Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2022 | 03h00

Violência doméstica

Reeducação

Congratulo-me com o Estadão e com o repórter Gonçalo Junior pela oportuna matéria País tem 312 grupos de reeducação de autores de violência doméstica (14/2, A18). Tenho atuado no campo de violência contra a mulher e organizei um seminário e uma publicação, que pode ser distribuída gratuitamente, com depoimentos importantes de pesquisadores que atuam como organizadores e facilitadores dos grupos reflexivos.

Eva Alterman Blay, professora emérita da USP

eblay@usp.br

São Paulo

*

Semana de Arte Moderna

100 anos

Gostei muito da reportagem de Ubiratan Brasil sobre a Semana de Arte Moderna de 1922 (Estado, 11/2, D2) e de saber que a crítica de Monteiro Lobato foi publicada no jornal Estado em 1917. Por uma coincidência, no mesmo dia recebi o disco, comprado de um colecionador de Porto Alegre, que estava procurando havia muito tempo, de músicas de Francisco Cimino, que foi amigo de Villa-Lobos e com ele introduziu o canto orfeônico no Colégio Caetano de Campos, de São Paulo.

Maria Gilka

mariagilka@mariagilka.com.br

São Paulo

*

Efemérides de 2022

Parece um contrassenso levantar esta questão em plena comemoração dos 100 anos da Semana de Arte Moderna, mas e os 200 anos da proclamação da Independência? Enquanto o Abaporu, de Tarsila do Amaral, é apresentado com certa frequência na mídia, não se fala nem se escreve nada sobre O grito do Ipiranga. É muito provável que neste ano o 7 de Setembro seja ignorado, por causa da intensa campanha eleitoral.

Guenji Yamazoe

guenji@yamazoe.com.br

São Paulo

*

Indústria

Reindustrialização

Sobre o artigo O apodrecimento da indústria, de Luís Eduardo Assis (14/2, B2), no meu entender, o chamado “apodrecimento da indústria” decorre da persistência de um modelo obsoleto de subsídios, protecionismo e exigência de conteúdo nacional. A indústria brasileira, com raras e honrosas exceções, não almeja o mercado externo, mas os consumidores internos cativos, que pagam relativamente mais caro pelo que compram. Nesse sentido, há controvérsias sobre se o total de exportações da indústria seria um bom termômetro da saúde deste setor econômico. Também deve ser visto com reservas o apelo para a chamada “recuperação” da indústria, pois pode dar margem ao entendimento de que é um mero clamor por uma ação governamental, custosa para os contribuintes, que leve a um crescimento artificial da indústria no âmbito deste modelo obsoleto. Não seria melhor utilizar o termo reindustrialização, projetada para ser feita de forma coerente e levando em conta as limitações do País, o benefício aos seus consumidores internos e contribuintes, e atendendo aos anseios do Brasil em relação ao lugar de destaque que pretende ocupar no mundo?

Fernando T. H. F. Machado

fthfmachado@hotmail.com

São Paulo

*

STF

Suspeição negada

Se havia dúvida de que neste país sobram leis e falta decência, essa triste situação acaba de ser comprovada, mais uma vez: o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça, indicado ao cargo por Jair Bolsonaro, réu de um processo que foi sorteado para relatar, respondeu assim à petição do senador Randolfe Rodrigues para que se declarasse suspeito: tal solicitação deve ser feita pelo presidente do STF. É como se um aluno só pudesse ter sua prova revista se o pedido partisse do diretor da escola. Não teve a altivez de aproveitar o momento e se declarar, sim, suspeito de participar do julgamento de seu amigo e ex-chefe. Aguardemos lances desanimadores de protelações, criação de dificuldades e pareceres esdrúxulos.

Guillermo Romera

guillermo.romera@gmail.com

São Paulo

*

Descrédito

Depois que o ministro Gilmar Mendes, por ser padrinho de casamento da filha do empresário Jacob Barata Filho com um sobrinho da sua esposa, não se declarou suspeito para julgar, em decisão monocrática, um habeas corpus para o referido empresário, absolutamente nada é suspeição para um magistrado do STF não julgar alguma causa. E ainda temos de escutar de um antigo ministro que “processo não tem capa, só conteúdo”.

