Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2022 | 03h00

Orçamento federal

Farra do caminhão de lixo

Depois da excelente reportagem de 2/4/2022 (Licitação do governo prevê pagar até R$ 732 milhões a mais por ônibus escolares), o jornal Estado nos alerta novamente, com a excelente notícia de ontem (23/5): Ministro direcionou emenda para comprar caminhão de lixo de amiga. Esclarece a população sobre um esquema que beneficia os interesses pessoais de aliados do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, envolvendo um apadrinhado dele na estatal que realizou o pregão, a prefeitura pertencente a uma correligionária e que efetuou a compra e a empresa que vendeu os caminhões, que é de uma amiga do ministro. Durante dois meses, o Estadão analisou cerca de 1,2 mil documentos referentes à aquisição de caminhões de lixo com verbas do Orçamento federal e encontrou suspeitas de sobrepreço de R$ 109,3 milhões – um desrespeito com o trabalhador que sai às 5 da manhã para buscar seu ganha-pão honestamente.

Anderson Antonio Vidal mesttrevidal@gmail.com

Suzano

*

‘Rachadona’

A manchete do Estadão de 22/5 informava que Dispara compra de caminhões de lixo com preços inflados, o que indica que a corrupção no Brasil continua solta, como soltos estão os corruptos condenados pela Justiça e, depois, absolvidos por ela mesma. Neste caso, a roubalheira não se limita aos administradores dos municípios que receberam verbas inchadas do orçamento, mas se estende aos congressistas que indicaram quem receberia tais verbas, desde que houvesse a parte deles. Uma típica rachadona.

José Claudio Marmo Rizzo jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

Lixo

O “Bolsolão do Lixo” é mais um escândalo da gestão Bolsonaro, e provavelmente não será o último. O esquema revelado pelo Estado é de verdadeira quadrilha organizada, com ramificações em vários níveis governamentais, de ponta a ponta. Fato é que a corrupção institucional como forma de governo foi inaugurada nos governos do PT, com o mensalão, aperfeiçoada com o petrolão e perpetuada no governo Bolsonaro, já que o abortamento da Lava Jato foi verdadeiro salvo-conduto para corruptos de carteirinha. Este esquema podre envolvendo caminhões de lixo não poderia ser mais simbólico: o legado das gestões populistas, com raras exceções, foi um verdadeiro lixo para o Brasil. É preciso pensar nisso na hora do voto, em outubro.

Luciano Harary lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Até quando?

Estamos assistindo a mais um episódio de mau uso de dinheiro público: as compras de caminhões de lixo por preço não compatível com o de mercado. A barbaridade chega a uma cidade de 8 mil habitantes receber três caminhões compactadores de lixo num período de um ano e três meses. A pergunta que se deve fazer é quando esses malfeitos vão parar, para que sobre mais recursos para atender às classes menos favorecidas com saúde e escola de qualidade.

Marco Antonio Martignoni  mmartignoni1941@gmail.com

São Paulo

*

Inflação

O inferno continua

O ministro Paulo Guedes afirma que “o inferno” da inflação já passou. Alguém tem de avisar ao ministro que os números referentes à inflação, que nos são apresentados todos os dias, não dizem isso. A inflação é medida no caixa do supermercado, onde muitos brasileiros não conseguem levar para casa nem gêneros de primeira necessidade.

Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

Inflação e voto

A inflação tira carne, leite e óleo do carrinho dos supermercados. E tira votos das urnas de quem pretende reeleição. O eleitor não compreende e não condescende com as causas – nacionais ou internacionais – do mal que supunha morto. Voto, em maioria, é reflexo direto do estado da mesa ou do caixote das refeições.

Amadeu R. Garrido de Paula amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

Eleições 2022

A desistência de Doria

João Doria desistiu ontem de ser candidato à Presidência da República pelo PSDB, o último prego no caixão do partido tucano. Agora, esperemos qual será a atitude do partido, mas avisemos: alguns tucanos vão apoiar, mesmo que veladamente, Jair Bolsonaro, contra Lula.

