Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2022 | 03h00

Cúpula das Américas

Descompasso

Se a pauta da Cúpula das Américas, que ocorre em junho em Los Angeles, será a defesa da democracia, direitos humanos e preservação do meio ambiente, Jair Bolsonaro será persona non grata e um estranho no ninho. Ele decidiu ir, por ter garantia de encontro com Joe Biden, a quem chama de senil e que despreza Bolsonaro por todos os motivos que fazem do presidente brasileiro um pupilo de Donald Trump e admirador de Vladimir Putin. Mais odiados, impossível. O Brasil em descompasso com a América e o mundo civilizado.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

Eleições 2022

Intenção de voto

Datafolha: Lula tem 48% das intenções de voto; Bolsonaro, 27% e Ciro, 7% (Estado, 26/5). Muito bom que a candidatura Bolsonaro esteja derretendo. Muito ruim que o beneficiado seja Lula. Para onde caminhamos?

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

Miragem

Esta chamada terceira via parece uma miragem. Enquanto os dois candidatos de PT e PL, Lula e Bolsonaro, fecham alianças com outros partidos em outros Estados, a terceira via não decola. Nem sabemos ainda se será a senadora Simone Tebet (MDB), porque ainda poderão puxar o tapete dela. E, se realmente for ela, está muito devagar, quase parando. Será que ela sabe que é candidata? Pobres de nós, brasileiros. Não há mais o que fazer, só esperar a tragédia acontecer.

Rosa Maria Illison

r.millison@hotmail.com

São Paulo

*

Cancelem a eleição

Com base na mais recente pesquisa do Instituto Datafolha, acredito que nem deveríamos ter eleições em outubro, afinal, o “honesto” Lula já tem quase 50% das intenções de voto, e com os eleitores de Ciro Gomes isso deve aumentar. Então o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) já deveria confirmar Lula como presidente, com o que milhões de reais seriam economizados e poderiam até ser doados aos descamisados pela presidente Dilma Rousseff, do PT, que nos deixou este belo legado.

Zureia Baruch Jr.

zureiabaruchjr@bol.com.br

São Paulo

*

‘O que mais dói’

Quando vejo em destaque, na eleição para presidente, dois nomes de políticos que já provaram ser contra a liberdade de imprensa, antidemocráticos, irresponsáveis, incompetentes e coniventes com a corrupção, me lembro dos versos do poeta popular Patativa do Assaré: “O que mais dói não é sofrer saudade / Do amor querido que se encontra ausente / Nem a lembrança que o coração sente / Dos belos sonhos da primeira idade. / Não é também a dura crueldade / Do falso amigo, quando engana a gente, / Nem os martírios de uma dor latente, / Quando a moléstia o nosso corpo invade. / O que mais dói e o peito nos oprime, / E nos revolta mais que o próprio crime, / Não é perder da posição um grau. / É ver os votos de um país inteiro, / Desde o praciano ao camponês roceiro, / Pra eleger um presidente mau”.

Maria T. A. Galvão de França

mariatoledoarruda@gmail.com

Jaú

*

Segurança pública

Crimes no Estado de SP

A crescente onda de roubos nas cidades do interior do Estado, como noticiado pelo Estadão (25/5, A18), é proporcional à inexistência de policiamento preventivo, ficando os marginais à vontade para assaltar uma população refém. Já não é novidade saber que algum vizinho foi despertado sob a mira de armas para ser roubado. Nos últimos 50 anos, tendo a população das cidades do Estado aumentado de três a quatro vezes, e não sendo lógico esperar um aumento proporcional do efetivo policial, seria no mínimo razoável que fossem adotados métodos mais modernos na segurança pública, como o uso intensivo da tecnologia no policiamento ou na prevenção de crimes. Enquanto isso, o governo do Estado assistiu burocraticamente ao nascimento do PCC, em 1993, e reagiu apenas enviando os chefes da facção criminosa para cumprir pena em outros Estados, o que naturalmente contribuiu para sua disseminação pelo território nacional. Hoje, é uma organização que atua em roubos a bancos, sequestros, tráfico de drogas, garimpo e até venda de madeira ilegal – e, segundo consta, investe em ações na bolsa de Nova York. Haja incompetência.

