Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2022 | 03h00

Petrobras

Nova indicação

Encontrado um nome para comandar a Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho. Bolsonaro tirou um coelho da cartola.

Nivaldo Ribeiro Santos

nivasan1928@gmail.com

São Paulo

*

Velho dilema

Bolsonaro tem nas mãos um dilema que já deve ter rondado seus antecessores e, se não forem tomadas providências eficientes, deverá tolher a autoridade de seus sucessores, mesmo que venha a se reeleger: a nomeação do presidente e de diretores da Petrobras. Vazou que instâncias da companhia produziram material que inviabilizou a investidura dos executivos que o governo indicou para a presidência da estatal e do seu conselho. De uma forma tão impactante, que os próprios escolhidos optaram por declinar do convite. O que pode parecer prova de competência empresarial, de outro lado, pode ser só o corporativismo correndo à solta e reduzindo a ascendência do proprietário – o governo como acionista majoritário – sobre a corporação. Já que produzida internamente, tal força pode representar os interesses dos acionistas privados ou, pior, do quadro de funcionários, um dos mais bem pagos e cheio de penduricalhos de todo o País. Entre eles, gratificação de férias de até 100% do salário e outros exageros. As notícias sobre benesses em estatais e no funcionalismo são recorrentes e escandalizam a sociedade. Com o passar dos anos, as classes dominantes atuaram politicamente e conseguiram transformar suas reivindicações em leis que dificilmente serão revogadas. Isso ocorre no funcionalismo federal, estadual e até no municipal. Talvez justifique a elaboração de ampla reforma econômica e, até, a chamada de constituinte.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

Lula

Ameaça antidemocrática

É inadmissível a ameaça de Lula incitando a CUT a mapear a residência dos deputados tidos como adversários. Essa fala lembra muito os camisas negras de Mussolini. Eles invadiam a casa de seus adversários para espancá-los, intimidá-los e aterrorizá-los. Não seria o caso de incluir essa ameaça nos atos antidemocráticos? Hoje são os deputados, amanhã serão os ministros, depois, os jornalistas e, finalmente, o cidadão que discordar das ideias do lobo selvagem.

Luciana Lins

lucianavlins@gmail.com

Campinas

*

Língua Portuguesa

‘Caipirês’

Cumprimento o jornal pela matéria Internet faz ‘caipirês’ cair em desuso no interior paulista (7/4, A21), mas senti falta da citação a um dos maiores estudiosos e incentivadores do vocabulário caipira, o jornalista e escritor Cornélio Pires, não por acaso natural de Tietê (SP), que, inclusive, chegou a publicar um Dicionário do Caipira, encartado em sua obra Conversas ao Pé do Fogo. Também notei que não houve menção à cidade de Itu (Nossa Senhora da Candelária de Utu-Guaçu), considerada o “berço da República” e onde o “caipirês” não é tão forte, justamente a influência nobiliárquica na cidade.

Otavio A. Malfatto M. Caetano

mmcadv@uol.com.br

São Paulo

*

Pandemia de covid-19

Fantasia macabra

Nossos governantes, preocupados com os festejos momescos que se aproximam, apressam-se a propalar que a covid-19 já nos deixou. Segundo noticiário internacional, a China, o país mais populoso do mundo, passou de menos de 100 casos por dia para mais de mil infecções diárias. O Brasil, como lhe é peculiar, vem fazendo vista grossa à covid, ainda ativa em todo o País, onde as mortes vêm ocorrendo amiúde. Na terça-feira, por exemplo, foram notificadas 205 mortes em 24 horas, somando-se aos 660.586 óbitos já ocorridos. Será que o carnaval, que já se aproxima, é mais importante que a nossa vida? Acorda, Brasil!

Gary Bon-Ali

gary.bonali@gmail.com

São Paulo

*

Estejamos alertas

A covid ainda assusta o mundo. No Reino Unido e na China – esta última, mesmo com lockdown em algumas regiões – o número de casos bate recordes. Aqui, no Brasil, com quase 80% da população totalmente vacinada com duas doses, a média de número de mortes ainda é de 200 por dia. Fazendo conta de padeiro, se não fosse pela vacina, esse número seria de mais de mil ao dia. Ainda não é hora de relaxarmos.

