Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2022 | 03h00

Eleições 2022

União formalizada

A foto do desmemoriado Geraldo Alckmin com o corrupto presidiário Lula entra para a história como um dos momentos mais vergonhosos da nossa política. Triste e vergonhoso. A resposta virá, ainda que seja a galope, para sepultar dois cadáveres políticos putrefatos.

Moacyr Rodrigues Nogueira

moaca14@hotmail.com

 São Paulo

*

Equilíbrio ou erro fatal

O que esperar da adesão de Geraldo Alckmin à candidatura de Lula à Presidência da República? Sua adesão terá de trazer algo que equilibre as ações políticas e module as estratégias do PT, que virá novamente com seu projeto de permanência no poder, da maneira que já conhecemos. Se for para ser “vaca de presépio” dos dirigentes petistas, cujas ideias são bastante conhecidas, será mais um erro (e desta vez fatal) de estratégia política do ex-governador.

Flávio Madureira Padula

flvpadula@gmail.com

São Paulo

*

Presidente Alckmin?

Lula está empenhado em restaurar sua credibilidade e, para isso, precisa se tornar presidente novamente, mas não está interessado em governar no dia a dia. Ele também está mais preocupado com sua própria reputação do que com a do PT. Alckmin reconhece isso e é mais esperto do que muitas pessoas acreditam. Eu não me surpreenderia se ele soubesse de algo sobre a saúde de Lula, por exemplo. Talvez que Lula não seria capaz de completar seu primeiro mandato. Neste caso, se ele renunciasse, Alckmin assumiria a Presidência. Ou eles têm um acordo secreto no qual Lula não se candidataria às eleições em 2026 e apoiaria Alckmin.

John Fitzpatrick

johnfitz668@gmail.com

São Paulo

*

Torto

“Eu mudei, o Alckmin mudou”, disse Lula sobre seu futuro vice. Há um adágio popular que diz “pau que nasce torto morre torto”. Precisa explicar?

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

Vai ser difícil

O “coxinha versus mortadela” e o “nós contra eles” saem de cena para a entrada do “bem contra o mal” na campanha. Dentro do PT, apesar da certeza da vitória, há briguinhas típicas do “já ganhou”. O grupo de Gleisi contra o de Zé Dirceu, o condenado a 40 anos de prisão, mas que está livre, leve e solto, e aqueles que querem e os que não querem o “picolé de chuchu”. Lula vai ter trabalho para acomodar seus apaniguados, caso seja reeleito.

José A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

Nada mudou

Lembrando José Dirceu: “O PT não rouba e não deixa roubar”. E Jair Bolsonaro: “Acabei com a Lava Jato porque no meu governo não tem corrupção”. O que mudou? Nada, nem as mentiras.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

Vaidade

Para barrar a dupla Bolsonaro e Lula, falou-se muito em constituir uma terceira força, mas, infelizmente, ela ainda não existe, simplesmente porque ninguém quer abrir mão de sua própria candidatura nem de seus interesses pessoais em prol da Nação. O certo seria que estes candidatos – João Doria, Ciro Gomes, Simone Tebet, Eduardo Leite e outros eventuais – tivessem a coragem de se reunir em torno de um só objetivo e de um único candidato, a fim de derrotar os dois favoritos e, depois, trabalhar pela melhora socioeconômica do Brasil. Mas nenhum deles deseja abdicar de suas ambições e de sua vaidade. Sorte de Lula e de Bolsonaro, que vão nadar de braçadas.

Eduardo Mendes Huet Bacellar

ed.bacellar @hotmail.com

São Paulo

*

Município de São Paulo

Prioridades

Prefeitura planeja mirante com vista da Rua Augusta para a ligação Leste-Oeste (8/4, A19). E as prioridades como o asfaltamento e reparo das ruas da cidade, totalmente esburacadas e onduladas?

Alvaro A. Fonseca de Arruda

alvaroarruda46@gmail.com

São Paulo

*

Chuvas no RJ

Tragédia anunciada

Esta semana, as chuvas mataram 20 pessoas no Rio. Só em Angra dos Reis, levantamento detectou 14,6 mil residências em áreas de risco. E ninguém, absolutamente ninguém, principalmente autoridades, viu essas casas serem construídas.

A. Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

EM BOCA FECHADA NÃO ENTRA MOSCA

Em sua primeira manifestação sobre o aborto, Lula manifestou-se a favor. Foi sua opinião sincera, porque saiu espontaneamente. Agora, percebendo o erro, o ex-presidente recuou e lançou mão de um eufemismo sobre o assunto. Seu cérebro só pensa em benefício próprio e emite opiniões que trazem retorno material imediato, ou seja, votos para a próxima disputa eleitoral. Os políticos só pensam em si próprios e exploram os mais frágeis com demagogias baratas. Eles falam sobre assuntos que impactam os ignorantes e, depois, ao perceberem que não conseguirão o que desejam, mudam de opinião sem a menor vergonha: é o cinismo puro e explícito. Lula poderia lembrar-se do adágio: “In os clausum nulla musca intrat” (tradução: em boca fechada não entra mosca).

