Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

25 de junho de 2022 | 03h00

Amazônia

A retomada do fundo

A Noruega deverá reativar o Fundo Amazônia, se Jair Bolsonaro perder as eleições, afirmou o ministro do Meio Ambiente norueguês, dizendo ainda que o projeto poderia ser retomado muito rapidamente se a oposição vencer as eleições de outubro no Brasil. Os pagamentos do fundo foram suspensos em 2019, e ele tem hoje cerca de R$ 3 bilhões parados. Então por favor, presidente Bolsonaro, não espere as eleições, peça para sair!

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

Governo Bolsonaro

País sem controle

Na Amazônia mataram duas pessoas que “incomodavam”. As autoridades locais nada fizeram para evitar essas mortes, ao contrário, seu desinteresse é um estímulo ao crime organizado. O ex-ministro da Educação foi preso por decisão de juiz que, logo em seguida, foi ameaçado de morte. O policial federal responsável pela prisão não foi autorizado a levá-lo a Brasília, como havia determinado a decisão judicial, e reclamou de pressões para atrapalhar sua operação. O poder público já perdeu para as milícias uma boa parte do território do Rio de Janeiro, mas, pelo jeito, já estamos perdendo o controle de todo o País, com o apoio da Presidência da República. Vamos nos lembrar disso na hora de votar.

Aldo Bertolucci

aldobertolucci@gmail.com

São Paulo

*

Campanha na TV

Ouvir Bolsonaro falando para meia dúzia de mulheres pobres sobre as maravilhas de seu desgoverno e finalizar com o slogan “sem inflação, sem corrupção e com Deus no coração, ninguém segura esta Nação”, e as senhoras aplaudindo enquanto ele abre aquele sorriso de motociata, faz a gente se perguntar: de qual nação ele está falando? Dia destes, ele “metia a cara no fogo” pelo ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, que foi preso junto com dois pastores por enfiarem as mãos em dinheiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para, entre outros regalos, produzir Bíblias com fotos deles com as respectivas senhoras, para distribuir ao seu rebanho. Pior é que 27% dos eleitores declaram intenção de votar neste cínico.

Jane Araújo

janeandrade48@gmail.com

Brasília

*

Eleições 2022

A miséria de sempre

Bolsonaro foi rejeitado por 55% dos entrevistados pela mais recente pesquisa Datafolha, e 35% rejeitaram Lula. Nos governos de Lula, o povo conseguiu comprar um carro, um telefone celular e uma smart TV, tudo em 72 prestações, que muitas vezes não foram pagas. Hoje, 65 milhões de brasileiros têm o nome sujo por causa de dívidas contraídas nos últimos anos. Nem Lula nem Bolsonaro conseguiram diminuir a miséria no Brasil: 33 milhões de brasileiros passam fome. A maioria do nosso povo ainda não tem acesso ao saneamento básico, a escolas e hospitais decentes. Votar novamente em Lula ou em Bolsonaro significa uma grande incompreensão da maioria da população, que não tem acesso aos dados reais de inflação, desemprego, dívida pública, índice de desenvolvimento humano, entre outros.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

CPI do MEC

Brasil perdulário

Com 33 milhões de brasileiros passando fome, desperdiçamos R$ 4.961.519,777,00 com o Fundo Eleitoral e R$ 939 milhões com o Fundo Partidário. Com tanto dinheiro, ainda estamos na iminência de bancar, também, o palanque eleitoral que seria a CPI do MEC, para a qual a oposição está reunindo assinaturas. Terá ela os mesmos políticos trapalhões da CPI da Covid, que, sem respaldo no Legislativo, serão apoiados pelo STF para ficar em evidência e, ao fim dos trabalhos, depois de uma grande despesa e perda de tempo, não resultar em nada, absolutamente nada? Eis a clara demonstração de um Brasil perdulário, mesmo com tanta gente passando fome. E nós, eleitores, é que somos os culpados por elegê-los.

Humberto Schuwartz Soares

hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*

Por conta do eleitor

Randolfe Rodrigues e CPI, tudo a ver, não fosse um detalhe: despesas por conta do eleitor. Para ter uma ideia, a conclusão da CPI passada foi a de que não houve conclusão nenhuma, mas ninguém devolveu o dinheiro. CPI da CPI já!