Jorge de Jesus Longato

financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

O BRASIL NÃO SE CANSA DE PERDER

O ex-presidente e ex-presidiário Lula dá sinais de senilidade enquanto se derrete nas intenções de voto pregando o velho radicalismo tosco do “nós contra eles”. Jair Bolsonaro segue colecionando motivos para ser preso, logo depois do escândalo da propina no Ministério da Educação (MEC), surge ligação do presidente ao assassinato de Adriano da Nobrega. Vamos perder mais algumas décadas elegendo um desses dois cacarecos. O País estaria muito melhor com Lula e Bolsonaro dividindo a cela na cadeia, porque isso abriria espaço para termos a chance de um governo decente. Mas o Brasil segue refém de um sistema político cuja única preocupação é receber cada vez mais dinheiro do governo através dos mais variados esquemas: rachadinha, mensalão, orçamento secreto, emendas secretas, superfaturamento de tudo, propina em todas as transações. Ganhará a eleição quem oferecer mais esquemas para o Congresso. O Brasil de Lula e de Bolsonaro é o retrato de um país que fracassou e não se cansa de continuar repetindo os erros de sempre.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo 

*

BANÂNIA

A manchete “Governo recua, baixa preço e custo de ônibus cai R$ 510 mi” (Estado, 6/4, primeira página) estaria completa se informasse ainda que “todos os vigaristas envolvidos foram presos”. Mas estamos em Banânia.

Ademir Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

NOSSOS FISCAIS

Já que os policiais, os procuradores do Ministério Público e os fiscais da Receita Federal e do Tribunal de Contas da União (TCU) não cumprem com suas obrigações, ainda bem que temos as mídias, como o jornal O Estado de São Paulo, para combater a corrupção. Graças ao Estadão, as falcatruas que vinham ocorrendo no MEC foram descobertas e a licitação dos ônibus superfaturados, embargada. E o Facebook também está ajudando no combate às fake news, que vergonhosamente eram postadas por oficiais do Exército. Nossas instituições estão deixando a desejar. Parabéns ao Estadão e seus jornalistas competentes. Tenho orgulho de ser assinante.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

POLÍTICAS E TERCEIRA VIA

Interessante a coluna de William Waack sobre as dificuldades da terceira via (Estado, 7/4, A11). Há dias publiquei nas minhas redes um resumo do que penso a respeito. Talvez o maior defeito do sistema eleitoral brasileiro seja a distribuição dos Fundos Eleitoral e Partidário (um Everest de dinheiro) proporcionalmente ao número de deputados federais. Para os partidos, não interessa gastar dinheiro com campanha eleitoral para presidente, governador ou senador, eles não rendem, não dão lucro. Isso só deputado federal dá. Não pode haver democracia quando tão poucos – os 30 presidentes dos partidos – decidem tudo por questões monetárias. Quanto mais dinheiro, maior a tentação.

Helton Perillo Ferreira Leite 

heltonperillo@gmail.com

Lorena

*

SOS

Pelo andar da carruagem, a terceira via vai chegar mesmo em terceiro lugar. Socorro!

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

BOLSONARO, MULATA E O CENTRÃO

Nós, que votamos no Bolsonaro e não queremos admitir a burrice que fizemos, tentamos reconhecer pelo menos alguma fala correta: os comentários que ele fez sobre o preconceito racial americano e o brasileiro. Nos EUA, só por ter alguma parcela de sangue negro o indivíduo é caracterizado como negro, ao passo que no Brasil nós temos características de mulata, moreno, pardo e ébano, dependendo da percentagem de sangue negro. Talvez ele tenha feito a análise correta do fato por acaso, e não por entendimento do fato. O que abala inteiramente a sustentação de Bolsonaro para o cargo de presidente é a sua aproximação com o Centrão, que é o maior provedor das contas pessoais. Segundo o Estadão, cada deputado representa um custo de 4,5 milhões por ano, então talvez o único remédio que resta para salvar o Brasil seja o não reconhecimento das classes de despesa obrigatória e discricionária. Extinguindo as classes e fazendo com que todas as despesas sejam simplesmente "despesas", tornaremos o Orçamento mais exequível e certamente mais justo.

