Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2022 | 03h00

Bolsonaro x STF

Bolivarianos de direita

Ditaduras de esquerda ou de direita são igualmente odientas e inaceitáveis, sob qualquer perspectiva. Sociedades desenvolvidas não aceitam tutela de Forças Armadas nem de ditadores, em razão do pacto social fruto de critérios entre os quais a democracia é um valor intrínseco, inegociável e absolutamente incorporado na mentalidade de seus habitantes. É paradoxal que o líder e os adoradores do bolsonarismo sempre digam que “o Brasil pode virar uma Venezuela se o PT voltar”, mas quem vem adotando métodos chavistas para a conquista de mais poder seja o atual presidente. O principal deles é o aparelhamento do Estado com quadros das Forças Armadas, ainda que muitos deles não tenham qualificação para os cargos aos quais são nomeados. Em paralelo, o ataque ao Poder Judiciário também é outra característica chavista, portanto a guerra contra o Supremo Tribunal Federal (STF) é premeditada, coisa de quem sabe que um dia terá de prestar contas à Justiça, daí sua tentativa de vitimização preventiva. O bolivarianismo de direita também é nítido no culto à personalidade do seu líder. Mesmo ele tendo atributos intelectuais que nos remetem à Idade Média, os discípulos do “mito” o veem como o salvador da Pátria e, em alguns casos mais graves, como o novo Messias, o que nos dá a medida do buraco em que nos metemos. Basta! Ditadura e anistia nunca mais! Vida longa à democracia!

Sandro Ferreira

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

Jabuti no galho

Com relação às exacerbadas querelas de Bolsonaro diante do STF, convém atenção para a velha lição de filosofia caipira: jabuti no galho não sobe sozinho.

Roberto Barone

rbtobr263@gmail.com

 São Paulo

*

Molecagem

O que o presidente Bolsonaro está fazendo nada mais é que uma molecagem, digna de um garoto de 12 anos, completamente irresponsável. Tão irresponsável que chega às margens da inconsequência. Pode até ser um tiro no pé, no próprio pé. Pelas reações iniciais ao decreto da graça, começa uma nova crise sobre fatos de mínima relevância para o País. O deputado em questão, beneficiário da medida presidencial, é do baixo clero, elemento do mais baixo escalão, talvez o último deles, que usou a tribuna e a imprensa para se mostrar e tentar conquistar visibilidade, particularmente no seu Estado. Positiva ou negativamente, conseguiu. Só que não vai poder fazer uso dessa visibilidade, ao menos no Congresso Nacional. Perdoado ou não, vai ganhar o troféu negativo máximo do político: a inelegibilidade. Ou seja, sua carreira política, já frouxa, está liquidada. Ao menos por enquanto. E o presidente, onde é que fica? Provavelmente, fica bem mais baixo do que já está em termos de prestígio e consideração pelo respeitável público, que ainda é majoritariamente contra ele. Pena que muitos destes, infelizmente, aderiram ao “sapo barbudo”, esquecendo-se dos seus atributos e feitos em anos passados.

Nelson Newton Ferraz

nelfer2011@gmail.com

São Paulo

*

Precedente

Perguntar não ofende: pode um presidente conceder preventivamente a graça a parentes?

Vital Romaneli Penha

vitalromaneli@gmail.com

Jacareí

*

Solução

Do imoral ao ilegal existe um largo vão. É preciso comedimento para não nos precipitarmos (ainda mais) no abismo institucional e no velado desrespeito à Constituição. A condenação de Daniel Silveira foi necessária e a prisão também seria. O decreto de Bolsonaro foi inoportuno e antiético, mas legal. Não existe margem ou convicção pessoal que supere o respeito à Carta Magna. Para o gesto medíocre de Bolsonaro, urge a solução de sempre aclamada: impeachment.

Renato Mendes do Nascimento

renatonascimento@uol.com.br

Santo André

*

São Paulo

Ruas esburacadas

Percorro diariamente a Rua Estados Unidos, nos Jardins, no trecho entre a Avenida Brigadeiro Luís Antonio e a Rua Rocha Azevedo. A via está repleta de buracos e ondulações, tornando-se impossível seguir na mesma faixa do leito carroçável durante todo o percurso, sob pena de destruição da suspensão do veículo. Até quando a Prefeitura pretende se omitir na manutenção básica das ruas de São Paulo, não podendo ignorar o risco de vida e os prejuízos causados aos proprietários dos veículos?

