Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2022 | 03h00

Ministério da Educação

Operação da Polícia Federal

A Justiça brasileira dá mais um exemplo de coerência e literal legalismo ao decretar a prisão preventiva do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e de pastores envolvidos no esquema de corrupção que rolava a rodo no gabinete paralelo da pasta. No entanto, é preciso lembrar que a Operação Lava Jato realizou dezenas de operações semelhantes, desbancou o sofisticado esquema de corrupção que acontecia na Petrobras e prendeu inúmeros executivos e políticos, inclusive o ex-presidente Lula. Só que a Lava Jato não só não existe mais, como a maioria dos presos está solta, muitos dos quais candidatos às próximas eleições, sendo o principal o próprio Lula. Não é difícil de concluir que o desmonte da Lava Jato estimulou e perpetuou o estado de corrupção que assola o País, incluindo o tal gabinete paralelo. A Justiça brasileira só será plenamente justa quando a corrupção institucionalizada for definitivamente extinta.

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

*

Eleições 2022

O apoio dos conservadores

Excelente o artigo O consequencialismo dos conservadores (22/6, A4). Tenho amigos médicos, engenheiros e escritores, pessoas de excelente formação ética e moral (a princípio, pelo menos), que são obcecados pelo tal “mito”. Vai entender… O problema é que a alternativa viável também não ajuda.

Albino Bonomi

acbonomi@yahoo.com.br

Ribeirão Preto

*

Crise de representatividade

Oportuna e precisa a contribuição de Nicolau da Rocha Cavalcanti no Espaço Aberto de ontem, sob o título O consequencialismo dos conservadores. É inegável a existência de um grupo de pessoas que se autointitulam conservadoras e que se arriscam a votar em Jair Bolsonaro equilibrando-se na visível contradição entre seus valores e aqueles adotados pelo mandatário. Porém expressiva parcela da população tenta escapar dos discursos populistas ou ativistas, é “tacitamente” conservadora, não rejeita a pauta útil e realista do progressismo, não aceita votar em Bolsonaro e tenta gostar da campanha de Lula, sendo ignorada ou rechaçada pelos radicais do seu partido. Há uma forte crise de representatividade, caracterizada pela busca vã e sem receptividade de expressiva parcela da população brasileira.

Celso A. Coccaro Filho

ccoccar@gmail.com

São Paulo

*

Longe do ideal

O bom artigo de Nicolau da Rocha Cavalcanti de ontem no Estadão, em tese, se aplicaria, no que se refere ao consequencialismo, também ao “esquerdismo” dos adeptos de Lula. Desde a surpreendente eleição de Bolsonaro, em 2018, os brasileiros têm votado para afastar o que consideram menos pior, ainda que sejam candidatos notoriamente distantes do ideal para o Brasil.

Ademir Valezi

valezi@uol.com.br

São Paulo

*

Lula

Os ‘meninos’ de Lula

Gostei muito do editorial publicado na terça-feira Os ‘meninos’ de Lula (21/6, A3), a respeito do sequestro do empresário Abílio Diniz. Um absurdo o que Lula disse em Maceió (AL) na semana passada, quando afirmou que teria dito a Fernando Henrique Cardoso que, como democrata, ele teria a chance de passar para a história não permitindo que “dez jovens que cometeram um erro morressem na cadeia”. Primeiro, não eram jovens, a maioria tinha bem mais de 32 anos. Segundo, eram guerrilheiros estrangeiros – cinco chilenos, dois canadenses e dois argentinos – e apenas um brasileiro. O sequestro foi, para mim, o maior absurdo dos últimos tempos. Abílio ficou enterrado a 4 metros de profundidade, num caixote de 2 m x 3 m, por sete dias. A minha amizade com Abílio é de longa data e, no dia 11/12/1989, a família Diniz e seus amigos ficaram estarrecidos. Abílio quase morreu, pois tinha pouco ar no local do cativeiro, ouvia músicas em volume altíssimo e comia pouquíssimo. Só não morreu por sorte do destino, quando localizaram o brasileiro que fora a um autoelétrico na Caravan utilizada no sequestro e deixou lá seu endereço. “Lula é isto: para seus ‘meninos’, criminosos condenados por sequestro, carinho e compreensão. (...) Eis aí o líder que pretende resgatar o Brasil do pântano moral”. Lula ficou preso por 580 dias, mas numa prisão onde jamais foi tratado como um cachorro, como ocorreu com Abílio Diniz.