Marcos Barbosa micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

VAMOS ADIANTE

Reconheço a boa administração de João Doria, mais ainda sua humildade em declinar de sua candidatura para o bem do Brasil. Parabéns. Agora cabe a nós o esforço de salvar o País de Lula e Bolsonaro.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

SERMÃO AOS PEIXES

A edição do Estadão de domingo apresenta (para quem tem olhos para ver) uma boa noção da calamitosa situação política brasileira. Quem leu com tento e vagar o Fórum dos Leitores e as matérias publicadas nas demais páginas, subscritas por jornalistas sérios, lúcidos e responsáveis, ficou inteirado dos motivos da grave situação em que vivemos e do futuro nefasto que nos aguarda. Tão importantes escritos, no entanto, serão como o "sermão aos peixes”: poucos os ouvirão. Quase ninguém lê jornais e, dos que leem, poucos entendem os textos. Imagino que entre os que leem e os entendem, estão: empresários, banqueiros, responsáveis pelos grandes grupos financeiros e dirigentes de entidades como a Fiesp e Febraban. E que tais são os responsáveis pela economia do País e têm poder político para moldar seu futuro, pois o povão acorda às 4 horas, viaja três horas apertado em transporte precário para chegar num emprego mal remunerado. E pior são os que nem isso têm e não conseguem ler textos de qualidade para se informar e votar bem, uma vez que não têm tempo nem de ler as manchetes nas bancas. É preciso, portanto, que as pessoas gradas da Nação examinem com isenção se os dois candidatos apontados como favoritos, com o passado de um e com o presente do outro, podem construir o País que desejamos. Se não, assumam a grande responsabilidade de escolher e apoiar com ampla divulgação um terceiro candidato que não minta, que tenha consciência da importância do cargo que ocupará, que tenha mostrado seriedade e competência nos cargos que exerceu no seu passado, enfim, que nos traga alguma esperança de um futuro melhor. Acordemos todos. O Brasil não pode ter um palácio de cristal no meio do lixão.

Affonso Maria Lima Morel

affonso.m.morel@hotmail.com

São Paulo

*

ELEITORADO FEMININO

Ao ler o Estadão de domingo, vejo no Fórum dos Leitores (22/5, A4) que as mulheres acordaram e viram que temos uma candidata feminina bem abalizada, quer na área política ou executiva. E, como lembrou uma leitora, as mulheres representam 53% dos eleitores.

José Luiz Abraços

octopus1@uol.com

São Paulo

*

SEM SAÍDA

A pantomima em torno do nome de Simone Tebet como salvação da medíocre terceira via é como bolo de noiva: bonito por fora, oco por dentro. A candidatura de Simone, valorizada por políticos acostumados a fracassos eleitorais, não comove nem dentro do próprio partido dela. Pega mal para o MDB de lutas e conquistas gloriosas os fortes indícios de que o nome da senadora foi ungido dentro do golpe que aparentemente tirou João Doria do jogo. Pesquisas marotas e vídeos cor-de-rosa achocolatados não alavancarão a candidatura de Tebet. Lorotas embrulhadas com clichês e argumentos rasos não atraem eleitores. Quem é realmente Simone Tebet? Deixando a senadora por alguns momentos, sozinha, numa praça pública, não acontecerá nada. Síntese da ópera bufa: Bolsonaro e Lula permanecem sozinhos na passarela eleitoral de outubro. Não brigo com fatos.

