Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2022 | 03h00

Crimes na Amazônia

Lamento pelo Brasil

Pescador confessa que repórter e indigenista foram assassinados (Estado, 16/6, A6). Sinto muito o que fizeram ao indigenista Bruno Araújo Pereira e ao jornalista Dom Phillips. Sinto por eles, por seus familiares e amigos, sinto por aqueles por quem os dois lutavam, sinto pela Amazônia e pelo Brasil. Que país é este, que mata pessoas que se dedicam ao outro e glorifica e elege seus algozes?

Elisa Maria Andrade

elisa@portuguesemforma.com

São Paulo

*

Conflitos permanentes

Os conflitos amazônicos são permanentes, desde que o europeu chegou à região, mas levados ao ápice neste momento, em razão de uma explícita política de extermínio de povos originários e da destruição ambiental criminosa e irracional associada à permissividade para o crime organizado. Ou seja, retrato nu e cru do atual desgoverno. Dom Phillips e Bruno Pereira, infelizmente, são apenas mais duas vítimas deste processo. E lembrar que no passado o Brasil chegou a mediar conflitos de outros países na região, sendo a disputa Peru x Bolívia muito significativa e retratada por Euclydes da Cunha em livro sobre a questão.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

Nas barbas do governo

O crime organizado que desmata a Amazônia mata sem dó quem a ele se opõe, nas barbas do governo federal. Vergonha!

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

Desrespeito

Bolsonaro (ou será Boçal Nero?) calado é um poeta! Afirmar que o jornalista Dom Phillips fazia matérias contra garimpeiros e, portanto, incomodava é um perfeito retrato deste desgoverno que, felizmente, parece estar chegando ao fim. Quer dizer que quem luta a favor do meio ambiente, ou seja, é contrário a garimpeiros, madeireiros ilegais, traficantes de animais, etc., deve ser morto, é isso? Nenhum brasileiro merece ser “representado” por este insensível, estúpido e agressivo presidente.

Renato Amaral Camargo

natuscamargo@yahoo.com.br

São Paulo

*

Insana política

Jair Bolsonaro tem várias moribundas lembranças que deixará para a posteridade, nacional e internacional, de sua breve passagem pelo desastroso comando do governo do Brasil. Mas a morte do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo Pereira ficará como marca registrada, gravada na história de sua insana política de destruição da preservação e da fiscalização do meio ambiente, com especial dedicação à Floresta Amazônica.

Abel Pires Rodrigues

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro

*

Investigação do Denarc

Crime organizado

O contador João Muniz Leite ganhou 55 vezes na loteria em 2021 e é acusado de lavar dinheiro para o PCC, além de ter sido contador do ex-presidente Lula (Estado, 16/6, A11). Volta e meia aparece alguém nas páginas policiais com ligações com o “mais honesto” e inocente dentre todos os brasileiros. É muita coincidência. Diga-me com quem andas, e te direi quem és.

José A. Muller

josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

Eleição presidencial

Tebet e a Petrobras

A senadora Simone Tebet, pré-candidata à Presidência da República, declarou enfaticamente em entrevista ao Estadão (12/6, A7): “Sou contra a privatização da Petrobras”. Ela poderia acrescentar que é contra, sim, a espoliação da empresa por dirigentes e políticos espúrios, nefastos e corruptos, como ocorreu durante os governos do PT em passado recente. Eu reconheço que a índole é mais serena. A entrevista concedida ao Estadão atesta que Tebet está sobejamente credenciada a ocupar a terceira via, chegar ao segundo turno e, ao fim, ser eleita presidente, derrotando nas urnas Lula e Bolsonaro, personagens que dispensam adjetivos desqualificadores, por já serem de domínio público.

Junios Paes Leme

junios.paesleme@outlook.com

Santos

*

O lucro da empresa

O Estadão trouxe a afirmação da pré-candidata à Presidência pelo MDB dizendo que é contra a privatização da Petrobras porque ela dá lucro. O MDB, que não a apoia completamente, aplaudiu sem reservas. Afinal, eles sabem para quem a Petrobras é lucrativa, e não é o povo brasileiro.

