Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2022 | 03h00

Invasão da Ucrânia

O que preocupa Bolsonaro

Quanto mais lemos o noticiário, mais temos a visão clara de que o presidente da República não tem sensibilidade alguma nem reconhece os fatos à sua volta. O mínimo que Jair Bolsonaro deveria fazer agora era pronunciar-se contra os absurdos ataques à Ucrânia pelo insano, cruel e vingativo presidente russo. Mas ele se preocupa com coisas “importantes” como uma motociata ou com suas “inadiáveis” férias, enquanto Bahia e Minas Gerais estavam sofrendo com a forte chuva e alagamentos. Pior: ele não se importa com as mais de 600 mil pessoas que perderam a vida pela covid-19 durante seu governo. Imaginem se ele fosse gerente ou diretor de uma empresa privada, quanto tempo isso duraria ou quantos seriam os funcionários insatisfeitos? Ao não se pronunciar com firmeza sobre o conflito na Ucrânia, Bolsonaro não pensou nem numa situação hipotética: e se o Brasil estivesse no lugar da Ucrânia e fizesse fronteira com a Rússia?

Roberto Hiroyuki Ito

robertohiroyuki@yahoo.com.br

Embu das Artes

*

Poder e diversão

Enquanto o mundo pega fogo com a agressão russa à Ucrânia, o presidente de umas das maiores nações do planeta e pertencente ao Brics faz alegremente motociata no interior de São Paulo. Poder, diversão e nada de trabalho!

Cesar Araujo

cesar.40.araujo@gmail.com

Ribeirão Preto

*

Precisamos respirar

Em pleno século 21, como se não bastasse a população mundial aterrorizada pelo inimigo invisível mortal coronavírus, é surpreendida pelo inimigo visível da guerra. A União Europeia necessita de pulso firme e ações concretas para que a insanidade de Vladimir Putin seja freada rapidamente. O coronavírus dizimou milhares de pessoas inocentes, morreram sem ar. Precisamos respirar, mas, acima de tudo, precisamos respirar o ar da paz.

Rosângela Lopes

rosanlopes47@gmail.com

Sorocaba

*

Código Eleitoral

O voto feminino

Comemoraram-se esta semana os 90 anos do voto feminino, trazido pelo Código Eleitoral de 24/2/1932, o mesmo diploma legal que criou a Justiça Eleitoral brasileira. Inicialmente facultativo, o voto da mulher passou a ser obrigatório como regra a partir do Código Eleitoral de 1945. Mas, se de um lado a cidadania das mulheres alcançou a plenitude do atributo jurídico-político de votar, de outro, o caminho do sufrágio para atingir o empoderamento feminino tem se mostrado longo e penoso. A médica Carlota Pereira de Queiroz, a única mulher eleita, no pleito de 3/5/1933, para a Assembleia Nacional Constituinte, e Maria Thereza Silveira de Barros Camargo e Maria Thereza Nogueira de Azevedo, ambas eleitas pelo Partido Constitucionalista, em 14/10/1934, para a Assembleia Constituinte de São Paulo, são exemplos pioneiros da participação feminina nos Parlamentos brasileiros, que nesta terceira década do século 20 não passa, na média, de 15% dos assentos disponíveis. A paridade entre homens e mulheres nas diversas instâncias de poder tornou-se uma trilha sem volta, que não comporta retrocessos, mas a implementação dessa regra de ouro depende da luta indormida das próprias mulheres. Apenas com a superação das assimetrias é que se terá uma plena democracia de gênero. Advirta-se, todavia, que o voto de gênero não deve ser exercido às cegas, sem maiores avaliações; ao contrário, deve passar pelos filtros da ética e da aptidão das candidatas que se apresentam para a disputa eleitoral.

José D’Amico Bauab, membro do Instituto Histórico e

Geográfico de São Paulo

josedb02@gmail.com

São Paulo

*

Sistema eleitoral

Sob ameaça

É muito preocupante que se tenha de fazer uma Defesa intransigente das eleições, como foi o conteúdo da fala dos presidentes do TSE, tanto do que saiu, Luís Roberto Barroso, quanto do que assume agora, Edson Fachin, devidamente relatado no editorial (24/2, A3). Isso mostra que o sistema eleitoral está sob ameaça, feita pelo despresidente da República e por seu núcleo de apoiadores, conturbação promovida desde antes de assumir o mandato, mais de três anos atrás. O direito à livre escolha é imperioso, até para os incompreensíveis eleitores que optarem pela reeleição do atual presidente.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

BRAVOS RUSSOS PROTESTAM EM MOSCOU

Ao contrário de totalitários covardes e fascistas como os presidentes do Brasil, Venezuela, Belarus e Xi Jinping, da China, que está na iminência de invadir Taiwan, um grande número de russos protestou em plena Moscou contra a brutal invasão de Vladimir Putin à República irmã da Ucrânia. Como Ivan, o Terrível, o czar Putin é capaz de todas as vilanias e crimes para impor sua volúpia de poder. Um homem que manda matar opositores usando um veneno como o novichok e polônio 210, é um genocida exterminador que precisa ser detido, julgado, condenado e executado por crimes contra a humanidade.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

UCRÂNIA E NÓS

A reação americana perante a invasão russa na Ucrânia parece ter efeitos devastadores na economia da Rússia. Tais resultados poderão ser sentidos nos próximos dias, mas os efeitos já começaram tanto nas bolsas de valores globais como no valor do dólar. Esperemos que nossas lideranças econômicas tenham capacidade de administrar nossa economia, para que não venhamos a sofrer mais efeitos danosos do que já estamos sentindo há algum tempo. 

