Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2022 | 03h00

São Paulo

Programa Ruas SP

Discordo das alegações apresentadas na reportagem Mesas em vagas de carro ganham espaço em SP e chegam a 200 bares (13/3, A16). Esta aberração urbanística da cidade de São Paulo não condiz com os preceitos legais de uma cidade civilizada, pois favorece um pequeno grupo de pessoas (clientes e administradores de bares e restaurantes), em detrimento do grande público que utiliza essas vias. Em outras cidades do mundo onde isso ocorre, ou se fecharam as ruas ou as ruas têm capacidade muito maior para este tipo de intervenção, diferentemente de São Paulo, onde as ruas são estreitas e mal sinalizadas. Moro no bairro da Mooca, onde essas construções favorecendo os bares só trouxeram mais barulho e bagunça até altas horas, e prédios residenciais próximos vão sendo abandonados. Quando é que a Prefeitura vai se preocupar, de fato, com a população, com moradia, segurança, trânsito seguro, etc., muito mais importantes para a cidade?

Alberto Utida

alberto.utida0926@gmail.com

São Paulo

*

Mesas nas calçadas

Entendo ser uma alternativa paliativa a ampliação do espaço dos restaurantes no leito carroçável. Particularmente, não vejo a menor graça em alimentar-se com o tempero de monóxido de carbono e aceleradas de motocicletas. E há um outro problema ainda sem solução, que é quando as mesas são dispostas em calçadas estreitas. Nestes casos, sugiro aos proprietários a instalação de dois trampolins para os pedestres que precisam utilizar as vias (já que estamos totalmente desatendidos pelas subprefeituras, que se escondem no 156). Podemos iniciar a instalação pela Rua Dr. Miranda de Azevedo, altura do número 658.

Fábio Soares

fabiosoares77@bol.com.br

São Paulo

*

Avançando

Aqui em Santo André (SP), num bairro residencial, um novo bar, além de cadeiras, mesas e barris, instalou uma churrasqueira na calçada, o que é uma afronta aos pedestres. Fico só pensando nas crianças e nos idosos esbarrando nessa churrasqueira quente. Comerciantes já avançavam sobre o espaço público colocando cones, o que viola o Código de Trânsito Brasileiro, agora vão ocupando as calçadas.

Eliel Queiroz Barros

monoblocosantoandre@hotmail.com

Santo André

*

Educação

SNE

A colaboração entre União, Estados e municípios é condição necessária para a melhoria da educação (Educação, tarefa de todos, Estado, 14/3, A3). A instituição do Sistema Nacional de Educação (SNE), aprovada pelo Senado por unanimidade, pode ser um passo importante para isso. Só a Educação tende a favorecer a convivência, e cada tostão nela investido retorna multiplicado. O empenho coletivo nesta direção será decisivo, se quisermos superar a escalada da violência física e simbólica no Brasil.

Pedro Paulo A. Funari

ppfunari@unicamp.br

Campinas

*

MBL

Operação Juno Moneta

Sobre a matéria MP amplia investigação contra líder do MBL por suspeita de lavagem de dinheiro (Estado, 13/3, A6), o Movimento Brasil Livre (MBL) criou-se na esteira do combate à corrupção, à lavagem de dinheiro, às fraudes. E, como tudo o que se cria no Brasil, acabou virando foco de fraudes, corrupção e lavagem de dinheiro. Nós não só não aprendemos com os erros, nós repetimos os erros e, o que é mais interessante, procuramos sempre aperfeiçoá-los. É um país à deriva somente porque faz questão de seguir à deriva.

Domingos Fernando Refinetti

dfrefinetti@gmail.com

São Paulo

*

Guerra na Ucrânia

O vil metal

Reportagem publicada no sábado mostrou que Voluntários e mercenários se unem a tropas ucranianas e russas em guerra (Estado, 12/3, A22). Vão destruir a Ucrânia, assim como aconteceu em outros países, especialmente na Síria e sua bela Damasco. A R$ 10 mil por dia. Não há limites ou opções morais. Servem a quem paga ou paga mais. Não se trata de guerra no planeta dividido em diversos países, por lealdades, queridas memórias, passado heroico, direitos, agravos, mitologia peculiar, próceres de bronze, aniversários, demagogos e símbolos, como pontuou Jorge Luis Borges. O poderoso Deus das guerras passa a ser o vil metal. Já escoara o tempo.