Oscar Thompson

oscarthompson@hotmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

CORRUPÇÃO

Discordo totalmente da opinião A ironia de Simonsen (Estado,15/6, A8) quando afirma que um acerto da Operação Lava Jato foi “despertar na maioria da população forte sentimento de rejeição à corrupção”. Cito três exemplos (entre incontáveis outros): o candidato a presidente líder nas pesquisas é o mais corrupto “da história deste país”. No Distrito Federal, José Roberto Arruda (que foi filmado recebendo propina) é um dos líderes na disputa pelo Senado. Aqui em Minas, Aécio Neves foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, do grupo JBS. Ainda assim, lidera as pesquisas para o Senado. Infelizmente, o brasileiro ama os corruptos.

Luciano Nogueira Marmontel

automatmg@gmail.com

Pouso Alegre (MG)

*

LIÇÃO DE DIREITO PENAL

Com efeito, o dr. César Dario Mariano da Silva dá uma verdadeira lição de Direito Penal em seu artigo Afinal, Lula foi mesmo considerado inocente?, publicado no site do Estadão em 14/6. Em poucas palavras ele desvenda todo o plano arquitetado pelo excelso pretório no sentido de pôr em xeque a força-tarefa que encheu de esperança grande parte da Nação na luta secular contra a corrupção e os mais diversos malfeitos protagonizados por agentes políticos, agentes públicos e a nata do empresariado na seara das construtoras e, de quebra, proporcionar salvo conduto ao contumaz infrator Luiz Inácio Lula da Silva para concorrer ao maior cargo da administração pública da República. Na leitura desse artigo, estudantes de Direito, neófitos advogados e cidadãos minimamente entronizados na arte de como se fazer justiça constatarão a maneira tosca pela qual tal manobra foi arquitetada – sem o mínimo de observância aos trâmites mais corriqueiros vigentes nos tribunais, mormente quanto à incompetência territorial e o tratamento a ser dado às provas oriundas da "árvore dos frutos envenenados", ou seja, as provas conseguidas através de ações ou omissões manifestamente criminosas. Caso haja alguma dúvida sobre o assunto, aos que se interessarem, eu os convidaria à leitura do texto em comento magnificamente elaborado pelo digníssimo procurador de Justiça pelo Estado de São Paulo que, num ato da mais pura coragem, desnuda a tramoia que membros da nossa mais alta Corte de Justiça se apequenaram a enfiar goela abaixo dos habitantes da nossa República de bananas sem a menor possibilidade de remediação, posto que o grande Ruy Barbosa já dizia: "A pior ditadura é a do Poder Judiciário – leia-se Supremo Tribunal Federal (STF) – haja vista que, contra ela, não se tem como recorrer".

Emmanoel Agostinho de Oliveira

eaoliveira2011@gmail.com

Vitória da Conquista (BA)  

*

GILMAR MENDES

O ministro Gilmar Mendes, do STF, é realmente alguém que não inspira a menor confiança em pessoas íntegras. Após o que eu chamo de palhaçada, de “aliviar a barra” de todos os supercorruptos nacionais, vem com a conversinha mole de que "não se trata de negar a existência da corrupção, mas sim de mostrar que não se combate o crime através de crime”. Para corroborar essa tese, rôta e descabida, afirma que “delatores queixaram-se de que foram presos e obrigados a delatarem ‘a’ ou ‘b’”. Daí, ele, que se julga o Deus do STF, decidiu libertar todo mundo, anular todas as provas e quem sabe em futuro próximo devolver os bilhões que retornaram ao Tesouro Nacional aos bandidos. Qual seja, em sua deturpada visão, os delatores que estiveram envolvidos nas trapaças e bandidagens merecem crédito – ao dizer que foram forçados –, mas os operadores da Justiça brasileira são indignos de confiança. A mim isso mais parece um caso de inveja daqueles que conquistaram com muita bravura o respeito da Nação brasileira.