José de Anchieta Nobre de Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

RESPONSABILIDADES

Este conflito na Ucrânia foi muito alimentado pela Otan e pelos Estados Unidos. Uma política burra de encurralar e cercar a Rússia com o aparato da Otan só podia dar do que deu! Claro que Putin ia reagir de alguma forma! Algo nada salutar para o mundo é os Estados Unidos acharem que podem invadir qualquer quintal com o auxílio dos seus lacaios da Europa, que só repetem como papagaios a cartilha de Washington! A própria Alemanha, outrora um país poderoso, é hoje politicamente um país servo dos interesses norte-americanos. E o Brasil deve se abster de dar qualquer pitaco nesta situação! A Rússia não é santa, mas a política global dos Estados Unidos é especialista em criar conflitos e busca sempre desestabilizar regiões por conta de escabrosos interesses de poder. 

Paulo Alves

pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SILÊNCIO QUE AFRONTA O PAÍS

É lamentável a flagrante falta de escrúpulos de Jair Bolsonaro! Seu silêncio sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia é devastador para a imagem do Brasil. O que confirma o que ocorreu nesta pandemia de covid-19 no País, pois ele não respeita a ciência, menos ainda salvar vidas. Bolsonaro é o pior presidente da história do Brasil, também é belicoso, idólatra de ditadores e torturadores, etc. Sem se ruborizar, em recente visita ao incendiário presidente da Rússia, Vladimir Putin, chamo-o de “amigo” e disse ser solidário à Rússia. Esse charlatão Bolsonaro, que sem comprovação cientifica é capaz de receitar cloroquina contra a covid-19, deve estar feliz, tal qual está o maluco do Putin, vendo 45 milhões de ucranianos desesperados e até sendo mortos pelo bombardeio insano das tropas russas. Evento esse que atropela a atividade econômica mundial, incluindo o Brasil. Essa atitude antidemocrática de Bolsonaro não surpreende, já que, em manifestação em Brasília, deu seu explícito apoio para suas milícias, que desejavam invadir o STF e o Congresso.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PT, BOLSONARO E PUTIN

Ao culpar os EUA pela invasão da Ucrânia e solidarizar-se com Putin, o PT de Lula demonstra que ainda é fã da distorção de fatos e da cegueira ideológica. Nada diferente de Bolsonaro, que foi lamber as botas do czar russo, em busca de popularidade e autoafirmação. Eleitores, aprendam: nem 8 nem 80. Bolsonaro e Lula são igualmente ruins e maléficos.

Sérgio Eckermann Passos

sepassos@yahoo.com.br

Porto Feliz

*

O VICE

Habemus vice-presidente! Meno male!

Elisabeth Migliavacca

Barueri

*

CONFLITOS

A exemplo da guerra declarada entre Rússia e Ucrânia, o cotidiano dos brasileiros também enfrenta temores, aflições e ameaças. Tragédias compõem o cenário do Brasil. Diferença entre Rússia e Ucrânia apenas no armamento bélico. Aqui Bolsonaro e sabujos invadem diariamente as vidas dos cidadãos. Insistem em agredir os sentimentos, esperanças e almas do povo. Putin lança mísseis e bombas em Kiev. No Brasil, o negacionista Bolsonaro lança bombas e torpedos contra a importância da vacina. Em outubro, os brasileiros disporão de arma poderosa para exterminar os avanços de Bolsonaro contra a democracia: o voto.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CHINA E TAIWAN

A China está sobrevoando a ilha “livre” de Taiwan, com a clara intenção de tomá-la de volta e acabar com a democracia lá. O que mostra a total amoralidade e falta de humanismo, afinal eles sabem que os Estados Unidos e a Europa estão tentando resolver o conflito na Ucrânia. Espero sinceramente que a China não tenha essa atitude de atacar agora a Ilha de Taiwan. Se isso acontecer, todos os países e povos civilizados devem isolar a China.