Amadeu Garrido

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O ACIDENTE DOMÉSTICO DE FHC

Espero, muito sinceramente, que não haja complicações fatais no processo de reconstituição da parte afetada pela queda do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Que ele tenha oportunidade de receber, vivo, as homenagens que, por todos os serviços que nos prestou ao longo de sua brilhante convivência conosco, deveria já ter recebido. Foi, sem dúvida nenhuma, para mim, o melhor presidente do Brasil que tive oportunidade de conhecer até hoje. Entretanto, diversas vezes foi criticado injustamente, por pura inveja mesquinha e pragmatismo de políticos adversários (e de alguns seguidores destes) em campanhas eleitorais (mas não só) que buscavam destruir sua reputação (como ainda é usual se fazer hoje) ante a incapacidade de construir uma boa e própria, para ressaltar. FHC é um caso icônico de como os brasileiros perdem chances de usufruir dos benefícios que uma pessoa talentosa pode lhes proporcionar. O tempo passa, e escorrem pelos nossos dedos as chances de prestigiar pessoas excepcionais pelas suas virtudes (como FHC). Salvo raras exceções, o eleitorado brasileiro tem eleito "falsos brilhantes", demagogos, populistas, bons, de fato, na manipulação da opinião pública, a quem lhes promete Pasárgadas e Nirvanas inatingíveis. Que aprendamos a valorizar quem é bom, sem ter vergonha nem medo disso.

Helio Alves Ferreira

hafstruct@hotmail.com 

Osasco

*

CHINA, FIEL DA BALANÇA NA GUERRA

A China – que hoje detém a maior economia do mundo, suporta problemas políticos e estruturais e avança em todas as direções – deve ser o único mediador em condições de conseguir o cessar-fogo na guerra Rússia X Ucrânia. Sua formal neutralidade, já que não apoiou as sanções que o mundo ocidental impõe à Rússia, dá condições para dialogar com o presidente russo Vladimir Putin, com o ucraniano Volodymyr Zelenski e com as diferentes forças mundiais, das quais é parceira econômica (China pode mediar a crise na Ucrânia; leia o artigo, 14/3, A11). Mas tem de agir rápido, porque a guerra fez explodir o preço do petróleo e a inflação em todo o mundo a níveis que a economia globalizada não suportará. Se continuar, teremos um desastre econômico muito maior que o de 1929, quando a Bolsa de Nova York quebrou e muitos passaram fome ao redor do mundo. Nas relações econômicas, a China é parceira de praticamente todo o mundo, especialmente da União Europeia, com quem o volume anual de transações é de US$ 828 bilhões e Estados Unidos, com US$ 657 bilhões. A Rússia é um parceiro menor (US$ 147 bilhões), boa parte disso em energia e alimentos fornecidos aos chineses. A grande tarefa da diplomacia de Pequim nesse momento é buscar uma saída honrosa para Putin e Zelenski e a garantia de integridade do território ucraniano. Nada impedirá, no entanto, que outros governos, como por exemplo o brasileiro, parceiro de ambos os conflitantes, também venham a contribuir. Esperamos que por ação da China, ou de outro agente mediador que se mostre apto, o cessar-fogo ocorra o mais breve, parem de morrer inocentes, a paz volte a reinar na região, os refugiados possam voltar e os danos do conflito sejam reparados. E que os governantes dos países envolvidos mais Estados Unidos, Europa e outros interessados nem imaginem reeditar algo parecido com a Guerra Fria, que tanto mal causou ao mundo no pós-guerra de 1947 até a dissolução da União Soviética, em 1991.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

Tatuapé

*

O RETORNO À BARBÁRIE

O professor Denis Lerrer Rosenfield está equivocado (O retorno à barbárie, 14/3, A5). A URSS era a própria barbárie, e a Rússia de Putin nunca deixou de ser comunista soviética. A invasão covarde da Ucrânia primeiro foi um cochilo da Otan (controlada pelos EUA, cujo presidente é o comunista Biden) e tem o objetivo de acertar com a China quem manda no comunismo mundial (hoje controlado pelo dinheiro chinês). Putin tentou antes através do Afeganistão, onde pensou usar o Taleban como boi de piranha, não deu certo, e voltou-se contra a Ucrânia. A Otan não apareceu no cenário de guerra, e agora não pode fazê-lo a menos que declare guerra aberta à Rússia, o que seria o holocausto atômico. Biden está como charuto na boca de banguela: não pode se insurgir militarmente contra Putin, porque a China não deixaria. As Forças Armadas dos EUA, por sua vez, cochilaram em aceitar o comando de um comunista, mas poderiam ter entrado na Ucrânia no começo do conflito, aí veríamos se Putin teria coragem de fato de enfrentar uma guerra. Putin armou militarmente e de suprimentos o seu imenso exército na Ucrânia e também na Rússia, aguenta muito torniquete econômico, que apenas atinge o povo russo. A Rússia tem economia ainda militar, daí Putin querer de qualquer forma o retorno da Guerra Fria. Esse é o recado dado na Ucrânia, e os americanos caíram como bobos. O outro alvo de Putin é a China, que aparece como mediadora, o que só funcionará se aceitar Putin como comandante do comunismo mundial.

