça e Dias Toffoli, conhecidos como bolsonaristas de “carteirinha”. Portanto, não é nenhuma novidade!

Júlio Roberto Ayres Brisola       

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MENSAGENS EM MASSA

As mensagens em massa, principalmente as fake news – o bolsonarismo tem inclusive um gabinete, chamado do ódio, para produzi-las –, precisam ser combatidas, e a união entre WhatsApp e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode barrar as tentativas de seu uso, principalmente nas eleições.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

CAMINHO DE UM BECO SEM SAÍDA

Na era da informação, um dos maiores problemas é a desinformação. Existem várias estratégias para combater as notícias falsas. A melhor delas é um jornalismo de alta qualidade que goze da confiança pública. A pior delas é a censura  (especialmente a realizada pela Justiça). Onde a imprensa cumpre com sua função, a vitória do verdadeiro está garantida. Onde se transformou num veículo de propaganda de interesses muitas vezes escusos, a mídia é a maior fonte de notícias falsas. As empresas de tecnologia que operam como plataformas de mídias sociais têm se apresentado ao público como a grande solução: desenvolveram ferramentas que identificam notícias falsas e prejudicam de todas as formas as operações dos que as veiculam. Só que, para não ficarem com a responsabilidade de estar impondo a versão da realidade que mais lhe interessa, contrataram institutos que checam a veracidade do que está sendo veiculado – legitimando ou deslegitimando o seu conteúdo. Ocorre que estes institutos muitas vezes são prioritariamente orientados pelos interesses das empresas que os contrataram para poder posar como isentas. Abundam os exemplos disso. A Ciência moderna criou um interessante mecanismo de debate e de confronto de ideias que permite, dentro do contraditório que há, inclusive, a constante revisão dos conceitos à luz dos fatos. O ferramental dela seria uma excelente alternativa para ser usada como método de validação da verdade. Só que, para se contrapor a isso, os senhores das mídias sociais criaram um interessante mecanismo de manipulação e cerceamento de ideias e de quem as apregoa, que impede que fatos venham à tona sempre que não interessam, e impõem suas narrativas sustentadas por realidades virtuais que são vendidas como inquestionáveis palavras da Ciência e da Ética. É a era do metauniverso. O beco sem saída a que isto vai nos levar é óbvio.

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

MORO E O PACOTE ANTICRIME

Conhecendo por dentro os problemas do nosso Judiciário, que é sabidamente um dos mais caro do mundo, o ex-juiz e pré-candidato à Presidência Sérgio Moro pretende retomar pontos importantes do pacote anticrime rejeitado no Congresso na proposta de reforma do sistema Judiciário, como o instituto do plea bargain, largamente adotado em países adiantados, que reduz drasticamente os custos, mas que é combatido ardorosamente pelos nossos criminalistas, que também não gostam nada de execução de pena em segunda instância; sem contar o enxugamento do sistema processual e seu festival de recursos protelatórios para todos os gostos. Sem dúvida esse é o caminho. A educação, a saúde e os programas sociais carecem muito dos recursos aí esbanjados!  

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

*

GOVERNO DA MENTIRA

O que esperar de um governo em que tudo o que diz o presidente da República, o ministro da Saúde e o ministro da Educação é mentira, falsidade e maldade? O presidente é um charlatão, o ministro da Saúde é um curandeiro e o da Educação odeia a instrução e a cultura livre e democrática. 

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

CHEGA DE IGNORANTES NO PODER

O Brasil não pode esperar nada das eleições, os candidatos são um bando de ignorantes despreparados que vão atender aos interesses dos partidos políticos que os colocaram no poder. Quanto tempo mais o Brasil pretende perder com elementos como Lula e Bolsonaro mandando no País, quantas décadas serão necessárias para que se imponham critérios qualitativos para os postulantes a cargos públicos?

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

VOLTA ÀS AULAS OU NÃO?