Vicente Limongi Netto

limonginetto@hotmail.com

Brasília

*

CAMINHÃO DE LIXO

Dispara compra de caminhões de lixo com preços inflados (Estado, 22/5, A6). Até quando teremos que testemunhar fatos tragicômicos como esse que, infelizmente, sempre prejudicam os mais necessitados? Não há limites éticos ou morais para a ganância de alguns políticos preocupados com as riquezas materiais e sem a mínima sensibilidade para constatar que, não importam os lucros monetários, eles serão sempre pobres de espírito, seres inferiores e parasitas da sociedade. Mais cuidado ao votar, essa seria uma das soluções. Mas, a cada eleição, vem a nossa mente uma frase dita por um jovem atleta na época, hoje um mito do futebol mundial e orgulho de todos os brasileiros, que disse que o brasileiro não sabe votar. Dizer a verdade com a coragem dos jovens custou-lhe muitas críticas, mas hoje, muitos anos depois, com muita vergonha e desgosto, temos que admitir que ele estava certo. Temos hoje uma diversidade grande de candidatos e bastaria escolher um que não se identificasse com essa mediocridade que estamos vendo, mas por razões desconhecidas ou talvez incômodas para serem divulgadas, insistem no mais do mesmo.

Vera Bertolucci

veravailati@uol.com.br

São Paulo

*

Redução do ICMS

Ao verificar as discussões a respeito da proposta de redução das alíquotas do ICMS relativas à energia, combustíveis e telecomunicações, colocando-as em um patamar máximo de 17%, por que não se propõe a modificação da “criativa” forma de cobrança das alíquotas atuais, as quais são aplicadas com o conceito “por dentro”? Esclarecendo, isso significa que uma alíquota nominal, digamos de 25%, torna-se num passe de mágica em 33,33% de dispêndio efetivo para os consumidores. Essa medida, além de representar uma redução efetiva para os consumidores, não iria colocar em risco o caixa dos entes subnacionais e, acima de tudo, representaria trazer para esse campo a realidade e a ética, pois, para um gasto de R$ 100, não é possível que, sendo hipoteticamente a alíquota de 25%, pague-se, como atualmente, R$ 33,33. Fica essa sugestão para consideração dos nossos legisladores.

Carlos Ayrton Biasetto

carlos.biasetto@gmail.com

São Paulo

*

PREFEITURA É AGIOTA

Acessei o site da Prefeitura de São Paulo para parcelar o pagamento do IPTU 2021 e levei um choque ao ver que o valor sofreu um aumento de 56%. A Prefeitura se mostra como agiota ganancioso, o que acho inconstitucional. Até quando vamos aguentar é a questão.

José Carlos Costa 

Policaio@gmail.com 

São Paulo

*

UM IMENSO DESAFIO AO JORNALISMO

Um imenso desafio para o jornalismo (23/5, A3). Sob tal título, o Estadão da data em que comemoramos o dia em que os paulistas decidiram lutar pelo constitucionalismo convoca o jornalismo honesto, profissional e independente a se posicionar de maneira mais patriótica contra o presidente Bolsonaro, que está, desde o início do seu mandato, procurando desmoralizar as nossas instituições para tentar se perpetuar no governo. Utiliza, para tanto, as redes sociais, sem leis, além da imprensa normal, com discursos em que divulga insinuações não comprovadas contra os outros Poderes da República. Uma das vantagens do presidente tem é que a imprensa vem lhe dando espaço para tais tramoias, divulgando-as e gastando tempo em comentá-las. Há tempos, espero essa reação do jornal, pois cabe à imprensa oficializada não difundir tais falácias, mas apenas comentar como não verdadeiro qualquer pronunciamento falacioso. Jamais divulgá-lo por inteiro e muito menos tecer comentários sobre o conteúdo. Como afirma o editorial, nem tudo o que o presidente produz é digno de ser noticiado. Ao contrário, penso que muito pouco do que ele diz é digno de ser notícia. Até hoje não entendi a divulgação pela imprensa séria dos seus passeios de moto em fins de semana, fazendo propaganda eleitoral ao arrepio da lei. Tomara que o chamado do Estadão seja aceito pelos demais meios de comunicação regularizados, segundo a legislação vigente.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

MENTIRAS

Pequenas mentiras contadas nas mídias sociais são fake news. Mentiras divulgadas na mídia corporativa são referidas como liberdade de expressão. Grandes mentiras no programa eleitoral são chamadas de promessas de campanha. Maquiavel ficaria orgulhoso se estivesse vivo.