Vital Romaneli Penha

vitalromaneli@gmail.com

Jacareí

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

NÃO FOI ERRO, FOI CRIME

Em entrevista, o senador Flávio Bolsonaro disse que a questão da vacina gerou um desgaste para o presidente, mas que não foi um erro político ele não se vacinar e questionar a eficácia dos imunizantes. Mas claro que não foi erro político, senador, foi crime de lesa-humanidade, mesmo! Aliás, tal pai, tal filho, não é como dizem? Unidos nos negacionismos, nas rachadinhas e nos discursos que minimizam as imensas responsabilidades a que, mais cedo ou mais tarde, vocês dois, e alguns mais, terão de responder.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CHAMBERLAIN DO SÉCULO 21

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin, tal qual o ingênuo Neville Chamberlain, que acreditou num acordo com Hitler para evitar a 2ª Guerra Mundial, pensa que, aliando-se a Lula, vai poder controlar o nosso “führer” e palpitar num governo dele. As tropas nazicomunopetistas estão prontas para tomar o País e aparelhá-lo definitivamente de norte a sul, aí sim, perpetuando-se no Poder. Acorda Brasil!

José Claudio Marmo Rizzo

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

CHAPA LULA-ALCKMIN

Será que Geraldo Alckmin está sendo tão ingênuo em relação ao convite de Lula/PT? A única intenção do PT é tirá-lo da candidatura ao governo de São Paulo, haja vista que muito provavelmente seria novamente eleito para o cargo. A grande chance do PT em ganhar a eleição para o governo estadual de São Paulo é agora, sem a presença do ex-governador no páreo. Acorda Alckmin!

Marcelo Gogelis

celopaiva@bol.com.br

*

O MAL QUE LULA FAZ

Lula e o PT são o que sempre foram: um lixo político, o símbolo da corrupção e uma lástima para o País.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

ESTADO INCHADO

O Estado forte do PT tão propalado por Lula da Silva é na verdade um Estado aparelhado e submisso e que foge completamente de sua definição jurídica, ou seja, “o povo politicamente organizado”. O editorial O mal que Lula faz ao Estado (A3, 13/2) tem de ser divulgado aos quatro ventos para abrir a mente do eleitor.

J. A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PEDIR HONESTIDADE A LULA?!?

É um erro pedir para alguém contar até 5, se esse alguém só sabe contar até 3. O erro é de quem pediu, não de quem não soube contar. A mesma coisa acontece com Lula, é um erro pedir que ele seja honesto!

Eugênio José Alati 

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

OPÇÕES PARA BOLSONARO

Bolsonaro não tem pressa nem esquenta os neurônios (vá lá, vá lá) para escolher o nome do seu novo e aguerrido vice-presidente para disputar o pleito de outubro. O estrategista Bolsonaro sabe que o apressado come cru. Bolsonaro dispõe de um oceano de nomes respeitados e qualificados para escolher e anunciar à nação. Começando pelos prendados filhos. Poços de virtudes. Enchem o pai de alegrias. Ficariam belos e fofos com a vistosa faixa de vice. Outro nome que o presidente guarda no coração é o da ex-mulher, Ana Cristina. Cantada e decantada pela imprensa, como a “Rainha das Rachadinhas”. Se escolhida, pedirá do senador Davi Alcolumbre, outro craque no ramo, a máxima “eu te ajudo e você me ajuda”, para slogan da campanha. Bolsonaro conta com ela na tarefa de construção de um Brasil justo e humano. Outro nome forte da lista de Bolsonaro é Fabrício Queirós. O capitão reformado fica emocionado só de ouvir o nome do ex-colega de farda. Para evitar queixas da classe política, Bolsonaro não esconde o entusiasmo pelo senador Luiz Carlos Heinze. O enfadonho e prolixo gaúcho promete divulgar pelo País as maravilhas nunca comprovadas pela ciência do uso da cloroquina. Garante que ganhará pelo menos uma adesão, a dele próprio. 

