Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2022 | 03h00

Planos de saúde

A decisão do STJ

Acertada a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de restringir certos procedimentos oferecidos pelas operadoras de planos de saúde. De fato, como afirmou o juiz federal Clenio Jair Schulze, “o magistrado precisa levar em consideração as evidências científicas de que a medicação solicitada será realmente útil”, a fim de balizar seu julgamento. Mas, segundo levantamento do Grupo de Estudos sobre Planos de Saúde, quase metade das ações judiciais ocorridas nos últimos anos contra planos de saúde foi motivada por negativas de coberturas assistenciais de procedimentos já há muito consagrados: cirurgias, hemodiálise, radioterapia, internações hospitalares em UTIs, tratamentos domiciliares psiquiátricos, fisioterapia, fonoaudiologia, entre outros. Este é o ponto: a Justiça precisa ser mais rápida, decisiva e veemente em relação às operadoras que, por motivos vários – muitos absurdos e burocráticos –, dificultam e retardam o início de um tratamento, causando estresse e desconforto ao paciente e seus familiares.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Visão distorcida

É incrível a visão distorcida de mercado que se tem no Brasil. O STJ fez o óbvio, que é estabelecer a segurança jurídica. Como você quer que os planos paguem aquilo que não estava previsto? Como você consegue precificar algum produto, se você não pode prever o custo? Simples, insira uma margem exorbitante para cobrir o risco! E tem pessoas que defendem isso. Lamentável a falta de visão empresarial. Uma parcela significativa da população quer ser tutelada pelo Estado e não entende por que o País não cresce nem funciona.

Claudio Hebling

chebling@yahoo.com.br

São Paulo

*

Fome

Retrocedemos

Apesar de ser um dos maiores produtores de grãos do mundo, o Brasil tem hoje cerca de 33,1 milhões de pessoas passando fome e cerca de 125,2 milhões com algum grau de insegurança alimentar. Retrocedemos à década de 1990 nesse quesito. Além de aumentar o número de famintos, alimentamo-nos com um nível de qualidade cada vez menor, com menos proteína de carnes, leite e ovos, e menos verduras e vegetais, graças aos aumentos vertiginosos dos preços dos alimentos no País. Só em São Paulo a cesta básica custa em média R$ 777,93, a mais cara do Brasil. O salário mínimo (R$ 1.212,00) é praticamente corroído só pela cesta, então como pagar as demais despesas? Essa situação não se deve só a este desgoverno, mas teve início ainda na crise gerada pela gestão petista. Portanto, jamais será resolvida com a reeleição de Bolsonaro nem com uma nova eleição de Lula, porque ambos já demonstraram não ter competência para gerir o Brasil e suas peculiaridades.

Boris Becker

borisbecker@uol.com.br

Praia Grande

*

Enquanto isso

Há, hoje, 33 milhões de brasileiros passando fome. Enquanto isso, o presidente Bolsonaro gasta parte de seu precioso tempo para falar de voto impresso...

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

Eleições 2022

Chapa Tasso-Tebet

Minhas esperanças de uma terceira via competitiva evaporaram de vez, com a definição de Tasso Jereissati como vice de Simone Tebet. Infelizmente, composições frágeis assim não conseguirão deter a nefasta polarização. Apertem os cintos, coloquem as boias, enfrentar o tsunami não vai ser fácil.

Francisco Eduardo Britto

britto@znnalinha.com.br

São Paulo

*

Projeto de país

Simone e Tasso formam uma chapa brilhante. Finalmente, teremos um projeto de país.

Maria Lucia Ruhnke Jorge

mlucia.rjorge@gmail.com

Piracicaba

*

O Brasil merece

Muito inteligente o artigo Cinco nomes e um destino, de Paulo Delgado, no Estadão de 8/6 (A8). Infelizmente, o Brasil parece preferir andar para trás e não avançar, com dois candidatos fora de época liderando o noticiário e as pesquisas. Esperemos que a cobertura da mídia dos outros três candidatos que têm o que dizer e que podem reconduzir o Brasil ao desenvolvimento social e econômico seja mais ampla daqui para diante. O Brasil merece um presidente com ideias novas.

Mario Ernesto Humberg

marioernesto.humberg@cl-a.com

São Paulo

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

BRASIL SEM RUMO

Esperar o quê de um país que tem mais de 30 milhões de pessoas passando fome (Estado, 9/6, B6) e libera mais de R$ 5 bilhões para partidos políticos fazerem campanhas? Rogamos que um dia as coisas mudem, até porque a esperança é a última que morre. Porém, se tudo permanecer como está, a esperança acabará morrendo também.