Ely Weinstein

elyw@terra.com.br

São Paulo

*

FIM DA REELEIÇÃO

O Brasil deve ser radicalmente contra a reeleição. Contra, inclusive, o retorno de quem foi presidente, governador, prefeito, senador e vereador. Noventa por cento dos "vícios" vêm da possibilidade de volta. Melhor ter sete anos de mandato e “tchau”, “go home”. Bom tema para discutir nas mídias, escolas e outros grupos.

Roberto Moreira da Silva

rrobertomsilva@gmail.com

São Paulo

*

PREOCUPAÇÃO ELEITORAL

A preocupação dos EUA com as eleições no Brasil gera mais um sério motivo de preocupação para nós. É bom ter cautela para com a prática política daquele país. Exemplos não faltam na América Latina, e a própria guerra na Ucrânia é resultado, também, de um golpe eleitoral em que houve interferência da Casablanca – revelado por meio de conversas vazadas entre a secretária-adjunta de Estado Victoria Nuland e o então embaixador americano na Ucrânia, Geoffrey Pyatt. O áudio das gravações pode ser conferido na internet, ao lado de outros documentos afins, reunidos em artigo publicado em The Space Worm, em 3 de março de 2022.

Patricia Porto da Silva

portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

NOVA PORTA-VOZ

Contraste nos EUA, país que tem o abominável racismo no seu DNA: Karine Jean-Pierre, a nova porta-voz da Casa Branca, é negra. Viva!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

DEMOCRATAS

Política baseada em raças e etnias é algo perigoso e complicado. Os democratas nos EUA imaginaram que nomeando afrodescendentes para todos os cargos importantes disponíveis e mantendo a fronteira sem controle conquistariam os votos das minorias negra e hispânica em sua quase totalidade e que, assim, ninguém lhes tiraria do poder. Falhou. Últimas pesquisas mostram que só 26% dos hispânicos os aprovam. Eles querem um país que funcione, não um país que os privilegie. Até porque privilégios e preconceitos caminham juntos.

Jorge Alberto Nurkin 

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

MANGÁ, ANIME E COSPLAY

Sem citá-lo nominalmente, o Estadão homenageia Hirofumi Ikesaki com a reportagem de capa sobre mangá, anime e cosplay (Liberdade vira centro de atrações infantis impulsionado pelos animes, 22/5, A17). Ikesaki, falecido recentemente aos 94 anos de idade, foi um lutador incansável da manutenção das características japonesas da Liberdade, conseguindo inclusive acrescentar o nome Japão na praça e na estação do metrô, depois de bater às portas de muitos órgãos públicos.

Guenji Yamazoe

guenji@yamazoe.com.br 

São Paulo

*

CENI X PEREIRA 

Irretocáveis as análises feitas por Robson Morelli (Ceni errou nas alterações, 23/5, A17) e Paulo Favero (Corinthians consegue empatar o clássico, mantém liderança e tabu, 23/5, A16) sobre o clássico Corinthians X São Paulo. Rogério Ceni nos ensinou como um técnico consegue destruir uma atuação perfeita de um time em campo adversário e contra toda uma torcida. Pior ocorreu após o jogo e, claro, não poderia ter sido observado pelos comentaristas. Foram as entrevistas coletivas concedidas pelos técnicos. De um lado, Vítor Pereira mostrou seus amplos conhecimentos técnicos e táticos e, acima de tudo, sua total sinceridade. Inclusive dizendo que até preferiria ser técnico do Liverpool, se isso fosse possível. De outro lado, Rogério, incapaz de admitir seu próprio erro, excessivamente defensivo e dissimulado. Tentou reclamar dos desfalques que ainda poderão vir, tentou transferir pressão para a diretoria e reclamar de uma oportunidade de desempate perdida no final da partida. Um fiasco completo, Rogério Ceni. Um sucesso estrondoso, Vítor Pereira.

Luiz Antônio Lima

luizantoniolima@hotmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.