Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 03h00

Política

Janela aberta

A janela partidária, que se abre hoje, permitirá que deputados federais e estaduais e vereadores mudem de partido sem perder o mandato. É a forma encontrada para acomodar divergências adquiridas ao longo do mandato e que podem atrapalhar no processo de reeleição. Neste ano, diante da polarização entre direita e esquerda e das tentativas de construir uma terceira via, muita coisa já se adiantou. Parlamentares já anunciam desde o ano passado a mudança de posição e o Congresso passará a funcionar dentro de nova correlação de forças. É algo maior do que podemos pensar – são 513 deputados federais, 1.059 estaduais e 58 mil vereadores que podem trocar de partido –, e isso poderá interferir nas eleições deste ano e nas municipais de 2024. A janela é testemunha de que os partidos não lideram o processo político. Eles funcionam como simples cartórios onde se registram as candidaturas, e suas decisões são tomadas pelos caciques. O ideal seria a existência de partidos que realmente coordenem suas bancadas, e não o contrário. Passadas as eleições deste ano, é preciso trabalhar por uma ampla reforma partidária, antes que as próximas eleições cheguem e se repita o quadro atual.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

 São Paulo

*

Negócio familiar

O editorial Política como negócio familiar (Estado, 28/2, A3) confirma o que eu já tinha certeza: o Brasil sempre foi, e ainda é, um Estado feudal, com o rei e sua nepótica corte canetando no palácio, ops, Brasília, e uma caterva menor de duques, condes e barões em cada Estado. Todos eles tomam posse dos territórios, e não assumem republicanamente os cargos para os quais foram eleitos. Na prática, temos no País um simulacro de democracia em que a patuleia ignara é obrigada, a cada dois anos, a apertar uns botõezinhos para escolher seus suseranos. Estes, uma vez eleitos, ascendem ao Olimpo das mamatas, rachadinhas e propinas, ignorando seus iludidos representados, que deles só receberão bananas. Figurativamente, não as suculentas e caríssimas frutas.

Alfredo Franz Keppler Neto

alfredo.keppler@yahoo.com.br

Santos

*

Guerra na Ucrânia

Inflexão necessária

No discurso sobre o Estado da União, o presidente Joe Biden reafirmou que não tolerará invasões de países-membros da Otan e incitou o povo ucraniano a resistir à invasão russa. Ou seja, já que a Ucrânia não pertence à organização, o envio de tropas para lá não será possível. Afirmação absolutamente legal, sem dúvida. Mas legalidade e moralidade não fazem parte do vocabulário de Vladimir Putin, que pisoteia seu vizinho com tropas e tanques, ameaça a Finlândia e a Suécia caso se aliem ao Ocidente, e qualquer um que envie ajuda militar à Ucrânia, e põe em alerta suas instalações militares nucleares. Como bem disse Olaf Scholz, este momento é “um ponto de inflexão na história do continente”. O Ocidente não pode mais ficar de braços cruzados observando a expansão territorial russa conduzida por um lunático que pouco se lixa para acordos internacionais, civilidade e soberania. Pelo bem da humanidade, os sãos precisam ser mais espertos que os loucos, porque o planeta está repleto deles.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Morte de civis

O Tribunal de Haia, onde Rui Barbosa se notabilizou, já deveria ter sido demandado, em razão dos civis assassinados por Putin na invasão à Ucrânia.

Rafael Kertzman

rafaelkertzman@yahoo.com.br

São Paulo

*

TI, arma de guerra

Lamentável que o sr. Joe Biden tenha se esquecido de mencionar o uso da melhor arma para esta guerra: a paralisação dos serviços de Tecnologia da Informação (TI) da Rússia. Bastaria retirar da Rússia as grandes empresas norte-americanas como Oracle, Microsoft, Meta, Alphabet/Google, Salesforce, Dell, Amazon/AWS, Cisco, Apple e, principalmente, a IBM. Esta é a única fornecedora mundial de computadores de grande porte chamados Mainframes, utilizados só por grandes empresas, como bancos e indústrias. Coisa que o leigo não sabe, 75% das transações financeiras e de internet banking no mundo dependem destes computadores, que, aliás, são imunes a vírus. E o mais importante: sistemas de defesa idem. Em dois meses a Rússia pararia. Seu Exército seria incapaz de lançar até mesmo um míssil.

