Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

11 de maio de 2022 | 03h00

Petrobras

Conversa de louco

Parece conversa de louco o discurso de Bolsonaro sobre o preço dos combustíveis no País. Diz que não pode fazer nada, que o povo não aguenta mais os aumentos constantes e chama o lucro da Petrobras de “estupro”. Ele se esquece, ou se faz de esquecido, que a União tem 55% das ações da Petrobras e que, do início de seu governo até o anúncio do lucro de R$ 44,5 bilhões no 1º trimestre (o maior das empresas petrolíferas do mundo), a empresa transferiu R$ 447 bilhões aos cofres federais, levando em conta dividendos, impostos e royalties – valor 5 vezes maior que o Auxílio Brasil para este ano. E é recurso de uso livre pelo governo, podendo ser usado, inclusive, para encher o bolso de aliados, o que certamente é excelente para sua campanha eleitoral.

Valdecir Ginevro

valdecir.ginevro@uol.com.br

São José dos Campos

*

Eleições 2022

Má-fé

Os questionamentos feitos repetidamente pelas Forças Armadas sobre o sistema eleitoral do Brasil, que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mais uma vez respondeu com muito fair play e didaticamente (Estado, 10/5, A8), têm uma motivação explícita e macabra. É pura má-fé, fomentada arbitrariamente pelo presidente Jair Bolsonaro.

Abel Pires Rodrigues

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

A Defesa e o TSE

O que o ministro da Defesa tem que ver com as eleições? Está na cara que o presidente da República está por trás desta manobra.

Robert Haller

robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

Desonra militar

Com relação ao editorial O prestígio e o papel das Forças Armadas (10/5, A3), é preciso esclarecer que os gerontocratas militares (gerontocracia é o segmento social constituído por indivíduos anciãos), capacitados em academias militares por grades curriculares ultrapassadas, das décadas de 1950/1960, e que se associaram a um tenente fracassado por razões libidinosas, não são dignos de representar as Forças Armadas. Como cidadão brasileiro que serviu ao Exército em 1960 – quando ser militar era algo respeitado e inspirava segurança –, lamento profundamente que alguns militares graduados se lancem numa aventura política, rasguem a bandeira e tenham se rendido a ambições mesquinhas, desonrando a carreira militar.

Nelson Frederico Seiffert

nfseiffert@outlook.com.br

Florianópolis

*

Papo furado

Há 37 anos vivemos numa democracia plena com eleições periódicas. As instituições funcionam a pleno vapor. Tivemos dois impeachments de presidentes e tudo correu normalmente. Os militares, desde 1985, nunca deram mostras de que querem dar qualquer tipo de golpe. Mudemos de assunto, portanto. Para que insistir neste papo furado, nesta lenga-lenga? É preciso nos concentrarmos no presente e pensar no futuro, e não ficar remoendo um passado distante. Não haverá golpe nenhum.

Reinner Carlos de Oliveira

reinnercarlos1970@gmail.com

Araçatuba

*

Eleições e Forças Armadas

Se “água mole em pedra dura tanto bate até que fura”, o que dizer de ácido? Não podemos deixar que fure. A democracia brasileira está em jogo.

Elie R. Levy

elierlevy@gmail.com

São Paulo

*

Histórias mirabolantes

Corroborando seu delírio persecutório e com medo de perder a eleição, Bolsonaro inventa agora a tal “sala escura”, que estaria localizada nas entranhas do TSE. Sejamos justos: até hoje, boa parte do PT acha que o mensalão, o petrolão, o impeachment de Dilma e a prisão de Lula foram um complô organizado para desmoralizar e destronar o partido. Só que, desde a soltura de Lula e a possibilidade concreta de sua reeleição, a teoria conspiratória foi deixada convenientemente de lado. Ou seja, populistas são todos iguais: ao se verem ameaçados, esquecem a Constituição e apelam para histórias mirabolantes. Populistas cansam.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Eleição em SP

No palanque do PT

Agora só falta Geraldo Alckmin subir no palanque de Fernando Haddad (PT), em São Paulo, para consumar seu tortuoso caminho político.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

'SALA ESCURA PARA CONTAGEM DE VOTOS'

O Tribunal Superior Eleitoral informa às Forças Armadas que não existe "sala escura para contagem de votos" no TSE (Estado, 10/8, A8). O jornal analisou as explicações feitas pela Justiça Eleitoral às dúvidas levantadas por militares, muito obsequiosos aos questionamentos do presidente em sua busca de pretexto para invalidar o resultado das eleições se ele não for o vencedor. É toda uma representação pré-golpe de quem realmente tem salas muito escuras e gabinetes de ódio à nossa democracia em sua obsessão de se tornar um ditador vitalício e transformar o Brasil numa triste republiqueta de bananas.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

URNAS ELETRÔNICAS

Nosso sistema de urnas eletrônicas já foi rejeitado em todo o mundo, praticamente só nós o adotamos. Aí, quando se fala em aperfeiçoar o método, com a impressão do voto, só para a visualização do eleitor e eventual conferência física com a máquina (mais segurança e confiabilidade para o eleitor), o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fica nervoso e diz que temos que confiar nas urnas (hoje uma jabuticaba mundial). Com essa atitude, fica uma impressão esquisita.