Alberto M. Dowell de Figueiredo

amdfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PAULO GUEDES: O MÁGICO DE OZ

“Mágica é a sobrevivência da maioria das famílias no dia a dia", conclui o editorial sobre a participação de um prestidigitador Paulo Guedes na "Montanha Mágica" de Davos (Estado, 27/5, A3). Nosso ex-Posto Ipiranga, deu uma de Mágico de Oz, mentindo desavergonhadamente sobre um Brasil que só existe no mundo "fake" de nosso atual desgoverno de mitômanos, que acreditam em suas próprias mentiras de ilusionistas.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

PETROBRAS

O governo Bolsonaro já produziu uma debacle em nosso país destruindo meio ambiente,  cultura, educação, saúde e relações exteriores e cancelando decisões judiciais – vide precatórios. E agora desrespeita a Lei das S/A tratando a maior empresa do País como se fosse o boteco da esquina. Quando esse senhor assumiu a Presidência, nem os mais pessimistas poderiam imaginar o estrago que ele iria provocar. Ainda bem que só temos que aguentar até o final do ano.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

MONTANHA MÁGICA

Ouvir o delírio do ministro Paulo Guedes dá a certeza de que a bela Montanha Mágica de Davos vai sem dúvida confirmar Horácio e parir um rato. Como cantou Legião Urbana: “Que país é este?”.

Adriles Ulhoa Filho

adriles@uai.com.br

São Paulo

*

QUE GOVERNO É ESTE?

Ora, um presidente que diz não conhecer seu protegido Daniel Silveira, depois de todo o transtorno que ambos causaram ao País, e um ministro da falida Economia que afirma ao mundo que o Brasil está mais próspero, bem governado e que a inflação está em firme declínio merecem respeito? Afinal, que governo é este?

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

ICMS

Seria mais fácil derrubar a lei da paridade que tudo voltaria ao normal, pois é a paridade da Petrobras que inflaciona tudo neste país. Na última quinta, 26/5, o barril de petróleo (Brent) fechou a US$ 114,32, com a gasolina custando por volta de R$ 7 por litro. Em 3/7/2008, o mesmo barril fechou a US$ 146,08, com a gasolina custando R$ 2,50 por litro. Isso se deve ao fato de que a formação de preço da Petrobras partia do custo de produção que tem como base o real e não o dólar, pois boa parte do custo é de insumos brasileiros. Hoje é como se importássemos gasolina da Petrobras. É importante ressaltar que em nada vai resolver o problema da inflação reduzindo a alíquota do ICMS, haja vista que não é um imposto fixo, ou seja, se o barril de petróleo continuar aumentando no mercado internacional, o preço dos combustíveis continuará aumentando, e o ICMS aumentará do mesmo jeito. Lembrando que, amarrado ao ICMS, estão os repasses importantes a todos os municípios do Brasil, e o ICMS é a principal fonte de recurso que subsidia o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Franz Josef Hildinger

frzjsf@yahoo.com.br

Praia Grande

*

TRIBUTO DO COMBUSTÍVEL

O Brasil tem uma das cargas tributárias mais altas do mundo. A decisão de diminuir o tributo no combustível deve ser recebida com muitas palmas. Os governadores, em vez de reclamarem da diminuição de receita dos Estados, deveriam diminuir as despesas improdutivas, os enormes salários pagos e as inúmeras benesses que o poder público oferece. Nas empresas, quando se diminui receita, se diminui despesa. É preciso competência e eficiência para ser gestor público e não permitir malversação de recursos públicos. 

Marco Antonio Martignon

mmartignoni1941@gmail.com

São Paulo

*

BRASIL PRESERVADOR

Paulo Guedes vive em outro mundo. Parece que não sabe que no seu país são derrubadas mais de mil árvores por minuto.