Os professores estão receosos em voltar para as escolas e dar aulas presenciais. A Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) pretende enviar um ofício ao governo estadual pedindo o adiamento do retorno. Enquanto isso, professores e alunos continuam indo aos supermercados, farmácias, postos de gasolina, etc. Tais estabelecimentos comerciais não fecharam e seus funcionários continuam trabalhando, seguindo os protocolos: uso de máscaras e álcool em gel. Alunos e professores estão viajando, frequentando praias e piscinas nos condomínios, salões de beleza, academias, bares e restaurantes, estádios, festas e corridas de rua, mas para eles salas de aula são um “verdadeiro perigo”. O.k., sou plenamente a favor do adiamento do retorno das aulas presenciais, desde que os salários dos professores sejam reduzidos, pois estão economizando com transporte, vestuário, alimentação... Fala sério, como vamos deixar de ser uma republiqueta de bananas enquanto professores e alunos incorporam os papéis de Macunaíma, Zé Carioca, Gerson? Enquanto alguns brasileiros levam vantagens, empurram com a barriga e mamam nas tetas do poder público, a maioria  continua trabalhando, suando e pagando seus impostos em dia. Até quando vamos deixar essa minoria destruir os nossos sonhos? Acorda gigante. 

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

REAJUSTE DOS PROFESSORES

O presidente da República, Jair Bolsonaro, vai aumentar o piso salarial dos professores em 33%. As escolas particulares repassarão este aumento para as mensalidades dos seus alunos. Os pais dos alunos, que estão empregados, não terão esse reajuste em seus salários. A inflação está causando um aumento frequente nos preços dos alimentos, aluguéis, medicamentos, entre outros itens. As escolas públicas precisarão de mais dinheiro dos impostos municipais, estaduais e federais. Portanto, a conta não fecha, o que não é problema para um político populista. R$ 5 bilhões, aproximadamente, serão liberados para os políticos fazerem as suas campanhas eleitorais, num país que precisa de educação e mais investimentos em ciência e saúde, diante das 625 mil mortes por covid-19.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

BRASIL, PAÍS DO ETERNO ATRASO

Eu atualmente tenho 66 anos, sou um velho e vivi os anos 60 na condição de criança e pré-adolescente e me lembro bem daquela época. Politicamente sou de centro e não pactuo com a visão histérica da esquerda sobre aqueles tempos. Sim, existia ditadura militar fruto de uma ruptura institucional ocorrida por conta e por responsabilidade de um grupelho que queria instalar uma ditadura cubana socialista no Brasil. O governo era autoritário, ocorreram tortura e perseguição política, agora, quem não se metia em política ficava sossegado no seu canto. O Estado não te incomodava. Naquele tempo as pessoas viviam com pouco, com muito pouco. Ter uma televisão era um luxo, ter um carro era coisa de família rica, entretanto, as pessoas conseguiam economizar, o acesso à casa própria era mais fácil, e com dois salários mínimos era possível sustentar uma família. A vida era mais simples, mas havia uma educação pública de razoável qualidade, colégios particulares e universidades não custavam fortunas e a vida no geral era muito mais fácil. Ir ao cinema, coisa barata! Passados mais de 50 anos a renda do brasileiro caiu horrores, em mais de 40 anos a população teve um aumento de renda de pouco mais de cinco pontos porcentuais. O custo de vida aumentou mais de 1.000% desde aquela época. Hoje em dia nem com dez salários mínimos alguém consegue sustentar uma família de três pessoas com dignidade. O custo da educação privada tornou-se proibitivo. A democracia que aí está, em mais de 40 anos nada fez pelo País ou pela população, que viu seu patamar de vida piorar em níveis estratosféricos. Nossas grandes cidades estão caindo aos pedaços, sem saneamento, sem água limpa, com péssimo modal de transportes e péssima infraestrutura urbana. A empregabilidade, como a renda das pessoas em termos de custo da vida atual, é mais de 20 vezes inferior à renda média dos anos 60. O País empobreceu a níveis calamitosos, não tendo sido construído na realidade brasileira qualquer instrumental que possibilite a ascensão social das pessoas, que só empobrecem ano a ano. Então fica a pergunta: que tempo de trevas são estes?  Os ditos anos 60,  tão demonizados pela esquerda, comparando aquela época com o terrível e degradado tempo presente, onde nada anda e simplesmente onde nada progride para lugar algum, eram tempos infinitamente melhores em nível social! Tempos infernais estes que estamos vivendo, e pior, a esquerda ficou 13 anos no poder sem melhorar uma vírgula da realidade brasileira. O PT não fez uma mudança institucional no País, ao contrário, aprofundou ainda mais as mazelas brasileiras com um mero e ignóbil populismo estatal, mazelas estas que foram dimensionadas ao infinito por este terrível, obtuso e incompetente governo Bolsonaro. 