Roberto Moreira da Silva

rrobertomsilva@gmail.com

São Paulo

*

JOGO DO BICHO E O PRESIDENTE

No jogo do bicho, o presidente Bolsonaro aposta no galinho garnisé, no pavão ou no avestruz. Quando se inflama para brigar com todos e com o Supremo Tribunal Federal (STF), aposta no galinho; quando se incha de vaidades e veleidades tacanhas, no pavão; e, quando se cala estranhamente sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia, todas as suas fichas vão para apostar no avestruz, pois, aí, o presidente esconde a sua cara em um buraco que, inevitavelmente, se abriu sob os seus pés de péssimo e derrotado apostador.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BOLSONARO PREOCUPADO

Contando com a interferência de Vladimir Putin nas próximas eleições, Jair Bolsonaro, mais uma vez, está no mato sem cachorro – e deixou dúvidas pela sua mudança de lado. Afinal, a Rússia iniciou a guerra com a Ucrânia e, dessa maneira, não poderá cumprir com a suposta promessa feita ao presidente tupiniquim em ajudá-lo com o disparo de milhões de fake news, como aconteceu na vitória do brother Donald Trump. Na verdade, sua única chance cai por terra e Bolsonaro, muito preocupado, não sabe o que mais pode fazer. Ora, apesar de negar, o “vermelho” o persegue mesmo!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ELEIÇÃO PRESIDENCIAL

A oito meses da eleição, em mais uma condenável e inadmissível investida contra o Estado Democrático de Direito, o fascistoide presidente Bolsonaro declarou com todas as letras que “pode não aceitar o resultado do pleito, caso o ex-presidente Lula saia vitorioso, porque o sistema eleitoral eletrônico é fraudável”. Segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto, que apontam a vitória do ficha-suja Lula já no primeiro turno, o desespero de Bolsonaro só faz crescer mês a mês, insuflando suas autoritárias e descabidas ameaças contra o democrático e constitucional resultado das urnas.

Diante da fala presidencial, cabe à sociedade e à imprensa manterem estrita e diuturna vigilância para impedir qualquer afronta às eleições livres e eletrônicas. “Ao vencedor, as batatas”. Ao perdedor, a derrota. Cuidado, Brasil!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

 A MANIFESTAÇÃO DE EDSON FACHIN

Exemplar a manifestação do ministro presidente do TSE, Edson Fachin, sobre a democracia, embora se esqueça de homenagear o povo, o grande pilar de todos os regimes democráticos. Desde que perguntar não ofende: seria democrático, após mais de cinco anos, encontrar-se solução periférica para liberar Lula da Silva das condenações por crimes que tiveram as sentenças de primeiro grau mantidas nas esferas superiores? Desejar conhecer o íntimo e o âmago de decisões da Suprema Corte não faz parte da democracia e dos seus meandros?

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

ELOGIOS À DITADURA MILITAR DE 1964!

A mídia tem registrado que o presidente Jair Bolsonaro, em recente solenidade na posse do novo diretor-geral da Usina de Itaipu Binacional, o almirante Anatalicio Risden Junior, aproveitou para elogiar e enaltecer a ditadura militar de 1964!

É o fim do mundo este comportamento do presidente! Elogiar o golpe militar de 1964! Elogiou também os governos dos ditadores Ernesto Geisel e Emílio Garrastazu Médici.

Este comportamento de Bolsonaro terá a resposta nas urnas, derrotando-o nas eleições!

Marcos Tito

marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

PRONTO, FALEI!

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, em uma foto (A2), falou “Censurar a imprensa e o que os brasileiros falam nas mídias sociais, como deseja o ex-presidente Lula (PT), é um ato criminoso. Nossa democracia é livre”. Que sábias considerações, que entendimento perfeito do regime político que governa nosso Brasil!! Ab imo pectore – do fundo do coração” –, louvo e parabenizo o nosso vice-presidente da República, acima referido. Ele falou com palavras expressas. De forma clara, sem termos equívocos.

Antônio Brandi Leone

abrandileone@uol.com.br

São Paulo

*

DESERTOU

Onde está o MST, o exército do Stédile? O MST desertou?

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

LUCRO DA PETROBRAS

Para entender como a política de preços da Petrobras está supervalorizada, deveríamos separá-la em duas. 

A primeira é aquela que explora e exporta petróleo. Aí não tem o que discutir; o preço é em dólar! Mercado internacional.

A segunda é aquela que explora, refina e vende derivados de petróleo. Aí, em minha opinião, nada tem a ver com o dólar. Todas as despesas, impostos, salários, etc., são pagos em real. A venda é feita só no mercado interno. Por que na hora de determinar o preço dos derivados no mercado interno computar a variação do dólar???

A prova de que o preço dos combustíveis está supervalorizado é o lucro da Petrobras: R$ 106 bilhões.

Em termos de lucro, a Petrobras conseguiu desbancar os bancos, que sempre foram os vilões, assumindo a liderança!

A consequência de pagar todas as despesas em real e vender os derivados em dólar é esta: o brasileiro cada vez mais pobre e a Petrobras cada vez mais rica!

Renato Maia

casaviaterra.@hotmail.com

Prados (MG)

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.