Robert Haller

São Paulo

*

CÓDIGO FLORESTAL

Sobre o artigo Código Florestal pode ser, de fato, implementado (Estado, 25/5, A8), a bancada ruralista assumiu sozinha o destino ambiental do País depois que o presidente Bolsonaro acabou, de fato, com todos os mecanismos de defesa do meio ambiente. Ministério do Meio Ambiente, Ibama e ICMBio se tornaram instituições irrelevantes. O Código Florestal Brasileiro está muito longe de estar completo, além do Cadastro Ambiental Rural e do Programa de Regularização Ambiental deveria haver um Cadastro Regulador das Águas Brasileiras. O uso desmedido da água pelo agronegócio já secou o Cerrado, que não transborda mais para o Pantanal. A região Sul enfrenta seca persistente e racionamento de água. Regulamentar o uso da água pelo agronegócio é tão ou mais importante que regulamentar o uso do solo. Um estudo do impacto ambiental do uso da água pelo agronegócio indicaria que o volume de água consumido hoje é insustentável e está secando o País. De nada adianta fechar a torneira ao escovar os dentes quando mais de 80% da água brasileira é consumida pelo agronegócio.

Mário Barilá Filho

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

FIM DA ESPERANÇA

Será que estamos chegando naquele ponto em que nada mais nos toca, nos atinge, nos revolta? O brasileiro desistiu de ter esperança? Não vai mais tanto à padaria, não compra carne ou outros itens, não usa o carro por causa do preço do combustível, e está esperando o próximo vírus lacrá-lo em casa de novo? Pessoas foram chacinadas de novo no Rio, pela polícia, e nem aí? E, por fim, quer dizer que o juiz que desvendou o esquema de corrupção e mandou poderosos para a cadeia agora é processado?

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

ATOS DO GOVERNO LULA

Em regra, por vícios políticos, os governantes à testa do poder costumam esquecer o que os antecessores fizeram, para não lhes prestar o devido reconhecimento e fazer com que o povo nem se lembre em quem votou nas últimas eleições. Costumeiramente, só colocam em destaque as coisas mal feitas por quem veio antes. Com isso, demonstram a sua pequenez moral. Isso vem a propósito dos candidatos das próximas eleições, que terão que tapar o sol com a peneira para não lembrar atos dignos dos governos anteriores. Por exemplo, uma das medidas corretas que deu comida às pessoas mais pobres, através da Lei n.º 10.836, de 9/1/2004, foi o programa Bolsa Família, do governo Lula, fazendo com que muita gente pudesse sobreviver com o auxílio governamental. Outro ato que muito auxiliou o Brasil, mantendo o equilíbrio das contas internas, foi o fato de o governo Lula acabar com as exigências do Fundo Monetário Internacional (FMI), quitando, em 2005, o resto da dívida do governo FHC. Outro ato, sob o comando de Lula, foi a indicação para o Supremo Tribunal Federal (STF) do primeiro jurista negro, com doutoramento pela Sorbonne, Joaquim Barbosa, que presidiu o STF com a saída do ministro Ayres de Brito. E, por fim, as mulheres brasileiras devem ao presidente Lula um ato que dignifica o sexo feminino, ao ser por ele sancionada a Lei n.º 11.340, de 7/8/2006, a chamada Lei Maria da Penha, fazendo com que os homens respeitem suas mulheres, companheiras, namoradas, mães, filha e netas. Por tudo isso, esperamos que as pessoas honestas não se envergonhem de tão nobres atos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, nunca praticados por governos que o antecederam.

Bismael B. Moraes

bismoraes@uol.com.br

São Paulo

*

FARINHA DO MESMO SACO

Para o ministro Alexandre de Moraes, "a internet deu voz aos imbecis". Para a descabida cozinheira argentina Paola Carosella, os apoiadores de Bolsonaro são "escrotos e burros" e, para a solitária deputada Joice Hasselmann, são "ineptos, asquerosos, nojentos, preconceituosos, o puro lixo em forma de gente". Aos brasileiros de bem, recomendo acessar as plataformas de buscas para saber quem são, o que fizeram e para onde devem ir essas três criaturas. Do semideus supremo, o PCC sabe tudo. Da "impoluta" cozinheira, ouçam seus ex-sócios na Argentina. E, da inaudível deputada, o beijo e as 30 moedas da traição bíblica a justificam. Em resumo, povo do meu Brasil, pela barafunda e carência dos mexericos, se indagados, por óbvio, os espelhos desses três desgastados arautos, juntos e misturados, dirão que imbecis, escrotos, burros, asquerosos e lixo em forma de gente são os seus ardilosos patrões. Tudo farinha do mesmo saco. Senhora Paola, anota a receita! Enriquecida a farinha em fogo brando, harmonizá-la como farofa com uma suculenta panceta a pururuca rodeada de ovos poché selecionados pelo cabeça da granja Suprema. Pitadas de ódio a gosto. No seco, sem sobremesas. Para onde devem ir essas insípidas e barulhentas sentinelas do desespero e da agonia, fica a critério de cada brasileiro instigar.