Alvaro A. Fonseca de Arruda

alvaroarruda46@gmail.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OS DEMÔNIOS DO PASTOR

Ex-ministro da Educação e pastor evangélico é flagrado com arma em balcão de embarque de Brasília atirando a torto e a direito (Arma de Milton Ribeiro dispara em aeroporto, 27/4, A12). Quais são os demônios do pastor? Antes de ocupar a pasta da Educação de Bolsonaro, carregava uma arma na "pasta"? Estranho é o país em que os religiosos duelam contra o tinhoso armados com arsenal bélico ao invés de orações. Mais uma peculiaridade bolsonarista em que pastores atiram e militares comemoram a Páscoa servindo-se de apetitosos ovinhos de coelho sem maiores consequências.

Lairton Costa

lairton.costa@yahoo.com

São Paulo

*

PORTE DE ARMA DIDÁTICO

A única contribuição didática de Milton Ribeiro foi mostrar a todos que, mesmo quem tem porte legalizado de arma, está sujeito a ferir outras pessoas. Com o controle hoje existente, o funesto ex-ministro burlou as regras e machucou uma funcionária da companhia aérea. Imaginemos o que virá com a proliferação do acesso aos armamentos e o relaxamento das normas de uso promovidos pelo atual desgoverno e sua beligerante bancada da bala.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

PASTOR FORA DE ÓRBITA

Falta, no mínimo, tanto como pastor quanto como ex-ministro da Educação do governo de Bolsonaro, muito mais do que bom senso. Ir para o aeroporto portando uma arma e diante do balcão de embarque fazer com que disparasse acidentalmente é uma falta de juízo. Imaginem se tivesse embarcado e levado a arma e esta disparasse durante o voo? Alguém poderia ter sido ferido gravemente ou o disparo poderia provocar danos no avião, dependendo do que atingisse. Como ele vai se apresentar diante dos membros de sua congregação? Fazendo piada, talvez?

Alvaro Salvi

alvarosalvi@hotmail.com

Santo André

*

TAPA NA CARA

Sinto-me atingida pela canalhice de uma boa parte dos deputados federais, principalmente os que estão acobertando o condenado Daniel Silveira (PTB-RJ). Seu partido o indicou para fazer parte da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e a base do governo o indicou para a Comissão de Segurança. É ou não uma bofetada na nossa cara? Este é o pior Congresso que já tivemos. Eu tenho vergonha dos políticos brasileiros, com raras exceções.

Tania Tavares   

taniatma@hotmail.com  

São Paulo

*

DANIEL SILVEIRA

É evidente que tudo o que fez o deputado Daniel Silveira fazia parte do plano para conseguir ser punido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para poder receber a graça de Jair Bolsonaro. Na minha opinião, o Supremo foi excessivo na pena aplicada, mas tudo bem. Agora, juntam-se mais moleques a esta farsa. A Câmara elege Silveira para a vice-presidência de uma comissão, ele entra também na Comissão de Constituição e Justiça (nem sabemos se ele sabe ler!) e depois quer entrar na comissão da cultura. Logo que ele fizer a primeira bobagem na cultura, o Brasil inteiro vai se insurgir fazendo muita propaganda para o deputado. Parece uma comédia de pastelão, viramos um circo da periferia.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

PITBULL DE ESTIMAÇÃO

Bolsonaro e o pitbull de estimação, o ainda deputado Daniel Silveira, viraram o Brasil pelo avesso. O desatinado mito de barro insiste na defesa de um correligionário irresponsável, arrogante e truculento que insultou ministros do Judiciário e incitou a violência. A liberdade de expressão não foi feita para ultrajar a democracia nem para ser usada por fanfarrões, escondidos na imunidade parlamentar. Bolsonaro, por sua vez, consegue o que quer, com o inacreditável indulto a um criminoso engravatado: atrair mais adeptos sanguinários e intolerantes, seguidores do quanto pior, melhor. Exagera nos absurdos, visando a reeleição. Atropela o bom senso. Estica a corda. Provoca o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Monitorado por Bolsonaro, o rastejante Daniel continua aprontando e provocando. Anunciou, desta feita refugiando-se dentro da Câmara dos Deputados, onde não pode ser preso, que deixou de usar a tornozeleira eletrônica. Mais um deboche e afronta do fantoche deputado, contrariando decisão do ministro da Suprema Corte Alexandre de Moraes. Lamentável e inacreditável que um país que luta para ser civilizado e respeitado por outras nações detenha-se, perca tempo e gaste energias com episódio tão degradante e surreal, deixando de cuidar e procurar solucionar outros problemas graves como desemprego, fome e insegurança. 

