Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2022 | 03h00

Mérito Indigenista

Palhaçada desagradável

O governo federal homenageou o presidente Jair Bolsonaro com a Medalha do Mérito Indigenista. Segundo o Ministério da Justiça, concedente da honraria, ela é um reconhecimento pelos serviços relevantes relacionados ao bem-estar, à proteção e à defesa das comunidades indígenas. Para quem já elogiou a cavalaria norte-americana por ter dizimado os índios na América do Norte e para quem tudo fez e faz para desgraçar as comunidades indígenas brasileiras, a concessão desta honraria serve muito bem como a prova definitiva de que o Brasil é o cenário perfeito para a vida circense que muitos políticos vivem e se vangloriam de viver. Palhaços profissionais, com altíssimos proventos advindos do dinheiro público, direta ou muito indiretamente, estes profissionais da politicagem nacional, sofistas, demagogos e debochados, não medem esforços para a construção de suas narrativas falsas que, decerto, ainda vão ilustrar livros de história e revistas de quadrinhos. Sinceramente? Que palhaçada desagradável, Jair!

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Cinismo e deboche

O Brasil espera que o próximo governo mande confiscar as medalhas do Mérito Indigenista concedidas a Bolsonaro e a seus comparsas que trabalham com afinco contra a própria existência dos povos indígenas no País. Cinismo e deboche constituem quebra de decoro e deveriam ser motivo para mais um pedido de impeachment contra o pior presidente que o Brasil já teve.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

Equivalência

A Medalha do Mérito Indigenista concedida pelo Ministério da Justiça a Bolsonaro equivale a Vladimir Putin ganhar o próximo Prêmio Nobel da Paz.

Vital Romaneli Penha

vitalromaneli@gmail.com

Jacareí

*

Guerra na Ucrânia

Alto e bom som

O Tribunal Internacional de Justiça da ONU, em Haia, condenou a invasão da Ucrânia pela Rússia. Joe Biden chamou Putin de criminoso de guerra. A classificação é óbvia, mas demorada no palco político-diplomático. A cidadania de países democráticos e seus noticiários têm de multiplicar essas manifestações em alto e bom som, apoiando os mais de 10 mil manifestantes presos na Rússia, os resistentes ucranianos e incentivando a negação de obediência da soldadesca invasora, que, aparentemente, foi iludida quanto ao objetivo das manobras. Trata-se de corresponsabilidade pelo sofrimento das vítimas.

Harald Hellmuth

hhellmuth@uol.com.br

São Paulo

*

Contraproducente

É preciso ter coragem para fazer o necessário, e não para fazer barulho à toa. Biden chamou Putin de criminoso de guerra – algo que não contribui em nada para evitar esses crimes. É contraproducente, especialmente neste momento em que se procura negociar com ele uma saída para o conflito. Se os EUA fornecessem os aviões de que os ucranianos tanto necessitam para proteger os seus céus, evitariam de forma muito mais eficiente os crimes de guerra de Putin.

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

Nas tamancas

Joe Biden chamou Vladimir Putin de “criminoso de guerra”. Russos pularam nas tamancas. Acharam injusta a merecida definição. Queriam que chamasse o sanguinário mandatário soviético de anjo da guerra ou de benfeitor da humanidade. O cinismo, a intolerância, a brutalidade, a volúpia pelo poder, sem medir consequências, desgraçadamente, são tônicas mundiais.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmaill.com

 Brasília

*

A derradeira besteira

Mesmo cercado de acólitos puxa-sacos, Putin sabe que seu exército está desmotivado e não quer lutar uma guerra injusta e imoral, que seus bilionários compadres de ocasião o estão abandonando e o alto oficialato das Forças Armadas o culpam pela vergonha de estarem apanhando feio de um exército menor. Temo que, acuado e arruinado, sabedor de que o mundo o execra e despreza, antes de sumir, como é típico de ditadores ao prever seu futuro de encarcerado após condenado, Putin cometa a derradeira besteira, nuclear, química ou biológica. Espero estar errado, mas que Putin se parece com um dos desaventurados personagens de Crime e Castigo, parece!