Ricardo C. Siqueira

ricardocsiqueira@lwmail.com.br

Niterói (RJ)

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

MENINA DE 11 ANOS

Só porque "está na lei", o Poder Judiciário permitiu que uma quase criança (quase sete meses de gestação ou 30 semanas) fosse legalmente abortada (Estado, 24/6, A23). Quantos que nasceram "de sete meses" vivem ou viveram fortes e saudáveis por muitos e muitos anos? Seria aceitável – e eu concordo plenamente com isso – se a menina de 11 anos tivesse sido estuprada por um bandido de qualquer idade, mas não: o autor foi um "estuprador" de 13 anos. O mal para a menina já está feito. Pouquíssimo tempo a mais para que fosse realizada uma cesárea com segurança produziria uma criança saudável que seria adotada por um casal sem filhos, fazendo a felicidade de três pessoas sem esse ato criminoso (ou não, porque está previsto no Código Penal). Parece que existe a possibilidade de criminalizar o "perigoso estuprador de 13 anos". Isso também está no Código Penal? Este mundo não é o que quero para mim.

José Carlos Gomes

jcgomes1313@gmail.com

Botucatu

*

ABORTO LEGAL

Tenho lido críticas, inclusive de Bolsonaro, por haver sido feito o aborto legal na criança de 11 anos. Pergunta: e se fosse a filha dele que tivesse sido estuprada?

 

Maria do Carmo Zaffalon Leme Cardoso 

zaffalon@uol.com.br

Bauru

*

OUTRA TRAGÉDIA

O hospital universitário da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) comunicou que realizou o aborto em uma menina de 11 anos. Relembrando o triste caso, ela foi estuprada e estava com 29 semanas de gestação. Ou seja, o feto tinha sete meses e uma semana.  Não houve aborto; houve assassinato. Conseguiram agravar uma tragédia por meio de outra tragédia. 

Milton Córdova Junior 

milton.cordova@gmail.com

Brasília

*

ADOLESCENTES

Os insuportáveis, desta vez criminosos, ativistas hipocritamente corretos distorceram a verdade para impor sua filosofia oca. Travessuras de adolescentes podem ter consequências graves. Esse caso não foi um estupro. Uma cesariana pode perfeitamente salvar um bebê de 30 semanas, o “aborto legal” é homicídio. E será que a mãe teve o direito de sepultar o filhinho assassinado? Ou ele foi esquartejado e virou lixo hospitalar?

César Garcia 

cfmgarcia@gmail.com

São Paulo

*

LIBERDADE INDIVIDUAL

Suprema Corte dos EUA derruba decisão que garante direito ao aborto após 49 anos. O que ganham com essas políticas que querem transformar os Estados Unidos em país sul-americano dos anos 1960, cheio de proibições? Daqui a pouco, vão proibir o biquíni na praia. Os eleitores norte-americanos tenderão a não votar em políticos "conservadores" nunca mais, pois parecem estar rasgando a constituição daquele país, notória por garantir as liberdades individuais, marca registrada dos Estados Unidos desde a sua fundação. Eu cito "conservadores" entre aspas, porque o conservadorismo tradicional (desculpem a redundância) norte-americano visava justamente a liberdade individual e não um Estado totalitário, em que tudo vai ser proibido, ano após ano, e a democracia começará a ser ignorada. Ao mesmo tempo, os republicanos e a Suprema Corte defendem armamento para a população. Vem Guerra Civil 2?

Rynaldo Papoy

papoy3@gmail.com

Guarulhos

*

PROCURADOR DESQUALIFICADO

Em vez de chamar de covarde, canalha e desequilibrado mental o procurador municipal de Registro, no Vale do Ribeira, Demétrius Oliveira de Macedo, que espancou com fúria e brutalidade a procuradora-geral da cidade, Gabriela Samadello Monteiro de Barros, dentro do ambiente de trabalho por ela ter aberto procedimento administrativo contra ele, motivado pela denúncia de uma funcionária por atitudes hostis, melhor aguardar que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) casse a sua licença em definitivo para o exercício da advocacia, visto não ter o necessário equilíbrio psicológico para exercer a nobre atividade. A partir de então, deverá ser chamado de ex-procurador, como fez por merecer.