Antonio Jacinto Caleiro Palma

antonio.palma@urbanovitalino.com.br

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A PRISÃO DE MILTON RIBEIRO

O pior crime do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro foi o prejuízo que causou aos nossos jovens com sua omissão ao longo da pandemia sem definir o que fazer com as aulas, o corte de verbas das universidades federais, a destruição do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) com interferências inadequadas e a perda de tempo com assuntos idiotas, como o homeschooling. Um complemento triste relativo à corrupção noticiada por todos os jornais sobre cobrança de propinas é que a Procuradoria-Geral da República (PGR) não tomou nenhuma providência, como se não existisse. A prisão só foi decretada quando o ex-ministro perdeu seu status de ministro e a Justiça pode agir dentro da lei, sem o bloqueio da PGR.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

O DONO DA VERDADE

“O Milton, coisa rara de eu falar aqui: eu boto minha cara no fogo pelo Milton.” “Minha cara toda no fogo pelo Milton. Estão fazendo uma covardia contra ele.” “Deus sabe de todas as coisas e vai provar que ele é uma pessoa honesta, justa, fiel e leal.” “Amo a vida dele.” E aí, "fakedente", vai botar sua cara toda no fogo? As promessas se cumprem, mas tenho certeza de que essa o sr. não vai cumprir. As asneiras são fáceis de expressar, mas as atitudes e ações honestas, não. Esse é o seu perfil, infelizmente para o Brasil.

Filippo Pardini

filippo@pardini.net

São Sebastião

*

‘ALELUIAGATE’

Como podemos chamar este escândalo dos pastores do MEC? Aleluiagate? Glóriaadeusgate? Nos anos 1990, eu falava para o meu sogro que essa filosofia evangélica de que qualquer um pode montar uma igreja e se apresentar como pastor iria acabar trazendo prejuízos à própria religião fundada por Lutero, que não tinha qualquer propósito criminoso, mas ao contrário. Meu sogro dizia que "Deus nunca iria permitir que alguém montasse uma igreja com maus propósitos, pois seria castigado pela fúria divina". Errado meu sogro não estava.

Rynaldo Papoy

papoy3@gmail.com

Guarulhos

*

FUNDEB

O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) nunca foi Fundeb, mas tão simplesmente Fundec: Fundo para Desenvolvimento da Corrupção.

Carlos Leonel Imenes

leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

*

EDUCAÇÃO INFANTIL

Tive grande contentamento ao ler o editorial do Estadão sobre a educação infantil, tema essencial e a respeito do qual iniciei meus estudos acadêmicos (Leitura negligenciada, 20/6, A14). Embora trate de uma realidade negativa, isto é, “muitas pré-escolas não têm rotina de leitura de histórias para crianças”, o texto ressalta a necessidade de os educadores e gestores se convencerem da importância e do papel da educação infantil. Um educador, que um dia ouviu a frase “pré-escola é artigo de luxo de país rico” e participou de um seminário cujo tema era “a criança não nasce aos sete anos”, bate palmas e agradece.

João Pedro da Fonseca,

professor associado aposentado da Faculdade de Educação da USP

fonsecaj@usp.br

São Paulo

*

TEMPO INTEGRAL

Sobre o editorial Os muitos ganhos do ensino integral (Estado, 22/6, A3), os governantes não têm vontade política de manter o ensino nem de quatro horas mínimas diárias, muito menos em tempo integral. A Secretaria de Educação da cidade de São Paulo entregou os livros didáticos em suas escolas municipais só agora, em junho, metade do ano letivo, após as crianças terem ficado dois anos sem frequentar as escolas. O tempo integral, sem condições humanas e materiais, vira infernal. Mas, aparentemente, está tudo funcionando e a realidade é outra, ainda mais se tratando de governos tucanos que são protegidos pela imprensa.