Tarcisio de Barros Bandeira

tbb@osite.com.br

São Paulo

*

O TRIPÉ DA MISÉRIA

O presidente Bolsonaro vetou a Lei Paulo Gustavo, que previa verba de R$ 3,8 bilhões para o setor cultural (Estado, 7/4, C6). É mais uma demonstração do total desprezo que ele tem pelo bem dos brasileiros. Senão, como explicar a designação de ministros como Abraham Weintraub e Milton Ribeiro para a pasta de Educação, de Eduardo Pazuello para Saúde e de Fábio Farias para a Cultura? É a cartilha clássica dos ditadores: é mais fácil dirigir um povo ignorante, doente, e com fome.

Omar El Seoud

elseoud.usp@gmail.com

São Paulo

*

LEI PAULO GUSTAVO

Fundamental a derrubada pelo Congresso Nacional do veto presidencial da Lei Paulo Gustavo, que libera verbas para o setor cultural do País e abrange cerca de 5 milhões de brasileiros e 3% do PIB nacional. Essa visão curta de Bolsonaro de que artistas são todos esquerdistas e não merecem ser socorridos, após a crise que o setor está vivendo desde o início da pandemia da covid-19, é tão tacanha que tal revogação de tal veto é fundamental para a recuperação socioeconômica de nosso País.

José de Anchieta Nobre de Almeida

josenobredalmeida@gmail.com

Rio de Janeiro

*

DEPENDENTES DE FAKE NEWS

O presidente, aliados, filhos e simpatizantes caracterizam-se pela ausência do poder de argumentação, desconhecem o que seja política, cultura, educação e história. Motivo do porquê raramente um bolsonarista consegue discutir política com amigos ou familiares. Geralmente nessas situações eles apelam para denúncias falsas ou mantras usados na eleição de 2018. O bolsonarismo depende da existência desses subfatos, precisam das fake news como do ar que respiram. Como isso tudo é de um ridículo enorme, eles se comportam quase como caricaturas vivas, como disse a cartunista Laerte recentemente. Em 2018, WhatsApp e as redes sociais eram terrenos férteis para que pudessem disparar milhares de postagens de forma massiva levando ao maior número de pessoas fake news contra adversários ou ainda enaltecendo o então candidato Bolsonaro com mentiras e fatos que não condiziam com a verdade. Acontece que houve uma reação de setores da sociedade neste período de mais de três anos, incluindo uma CPI no Congresso Nacional e uma forte reação do Supremo Tribunal Federal (STF). As redes sociais criaram mecanismos para evitar ou pelo menos impedir que essas fake news continuassem a incomodar a sociedade. O desespero deles é que, sem as mentiras, eles não existem, não respiram e não vivem. Morrem abraçados ao desespero de não terem realizações do governo em quase quatro anos de gestão. De não haver projetos para educação, saúde, habitação e saneamento básico. De não ter sido reduzido o desemprego, os índices de analfabetismo e a fome, que voltou a atingir milhões de brasileiros. Vivem falando de Dilma e do PT, que não estão no governo há mais de seis anos. Falam de Lula, que não governa o País há mais de 11 anos. Mas o ódio é maior que o discernimento, e como diz o jornalista Reinaldo Azevedo: “Sou liberal e fui crítico severo do Lula e do PT. No entanto, desafio o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF4) e a 5.ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a apresentarem em que página da sentença feita por Sergio Moro estão as provas contra o presidente”. É fácil chamar alguém de ladrão sem ter provas, e é isso que a direita conseguiu junto às pessoas que não leem, não estudam, não se informam e vivem completamente alhures ao mundo em que os demais vivem.