Ariovaldo Batista

arioba06@hotmail.com

São Bernardo do Campo

*

CONFLITO RÚSSIA X UCRÂNIA: NADA A VER COM O ETANOL

Uma das consequências do conflito russo-ucraniano é a elevação dos preços do petróleo, implicando no encarecimento da gasolina. Entretanto, não consta que há conflito no Brasil, em especial nas regiões produtoras de cana-de-açúcar e milho, matérias primas do etanol. Um dia desses um amigo comentava sobre a malandragem e má-fé dos postos de combustíveis que, sorrateiramente, vêm elevando os preços do etanol. De fato o preço do álcool explodiu (sem qualquer razão, pois não há nexo causal entre a guerra e esse aumento) e ninguém reclamou. Penso ser necessária a urgente interferência do governo e do Ministério Público no assunto. E, se possível, colocar gente na cadeia.

Milton Córdova Junior

milton.cordova@gmail.com

Vicente Pires (DF)

*

GUERRA?

O pior é quem nāo tem carro e paga alto pelos combustíveis na alimentaçāo. Cheguei ontem à noite, parei no sacolāo após viagem (com tudo incluso) e pensei que estava no inferno. Mamāo era R$ 6,90 o quilo. Agora está a R$ 10,55, e por aí vai o resto. Café? Parece que não tem no Brasil, vem de fora.

Roberto Moreira da Silva

rrobertomsilva@gmail.com

São Paulo

*

A GUERRA E O JOSÉ

Um dos sábios do PT, o ex-deputado José Dirceu, aquele do mensalão, culpa os EUA e a União Europeia pela guerra que a Rússia move contra a Ucrânia. Diz que, a partir do esboroamento da União Soviética, os EUA e seus aliados iniciaram um cerco à Rússia. Mas isso não é verdade – o que não surpreende. Ninguém fez cerco a ninguém. O certo é que, na primeira oportunidade que tiveram, uma dezena de países que viviam sob as vontades da Rússia correu para entrar para a Otan buscando se proteger da antiga patroa, que, aliás, conhecia muito bem. Foram os países do Leste Europeu que correram alegremente para um distanciamento seguro no seio da Otan.

Euclides Rossignoli

clidesrossi@gmail.com

Ourinhos

*

CRIME DE CORRUPÇÃO

A matéria Estudos indicam entraves para o combate a desvios no setor público (14/3, A7) mostra a triste realidade de que as medidas pós-Lava Jato para aliviar os políticos flagrados com montanhas de dinheiro público no bolso também estão sendo extensivas a todos os servidores públicos. Afinal, com a leitura de que dinheiro no bolso não é crime, como entende o juiz federal Ali Mazloum (Juiz que absolveu Aécio diz que carregar dinheiro não é crime, 12/3, A10), quando o crime está na origem do dinheiro, facilita ainda mais a vida dos políticos e servidores criminosos. Quando é que o Judiciário vai interpretar corretamente o crime de corrupção?

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

BARBOSA BLASÉ

Joaquim Barbosa faz charme. Caras e bocas. Tira onda de blasé. Quer ser adulado e sair de casa carregado em carro de bombeiros para disputar a Presidência da República. Alega que procura partido decente. Começa mal, generalizando e insultando os partidos existentes e a classe política. Não se conhece, na verdade, qual líder partidário importante deu esperanças para o ministro aposentado do STF vir a ser candidato. Barbosa e Sérgio Moro são parecidos. Odeiam políticos, mas não resistem aos encantos do poder e da bajulação. Condenaram empresários e políticos. Ganharam fama de durões. Hoje Moro sofre na mão dos adversários e de parte da imprensa. Barbosa, se realmente tiver aquilo roxo para entrar na rinha presidencial, também não terá vida fácil.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

VOTOS NOS JOVENS

Antes de pensarmos nos jovens começando a atuar na política, temos que barrar a geração de políticos carcomidos tipo Lula (e sua camarilha), Bolsonaro, Calheiros, Barbalhos, Garotinhos etc. É chegada a vez (quem vos escreve tem 84 anos) de jovens habilitados tipo Simone e Hartung. Senhores dirigentes de partidos, deem vez aos jovens e esqueçam aqueles que até agora só levaram o Brasil para trás.