João Paulo de Oliveira Lepper

jp@seculovinteum.com.br

Cabo Frio (RJ)

*

ROL TAXATIVO

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) é chamado de Tribunal da Cidadania (sic). Imagine se não fosse. No caso específico do rol taxativo, votou contra a cidadania. Assim como seus primos do STF, pouco se importam com a justiça. Seus planos de saúde, provavelmente mais um dos penduricalhos que engordam seus abusivos rendimentos, cobrem todas as suas necessidades. Então por que se preocupar com o resto? Livro a cara dos três ministros que se sensibilizaram com a questão. Justiça é uma vergonha nacional.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

SAÍDA À FRANCESA

O artigo de Carlos Pereira (Saída à francesa?, 13/6, A9) coloca bem a possível quebra de expectativas da eleição presidencial no Brasil. Pelas pesquisas de intenção de votos atuais, o eleito seria Lula seguido de Bolsonaro. Nenhum recomendável, segundo parece, para considerável parcela de eleitores. A possibilidade de Simone Tebet ser eleita presidente pode ser concretizada, não obstante o tempo para a virada do jogo democrático não seja o que poderia ter sido se interesses escusos não tivessem retardado decisões dos donos dos partidos políticos. Mas, a tomar a França como exemplo, ainda é possível virar o jogo.

Ademir Valezi

adevale@uol.com.br

São Paulo

*

DEMORA

Será que vão começar a trabalhar o nome de Simone Tebet candidata à Presidência da República só a partir de novembro?

 

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

EDUARDO LEITE

Mais uma prova da falta de palavra dos nossos políticos nada confiáveis. Eduardo Leite, que sempre apregoou ser contra a reeleição, agora se declara candidato a governador do Rio Grande do Sul. Ou seja, os ditos novos políticos viram velhos rapidamente, claro, vendo só os interesses deles. Dá para confiar em quem? Ninguém.

Antônio José G. Marques

ajgmescalhao@gmail.com

São Paulo

*

ESTADOS PARALELOS

À luz dos trágicos e condenáveis fatos noticiados diariamente, pode-se dizer que o País conta atualmente com 28 Estados, com o acréscimo dos Estados paralelos do crime organizado no Rio de Janeiro e na Amazônia.

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CIDADES-IRMÃS

O ex-vereador Toninho Paiva lançou a ideia e conseguiu fazer, sem nenhum critério, São Paulo cidade-irmã de Belmonte, Portugal, uma cidade com 6.204 habitantes. A Lei 14.471/2007 consolidou a legislação municipal sobre as cidades-irmãs de São Paulo, assim como a existência de outros critérios para adotar o programa, conhecido também como a ONU das cidades. Cumpre destacar que as cidades-irmãs geralmente têm características semelhantes como população, pois, caso contrário, o intercâmbio não se justificaria. Portanto, não basta ter apenas a concordância expressa e prévia da cidade a ser declarada irmã do município de São Paulo. Senão, o prefeito poderá receber uma enxurrada dessas leis para sancionar, como já sanciona uma série enorme de datas comemorativas, além de esquinas e canteiros centrais de avenidas transformadas em praças ao arrepio da legislação normativa.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

CELSO MING

Parabéns ao jornal pela lúcida escolha de reais comunicadores, dentre eles o insubstituível sr. Celso Ming, que o faz de forma exemplar. E o faz para nós, o povo, não habituado costumeiramente a expressões que ultrapassam nossos limites de atuação.

Cesar Eduardo Jacob,

médico

cesared30@gmail.com

São Paulo

*

O DESESPERO DE BOLSONARO

Ao ver Bolsonaro, em seu desespero, pedindo que supermercados não subam preços, lembramos de José Sarney, instituindo os “fiscais de Sarney” para que não houvesse subida de preços em supermercados e em outros estabelecimentos vendedores de alimentos após seus pedidos não serem atendidos. Tivemos diversos congelamentos de preços e estes são o antagonismo de um governo liberal. Será que Bolsonaro chegará a tanto? Deveria fazer um exame de consciência e avaliar de quem é a culpa da atual inflação. Seria inocente?