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com 

Brasília

*

ERA UMA VEZ...

Era uma vez um presidente chamado Jair Bolsonaro que jurou dar aumento salarial aos integrantes da Polícia Federal, especialmente, porque o protegiam e, também, à sua famiglia dos ilícitos que estão acostumados a praticar. Insatisfeitos, os demais funcionários públicos federais exigiram também a mesma benesse, até aqueles que já ganham mais de R$ 30 mil por mês. O imbróglio criado por Bolsonaro o colocou “no mato sem cachorro”, pois, se voltar atrás, será considerado um traidor; se der aumento geral e irrestrito, vai quebrar o País. Moral da história: “Quem pariu Mateus que o embale”, como já dizia aquela senhorinha de Taubaté. Fica a dica!

Júlio Roberto Ayres Brisola       

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DEMOCRACIA EM PERIGO

O renomado e respeitado instituto de pesquisas inglês Economist Intelligence Unit (EIU), ligado à icônica revista The Economist, compila anualmente, desde 2006, um “índice de democracia” para mais de 60 países, divididos em quatro categorias: democracias plenas; democracias defeituosas; regimes híbridos; e ditaduras. No mais recente levantamento, o Brasil ocupa a vexatória 49ª posição, um pouco acima da Índia e pouco abaixo da África do Sul. Nestes tempos estranhos e perigosos em que a democracia vem sendo atacada mundo afora, Brasil incluso sob o autoritário e liberticida desgoverno bolsonarista, cabe à sociedade e à imprensa manter diuturna vigilância para impedir a volta da ditadura. Diante da péssima colocação do Brasil no ranking democrático mundial, cabe citar o que bem disse o ministro Edson Fachin, às vésperas de assumir a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE): “A democracia somente tem um seguro: a própria democracia”. Cuidado, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

DOIS REGIMES

Nas culturas e mídias mundo afora se constata o repúdio aos crimes cometidos pelo nazismo, sendo os seus atuais simpatizantes ferozmente combatidos e acusados de delitos capazes de lhes renderem prisões, o que é absolutamente justificável. O comunismo, no entanto, é interpretado nos mesmos canais de modo mais suave, como se seus crimes não fossem comparáveis aos do nazismo. A verdade é que os regimes totalitários de esquerda foram também responsáveis por crueldades e por um número talvez maior de execuções. Os gladiadores e intelectuais de esquerda, apesar de reconhecerem a prática de métodos semelhantes nos dois regimes, afirmam, no entanto, que o dos seus sonhos, marcado por suposta inevitabilidade, é capaz de promover o progresso e bem-estar do povo onde é implantado e que os excessos temporários constituem meios e não fins. Argumentação enganosa, pois a Rússia encerrou o domínio de Estado desde 1989 e não há um país onde ele vigora atualmente que mantenha seu povo satisfeito, feliz e beneficiado pelo progresso.

Paulo Roberto Gotaç

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

UCRÂNIA NA CABEÇA DO MUNDO

Estados Unidos, Rússia e União Europeia só tem Ucrânia na cabeça, desde o fim da União Soviética. E não é só uma piada de trocadilho entre crânio e Ucrânia. Falta bom senso das nações líderes do mundo, que podem perder a cabeça por uma disputa geopolítica no centro da Europa. A humanidade ainda é tribal e cada uma protege seu território, como animais de sangue quente ou frio. Os mais perigosos são os inseguros em relação a sua segurança territorial e suas riquezas naturais e estratégicas. Ucrânia e sua história explicam tanta cabeça quente lutando por controlar seu território, pouco ligando ao que pensam e desejam os ucranianos, que só querem viver em paz no seu lindo país.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PANDEMIA: CANSAÇO

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom, disse que “estamos cansados. Precisamos terminar a pandemia”. Todos estão cansados. Mas por que ainda não se descobriu a origem desse vírus? Onde começou? Dizem que o epicentro da covid foi na cidade de Wuhan, na China. A OMS enviou uma equipe, quase um ano e meio depois, para averiguar isso. Um ano e meio depois? Não é atitude de quem quer respostas. Alguns afirmam que foi lá. Mas a verdade é que até agora só se fala em vacinas. Não há outros fármacos? Ou há e deliberadamente os laboratórios os escondem ou não divulgam, por questões econômicas? O que há por trás disso? Fala-se agora em 4ª dose. Sugiro uma caderneta com marcação de até 10 doses. Quem tomar todas as doses, encher a caderneta, ganha um prêmio. Que tal? Fazem-nos de joguete. Em quem acreditar? 