Paulo Boccato

pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SANTO DO PAU OCO

Leio que a PF investiga Alckmin (possível vice de Lula) por receber R$ 3 milhões em caixa 2 (Delator da Ecovias cita R$ 3 milhões em caixa 2 para Alckmin; PF não vê prova, 17/3, A7). Bingo! Em paridade moral com as tungas petistas, atire a primeira pedra quem negar que Alckmin, o santo do pau oco, com os trejeitos e costumes do velhaco PT no DNA, é a rapina que o candidato (des)condenado Lula da Silva necessita para compor a chapa petista ao Planalto no certame de outubro próximo. Abrolhos, Brasil! Tal qual Greta Garbo, quem diria, o moribundo Alckmin acabará no Irajá, dizem as escrituras. Fiquei curioso em saber o que dirá o seu epitáfio político após a eleição: "De onde vens, para onde vais?"

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com

Recreio (RJ)

*

ALCKMIN

FHC, Alckmin e Serra sempre foram os santos da imprensa e dos meus parentes. Mas, agora, como Alckmin será supostamente escolhido para ser vice de Lula, a imprensa que durante décadas o protegeu começou a atacar. Publicam só o que lhes convém.

Eliel Queiroz Barros

monoblocosantoandre@hotmail.com

Santo André

*

CANTO DA SEREIA

O sr. Gilberto Kassab é o mais importante personagem político a tentar fracionar os 40% dos eleitores que se dizem avessos a votar em Lula ou Bolsonaro na futura eleição. Só uma atitude bem sucedida desta natureza seria possível para manter a polaridade que interessa a muitos e evitar que um candidato fora do script tenha chance de vitória. Com seu evidente e reconhecido bom faro, o sr. Kassab  captou no governador do Rio Grande do Sul sua chance de chegar a bom termo neste trabalho. Sim, o sr. Eduardo Leite teria potencial para chegar a um patamar alto de votos num 1.º turno, mas não o suficiente para alcançar o 2.º lugar ocupado hoje pelo presidente Bolsonaro. Estratégia inteligente, sem dúvida, já que é de conhecimento geral que o sr. Kassab apoiará Lula no 2.º turno. Resta saber se Eduardo Leite se prestará a este papel, pondo em risco uma promissora carreira futura.

Sergio Holl Lara

jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

TETO ILIMITADO

Em entrevista, o ex-presidente Lula voltou a criticar o teto de gastos com os dizeres: “Eu sinceramente não acredito em teto de gastos. Teto de gastos é incompetência de quem governa o País. Teto de gastos, um presidente da República senta com os seus ministros, elabora o Orçamento… Não tem que limitar, porque, quando limita, é para gastar menos em benefício do povo". Lula sabe muito bem que o teto foi criado justamente para acabar com a gastança governamental desenfreada – elevada ao extremo pelos governos petistas – e que levou ao desequilíbrio fiscal estratosférico, aumento da dívida, desemprego etc. E ele também sabe muito bem que a imensa maioria do público a quem ele se dirige não faz ideia do significado do teto de gastos, apenas acredita na eloquência do líder, pouco se importando se o líder está falando baboseiras. Lula lidera as pesquisas de intenção de voto, seguido de Bolsonaro, que voltou a entrar no radar. Só que, no quesito “quem fala mais asneiras sem limite de teto”, os dois empatam. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DESTINOS IDÊNTICOS

Roberto Castelo Branco foi demitido da Petrobras pela sua resistência em reduzir e estagnar os aumentos dos combustíveis. O general Joaquim Silva e Luna, atual presidente, sem dúvida, terá o mesmo destino. Quando o populismo, em épocas eleitorais, percebe que as diretrizes corretas de administração não podem ser quebradas, deixando caminho livre para as críticas dos eleitores, fica mais fácil demitir o responsável pelo órgão originador da discórdia. Tanto é assim que Bolsonaro declarou que, por ele, a Petrobras pode ser privatizada, o que significa que a providência mira menos o interesse nacional e muito mais o seu particular e eleitoral.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

RESPONSABILIDADES

O presidente Bolsonaro tem que parar de colocar suas responsabilidades nos outros, como no caso da gasolina. Afinal o presidente é ele e no seu cargo não há só os bônus, mas principalmente os ônus. Assuma!