Virgílio Melhado Passoni

mmpassoni@gmail.com

Jandaia do Sul (PR)

*

PAÍS ABANDONADO

Assustador e oportuno o editorial O Brasil foi abandonado (Estado, 9/6, A3). Assustador, se considerarmos a complexidade, gravidade e crueldade da realidade descrita, em que “33,1 milhões de brasileiros – nossos irmãos, acrescento – dormem e acordam todos os dias sabendo que não terão o que comer”. Oportuno porque, além de outras circunstâncias, o abandono do Brasil à própria sorte acontece no contexto de uma pré-campanha eleitoral em que os dois candidatos à frente das pesquisas de intenção de voto se recusam a participar dos debates no primeiro turno. Que respostas dariam sobre “dignidade da pessoa humana”, “erradicar a pobreza e a marginalização”, “reduzir as desigualdades sociais e regionais” e “direito à alimentação”, citadas no editorial?

João Pedro da Fonseca

fonsecaj@usp.br

São Paulo

*

FOME MATA

O Brasil foi abandonado desde que se criou uma candidatura baseada no tripé das falácias do combate à corrupção, antipolítica e bons costumes. A volta do Brasil ao mapa da fome e a explosão recente dos que dela padecem não é devido apenas à pandemia e à guerra na Ucrânia. O ocupante do desgoverno federal tem o desprezo pela população brasileira desde sempre e a miséria reinante é apenas uma de suas facetas. Parodiando a última frase do editorial, as consequências da fome são pessoas mortas.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

‘E DAÍ? NÃO SOU COZINHEIRO’

O nosso presidente não se emenda. Abre a boca e só sai besteira.

Robert Haller

São Paulo

*

SHOPPINGS

Acabei de assistir na TV que, aqui em São Paulo, um grupo do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) invadiu um shopping para se queixar de que falta comida na mesa. Uma grande baderna e gritaria. A queixa é válida, mas invadir um shopping é proibido, e se não é, deveria ser. Afinal, buscamos no shopping a segurança que não temos nas ruas, e quem nos garante que infiltrados no meio daquele ajuntamento não estão assaltantes? A verdade é uma só: esses movimentos sociais e a militância petista não atraem mais o povo. Então resolveram ir até onde o povo está. Se os shoppings não colocarem freios nessas manifestações, acabarão vazios.

Mara Montezuma Assaf

montezuma.scriba@gmail.com

São Paulo

*

MANTEIGA

Os meus maiores parabéns pela maravilhosa reportagem A nata do leite: as melhores manteigas dos supermercados (Estado, 9/6, C1). O texto dava água na boca a cada frase. Não existe nenhuma gordura melhor do que a de origem animal. Apenas como dica, experimente a chamada na Europa de Schmalz, banha suína vendida no Brasil pelo nobre frigorífico Berna, de São Paulo. Você nunca mais vai fazer ovos mexidos sem ela. 

Werner Sönksen

wsonksen@hotmail.com

São Paulo

*

RANKING DO ‘PALADAR’

Parabenizo o Paladar pelos rankings que realiza. Esse último da manteiga muito me orientou. Curiosamente, minha preferida é a décima colocada, a Jersey de Itu. Mas entendo que, no caso desse ranking, temos uma questão de saúde que talvez devesse ser levada em conta. Muitas das marcas citadas levam gordura trans em sua composição, a saber (g/10 g): President, 0,4; La Sereníssima, 0,3; Tirolez, 0,3; Aviação, 0,3; Batavo, 0,2. Sem gordura trans: Paysan Breton, Itambé, Roni, Regina e Granarolo. Sendo ingrediente de uso diário, inclusive por crianças, parece-me ser quesito importante na definição de sua qualidade.

Breno Lerner

blerner@uol.com.br

São Paulo

*

PSDB

O PSDB segue em sua trajetória de time rebaixado em final de campeonato. Após pressionar o ex-governador João Doria a desistir de sua candidatura a presidente, fecha acordo com o MDB, formando a chapa com a senadora Simone Tebet e Tasso Jereissati (Estado, 9/6, A10). Concretizou-se a profecia de Lula da Silva, o partido acabou.