Eliel Queiroz Barros,

professor de educação básica

monoblocosantoandre@hotmail.com

Santo André

*

APATIA GOVERNAMENTAL

É de se lamentar profundamente a execução do jornalista inglês Dom Phillips e do nosso patrício, o indigenista Bruno Pereira, que foram cruel, bárbara e brutalmente assassinados por bandidos que atuam na região amazônica, onde ocorreram as lamentáveis execuções que já são de conhecimento mundial. Enquanto isso, os nossos governantes – em todos os níveis – permanecem apáticos, preocupados unicamente com as próximas eleições. Mal sabem eles que, sob sigilo total, potências mundiais já têm plano concluído para promover a ocupação da região amazônica, visando a transformá-la urgentemente em “pulmão do mundo”. Acorda, Brasil.

Gary Bon-Ali

gary.bonali@gmail.com

São Paulo

*

CAÇA INDISTINTA

Em três anos – sob o governo de Jair Bolsonaro, portanto – triplicou o número do registro de armas de caça, como as que fulminaram nossos idealistas e defensores da Amazônia, do equilíbrio climático e dos direitos dos povos da selva, Bruno e Dom. De 7,6 mil para 29,5 mil. Pouco se importou o órgão de registro, posto na estrutura hierárquica do governo federal, se os animais a serem abatidos seriam irracionais ou racionais. Jamais tivemos uma governança predatória e vertedora do sangue de seu povo como esta.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

PETROBRAS

Objetivando penalizar a Petrobras pelo seu elevado lucro, os nossos deputados e senadores querem reduzir os preços dos combustíveis e dobrar a carga tributária. Será um tiro no pé. É elementar. Em toda atividade comercial o custo sempre é repassado ao consumidor, inclusive a carga tributária. Ou seja, mais imposto eleva ainda mais o valor dos combustíveis. O Legislativo pode ajudar: exigir que a refinaria informe em todo primeiro dia útil do mês o preço dos combustíveis que será válido para aquele mês e, sobre ele, limitar em, no máximo, 10% o ICMS estadual. Outra forma de o Legislativo ajudar é cancelar ou reduzir os royalties pagos pela petrolífera.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

O BAILE DE MÁSCARAS DO PT

Qual a relação entre o barraco de Suplicy e o programa de governo aleatório (já o segundo esboço aleatório, escrito de improviso)? As máscaras do PT vão caindo, agora em 2022, não com relação à corrupção, como se falava muito, mas com relação ao que acontece nos bastidores do partido. Fingindo ser revolucionário esquerdista, o PT, na verdade, parece mais um partido fisiologista como outro qualquer, um "filho bastardo do Centrão", com políticos pragmáticos sob as ordens de dirigentes autoritários. Suplicy não tem espaço num partido desses. No entanto, o PT "fisiologista", em vez de manter um casamento público com o Centrão, irá se reunir às escondidas com o bloco, como se fossem amantes. Assim vão cuidar do Brasil destruído por Bolsonaro durante uma possível recessão que virá em 2023, como muito se alerta.