Paulo Sérgio Pecchio Gonçalves

ppecchio@terra.com.br

 São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

TODOS VIEMOS DO PÓ E AO PÓ VOLTAREMOS

Dizia o astrônomo pop Carl Sagan que todos nós viemos do pó das estrelas, e recentes pesquisas demonstram que os átomos que compõem a terra e nosso sistema solar são resultados da expansão inicial dos universos nas estrelas primordiais e das nebulosas gasosas, da fusão nuclear intensa que gerou os metais mais pesados. Ou seja, nossa matéria básica, de todos nós humanos, é a mesma e no final do dia nossa cor comum é o cinza. Somos poeira de estrelas, mas com um brilho divino no coração.

Somos todos da mesma cor. Não há divisões entre brancos e pretos, entre vermelhos, marrons e amarelos. Não somos diferentes, se nascemos homens ou mulheres, se somos jovens ou velhos, ou por nossa etnia e cultura. Todos voltaremos às cinzas.

Por isso, nesta Quaresma, mais amor, perdão e caridade.

Alberto Gallo

galloengenharia@gmail.com

*

AMEAÇA NUCLEAR

Com mais esta ameaça nuclear do Kremlin-Putin, lembrei-me da resposta dada por Albert Einstein ao ser perguntado como seria a 3.ª guerra mundial. Respondeu ele: “Não sei como será a 3.ª guerra mundial, mas sei como será a quarta: com paus e pedras!”. Precisa desenhar?

Tania Tavares 

taniatma@hotmail.com

São Paulo

*

BABI YAR

Babi Yar‎‎ é o local na capital ‎‎ucraniana,‎‎ ‎‎Kiev‎‎, onde ocorreu um dos maiores massacres realizados pelas forças ‎‎nazistas da Alemanha‎‎ durante ‎‎a ‎‎2.ª Guerra Mundial‎‎. ‎‎ A decisão de matar todos os judeus em Kiev foi tomada pelo governador militar ‎‎major‎‎ ‎‎Kurt Eberhard‎‎, o comandante da Polícia do Grupo do Exército Sul, entre 29 e 30 de setembro de 1941. E em decorrência dela, nesta data mataram aproximadamente 33.771 ‎‎judeus. Estima-se que entre 100 mil e 150 mil pessoas foram mortas em Babi Yar durante todo o tempo da ocupação alemã. Qual a explicação de Putin para bombardear o memorial daquela barbárie? Seria um ato de cumplicidade entre genocidas totalitários na busca de apagar a história? Ou será que ele se sente ameaçado de alguma forma pelas almas dos que lá pereceram? Ao menos, Putin não precisa ficar com inveja do major Kurt. A guerra que deflagrou contra a Ucrânia para atender a seus caprichos já fez muitos mortos e promete fazer muitos mais. Assim, um dia ele também terá o seu próprio memorial sobre as pessoas que mandou matar e as vidas que ele destruiu a troco de nada.

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

OS DONOS DO MUNDO

Os Estados Unidos e a Rússia deveriam ter vergonha na cara e deixarem de ser covardes e se esconder atrás de países satélites, desde que, após ambos terem se tornado potências nucleares, com colossais arsenais atômicos, passaram a travar uma “guerra fria” entre si e múltiplas “guerras quentes” entre seus satélites, ganhando bilhões com a venda de armamento para eles e mandando seus soldados lutarem sós nesses países. Os Estados Unidos criaram a Otan, para formar uma superforça militar em torno de si e de sua geopolítica mundial. A Rússia, então União Soviética, criou o Pacto de Varsóvia para confrontar com a Otan, que deixou de existir em 1991, com o fim da URSS.

Mantém o mundo em suspense, por seus interesses geopolíticos. Que façam a 3.ª Guerra Mundial entre si e deixem o mudo viver em paz.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

RESISTÊNCIA

Importância a refletir sobre a determinação do povo ucraniano: nesta invasão os russos podem voltar para casa, os ucranianos estão defendendo as suas próprias casas. Faz toda a diferença!