                

Tania Tavares   

taniatma@hotmail.com  

São Paulo  

*

O QUE INTERESSA

A Coluna do Broadcast do Estadão de quarta (16/3, B18), entre os pontos abordados, tem um intitulado EUA são exemplo de alta. Nele, os defensores do aumento dos combustíveis ocorrido no Brasil pretendem justificá-lo lembrando que isso foi um comportamento mundial, destacando o ocorrido nos Estados Unidos, onde, mais do que os 28% ocorrido aqui, o aumento foi de 100%. O que os defensores desse argumento esquecem é que, antes da alta, com um PIB per capita um americano podia comprar 90 mil litros de gasolina e agora só pode adquirir 45 mil. A metade, é verdade, mas ainda assim cinco vezes mais do que com um PIB per capita se compra gasolina no Brasil. Ou seja, a gasolina é um item cinco vezes mais sensível ao bolso dos brasileiros do que ao dos americanos. Essa é a comparação válida. Por isso é bom ir devagar com aumentos exorbitantes.

José Claudio Marmo Rizzo

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

CONDECORAR A SI MESMO

Não é a primeira vez nem será a última que Jair Bolsonaro condecora a si mesmo, quando não aos seus familiares. Por duas vezes condecorou sua esposa e, também, por duas vezes seus filhos Eduardo e Flávio. No ano passado, “se concedeu” a medalha do Ministério da Justiça por Mérito Científico, apesar do seu flagrante negacionismo. Não satisfeito, granjeou e foi atendido com a medalha de Mérito Indigenista, mesmo após autorizar o garimpo nas áreas indígenas com o objetivo de oficializar a atividade ilegal e clandestina. Os brasileiros já aguardam que ele “se condecore”, também, com a medalha de “Mérito do Pior Presidente que o País Já Teve”. Quem viver verá!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

MÉRITO INDÍGENA

Chega de deboche! Francamente, agraciar o capitão com a medalha de mérito indígena, justamente ele, que não deixa oportunidade para destruir tais povos, é como agraciar o Vladimir Putin com um prêmio de paz pela sua suja guerra, cujo objetivo declarado é neutralizar a agressão da Ucrânia contra a Rússia.

Omar El Seoud

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS

O Supremo Tribunal Federal (STF) continua estabelecendo regras, especialmente em se tratando de julgamentos envolvendo os da Operação Lava Jato. O mais recente é o caso exposto na matéria intitulada STF tem 4 votos para anular grampos de Moro (17/3, A7). Afinal, a quem cabe legislar sobre interceptações telefônicas? Quais as fundamentações das renovações das interceptações? Além disso, tudo indica que as instâncias inferiores são desprovidas de autoridade para interpretações que só no futuro serão validadas. Isso explica em boa parte a lerdeza do mais caro Judiciário do planeta! 

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

FILME BASEADO EM LIVRO DE GENTILI

Fiquei surpreso com parecer lacônico dos especialistas em direito (Governo proíbe veiculação de filme; juristas contestam e Gentili vê ameaça, 16/3, A13). Poderiam apresentar mais comentários com base no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) ou no capítulo dos crimes sexuais contra vulnerável do Código Penal. Cabe lembrar que no código sobre racismo existe a possibilidade de ação penal pública incondicionada por induzir (persuadir, convencer) e incitar. Lamentável o Estadão imiscuir-se em estender o debate, preocupado com o tema "censura". Embora os personagens envolvidos tenham capacidade para área de comédia, obcecados em aparecer, chegaram a esse ponto. Ressalte-se o vídeo sobre religião, que, no afã de justificar, o autor declarou em um programa que já tinha realizado esse tipo de vídeo sobre outras religiões. A "emenda foi pior que o soneto". Espero que o Estadão honre o seu conceito e realize uma nova reportagem sobre esse tema com mais detalhes jurídicos.