Mário Negrão Borgonovi

marionegrao.borgonovi@gmail.com

Petrópolis (RJ)

*

O PEIXE MORRE PELA BOCA

Lula é um molusco marinho que, após mergulhos profundos na camada escura e nebulosa onde jorrou o petrolão, sofreu mutação genética e se transformou em um peixe de boca nervosa que profere discursos a favor do aborto, faz conclamação para importunação de adversários políticos e de seus familiares em suas residências e ameaça controlar a imprensa. No mar da politicagem também vale o ditado de que o peixe, especialmente em ano eleitoral, morre pela boca.

Túllio Marco Soares Carvalho

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

*

LULOPETISMO BRUTAL

O Estado, no editorial Lula em estado bruto (8/4, A3), fez muito bem em lembrar uma das declarações mais asquerosas e insultantes jamais proferidas por um petista fanático. A filósofa Marilena Chauí entrou para a história, pela porta errada, evidentemente, ao afirmar seu ódio pela classe média chamando-a, entre outras obscenidades, de arrogante e terrorista. Entretanto, grosseria à parte, existe uma incoerência nessa declaração jamais esclarecida até hoje: Lula sempre se vangloriou de ter tirado milhares de pessoas da pobreza durante sua gestão. Ora, se isso é verdade, seguramente muitas delas entraram no território da classe média, certo? E então, como fica a equação? As pessoas que ascenderam socialmente graças a ele deixaram de ser pobres e tornaram-se reacionárias, conservadoras e petulantes? É essa a lógica petista? A filósofa termina o discurso famigerado reiterando que a classe média é uma abominação cognitiva porque é ignorante. Bem, além de a lógica lulopetista frequentemente passar longe da cognição, o que o PT fez enquanto governo, sim, foi abominável. E a classe média nada teve a ver com isso. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

DIA ‘D’

Decepcionante a atitude do ex-governador Geraldo Alckmin ao se pronunciar sobre a aceitação de ser vice do ex-presidente Lula. Depois de engolir tudo o que disse em eleições passadas, volta agora também junto a esse ao local do crime. Pensando com meus botões, o que leva uma pessoa a rasgar seu currículo político, jogando todas as suas fichas,  vendendo sua alma ao diabo, para emplacar sua candidatura a vice de Lula? Inconcebível a atitude do sr. Geraldo!

Arnaldo Luiz e Oliveira Filho

arluolf@hotmail.com

Itapeva

*

ESCANDALÔMETRO

Nos anos 1970, o saudoso jornalista Flávio Rangel propôs a invenção de um aparelho que ele chamou de "escandalômetro". Esse aparelho se destinaria somente a informar o povo do número e da extensão dos escândalos públicos que já naquela época ocorriam, mas seria apenas um instrumento destinado a proporcionar algum conforto e de inspiração para novas piadas e modinhas galhofeiras, os políticos nunca deveriam ser perturbados na sua predação. Passado meio século, a corrupção se desenvolveu muito. Os políticos que naquela época cursavam o ginásio na escola da corrupção, hoje são pós-graduados. Descobriram o quanto podem desrespeitar o povo brasileiro e que sempre terão um recurso legal para livrá-los do mal, amém. Como vivi naquela época e continuo vivendo nesta, continuo sentindo falta do escandalômetro proposto por Flávio Rangel, que hoje seria aperfeiçoado com escala escandalométrica maior. Contudo, proporcionaria apenas  conforto. O povo brasileiro perdeu sua capacidade de fazer piadas e modinhas.

Affonso Morel

affonso.m.morel@hotmail.com

São Paulo

*

TARCÍSIO QUEIMA NA LARGADA

Como pré-candidato ao governo de São Paulo, o ex-ministro da Infraestrutura do atual governo, Tarcísio Freitas (Republicanos-SP), dá demonstração de estar contaminado pelo vírus da insensatez e do retrocesso de Jair Bolsonaro. Assim como participou de eventos ao lado do presidente sem máscara nesta pandemia, queima na largada da sua campanha eleitoral quando promete, se vencer o pleito, acabar com as câmeras nos uniformes dos policiais militares que, de forma pioneira no País, foram implementadas na gestão João Doria. Estarrece saber que deseja mandar às favas a eficiência e sucesso do uso dessas câmeras em São Paulo. Mesmo sabendo que o uso é importante para o policial, já que o aparelho grava toda a ação e pode ser um álibi. Mas, infelizmente, Tarcísio, segue a cartilha de Bolsonaro de ser contra adversários políticos por tudo de bom que realizaram para a população. Ora, São Paulo não merece um candidato com esse perfil.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PAULISTA QUER AFUNDAR SÃO PAULO

