Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2022 | 03h00

Guerra na Ucrânia

Tudo errado

Deu tudo errado para Vladimir Putin na invasão da Ucrânia: os soldados russos não foram recebidos como heróis libertadores, mas, sim, como assassinos, recebidos à bala. A reação do Ocidente superou as piores expectativas: os oligarcas russos, que ficaram ricos com Putin e o sustentam no cargo, estão a um passo de irem para a cadeia, tendo os bens confiscados. As maiores multinacionais que atuam na Rússia estão simplesmente abandonando suas operações no país, a moeda russa virou pó, assim como a bolsa de valores. O povo voltou para a idade da pedra, sem dinheiro, sem entretenimento, sem poder viajar, sem empregos e sem perspectivas. As empresas russas não valem mais nada, a Rússia inteira caminha a passos largos para a falência. Putin, agora, diz que não pretende derrubar o governo do presidente Volodmir Zelensky nem assumir o controle da Ucrânia. Resta saber que diabos ele quer, afinal!

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Humilhação

Tudo vai indicando que começa a interessar a Vladimir Putin o cessar-fogo. Sua humilhação vai chegar a níveis insuportáveis. Qualquer desculpa vai valer. O mundo que se cuide!

Luiz Frid fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

Roleta-russa

Sem levar em consideração as alegadas motivações de Putin para invadir a Ucrânia, estará ele fazendo o jogo da chamada roleta-russa, que consiste em carregar um revólver com apenas uma bala, girar o tambor aleatoriamente, colocá-lo no encaixe de modo que não se saiba onde está localizado o projétil e puxar o gatilho com o cano dirigido à cabeça de quem opera a arma? Se este tiver sorte, o ato lhe será inofensivo, mas, se o cartucho estiver alinhado com o tubo, estará decretando seu fim. Será que o presidente russo já está na fase final do procedimento, faltando só acionar o gatilho? Muitas ações de agressão de um país sobre outro, ao longo da História, constituem um jogo de roleta russa ao qual o atacante se submete. Foi assim, por exemplo, com a invasão da Rússia por Napoleão e com o ataque dos japoneses a Pearl Harbour, que mergulhou os EUA na 2ª Guerra Mundial. Em ambos os casos, aconteceu de a única bala ser disparada, mas há inúmeros outros nos quais o detentor da arma foi preservado e consolidou as conquistas.

Paulo Roberto Gotaç prgotac@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

Um líder anacrônico

A única forma de contornar a situação entre Rússia e Ucrânia, e recuperar um pouco a reputação da Rússia diante do resto do mundo, seria afastar Putin de qualquer possibilidade de papel público. É inadmissível que em pleno século 21 um líder de qualquer país se comporte como um rei primitivo que quer se apropriar de um território, seja por qual motivo, e resolve simplesmente invadi-lo militarmente. Putin rompeu com as regras mínimas de conduta das sociedades do século 21, e ninguém vai confiar no Estado Russo enquanto este indivíduo estiver no seu comando. Infelizmente, retirá-lo de cena parece estar muito longe do povo russo, a quem realmente compete a tarefa.

Sueli Machado leonidasjoserolimmachado@yahoo.com.br

São Paulo

*

Inconsequente

Tenho poder sobre minhas escolhas. Não tenho poder sobre as consequências das minhas escolhas. O autocrata russo, na sua ânsia pelo poder, revelou que desconhece totalmente essa máxima elementar do comportamento humano. Optou pela guerra, jogando milhões de ucranianos civis na sarjeta, entre eles enfermos, idosos e crianças. O sr. Vladimir Putin pode ser um deus na tecnologia bélica, mas não passa de um primata na vida.

Marcelo de Lima Araújo  marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

Sacrifício

O mundo assiste a uma guerra desumana, em que civis, incluindo crianças e idosos, estão sendo mortos e passando todo tipo de necessidades, e nós estamos preocupados com o preço da gasolina e com outras variáveis que podemos manejar? Vamos, então, nos sacrificar: usar carro apenas em última instância e consumir aquilo que não sofre impactos externos. Em relação a 31/12/2021, o dólar recuou quase 10%, mas isso não é comentado. Chega de hipocrisia. Se todos sacrificarem um pouco, poderemos nos ajudar e ajudar quem está realmente na pior.

João Israel Neiva jneiva@uol.com.br

Cabo Frio (RJ)


Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br


MÁSCARA: USAR OU NÃO USAR?