Magadalena F. Hausch

magdalenafloreshausch@protonmail.com

Belo Horizonte

*

ATIVISMO JUDICIAL

Condenando as debochadas gargalhadas da mesa decorrentes da invasão do octogenário e vaidoso vereador de São Paulo, Eduardo Suplicy, que não fora convidado para a reunião de diretrizes do PT apesar de ter sido voz ativa na casa em tempos distantes, indago se as desrespeitosas gargalhadas também cabem ao quase octogenário Lula pelas alucinações e mentiras que sempre falou e vem falando nos seletivos convescotes da sua campanha à Presidência. No mesmo evento, Paulinho da Força (Solidariedade), recorrente traíra de boa cepa, declarou aos quatro ventos que o supremo Gilmar Mendes foi um dos que aconselhou menos ódio nos discursos do companheiro Lula. "Não podem errar no radicalismo. Se errarem, o Brasil perderá!", foi o conselho. Falem e cantem à vontade! É fato que a música que estão tocando está a conspirar a favor do erário, da ordem, da República e do Brasil, em verde e amarelo. A propósito, ministros Lewandowski, Fachin, Barroso, Alexandre de Moraes e demais confrades supremos, o colega Gilmar Mendes também é um ativista judicial?

Celso David de Oliveira

david.celso@gmail.com

Rio de Janeiro

*

A PRESSA

O Sociólogo Herbert José de Souza, o Betinho, falecido em 2007, notabilizou-se por ter coordenado, durante a década de 1990, o projeto Ação da Cidadania contra a Fome e a Miséria e pela Vida. É de sua autoria a frase símbolo da sua ação humanitária: "Quem tem fome, tem pressa". Em 2014, o ministro Luís Roberto Barroso, nomeado havia pouco mais de um ano pelo governo governo do PT para ocupar a vaga de Carlos Ayres Britto no Supremo Tribunal Federal (STF), afirmou pela televisão que pretendia acelerar ao máximo o andamento das demandas dos condenados e presos que solicitaram a revisão dos seus regimes prisionais de modo a permitir-lhes trabalhar fora da cadeia. Na ocasião, declarou: "Quem está preso tem pressa". Infeliz analogia com a citação do sociólogo, pois esta pelo menos tinha como alvo seres famintos e desassistidos, enquanto que a do ministro visava presos que, embora ansiando pelas respectivas revisões, não são usurpados pelo poder constituído nas suas mais básicas necessidades. Cabe então a indagação: estará hoje mais aliviado o engarrafamento das demandas às quais o togado se referiu naquele ano? É hora de vir a público e mostrar o balanço de sua influência na questão.

Paulo Roberto Gotaç

pgotac@gmail.com

Rio de Janeiro

*

CADEIA PARA DEMÉTRIUS

Demétrius Oliveira Macedo espancou a procuradora-geral no município de Registro, Gabriela Samadello Monteiro de Barros. A agressão, que foi registrada em vídeo, foi um verdadeiro escândalo exibido em diversas mídias. Demétrius precisa ser punido com todo o rigor da lei, além de ter um acompanhamento psiquiátrico e psicológico. Os covardes desse tipo não podem permanecer impunes e soltos por aí. Espera-se celeridade da Justiça, pois a descontrolada atitude causou muita indignação à população e, principalmente, danos físicos e morais a Gabriela. Prenda-se Demétrius.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

JUÍZA DE SANTA CATARINA

Uma juíza de Santa Catarina impedir o aborto de uma criança de 11 anos que foi estuprada é uma das coisas mais insanas e jamais vistas no âmbito da magistratura. Tal juíza deve ser exonerada sumariamente da função pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Um negócio de um absurdo criminoso sem limites. Até onde vão os desmandos dessa gente? Absolutamente uma completa loucura, o que coloca em questão até a sanidade mental dessa mulher. A punição tem de ser severa.

Paulo Alves

pauloroberto.s.alves@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CASO DE ESTUPRO

O indivíduo ficar preso no labirinto jurídico kafkiano é um fato cotidiano no Brasil. Não se pode criminalizar a hermenêutica e o juiz pode julgar com sua convicção, mesmo que esta seja contrária à jurisprudência, pois as instâncias superiores podem reanalisar o que foi decidido e reformar a sentença. Entretanto, no caso de estupro de uma criança que tem direito ao aborto, a Justiça não pode forçar o nascimento por decurso de prazo.

Luiz Roberto da Costa Jr.

lrcostajr@uol.com.br

Campinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.