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

QUEM MANDA EM BOLSONARO

Jair Bolsonaro é completamente incapaz de elaborar um raciocínio sobre qualquer assunto, ele deixou isso bem claro desde o começo de seu governo, sempre disse que iria governar com o Ministério. Isso posto, resta saber quem é o responsável por orientar Bolsonaro a apostar na Rússia, contra o mundo livre, em uma aposta de altíssimo risco e que tem tudo para dar muito errado e isolar o Brasil ainda mais. O guru de Bolsonaro era Olavo de Carvalho, um autoproclamado intelectual que, entre muitas outras sandices, era defensor do tabagismo. Quem é o verdadeiro responsável pela catastrófica política externa brasileira? Quem é o novo guru de Bolsonaro?

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

ESCOLHAS

Bolsonaro diz que o povo ucraniano escolheu um comediante para presidente. É preferível escolher um comediante, como fizeram, do que um miliciano. 

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

DIVINA COMÉDIA

A vida democrática tem dessas coisas. Comediantes podem ser eleitos presidentes. Tal qual ex-militares ou dirigentes sindicalistas. Enquanto o ex-comediante ucraniano se assume presidente e lidera o país, numa luta desesperada por sua integridade e cidadãos, o cenário tropical brasileiro e diametralmente oposto. Um presidente avesso à rotina administrativa sai em motociatas País afora, sem atentar para a seriedade que o cargo exige, despreocupado com eventos que matam número maior de concidadãos que uma guerra. Seu maior oponente nas pesquisas solta o gogó para problemas, levanta a poeira, mas também não faz nada de concreto. Viaja mais que notícia ruim, num périplo por países socialistas que nada acrescentam ao País. Só a ele. Já que estamos em tempos de pesquisas e ilações, se eleito, muito provavelmente promoverá o cerceamento das comunicações e auxiliará Cuba, Venezuela e outros deixando os pobres nativos como claque para seu palanque permanente. Quem são os verdadeiros comediantes desta história? No caso de ameaça ao nosso país reagiriam como o dito comediante ucraniano enfrentando com sua presença no país um poder infinitamente superior ou fariam como o presidente afegão que pediu carona?

Sergio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

O RINOCERONTE E A CRISTALEIRA

O presidente Jair Bolsonaro é o próprio rinoceronte ao lado da cristaleira. Ora, permanece olhando com bons olhos a invasão russa. Já foi cobrado por vários países, mas, se mantém inerte em sua posição. Afinal, todos sabem que ele sempre foi “contra tudo e contra todos”. Na verdade, seus interesses são diferentes aos do Brasil, pois, pretende sacramentar o apoio de Vladimir Putin à sua reeleição, com disparos de milhares de fake news russas. Como já dizia aquela senhorinha de Taubaté: “Quem fica em cima do muro acaba caindo feio”. Fica a dica, Bolsonaro!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CONDIÇÃO DE EQUILÍBRIO

O nosso chanceler, Carlos França, se expõe ao ridículo, tentando se ajustar entre sua função diplomática e um presidente desqualificado e desmoralizado. Equilíbrio não é posição, é condição. Será que ele não sabe que, para se colocar em qualquer das três posições possíveis, nesta invasão covarde e desumana – apoio, neutralidade ou condenação –, é necessário estar na condição de equilíbrio?

Abel Pires​ Rodrigues

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

PAZ

Paz, peace, мир (russo, lê-se mir). Antes que seja tarde demais, o mundo, em uníssono, clama ao “czar” Putin “give peace a chance”. Basta de guerra!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

RAÍZES DA GUERRA         

Parece que, a partir de alguma reflexão e um conhecimento não muito profundo da história recente, boa parte da humanidade consciente, ao se afastar por alguns momentos do “mainstream” midiático, começa a vislumbrar quem são os reais vilões responsáveis pela ação militar desencadeada pela Rússia contra a Ucrânia e que já provoca considerável sofrimento às populações atingidas. Os sucessivos (cinco) descumprimentos do acordo firmado por ocasião do fim da guerra fria (1989), mais especificamente durante a presidência de George Bush, pai, e que estabelecia uma espécie de congelamento dos limites da Otan em direção ao leste, formaram sinais inequívocos e agravantes de que, em algum momento, a partir das inobservâncias contratuais e dos fracassos das correspondentes negociações, a Rússia iria reagir por se sentir crescentemente ameaçada em sua integridade defensiva. A atitude classificada como belicista de Vladimir Putin, enfatizada pela mídia internacional, que pouco expõe, no entanto, os verdadeiros motivos da sua reação, além de não acrescentar fatos semelhantes praticados pela hegemônica potência ocidental, destinados a consolidar sua influência internacional, ajuda a mostrar quais são as verdadeiras raízes desta lamentável guerra. 