Paulo Roberto da Silva Alves

pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

AS FINALIDADES DOS PETISTAS

Os petistas quando se filiam ao PT não é para defenderem os interesses do Brasil, é para arrumarem um cargo, roubarem e ficarem ricos.

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

CLUBE DOS RICOS

Celso Amorim, aquele petista famoso por instaurar e incentivar a famigerada política Sul-Sul do governo Lula, reagiu com ressalvas ao convite formal da OCDE para o ingresso do Brasil. Para Amorim, o Brasil não seria muito beneficiado ao ingressar no  clube das 38 maiores economias mundiais e o caso precisa ser analisado com cautela. Apostar no quanto pior, melhor é típico do PT enquanto oposição.

J. A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

TRANSAÇÕES CORRENTES

Se o Brasil teve um superávit de ingresso de capital externo de US$ 46 bilhões e um superávit da balança comercial de US$ 61 bilhões, só existe uma explicação para o déficit de US$ 28 bilhões em transações correntes: os exportadores brasileiros estão deixando seus recursos guardados lá fora, o que contribui para a elevação do valor do dólar.

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

ECONOMIA ATIVA E SUPERAVITÁRIA NÃO INDICA CRISE

O intolerável embate político-ideológico, que mira única

e exclusivamente as eleições vindouras, desfila figuras bastante conhecidas – algumas que já ocuparam destacadas posições de governo – afirmando que o País se encontra em grave crise. Mas, ao mesmo tempo, vêm as notícias de que a receita tributária de 2021 foi de R$ 1,8 trilhão, isto é, um aumento de 17,3% em relação a 2020, e a balança comercial brasileira fechou 2021 com sobra de US$ 61 bilhões. Exportamos US$ 284,394 bilhões e importamos US$ 219,396 bilhões. Prova de que, apesar das dificuldades impostas pela pandemia e administração temerária que levou às quarentenas, lockdowns e paralisação de atividades econômicas, a economia nacional,  graças ao comprometimento de nossos empreendedores, continua funcionando e não se apresenta combalida, como afirmam os falsos profetas do apocalipse econômico. Um país superavitário, com lançamentos no mercado imobiliário e até o preço do carro seminovo mais alto do que o novo pela escassez deste, não está tão ruim como dizem alguns. Há muita coisa a consertar para que o bom desempenho econômico não beneficie apenas as elites e também chegue às camadas populares. Oxalá surjam candidatos com essa visão e eles sejam capazes de transmiti-la ao eleitorado e disso tirar proveito. Precisamos mudar, mas não estamos quebrados.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

AGIOTAGEM

Em meio ao ciclo de alta acelerada da taxa Selic, hoje em 9,25% ao ano, o juro médio cobrado pelos bancos no rotativo do cartão de crédito está em exorbitantes 349,6% (!) ao ano e 168,5% (!) a.a. no parcelado. Os números de três dígitos comprovam que o País é o paraíso da agiotagem oficial, que segue se esbaldando e tirando o couro fino e desgastado da população mais vulnerável. Até quando? Pobre Brasil.

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.