José Luiz Abraços

octopus1@uol.com.br

São Paulo

*

CONTRASTE AVILTANTE

Moro em um condomínio de classe média alta no Rio. Entre seus moradores temos funcionários públicos, políticos, empresários e todas as profissões. Não difere dos demais pelo Brasil. Recebemos de vez em quando a visita da Polícia Federal, Ministério Público e outras autoridades. Motivos variados sendo o mais comum envolvimento em corrupção. Porém o que me choca é que temos lado a lado uma escola pública e uma particular dentro do condomínio. Na hora do recreio e almoço, considerando existirem quatro shoppings próximos, a frequência é apenas dos alunos das particulares. Lanchonetes e restaurantes de grife. A garotada usa inclusive cartões de crédito. E o desfile de carros de luxo e ônibus escolares no leva e traz da meninada. Do outro lado um desfile reduzidíssimo de veículos destacando entre eles Chevettes, Passat, Kombis etc. A quase totalidade utiliza o precário transporte público. É comum os carros entrarem e não saírem ou por falta de gasolina ou enguiços. Comem na própria escola sabe lá Deus o quê. Imagino que isso possa causar inveja e na sequência revolta. Sugeriria que a escola particular, por ser isenta de impostos de qualquer natureza, medida injusta por sinal, subvencionasse a pública. Ou, alternativamente, construísse nas comunidades carentes, de onde vêm os referidos alunos, escolas padrão visando somente minorar o sofrimento destas crianças. Detalhe: não sou de esquerda. Nem de direita. Gostaria apenas de ver mais justiça e menos desigualdade. Já contribuo para isto pagando IR e outros excessivos impostos.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

REDES ANTISSOCIAIS

"A Internet deu voz aos idiotas", desabafou Umberto Eco, o notável escritor italiano. Os jovens se comunicam pelas redes sociais, o que é ótimo. O que não devem fazer é se informar sobre assuntos relevantes, como a política, nas notícias falsas que são postadas nas redes sociais por gente muito mal intencionada e perversa. Para estudar se vai à escola, aos colégios e às universidades. Para receber informações se lê jornais, se vê noticiários de televisão confiáveis, apartidários e sérios. Não se pode receber informações de terceiros, que "ouviram falar", que fulano leu na internet. Pesquisa se faz em fontes seguras de conhecimento. Informação de notícias só através de grandes jornais e emissoras importantes de rádio e televisão. Nunca em redes de conversa fiada, ignorante e mal intencionada.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

CONTROVERSO

Hoje, ao desembarcarem no aeroporto do Rio de Janeiro, jogadores, comissão técnica e dirigentes do Fluminense foram ameaçados de agressão por torcedores revoltados pela desclassificação do clube em competição continental, mesmo protegidos por seguranças pessoais e do local. É um disparate total! Os brasileiros são roubados, enganados, tapeados pelos nossos políticos corruptos e aceitam passivamente a situação. Sofrem com falta de emprego, inundações, deslizamentos e não se unem para exigir justiça. Os corruptos, além de não serem punidos pela nossa justiça, são absolvidos dos seus crimes e voltam ao poder para continuar esse ciclo interminável. Como acordar esse eleitor adormecido, inerte e alienado?

João Ernesto Varallo

jevarallo@hotmail.com

São Paulo

*

BUSTO DE HAVELANGE

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, deveria providenciar, por justiça, isenção, gratidão e grandeza de atitude, a inauguração de um busto de João Havelange, em lugar destacado na sede da entidade. Por tudo de positivo que o brasileiro fez em benefício do futebol mundial. Infantino ainda estava nos cueiros e Havelange já trabalhava sem tréguas, pelo desenvolvimento e expansão da Fifa. Havelange presidiu a Fifa por 24 anos. Uniu o mundo através do futebol. Antes dele, a entidade funcionava em prédio precário. Tinha pouca renda e credibilidade. Havelange transformou a entidade na milionária potência mundial que é hoje. Com Havelange a Fifa tinha mais países filiados do que a ONU. Se estivesse entre nós, Havelange completaria 106 anos de idade, dia 8 de maio. Consagrado e respeitado por todos que trabalham com futebol. Asnos, recalcados, éticos de meia pataca e parasitas jamais mancharão a vitoriosa trajetória profissional e humana de João Havelange.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.