Finalmente chegou o dia em que foi dispensado o uso obrigatório de máscara em locais públicos. E esperamos que o mesmo ocorra nas áreas internas, possivelmente em 15 dias. É o forte indicativo de que a pandemia da covid-19 está no fim e logo poderemos voltar à normalidade. Toda decisão de grande impacto, como esta da liberação das máscaras, provoca questionamentos. Assim como uma parcela da população reagiu na obrigatoriedade do adereço protetor, temos hoje as pessoas que se sentem inseguras para retirá-lo. É preciso entender isso apenas como a outra mão de uma mesma via e compreender as razões de cada um. Evidente que idosos e portadores de comorbidades e de doenças crônicas devem ser mais cautelosos. A vacinação foi a grande alavanca para atingirmos o atual estágio. Os vacinados ficam menos sujeitos à contaminação e ao adoecimento e, quando adoecem, não é da forma grave. Têm apenas sintomas parecidos com os da gripe. Mas os não vacinados e os que fugiram da segunda e terceira doses são os que ainda desenvolvem o mal na forma grave e até vão a óbito. É por isso que os atrasados precisam colocar em dia sua agenda de vacinação. Não embarquem no proselitismo irresponsável pois isso poderá custar a sua saúde e até a vida.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

ÁREAS LIVRES SEM MÁSCARA

Mesmo entendendo que o governo do Estado de São Paulo é reconhecido como “pai da vacina” (Coronavac) no Brasil, de respeito inabalável à ciência, me preocupa essa decisão de João Doria quando desobriga uso de máscara em locais e áreas externas das escolas e parques e nos estádios autoriza 100% de ocupação. Já que, apesar da queda dos números de infectados e óbitos, ainda assim continua alto. Mesmo porque, no Estado, a taxa de internação em UTIs é de 37,6%, e média de quase 200 mortes diárias pela covid-19. Não podemos esquecer que em São Paulo, também, centenas ou milhares de pessoas vindos de outros Estados e países transitam entre nós. Ou seja, vou continuar usando a

máscara, já que esse coronavírus não dorme e insiste ficar nos rodeando pronto para infectar.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

A QUEDA DAS MÁSCARAS

 

O Brasil está flexibilizando ou deixando de usar as máscaras. E também em São Paulo o assunto está em discussão. Ora, até 9 de março, às 11:7, hora local, o Estado de São Paulo tinha 5.074.665 de casos confirmados de covid e 165.484 mortes, o que dá uma porcentagem de 3,26%. Já o Brasil teve 29.069.469 de casos confirmados e 652.438 mortes, o que é uma porcentagem de 2,24%. Ou seja: a mortalidade em nosso Estado foi bem maior do que a do resto do Brasil. Em poucas palavras: as políticas que São Paulo adotou parecem não ter dado muito certo e, se tivesse copiado o que o resto do País fez, os números da mortalidade por covid indicam que nosso Estado poderia ter se dado bem melhor. Que tal começarmos a copiar ipsis literis o que o resto do Brasil está fazendo e irá fazer a respeito das máscaras? Afinal, qual a verdadeira proteção contra a cepa atual proporcionada por máscaras que não a de padrão N95? Seria bom que o público soubesse.

 

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

MACHISMO E HOMOFOBIA NÃO TÊM IDEOLOGIA

Ninguém pode negar que os comentários do deputado estadual Arthur do Val são repugnantes e repulsivos, coisa de machista abominável. Mas gostaria de lembrar três episódios de outro político brasileiro. 1) Quando Lula estava na iminência de ser preso, em uma conversa telefônica com Paulo Vannuchi, ele pede o apoio das mulheres de grel* duro do PT. E Vannuchi ri prazeirosamente da fala do ex-presidente. 2) Em outra conversa por telefone com Dilma Rousseff, a propósito de uma revista de policiais da PF no apartamento de Clara Ant, então assessora do Instituto Lula, ele comenta que Clara achou que a visita daqueles homens em sua casa era um "presente de Deus". E Dilma gargalha com satisfação. 3) Há alguns anos, reunido com um político da cidade de Pelotas (RS), Lula afirma que aquela cidade era uma grande exportadora de viad*. Esses fatos podem ser perfeitamente verificados no YouTube. O que quero dizer, em suma, é que machismo e homofobia não são "privilégios" apenas da direita.

Leão Machado Neto

lneto@uol.com.br

São Paulo

*

NÃO FARÁ FALTA

Bolsonaro disse que "Mamãe Falei" é asqueroso. No mínimo. Os testículos estão no cérebro assim como no de muitos outros. Mas o que dizer de Arthur Lira, Renan Calheiros, Lula, Dirceu e pelo menos 56 mil congressistas, magistrados, procuradores e outros que decidem o destino do País? A mídia escancara estas mazelas. "Mamãe Falei" é a mediana de todas estas classes citadas. Com certeza merece ser cassado. Não fará falta, como os outros. 

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ARROGANTE, PRETENSIOSO E INGÊNUO

Eduardo Leite vai servir aos interesses do oportunista Gilberto Kassab para atrapalhar a candidatura da terceira via e favorecer Lula. Qual será o preço cobrado por Kassab?