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

A VENEZUELA NÃO É AQUI

Referindo-se ao embate entre Jair Bolsonaro e o STF,  o editorial STF não deve cair na provocação bolsonarista (27/4, A3) termina afirmando: “A confusão provocada por Jair Bolsonaro (...) é meio para enfraquecer as instituições e, assim, avançar com mais desenvoltura em sua caminhada rumo à impunidade da família e, quem sabe, à permanência indeterminada no poder. Não foi assim que Hugo Chávez fez?”. É de conhecimento de todos que Chávez cooptou os militares venezuelanos, ou ao menos boa parte deles, tornando-os sócios da PDVSA – empresa estatal petrolífera – e, consequentemente, sócios tolerantes de suas vontades autocráticas que incluíram a modificação arbitrária da Constituição e a implantação de uma Suprema Corte de fantoches. Pouco provável, para não dizer impossível, que isso aconteça por aqui. Desde a eleição de Bolsonaro, as instituições se mantiveram e se mantêm fortes, inclusive as Forças Armadas, a imprensa e a opinião pública, apesar das várias tentativas dele de vilipendiá-las. Não vivemos no país das maravilhas mas, para frustração de Bolsonaro e de seus seguidores, a Venezuela não é aqui. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

CONSENSO NA TERCEIRA VIA

Ciro Gomes é favorito da terceira via na disputa contra Lula e Bolsonaro, mostra pesquisa  FSB/BTG (27/4). Matéria publicada no site do Estadão deixa uma dica a se pensar quanto à estratégia a ser tomada na busca de um nome de consenso para a candidatura à Presidência da República pelos partidos de centro verdadeiramente interessados na quebra da polarização Lula X Bolsonaro. Tenho forte esperança de que a composição de uma chapa contendo como cabeça Ciro Gomes, acompanhado do nome de um dos atuais  pré-candidatos centristas (João Doria, Simone Tebet ou até mesmo Sergio Moro) para a Vice-Presidência venha a dar uma liga a se levar em conta. Ciro Gomes é um político calejado – até o momento sem algo que o desabone –, com o pensamento voltado para as reformas tão necessárias para que o País deixe de engatinhar e comece a dar passos largos com vistas a um desenvolvimento socioeconômico digno da atual posição de 12.ª economia mundial. Para tanto, ele foi provado e aprovado como governador do Ceará, quando revolucionou a administração do Estado mormente no item educação. Com tal composição, a estimativa de intenção de votos se aproximaria dos 31%, sem levar em conta que a forte tendência de abstenções, votos nulos e em branco poderia se reverter favoravelmente à candidatura sugerida. Uma coisa é certa: uma configuração realizada à altura da meta a ser cumprida é algo a ser feito "para ontem".

Emmanoel Agostinho de Oliveira

eaoliveira2011@gmail.com

Vitória da Conquista (BA)

*

ESQUERDA RAIVOSA

Vera Lúcia, pré-candidata à Presidência pelo PSTU, promete estatizar toda grande empresa e oferecer armas à população a baixo preço. O arengueiro Lula da Silva diz que, para o povo ter o seu todo dia, todo mês e todo ano, é preciso acabar com o teto de gastos. É a festa com o dinheiro público.

Jose Alcides Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

São Paulo

*

INTERNE-SE O PACIENTE

Pressionado pela militância a sair da casinha, o insano pré-candidato Lula desandou a falar as besteiras de sempre, com muito ódio e sangue na boca, tendo como alvo o presidente Bolsonaro, que foi chamado de engraçado, estúpido e medíocre, entre outras apelações bem adequadas às últimas palavras do enforcado. Chegou a tomar o santo nome do Pai em vão para acusá-lo de anticristão. Cuidado, “Luzinácio”, sua condição de ateu não lhe faculta citações ofensivas à crença dos religiosos. Quanta infelicidade afirmar que é a favor de piadas com os irmãos nordestinos e que o mundo está sem graça. Boas teses de mestrado e doutorado advirão, por consequência, além de despertar inspiração aos repentistas e cordelistas. Enfim, por óbvio, dispensável sair em defesa dos sofridos irmãos nordestinos, vez que estão a demonstrar nas ruas, nos campos e no sertão a alegria pelos benefícios e melhorias trazidas à sua terra nos anos recentes. Quanto ao mundo muito triste, sem comentários. É fato, todavia, que estava muito mais alegre enquanto o demiurgo de Garanhuns esteve recolhido em Curitiba. Interne-se o paciente, pois. O Brasil agradece.