Panayotis Poulis

ppoulis46@gmail.com

Rio de Janeiro

*

AS RUAS CHACOALHANTES DE SÃO PAULO

A Prefeitura de São Paulo é responsável pelas ruas. E também pelos “restos” de obras defeituosas da Sabesp e da Comgás, após aberturas.

A Prefeitura não tem mais os engenheiros e fiscais adequados. Cobra por IPTU e obras, mas mostra-se incompetente e culpada.

E a Câmara de Vereadores? Sua obrigação é fiscalizar a Prefeitura, mas não o faz.

Deve-se notificar a ambas, lembrando as suas obrigações.

Pedro Sérgio Sassioto 

pssassioto@uol.com.br

São Paulo

*

IPTU – MERCENÁRIOS

O prefeito Ricardo Nunes e seus vereadores deram mais um golpe maquiavélico nos pagadores do IPTU. Agora, em 2022, o meu carnê veio com reajuste de 38% no valor venal e sei de pessoas que o aumento foi de 60% e até de 80%. A maioria das pessoas não percebe o golpe, pois existe uma “trava” que reajusta o imposto em 10% ao ano até 2024. Então, em 2025 o imposto volta a ser calculado em cima do valor venal que estará supervalorizado, e o IPTU ficará mais injusto, levando medo e depressão aos contribuintes, principalmente os aposentados e pensionistas. Estamos à mercê de verdadeiros mercenários. 

José Carlos Costa 

policaio@gmail.com 

São Paulo

*

MUNDIAL DE CLUBES

Thiago Silva põe a mão propositadamente na bola para tirá-la da cabeça de Gustavo Gomes. É marcado pênalti, mas ele não recebe cartão amarelo. A bola bate na mão de Luan, é marcado pênalti e ele toma cartão amarelo. O autor do segundo gol do Chelsea tira a camisa para comemorar e não recebe cartão amarelo. Como é isso? A regra só vale para times não europeus?

Arnaldo Pinto Lopes Filho 

aplopesfilho@gmail.com

São Paulo

*

CONFUSÃO NA RUA PALESTRA ITÁLIA

Gostaria de testemunhar a origem do tumulto registrado ao final do jogo do Palmeiras na final do Mundial de Clubes, sábado passado.

A Polícia Militar de São Paulo, por default, já age de forma ostensiva ao bloquear os acessos ao estádio Allianz Parque, ao clube social Palmeiras e ruas dos arredores nos dias de jogos.

Neste sábado, não havia jogo no estádio e as pessoas queriam simplesmente ter acesso aos bares da região e ao clube para assistir ao jogo. Esse acesso deveria ser livre, como manda nossa Constituição.

Por incrível que pareça, o mesmo bloqueio ao acesso às ruas permaneceu instalado ao término do jogo, sem motivo justificável.

Centenas de torcedores, incluindo famílias e crianças, caminhavam em paz para ir embora para suas residências quando se depararam com as saídas bloqueadas. Ante a passividade dos policiais que nada fizeram para liberar as saídas, alguns torcedores mais exaltados derrubaram as grades de proteção, para liberar as pessoas.

A Polícia Militar, alegando que estava “acuada”, utilizou de forma ostensiva sua cavalaria sobre os torcedores, desferiu balas de borracha e bombas de gás sem nenhum critério.

Um verdadeiro absurdo, que poderia provocar uma tragédia de maiores proporções que deveria ser evitada, se houvesse um mínimo de critério do comandante da tropa, uma vez que são pagos para proteger a população e não agredi-la.

Claudio Ferro

cferro14@gmail.com

São Paulo

*











 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.