Hamilton Penalva

hampenalva@gmail.com

São Paulo

*

MARIELLE

O assassinato de Marielle Franco mostra tão somente o descaso e a inércia (proposital?) do Ministério Público e das polícias investigativas em solucionar um caso que tem como um dos possíveis executores (Roni Lessa) um conhecido íntimo da família Bolsonaro.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

EDUCAÇÃO SEXUAL NÃO É IDEOLOGIA DE GÊNERO

É lamentável que crianças brasileiras estejam sendo sempre prejudicadas por esse governo, que só se preocupa com fantasias persecutórias sobre o que eles chamam de "ideologia de gênero", quando na verdade o que as escolas tentam fazer é orientar crianças e adolescentes com uma educação sexual que pode prevenir tantos males como gravidez precoce, doenças transmissíveis, abuso sexual e outras mazelas tão comuns especialmente nas camadas mais pobres da população. Mais uma vez, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, em evento sobre merenda escolar veio com pérolas como esta: "Não vamos permitir que a educação brasileira vá por um caminho de tentar ensinar coisas erradas para as crianças". E continuou: "Não tem esse negócio de você nasceu homem e pode virar mulher". Isso beira a insanidade, desumanidade, desrespeito e total desconhecimento da realidade brasileira. Assim mesmo, um quarto da população ainda se deixa levar por esse discurso preconceituoso, gerador de tanto sofrimento. Haja estômago! 

Eliana França Leme

efleme@gmail.com

Campinas 

*

TRISTE FUTEBOL BRASILEIRO

A coluna de Robson Morelli (Torcedor quer 90 minutos de futebol, 14/3, A17) é oportuna e verdadeira. O futebol que os times brasileiros estão jogando ultimamente é irritante e sem graça. Basta um time fazer um gol e já se volta para a defesa e começam as trocas de bola até a metade do campo e o inevitável recuo para o goleiro. É por isso que o futebol brasileiro fica cada vez mais distante dos europeus, onde se joga em direção ao gol os 90 minutos, independente do resultado da partida. Lastimável a atitude de técnicos e jogadores, que ignoram torcedores nos estádios e em frente à TV. Hoje os telespectadores preferem ver jogos da Champions League, do Campeonato Inglês ou do Campeonato Espanhol, tal a mediocridade dos jogos no Brasil.

José Roberto de Jesus

zerobertodejesus@gmail.com

Capão Bonito

*

ESSÊNCIA DO FUTEBOL

Parabéns ao colunista Robson Morelli pelo texto no Estadão de 14/3 (Torcedor quer 90 minutos de futebol, A17), pois ele colocou o dedo na ferida dos dois grandes problemas do futebol brasileiro: o medo dos técnicos e a indolência da grande maioria dos jogadores. Por que estes, quando se transferem para o exterior, como num passe de mágica começam a jogar para a frente, tentando dribles e jogadas que procuram a essência do futebol: gols? Aqui somos obrigados a ver a maioria dos jogos com toques laterais ou para trás e, suprema vergonha, defensores querendo armar e distribuir o jogo. Chega de enganação!

Carlos Ayrton Biasetto

carlos.biasetto@gmail.com

São Paulo

*

CARIOCÃO

O Campeonato Carioca tem seu charme. Os quatro grandes times têm chances iguais, embora o Fluminense tenha a vantagem de empates. Teoricamente o Flamengo é o favorito, mas todos os jogos serão clássicos, sem que seja zebra qualquer resultado.

Humberto Schuwartz Soares

soares@uol.com.br

Vila Velha (ES) 

*

F-1 VEM AÍ

A primeira corrida de 2022 da Fórmula 1 está prevista para começar no dia 20 de março, com o GP do Bahrein (Oriente Médio), em Sakhir. Com certeza será mais uma temporada show de habilidade desses bravos escudeiros. Que o título seja definido na pista, independente do campeão! Uma curiosidade legal sobre a temporada 2022 de F-1 é que dois pilotos do grid vão quebrar o recorde de 300 GPs iniciados – Sebastian Vettel e Lewis Hamilton. Eles têm 279 e 288 GPs iniciados, respectivamente, até então, e apenas cinco pilotos conseguiram esse feito: Kimi Raikkonen, Fernando Alonso, Rubens Barrichello, Michael Schumacher e Jenson Button. Falta pouco! O circo da F-1 está voltando. Não vejo a hora de ouvir o ronco dos motores dos novos carros na pista. Ansiedade está alta por aqui! A Sky Sports alemã informou que a Haas F-1 não irá continuar com Nikita Mazepin na temporada 2022. Segundo ainda a Sky, o piloto Kevin Magnussen está de volta a Fórmula 1, em que vai correr pela Haas em substituição de Nikita Mazepin, despedido por ser russo. Kevin Magnussen vai, assim, fazer dupla com Mick Schumacher nesta nova temporada. E traz algo em torno de 20 milhões de euros em patrocínios (R$ 111 milhões). Não deu para Pietro Fittipaldi, que chegou a ser um dos nomes mais cotados para a vaga de titular. Sem patrocínio forte, Haas escolhe manter Fittipaldi como reserva. Que o sucesso venha!  Vai ser um ano incrível para os amantes da Fórmula 1. Chega logo, temporada! 

José Ribamar Pinheiro Filho

pinheirinhoma@hotmail.com 

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.