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

EXEMPLOS DE MÁS ADMINISTRAÇÕES

Não é qualquer país que consegue ter em seu currículo de obras quase 7 mil paradas, cujos custos perfazem o montante de R$ 9,32 bilhões (Estado, 27/4, B1). E o orçamento secreto continua estimulando mais delas, deixando os legisladores de fiscalizar as que se encontram estagnadas. É imensa a deterioração de uma obra estagnada, o que irá incidir no acréscimo de custo para terminá-la. E o Tribunal de Contas da União (TCU), com meios jurídicos e legais para impor punições aos responsáveis, não demonstra aos brasileiros as providências que tomou no curso dos anos.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

MOBILIDADE URBANA

Há décadas os paulistanos reclamam da ineficiência do sistema semafórico da cidade. Todos os prefeitos eleitos prometem atualizar a tecnologia para melhorar a circulação de veículos. Agora, no entanto, "descobriram" que o motivo do caos na sinalização é que são roubados os fios de cobre que fazem o sistema funcionar (SP tem alta de 91% de casos de vandalismo ou furto de fios de semáforos, 11/4, A12). Pronto, justificativa dada e tudo ficará como sempre. Difícil de suportar tanta negligência e irresponsabilidade.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

IPVA

Paguei duas parcelas do meu IPVA e a terceira eu acabei esquecendo. Hoje fui pagar a terceira na lotérica e descobri que não posso pagar a parcela vencida porque preciso pagar o valor total e, o maior absurdo, um acréscimo de R$ 320,60 tirado não sei de onde, sendo que somente uma parcela venceu e as demais não estão vencidas. O valor do que faltava sem juros calculado pelo Detran também não bate com o cálculo do meu espelho. As três parcelas restantes dariam um valor, e o lançado pelo Detran é bem maior. O Governo do Estado de São Paulo saqueia as pessoas com essa tática de cálculo, é eficiente para arrecadar e péssimo para prestar os serviços públicos garantidos pela Constituição. Pagamos tudo caro e para ter acesso à saúde precisamos pagar planos de saúde, não temos segurança, as ruas estão cheias de buracos, vagas em escolas só são ofertadas quando as pessoas reclamam via imprensa. Não aceito pagar esses valores calculados pelo Detran. Vou esperar que recalculem ou, se meu marido pagar, eu exijo a devolução do valor abusivo.

Marina Queiroz Barros

monoblocosantoandre@hotmail.com

Santo André

*

‘BOYS AND TOYS’

A respeito da bilionária aquisição do Twitter por Elon Musk, cabe citar o velho adágio: "O que separa meninos de adultos é o preço e o tamanho de seus brinquedos (boys and toys)". Como se pode ver, o bilionário sulafricano que detém atualmente o título de homem mais rico do mundo, com fortuna de cerca de US$ 260 bilhões, investiu nada menos que US$ 44 bilhões para pôr o passarinho azul em sua gaiola. Musk é um talentoso e genial "menino adulto” que gosta de brincar de construir foguetes, naves espaciais, carros elétricos, satélites orbitais, entre outras excentricidades. A ver o que fará com o Twitter.

J.S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CARNAVAL: CULTURA SEM VALOR IGUAL

Em São Paulo, ganhou o carnaval a escola com o enredo “Planeta Água” (Mancha supera problemas iniciais e leva segundo título, 27/4, A17). Sem agredir, sem vitimismo, água de todos. No Rio, ganhou a escola que apresentou como tema a força de Exu (Grande Rio ganha 1.º título na elite do Rio, 27/4, A16). Deus forte do candomblé, protetor ligado à vida humana, mas muito condenado por outras religiões e pessoas que não estudam e ficam papagaiando ignorância. Atribuem a Exu tudo de ruim, sem saber que é um deus justo e muito cruel com quem faz o mal. Entre outras histórias, parabéns à Grande Rio. Agora, quem sabe, as pessoas estudem mais sobre Exu. Parabéns às águas da Mancha Verde. Bem feito demais e sem coitadismo. Lindo carnaval!

Roberto Moreira da Silva 

rrobertomsilva@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.