Gustavo Guimarães da Veiga

ggveiga@gmail.com

São Paulo

*

NÃO VAMOS NOS INTIMIDAR

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, após Jair Bolsonaro acenar com auditoria contratada para inspecionar as urnas eletrônicas, disse que não vai se intimidar com as ameaças do governo federal. Na verdade, Bolsonaro foi eleito pelas mesmas urnas eletrônicas que agora coloca em dúvidas. Afinal, se forem os mesmos militares que fiscalizam as fronteiras do País que irão fiscalizar também as eleições, teremos mais um caos à vista.

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

PAPEL DAS FORÇAS ARMADAS

Nos dias de hoje, a nossa soberania não está ameaçada tal qual a Ucrânia invadida pela vizinha Rússia com armas de fogo e pela presença de homens não autorizados e carros blindados; a nossa soberania está ameaçada sim, mas pela infiltração diretamente no nosso sistema administrativo. O Brasil desperta interesses no mundo todo por muitos motivos: tamanho, clima, água doce, minerais disponíveis no subsolo, presença oceânica. É muito menos custoso para o invasor infiltrar seus elementos na nossa estrutura de Estado e uma vez infiltrado passar a agir segundo outros interesses que não o nosso. Uma das portas de entrada é através das eleições, em que, uma vez escolhidos, estarão diretamente no comando. As nossas Forças Armadas têm de atuar pois a nossa soberania pode ser ameaçada nessa frente de “guerra”. Esses que um dia saíram em defesa do Estado constitucional, tentando depor Getúlio Vargas, isso para citar somente um fato dentre tantos, agora se cala diante da ameaça imposta por uma organização liderada por José Dirceu com muito dinheiro e muitos soldados infiltrados em toda a administração pública.

Guilherme Pacheco e Silva

guilherme@tagua.com.br

São Paulo

*

CUIDADO COM O FUTURO

Entre 2001 e 2015, estive na Venezuela por mais de 15 vezes a trabalho. Foi triste, desafiador e indigno ver um país tão rico ser destruído por governantes corruptos e genocidas do bolivarianismo-petista. Mataram um país que poderia ter excelente qualidade de vida. A Argentina agora escolhe o mesmo caminho. O Brasil que preste atenção. 

André Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

CONFRONTO

O brasileiro sempre foi afável e cortês, mas políticos como Lula e Bolsonaro (adeptos do “nós contra eles”) levaram ao radicalismo de opiniões, o que transformou a eleição em briga de torcida.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

BONS FORA DO PODER

Os petistas procuram se mostrar bons brasileiros somente quando estão fora do poder.

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

ANTIPETISMO NÃO ACORDOU

Se ao invés de Lula, de centro-esquerda, fosse um candidato da terceira via, defensor dos banqueiros e do mercado, disputando com Bolsonaro, a propaganda seria outra. Grande mídia, capital financeiro, empresários, supremacistas brancos, partidos políticos conservadores, Forças Armadas, Justiça Suprema estariam totalmente engajados na campanha para tirar Bolsonaro, impondo apoio da oposição de esquerda e centro-esquerda. Moral da história: no Brasil o quadro político-eleitoral sempre foi entre essas forças. Mudou a partir de 1989, centro-esquerda versus liberais. Em 2016 e 2018 vem o golpe antipetista. Em 2022 o quadro se aguçou e o antipetismo declara anular o voto. Não acordaram para o perigo que representa Bolsonaro para o Brasil.

Antonio Negrão de Sá

negraosa1@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

NUBANK X ITAÚ

Só mesmo num cassino (Bolsa de Valores) alguém poderia imaginar que um Nubank que nunca deu lucro seria mais valioso do que um Itaú que dá 7,36 bilhões de lucro em um trimestre. Quem comprou ações do Nubank a US$ 9 deve estar chorando. O Nubank não vale nem meio Itaú (Estado, 10/5, B2).

Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

PAÍS DESGOVERNADO

É certo que, com a pandemia, e também há mais de dois meses a guerra insana na Ucrânia, o mundo passa por momentos de mais inflação, falta de insumos para produção, provável queda da atividade econômica, etc. Mas, para nós, brasileiros, a situação é angustiante. Como suportar pelo segundo ano consecutivo provável inflação de dois dígitos, taxa Selic em 12,75% (deve subir mais), juros bancários nas alturas e PIBs medíocres que nesta gestão de Jair Bolsonaro a média não deve passar de 1%? Não bastasse o desemprego altíssimo de quase 12 milhões de trabalhadores, e 28 milhões vivendo de subemprego, temos mais de 50 milhões de pessoas pobres (quase 25% da população) e parte na indigência social. Ora, em três anos, cesta básica ficou 48% mais cara, e parte dos produtos subiu até 153%. Os combustíveis, incluindo gás de cozinha, subiram quase 60%, enquanto a renda do trabalhador caiu no período quase 10%. Ou seja, tempestade perfeita que poderia ser minimizada se tivéssemos na acepção da palavra um presidente da República digno, que respeitasse a Constituição, as nossas instituições e o povo brasileiro. Infelizmente, neste contexto, com Jair Bolsonaro, estamos literalmente órfãos.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PARADA MILITAR NA RÚSSIA

Sobre a foto de capa do Estadão acerca da parada militar do Dia da Vitória em Moscou (Em parada militar, Putin evita elevar tensões, 10/5, primeira página), uma observação: os mísseis intercontinentais são sempre exibidos, fechando o desfile terrestre e antes do desfile aéreo, que este ano não ocorreu em razão das condições climáticas.

Marcelo Melgaço

melgacocosta@gmail.com

Goiânia

*

ALESP

Vez ou outra, os deputados da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) comentem falas sexistas. A rejeição do Conselho de Ética ao processo de cassação contra o Delegado Olin, que disse que a deputada Isa Penna teve “sorte” de ser assediada pelo deputado Fernando Cury, já eram favas contadas, afinal a Alesp é um antro machista por excelência, e que falem sem se preocupar as “suas excrescências”.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

PROTEÇÃO MAIOR ÀS CRIANÇAS

Agora mais do que nunca, as crianças merecem total apoio das autoridades, especialmente as que integram o Ministério Público e as forças de segurança porque, nos últimos 20 anos, temos visto a ação via internet e no meio escolar tendente a aliciar crianças para a corrupção, mau caminho e desvios sexuais, ficando as famílias quase que indefesas tamanhas as fontes de agressão e de convencimento maléfico (A nova era do abuso sexual infantil, 10/5, A4). A mão da lei, que pode ou não ser pesada, merece ser acionada no seu grau maior para a proteção às crianças, arrebanhando computadores, celulares e demais fontes prejudiciais aos infantes. Quem corrompe ou atua de forma prejudicial com as crianças é bandido, e bandido merece penas exacerbadas e que possam ser realmente convincentes e exemplares. Uma verdadeira guerra precisa ser travada.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

SERRA DO CURRAL

A Serra do Curral faz parte do patrimônio histórico de Belo Horizonte. Não tem cabimento o Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) ter autorizado a exploração de minérios à Taquaril Mineração S/A (Tamisa). A tentativa de exploração coloca em risco centenas de espécies animais que habitam na região. De aves, 33 estariam ameaçadas caso a exploração mineral fosse concretizada. Além da ameaça às aves, outros animais que vivem na região tais como onça parda, lobo-guará e mamíferos pequenos iriam sofrer as consequências. Muito importante a reação de vários setores da sociedade lutando contra essa concessão de exploração na Serra do Curral, como o Ministério Público, a Procuradoria-Geral do Município de Belo Horizonte e o Ministério Público Federal. Felizmente, vários setores da sociedade estão lutando contra essa tentativa de violência.

Marcos Tito

marcostitoadvogados@gmail.com

Belo Horizonte

*

O PASSIVO DA VALE

A empresa Vale tem um gigantesco passivo ambiental em aberto. Grande parte das promessas de reparação depois do desastre de Mariana nunca foram cumpridas. Uma empresa que está em débito com o meio ambiente e com a sociedade não deveria poder contrair novos débitos até que tenha acertado suas contas. A mineração que a Vale pretende fazer na Serra do Curral tem enorme potencial de se tornar mais um gigantesco desastre ambiental, e dessa vez a vítima será a cidade de Belo Horizonte e algumas das melhores águas subterrâneas do País. Muito antes de abrir uma nova frente de destruição, a Vale deveria quitar todo o seu passivo ambiental. Mesmo assim, a mineração na Serra do Curral deve ser considerada tecnicamente inviável devido aos inevitáveis e irremediáveis impactos que causará ao meio ambiente e aos habitantes da capital mineira.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.