Eu pensava que nós, paulistas, fôssemos mais informados e, portanto, não sujeitos a eleger um petista para (des)governar nosso Estado. Mas enganado sou e sinto que pesa muito na votação o eleitor da capital, que adora votar em lulistas como foram Luiza Erundina, Marta Suplicy e Fernando Haddad na Prefeitura. Os paulistas esqueceram que o PT montou e usufruiu do maior sistema de corrupção já visto no Brasil. Pois é, sem memória o eleitor paulista se esquece dessa passagem catastrófica no mando do País e agora idiotizado, ou no mínimo distraído, está disposto a dar a chave do cofre do tesouro do nosso Estado ao PT.

Laércio Zannini

spettro@uol.com.br

São Paulo

*

POPULISMO E SAÚVAS

O dito popular "o inferno está cheio de boas intenções" se aplica perfeitamente ao caso das nomeações dos membros das agências reguladoras pelos políticos via Presidência da República com anuência do Senado, como bem mostra o artigo Populismo e saúvas, os males do Brasil de autoria da economista e advogada Elena Landau (Estado, 8/4, B3). O que se tem visto é a indicação de pessoas totalmente sem credenciais técnicas para as funções, deixando o contribuinte nas mãos de interesses pouco públicos, sem contar a insegurança jurídica gerada ao se contemplar os objetivos dos políticos. Afinal, os incompetentes foram indicados por eles.

José Elias Laier

joseeliaslaier@gmail.com

São Carlos

*

INSS E RECEITA FEDERAL

É uma vergonha o que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Receita Federal do Brasil estão fazendo com o meu caso. Eu fiz um parcelamento no dia 22/9/2003, amparado pela Lei Federal 10.684/2003, de um período que ficou sem que eu tenha recolhido como contribuinte o meu INSS. Foram recolhidas 213 parcelas, conforme constava na referida lei, durante mais de 18 anos. Nesse período eu entrei em contato por dezenas de vezes com a Receita Federal da cidade de Tietê, que não consolidava o parcelamento. Somente no dia 11/5/2011 fui obrigado a assinar um Lançamento de Débito Confessado (LDC) com o argumento de que se assinasse sairia a consolidação. Esse LDC correspondia ao mesmo período que constava no parcelamento assinado em 2003. Quando chegou o dia 13/9/2012, fui chamado a me dirigir ao posto da Receita Federal da cidade de Piracicaba para assinar outro LDC, pois o anterior seria cancelado, e a diferença entre eles era de que o novo LDC tinha somente as datas retroagidas para justificar que foram consolidadas, ou seja, eu assinei e coloquei a data de 13/9/2012, e a auditora assinou e colocou a data de 31/7/2003. A Receita Federal enviou uma carta no dia 13/10/2013 confirmando o cancelamento do LDC anterior, dá para verificar várias inconsistências com as datas. No dia 16/6/2014, eu recebi uma carta da Receita Federal intimando para que comparecesse ao posto em 10 dias para tratar do LDC que não fora pago e que seria enviada para a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) para inscrição na dívida ativa da União para cobrança. Minha aposentadoria saiu no ano de 2015, retroagindo para 2013, sem que constasse esse período do parcelamento, quando eu fiquei muito preocupado com o desconto no valor recebido. No dia 19/5/2020, recebi outra carta da Receita Federal da cidade de Sorocaba me avisando que eu havia pago o máximo de 180 parcelas e que deveria quitar a guia anexa com o saldo devedor. Entrei em contato pelo número 135 no dia 26/4/2021 explicando a situação, e eles abriram um protocolo de revisão da minha aposentadoria e me deram 45 dias para uma posição. Tenho ligado todos os meses a partir dessa data e eles só falam que é para aguardar e que está em análise. A única esperança que tenho é enviar esta minha reclamação ao jornal O Estado de São Paulo, pois sou assinante na banca deste conceituado jornal, para ver se chega na pessoa certa para solucionar o meu caso, pois vai fazer 19 anos que eu entrei com o parcelamento e até hoje não tive solução.