Gilberto de Lima Garófalo

gilgarofalo@uol.com.br

Vinhedo

*

TERCEIRA VIA

A Constituição dos Estados Unidos tem 150 anos e, se tanto, recebeu seis alterações nesse período. Aqui vemos com preocupação que Executivo e Congresso estão mexendo constantemente na nossa Constituição, tomando decisões arbitrárias de curto prazo, geralmente erradas e que deixarão sequelas para o nosso futuro. Pior de tudo é que o presidente Bolsonaro e seus aliados pouco se importam com as consequências pois o que importa é a reeleição. Acrescente-se a isso que o principal candidato mostra ideias que já eram duvidosas no século passado e que agora serão um desastre. A candidata Simone Tebet, com um vice-presidente como Tasso Jereissati e com nomes válidos indicados para a economia, deveria ser o objetivo de todos os cidadãos bem-intencionados de nosso país. Nossas lideranças precisam batalhar por essa via.

 

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

CIRO GOMES

Mais do que evidente o reduzido espaço ocupado por Ciro Gomes na mídia, em geral, se comparado com outras candidaturas, como agora a do PSDB. Parece filmes já vistos em outras eleições, voltados para barrar possibilidades de candidatos com fichas não comprometidas com corrupções. Tal situação de não ter o sempre citado "rabo preso" deixa o candidato trabalhista, se eleito, a salvo de pressões contrárias aos interesses públicos.

Antonio Francisco da Silva

anfrasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

REDUÇÃO DO ICMS

Não estou entendendo a oposição dos Estados e de grande parte da mídia à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita a cobrança do ICMS sobre os combustíveis a 17%. Em dezembro de 2020, há 18 meses, com o litro da gasolina a R$ 4,70, o meu Estado de Minas Gerais, onde a alíquota de ICMS que incide sobre os combustíveis era de 30%, arrecadava R$ 0,60 por litro. Atualmente, com um preço médio de R$ 7,20, essa arrecadação subiu para R$ 2,16, um absurdo acréscimo de 260% na arrecadação em 18 meses. Com o teto de alíquota fixado em 17%, como estabelece a PEC, a arrecadação por litro passaria a ser de R$ 1,22, ainda bastante superior ao arrecadado em dezembro de 2020, um acréscimo de mais de 100% em 18 meses. A meu ver, não existe motivo para reclamação ou oposição, nem mesmo para compensação, pois a aprovação da PEC ajudará no controle da inflação, com a consequente queda dos juros que tanto penalizam a população e as empresas.

Ruy Araujo

ruy@arcoadm.com.br

Belo Horizonte

*

COMBUSTÍVEL CARO

Quem anda de SUV pode trocar por algo mais econômico.

Lars Bjorkstrom

lars@green4t.com

São Paulo

*

OLHAR FIXO X CANTADA

Se transformado em lei o PL 1.314, de 8/6/2022, que poderá criminalizar olhares fixos como conotação sexual, para evitar problemas, melhor todos usarmos óculos escuros ou andar de olhos fechados.

Paulo Tarso J. Santos 

ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

CARNAVAL DE RUA

É de estarrecer que mesmo com o assustador crescimento do número de infectados pela covid-19, que vem lotando os hospitais da capital, assim como ocorre no País, o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), esteja autorizando “carnaval de rua oficial” para os dias 16 e 17 julho próximo, para o qual 294 grupos já estão inscritos (Estado, 9/6, A19). É uma afronta à vida humana e desfaçatez contra a ciência.

Paulo Panossian

paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

PODAS DE ÁRVORES E DOENÇAS

Tenho um abacateiro no meu jardim, que produz abacates deliciosos. Este ano, as cascas apresentaram pontinhos brancos nos primeiros frutos. Depois de um tempo, surgiram manchas escuras e essas mesmas manchas apareceram nas folhas do abacateiro. Tirei uma foto dos frutos e enviei ao secretário da Agricultura, sr. Francisco Matturro, que prontamente me respondeu com o diagnóstico da doença, a receita do remédio e os procedimentos para salvar meu abacateiro. Contratei uma pessoa para podar a árvore e recolher todas as folhas (uma das recomendações do senhor secretário) para serem queimadas. Na calçada em frente à minha casa, na Rua Atenas, tem um abacateiro com a mesma doença, e quando eu pedi para o responsável podá-lo, sua resposta foi que era proibido e que só a Prefeitura poderia fazer esse serviço. No bairro tem uma associação que se gaba de defender os interesses dos moradores do bairro e que luta pelo meio ambiente. Mas vendo o estado das árvores do bairro, tenho a certeza de que essa associação, apesar de toda boa intenção, é completamente inútil e somente o que faz é colocar uma tabuleta com seu nome nas praças e rotatórias, usando o espaço público para propaganda.

Maria Gilka

mariagilka@mariagilka.com.br

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.