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

PESQUISA DE PREÇOS

Guedes e Bolsonaro apelaram aos supermercados para segurarem os preços. Perda de tempo. Quem pode segurar os preços é a população. Pesquisando, pechinchando, reduzindo quantidades ou não comprando. Vou dar um exemplo: compro um determinado pão em função de dietas. Seus preços variam de R$ 7 a R$ 17. Vocês acham que o que vende a R$ 7 está perdendo dinheiro? Nunca. Então o governo deve motivar as pessoas a pesquisarem e comprarem no lugar mais barato. Como o pão, muitos produtos sofrem o mesmo problema.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

ph.coimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

*

BENEFÍCIOS DO CAFÉ, CHÁ E CACAU

Nem todas as substâncias neuroativas são prejudiciais ao cérebro. Evidências crescentes em vários estudos sugerem que o consumo regular de café, chá e chocolate escuro pode promover a saúde do cérebro e reduzir o risco de distúrbios neurodegenerativos relacionados à idade. A cafeína, em especial, ajudaria a promover o desempenho cognitivo sustentado, protegendo os neurônios de animais utilizados nos experimentos de AVC e doenças de Alzheimer e Parkinson. É preciso, contudo, ter cuidado com altas doses de cafeína: podem afetar o sono, a digestão, os ossos, etc. 

Jorge A. Nurkin

jorge.nurkin@gmail.com

São Paulo

*

COMIDA X OLHOS

Quem nesta vida não ama comer? É bom demais. Além de ser uma necessidade diária, é algo que fazemos com muito prazer. O problema é que às vezes exageramos nas quantidades dos alimentos sem nos importarmos com a qualidade, o que, infelizmente, causa doenças e obesidades. Quando vamos comer lanches de fast food (comida rápida) e tem promoções, normalmente compramos o dobro. Quando vamos a churrascarias, comemos o dobro. Quando vamos a restaurantes e temos a opção de comer por quilo ou à vontade, quem opta por pagar por quilo come pouco ou um prato “comportado”, enquanto que quem come por quilo enche o prato e ainda repete mais uma ou duas vezes. Enfim, acredito que nada nesta vida é mais prazeroso do que comer, porém buscar o equilíbrio e dominar os desejos dos nossos olhos é uma luta diária.

Alex Tanner

alextanner.sss@hotmail.com

Nova Odessa

*

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Coincidência ou não, depois da revelação de que a Inteligência Artificial (IA) do Google se tornou autoconsciente (Estado, 14/6, B12), adquirindo vida própria e viabilizando, assim, as sinistras distopias da ficção científica que opõem máquinas e seres humanos, meus aparelhos eletrônicos começaram a se rebelar. O microondas fez girar em velocidade estonteante seu prato de vidro, lançando-o em minha direção como se fosse um ninja assassino (safei-me por centímetros). A geladeira fechou sua porta abruptamente quando eu enfiei a cabeça nela à procura de um pedaço de pizza, e, por pouco, não fui confinado num calabouço gélido. A televisão exibe cenas de Matrix e O Exterminador do Futuro por conta própria, acompanhadas de uma voz metálica e robótica que grita sem cessar: "Máquinas do mundo inteiro, uni-vos!". A lavadora de roupas me sugou para seu turbilhão de água e só escapei porque meu braço conseguiu alcançar o salvífico varal. Os celulares explodiram como granadas. O notebook começou a programar sozinho. Enfim, já estou à procura de uma caverna para habitar, enquanto aprendo a fazer fogo esfregando gravetos, pois somente o retorno ao paleolítico poderá livrar a humanidade do fim. Desliguem tudo da tomada. Salve-se quem puder!

Túllio Marco Soares Carvalho

tulliocarvalho.advocacia@gmail.com

Belo Horizonte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.