Wilson Roberto Zalla,

wilsonrzalla@gmail.com

Laranjal Paulista

*

A EXCRESCÊNCIA DO PIX

Está tão fácil roubar os brasileiros com transferências de valores através do Pix, que quadrilhas, especialmente a facção criminosa do Primeiro Comando da Capital (PCC), já se especializaram nessa nova excrescência criminosa (Estado, 8/4, A17). Na verdade, os benefícios dessa ferramenta bancária são muito inferiores aos malefícios que ela traz. Por outro lado, as autoridades, com cara de paisagem, assistem passivamente às mortes e prejuízos causados aos brasileiros de bem. O pior de tudo é que nenhum correntista consegue eliminar essa opção maléfica do seu celular. Mais uma omissão dos órgão responsáveis.

 

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ROUBO DE CELULARES

O número de assaltos a agências bancárias tem diminuído em todo o País não apenas porque centenas delas foram fechadas, mas sobretudo pela ação das gangues de roubo de celulares, com forte atuação do famigerado PCC, uma vez que cada aparelho, além de seu valor de revenda, virou também um caixa eletrônico ambulante com o advento do Pix. Fica a sugestão de uma campanha publicitária bancada pelas fabricantes de aparelhos em conjunto com a Secretaria de Segurança Pública e a polícia de cada Estado orientando as pessoas a não andarem com os celulares expostos nas ruas nem nos automóveis. É o jeito de se proteger do crime organizado. Pobre Brasil.

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

REPRESENTANTE COM PRIORIDADES DIFERENTES

Ketanji Brown Jackson, a juíza indicada para a Suprema Corte americana, é tida por especialistas como alguém que defende punições suaves para criminosos e é branda com pessoas que consomem pornografia infantil, disse o comentarista Rodrigo Constantino. Não é por acaso que o crime e a pornografia infantil não param de aumentar no país e a vida está se tornando mais difícil para suas vítimas, especialmente para as crianças. Antigamente era consenso que um dos principais papéis da sociedade era defendê-las. Mas surgiram outras prioridades, tais como o bem-estar e a leniência para com os agressores de todos os tipos. Será que as mulheres americanas negras em geral pensam assim? Não. Pelo contrário: elas são um dos segmentos da população que mais se posicionam contra o crime e a pornografia infantil. Ora, se a juíza indicada não pensa como elas, por que se alega que seria sua representante na Suprema Corte? Só por que a cor da pele e seu sexo são iguais? Mas o cérebro e seu conteúdo não importam nada? Hoje em dia é muito mais difícil mudar um cérebro e seu conteúdo do que a cor da pele ou a identidade de gênero de uma pessoa.

                                                                                                                                                 

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

GUERRA NA UCRÂNIA

O controverso enlace de Joe Biden com Volodmir Zelenski pode ter o efeito de empurrar parte do eleitorado estadunidense para a direita. Republicanos têm emitido opiniões a questionar a racionalidade do envolvimento dos Estados Unidos na guerra da Ucrânia, diz artigo do New York Times assinado por David Leonhardt. Existe uma ala do Partido Republicano que verbaliza respeito e apoio ao presidente russo. Enquanto o conglomerado Koch, cuja família controladora desponta entre os principais fundadores do partido, declarou que pretende continuar a atuar na Rússia. As sanções econômicas de Biden provavelmente levarão a uma crise planetária que não vai poupar os norte-americanos e deixar de influir nos votos. A obsessão em derrubar Vladimir Putin a qualquer preço, como George Bush fez com Saddam Hussein, pode, enfim, reverter em desfavor do Partido Democrata.

Patricia Porto da Silva

portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

OS MELHORES DE 2022

Se sobreviver, Volodmir Zelenski, presidente da Ucrânia, deveria ser anunciado como ganhador do Nobel da Paz em 2022. Se sobreviver, Vladimir Putin poderá ganhar o Oscar de melhor ator do pior filme de guerra da humanidade.

 

Carlos Gaspar

carlos-gaspar@uol.com.br

São Paulo

*

103 ANOS DE LYGIA

Lygia Fagundes Telles, a grande escritora que enriqueceu a literatura brasileira, faleceu aos 103 anos, e não aos 98 como divulgado inicialmente. A sua história é rica

e contribuiu muito para o nosso País! Entre suas obras de grande valor cultural podemos citar: Um Coração Ardente, O Segredo e Outras Histórias de Descoberto, Passaporte para a China, Crônicas de Viagens, Conspiração de Nuvens, O Jardim Selvagem, Ciranda de Pedra, Verão no Aquário, As Meninas, As Horas Nuas. Durante a ditadura militar, lutou contra a censura que violentava a cultura no Brasil. Outro fato importante de sua história foi ter sido a terceira mulher a participar da Academia Brasileira de Letras. Este é um pequeno relato da sua bela história de vida, que contribuiu muito para a nossa cultura.

Marcos Tito

marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.