Marisa Bodenstorfer

Lenting (Alemanha)

*

DISCREPÂNCIAS DO STF

Muito esclarecedora a nota do Estadão (11/03, A3) intitulada O STF defende a lei e a jurisprudência – achei até um gol de placa da nossa Corte Suprema! O caso em questão foi a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6.630, proposta pelo PDT, que considerava inconstitucional o texto da LC 135/2010 – Lei da Ficha Limpa –, que prevê a duração do prazo de inelegibilidade do político condenado pelo período de oito anos ininterruptos após a data da sentença condenatória em instância de segundo grau. Constitucional para a agremiação seria que tal inelegibilidade tivesse início desde a data inicial do cumprimento da pena pelo infrator. Tal aberração foi rejeitada, de pronto, pelo órgão supremo. Tudo muito bem feito. Porém, o que me causa espécie é o fato de a nossa Corte constitucional ter revogado o seu próprio entendimento, de anos, quanto à prisão imediata do agente transgressor após sentença condenatória transitada em instância de segundo grau contra o mesmo. Não seria o caso de o STF uniformizar os seus entendimentos e jurisprudências?

Emmanoel Agostinho de Oliveira

eaoliveira2011@gmail.com

Vitória da Conquista (BA)

*

PAÍS DESEQUILIBRADO

O Brasil é um país totalmente desequilibrado com os interesses impostos, goela abaixo, pela politicalha. Afinal, enquanto a maioria das cidades do País sofrem e milhões de brasileiros passam fome e dificuldades, recursos na ordem de R$ 4,9 bilhões – prestes a serem aumentados – são destinados ao famigerado Fundo Eleitoral, em que a grande maioria irá, novamente, se locupletar ilicitamente como sempre. Alguma coisa está terrivelmente errada e tem que ser revista. Mais uma vergonha nacional!

 

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

SEM SENSO DE JUSTIÇA

Se, porventura, o ex-governador Sérgio Cabral, condenado a mais de 300 anos de prisão, for libertado para cumprir prisão domiciliar, então, este país chamado Brasil passará a considerar os seus cidadãos honestos como um bando de medíocres, e os seus políticos, os bandidos de plantão de sempre, mancomunados em sórdidos esquemas que envolvem os três Poderes da República, como os verdadeiros donos deste país sem vergonha, sem caráter e sem qualquer senso de justiça. Aliás, legalidade é como o caráter e pode servir como instrumento a Deus ou a esses tantos demônios.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BRASIL

Denegrir o trabalho de Sérgio Moro, favorecer os malfeitores envolvidos na Lava Jato e violar a Carta Magna deveria ser pecado e ir para o inferno, mas o Brasil não é um país sério.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

BOLSONARO X PETROBRAS

O presidente Jair Bolsonaro nunca conseguiu vencer uma batalha contra os tubarões da Petrobras. Chegou a trocar um presidente civil da estatal por um militar e ficou até pior. Os investidores que mandam na diretoria só querem lucros. Mas o presidente tem duas  opções para conter a alta e até reduzir o preço dos combustíveis com apenas uma canetada que ele tem poder. 1) Suspender a exportação de derivados de petróleo e segurar toda a produção para o mercado interno. 2) Proibir a adição de etanol na gasolina. Isso vai fazer o etanol sobrar nas usinas e seu preço cair vertiginosamente.

Moyses Cheid Junior

jr.cheid@gmail.com

São Paulo

*

MIRAGEN$

 

Sob o sofrível e errático desgoverno Bolsonaro, com Paulo Poliana Guedes no descomando da Economia, o brasileiro vai acabar sendo obrigado a vender o carro para encher o tanque e o fogão para pagar o gás e a comida. A carne na vitrine do açougue,o botijão de gás e o combustível para o veículo estão se transformando em verdadeiras miragens, cada dia mais distantes do bolso da sofrida população. Muda,Brasil. Basta de Bolsonaro e Guedes!

 

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

RÚSSIA X OCIDENTE

 

A invasão da Ucrânia é uma guerra anti-Ocidente, que pode ser apenas o estopim de uma terceira Guerra Mundial, declarada por Vladimir Putin e os restauradores da "Mãe Rússia Imperial”. Reunificar o território das várias nações que compunham a URSS comunista move Putin e seu núcleo duro em busca de uma utopia irreal que nunca existiu de fato, só imposta por czares, ditadores comunistas ou autocratas totalitários como o líder russo. Um império de castelo de cartas de saudosistas anacrônicos. Após dois anos de pandemia mundial do coronavírus, que ceifou a vida de seis milhões de pessoas, o mundo se depara novamente com o vírus da guerra que não pode ser curado pela ciência médica e só pode ser detido pelo espírito humanista e o bom senso dos povos que só querem viver em paz. Guerras nunca mais!

 

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

 

*

PRISIONEIROS DE GUERRA

Vladimir Putin já prendeu mais de 15 mil cidadãos russos que se atreveram a protestar contra o genocídio que ele está promovendo na Ucrânia. O Ocidente deveria prender os oligarcas russos aliados de Putin em represália a essas prisões arbitrárias. Com os principais aliados de Putin na cadeia seria possível negociar o fim da guerra e a libertação de todos prisioneiros.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

A ESCOLHA DE SOFIA

 

Quando o mundo diz não à guerra, a paz diz sim ao mundo. Uma obviedade que coloca toda a responsabilidade no colo dos homens, únicos com capacidade de pavimentar a estrada do ódio com sementes de amor.

 

Ricardo C. Siqueira

ricardocsiqueira@lwmail.com.br

Niterói (RJ)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.