Rafael Moia Filho

rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

FREIOS

Dois assuntos. 1) Lula deveria saber que quem fala demais dá bom dia a cavalo, ensina o ditado popular. O triunfalismo exacerbado do candidato petista indica que ele precisa frear a língua. Dirigiu sandices para deputados, insultou o Congresso e defendeu, açodadamente, a legalização do aborto. Tiros no pé e as eleições ainda estão longe. 2) Assombrosa pantomima a pretensão de parlamentares fantoches de Bolsonaro em obrigar o ministro do STF Alexandre de Moraes a comparecer ao Senado para dar explicações sobre os recentes fatos políticos dos quais é relator. Moraes não vai servir de palanque nem de pasto para saciar o apetite de demagogos, oportunistas e ressentidos, ávidos por minutos de fama.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com    

Brasília

*

VERGONHA

As últimas declarações do candidato Lula mostram a falência moral, ética e jurídica de nosso país. E temos vários responsáveis por isso: covardia e omissão da Igreja e de parte da imprensa, bagunça nas escolas e universidades públicas, corrupção generalizada nas administrações públicas e, finalmente, falha da educação familiar. Um sujeito desse é uma vergonha para a nação.

André Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

PLANOS DE SAÚDE

É consenso entre especialistas que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está prestes a autorizar um reajuste de até 18,2% no valor dos planos individuais de saúde. O governo federal deveria agir pró-ativamente e propor alguma solução antes da divulgação desse percentual na tentativa de abrandar o impacto do aumento junto aos 8,9 milhões de brasileiros que se utilizam desses planos.

Jorge de Jesus Longato

financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

*

A CAÇADA DE VOTOS

Veja como essa é uma época em que o cidadão deve estar atento à caçada de votos. O ex- secretário da Educação Rossieli Soares está na mídia comunicando sua pré-candidatura a deputado federal. Pois bem, chegou a hora de avaliar o trabalho do secretário da Educação por São Paulo. A classe do magistério não tem nenhum motivo para votar em quem nada fez pela educação. Os professores aposentados, que pagaram a vida toda para se aposentar, hoje pagam 14% de seu salário de fome para ajudar num rombo que nunca fizeram e que não têm reajuste há mais de 10 anos. O Governador Doria e seu secretário serão lembrados pelos professores nas urnas, dizendo “não” aos traidores da classe.

Izabel Avallone

izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

MP 1.085/21 - CARTÓRIOS

Sobre o artigo MP 1085/21: levando os cartórios ao século 21 (Estado, 6/4, B2), na minha opinião, deveriam acabar com os cartórios. Para que registrar uma pessoa no cartório? Faça o registro na Receita Federal, emitindo o CPF. Casamento e óbito também no CPF. Para que registrar uma escritura de imóvel no cartório? Faça o registro direto no cadastro de imóveis da prefeitura. Cartório só existe para burocratizar a vida do cidadão!

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

RUÍDOS INCIVILIZADOS

Se o barulho ensurdecedor contínuo que acontece madrugada adentro, proveniente das obras do metrô nas regiões de Perdizes e Pompeia, já é um absurdo imensurável (Estado, 6/4, A17), mais absurda ainda é a argumentação arrebatadoramente simplista da concessionária responsável pelas construções de que o turno da madrugada é “essencial”. E a Secretaria de Transportes Metropolitanos ainda arremata o simplismo ao afirmar que é dever da concessionária “informar antecipadamente aos moradores do entorno sobre a possibilidade de ruído próximo a canteiros e adotar medidas mitigadoras” nas atividades à noite, como se tal justificativa fosse final e suficiente. Se fosse um empreendimento privado, a fiscalização da Prefeitura não perderia tempo em impugnar o turno da madrugada. Além disso, como fica a Lei do Silêncio? Foi conveniente e silenciosamente esquecida? Tais ruídos, além de incômodos e prejudiciais ao bem-estar físico e mental, são incivilizados. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.