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

PESQUISAS

Mal foi definida a terceira via e já sai uma pesquisa colocando a senadora Simone Tebet no mesmo lugar e Lula crescendo muito. Será que todos que votariam em Doria já migraram seus votos para um só candidato? A mídia, se quiser, pode ajudar a terceira via entrevistando-a para que os brasileiros a conheçam, pois os outros dois candidatos já sabemos o que fizeram nos verões passados.

Tania Tavares   

taniatma@hotmail.com  

São Paulo

*

TERCEIRA VIA EM ALTA

A notícia Empresários e economistas articulam ações para impulsionar Simone Tebet (Estado, 26/5, A9) dá-nos a todos – os que anseiam por mudanças radicais nos destinos da nossa Pátria amada – um alento, uma forte esperança. Dentro do atual cenário político, acho que não poderia haver nome melhor para liderar esse movimento em busca da unificação de um povo já cansado dessa maldita polarização extrema esquerda X extrema direita, que coloca o País em descrédito perante o resto do mundo. Resta agora pensar em um quadro possuidor da mesma credibilidade de Simone para compor a chapa como candidato a vice. Alerto que a escolha não pode ser resultado de meros conchavos políticos execrados fortemente pela nossa sociedade. Enfim, não pode ser qualquer fulano ou fulana.

Emmanoel Agostinho de Oliveira

eaoliveira2011@gmail.com

Vitória da Conquista (BA)

*

ANS

Em meio à brutal crise econômica que o País atravessa, agravada sobretudo pela pandemia, com mais de 11 milhões de desempregados e outros tantos subempregados, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com o aval do Ministério da Economia, acaba de autorizar o dilatado reajuste de 15,5% no valor dos planos de saúde individuais e familiares, o maior da série histórica iniciada no ano 2000 (Estado, 27/5, A22). Diante do fato, resta claro que a saúde financeira de milhões de pessoas será prejudicada, na medida em que se verão obrigadas a desistir da cobertura das apólices por não terem como manter os pagamentos em dia. Um absurdo!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

PLANOS DE SAÚDE E CENTRÃO

 

Unidas com o Centrão, as operadoras de planos de saúde estão conquistando reajustes acima da inflação e acham que estão ganhando. Mas será que tal reajuste compensa a perda de associados? Com a atual crise, inflação e desemprego em alta, muitos brasileiros estão abrindo mão do seu plano de saúde para continuar comendo, assim como muitos brasileiros estão deixando de pagar colégios particulares para seus filhos. Sei lá, na minha opinião, apenas produtores e comerciantes de alimentos estão ganhando dinheiro atualmente, e sem se unir ao Centrão, apenas ficando em cima do muro. Como um grão de areia no deserto, ouso dizer que, se o Centrão fosse eliminado, empresários, banqueiros, comerciantes e eleitores ganhariam muito mais. Mas parece que a força do Centrão é muito maior do que a força dos empresários, banqueiros e comerciantes juntos. Enfim, ser empresário, banqueiro, comerciante e eleitor em uma republiqueta de bananas é ser fiel ao Centrão e manter o complexo de vira-lata em dia.

Maria Carmen Del Bel Tunes

carmen_tunes@yahoo.com.br

Americana

*

RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE

Os conselhos de medicina  têm de restabelecer o humanismo entre médico e paciente. Uma grande organização de intermediários corretores se interpôs entre eles exclusivamente para agendar consultas. Pouco importa o estado do paciente, as relações não raro tradicionais entre ele e o médico ou sua secretária. A organização robótica – por ora Doctoralia, além das próximas que vêm por aí – somente registra o agendamento e sequer viabiliza um contato imediato entre as partes, preparatório da consulta. Pouco importam as situações emergenciais. Nela não há profissionais da medicina e, como se vê, a corretagem não é mais apenas da área da construção civil. A pretexto da modernidade tecnológica, o dinheiro corre solto, é o ouro que apenas importa e as relações sociais são cada vez mais impessoais. As entidades sindicais de médicos e associações também não podem fugir de suas responsabilidades.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.