Paulo Roberto Gotaç

prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

PUTIN E BOLSONARO NÃO REPRESENTAM SEUS POVOS

Putin não representa o povo russo, assim como Bolsonaro não representa o povo brasileiro! São covardes e sem empatia, representam a si mesmos.

Putin matando seus jovens a troco de sua tirania e Bolsonaro delirando de felicidade ao ver tantas armas e tanques serem usados contra um povo que vai morrer um dia. Na verdade, para mim, o pior de Bolsonaro não é ele mesmo, mas a descoberta de amigos e conhecidos meus com seu espírito e que são sua imagem e semelhança.

Solidariedade ao povo ucraniano seria o mínimo a fazer do alto do seu jet ski. Ao contrário disso, trabalha pela liberação cada vez maior de armas que vão parar nas mãos de milicianos.

Que o povo brasileiro dê um basta nessa escalada de agressividade na eleição de outubro!

Cecilia Centurion

ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

ARMAR-SE COM SEGURANÇA

Se o Estado propicia segurança, as pessoas não precisam armar-se. Entretanto, quando não existe o mínimo de garantias de proteção ao cidadão, portar armas passa a ser uma necessidade para o exercício do direito à legítima defesa. Como exercitar a defesa legítima contra a bandidagem armada, se não se pode contar com as forças de segurança? Com paus e pedras?

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

ATREVIMENTO

Em um vídeo publicado, o influenciador bolsonarista Allan dos Santos, que tem prisão decretada no Brasil, mostra ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), como encontrá-lo em Orlando, na Flórida, e, ainda, manda beijos para o ministro do STF. Agora, de duas, uma, ou as autoridades brasileiras mostram firmeza e capturam este criminoso arrogante e debochado e o levam às barras da justiça ou peçam para sair e deem lugar a outras pessoas mais eficientes e capazes.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

NÃO É TÃO DIFÍCIL ASSIM          

Por ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF, a plataforma do Telegram – que nem escritório tem no País – suspendeu a conta do blogueiro e fugitivo Allan dos Santos. Na verdade, está claro que, basta o Judiciário ter vontade em colocar as coisas nos seus devidos lugares para assim pôr um ponto final no tal do gabinete do ódio que dispara milhares de fake news, tornando essa excrecência coisa do passado e frustrar as pretensões de Jair Bolsonaro. Afinal, não é tão difícil assim, como poderia parecer, basta ter vontade jurídica. Fica a dica!

Júlio Roberto Ayres Brisola         

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

DENTRO DA LEI

Pergunto-me se o presidente Jair Bolsonaro, sendo resistente a cumprir leis como é obrigação de todo cidadão, é habilitado para a condução de moto aquática. Seria interessante que ele, por livre e espontânea vontade, apresentasse tal documento. Aliás, poderia aproveitar a oportunidade e apresentar também sua carteira de vacinação, ou há algo a esconder?

Heleo Pohlmann Braga

heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto

*

INDICAÇÕES PARA OS TRIBUNAIS

Os dados e demais informações contidos na matéria Próximo governo poderá indicar ao menos 31 magistrados em 10 tribunais (Estado, 2/3, A6) evidenciam que as indicações dos membros do Supremo Tribunal Federal e tribunais superiores pela Presidência em harmonia com os outros Poderes políticos sinalizam bem que interesses espúrios podem estar em jogo, como bem expôs o ex-juiz Sérgio Moro. Afinal, o presidente Bolsonaro já não esconde suas verdadeiras intenções nessas indicações caso seja reeleito. O Judiciário precisa mesmo ser reformado urgentemente, como essas distorções estão a mostrar.

Obrigado.

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.