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

BOLSONARO E AS ELEIÇÕES

De toda forma, Bolsonaro deseja controlar as próximas eleições, desconhecendo diuturnamente as providências salutares tomadas pelo órgão competente, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Mas o seu movimento destinado a confundir e criar falsas expectativas não convence os eleitores brasileiros, tanto que o seu porcentual de votação já não mais ultrapassa 30%. Perder ou ganhar eleições são os pesos que se colocam na balança para notificar os concorrentes do resultado. Assim, as suas constantes manifestações são tomadas como indicações do desejo de golpe que, no entanto, não possui o respaldo necessário para a concretização. Entretanto, o mestre da ameaça e da discórdia vai continuar a sua tarefa anômala até bem depois das eleições. Lembrem-se sempre de Donald Trump.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

DONALD TRUMP

'Digam que a eleição foi fraudada', disse Trump após derrota de 2020 (Estado, 24/6, A20). As nações democráticas do mundo esperam que a Justiça dos Estados Unidos coloque Donald Trump no lugar que os golpistas merecem: na cadeia.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

JAIR BOLSONARO

Jair Bolsonaro precisa saber que o povo brasileiro “não coloca a cara nem as mãos no fogo” por ele. O conselho é daquela sábia senhorinha de Taubaté. Aliás, segundo o Datafolha, 53% dos entrevistados não confiam nas falas mentirosas do presidente. Quem avisa amigo é.

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

FIM DO CAMINHO

Quarenta e sete por cento de reprovação e 26% de aprovação, segundo o Datafolha. Visto que um governo deve necessariamente representar os interesses e direitos da maioria e não de minorias, o caminho de um homem probo e malsucedido seria a renúncia. No entanto, o poder e o dinheiro arranham profundamente a epiderme dos viventes. Logo, Bolsonaro insistirá na reeleição, recorrendo a algumas ajudas pífias aos descamisados para tentar seu ideário utópico. Resta-nos o fim do percurso sofrido, que é o mais doloroso. Pensemos, porém, com o cérebro e não com o fígado.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

DESGOVERNO BOLSONARO

Com os postos de saúde lotados e cirurgias adiadas; escolas sem manutenção, computadores, internet nem banheiros decentes; universidades sem verbas para ensino qualificado e pesquisas; falta de segurança para a população urbana e indígenas; discriminação de mulheres, negros e LGBTs; degradação do patrimônio natural da Nação; recordes na exportação de grãos e proteína natural mas povo passando fome, sem emprego; política corrompida sorvendo os recursos públicos; agressões continuadas à Constituição pós-juramento de posse; e outras barbaridades, quem reelegeria o presidente? Alienados, masoquistas, ignorantes, corruptos, gananciosos? Insuportável ouvir ou ler o nome Bolsonaro. Desgoverno predador, Brasil destroçado.

Etelvino José Henriques Bechara

ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

JOSÉ SERRA

O senador José Serra, como sempre sensato, foi muito assertivo no seu artigo (A democracia representativa não será demolida, 22/6, A4). O povo, cansado de não ter suas demandas e necessidades atendidas por essa elite que, ao assumir o poder, o despreza, acaba se enverando como tábua de salvação em apoio aos líderes demagogos que tudo prometem e nada cumprem. Como escreveu José Serra, esse atual ambiente é fértil para o surgimento de lideranças demagógicas que facilmente aliciam o eleitorado desprotegido. Difícil entender como os conservadores, os que mais leem e estudam, caem facilmente nesses discursos de ódio e de falsas promessas. Triste Brasil.

 

Valdir Ferraz de Oliveira 

valdirferraz@uol.com.br

Santana de Parnaíba

*

COMBUSTÍVEIS

Nos combustíveis deve-se levar em consideração estas premissas: 1) tudo é transportado pelo petróleo. Sem estabilidade nos preços dos combustíveis, não haverá estabilidade econômica; 2) o petróleo bruto está em terceiro lugar na pauta das exportações brasileiras; 3) somos o oitavo exportador mundial; 4) as reservas do pré-sal deram extraordinárias perspectivas de enriquecimento e bem-estar ao povo brasileiro. Falta organizar o sistema;  5) foi a corrupção e depois a letargia e a falta de investimentos em refino que nos levou ao descalabro da Paridade de Preço de Importação (PPI), que nos faz sentir furtados "legalmente" na hora de abastecer; 6) a inflação é o pior inimigo; 7) um país produtor deve ter dois preços de combustíveis: um para a venda interna, justo e estável, e outro para   exportação, nos preços de commodities, dos especuladores internacionais; 8)  A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) possui 82% das reservas mundiais. Não existe “preço internacional”, mas sim o preço ditado pela Opep, que é um cartel transnacional cuja lei não o alcança, por ser entre países; 9) em um setor cartelizado a concorrência não funciona para baixar preços, como ocorreu nas telecomunicações; 10) um país produtor de petróleo que trata o petróleo como commodity e usa a PPI, com preço atrelado ao dólar, está cometendo suicídio econômico. Ao menor pretexto, especuladores elevam o preço, desestabilizando a economia, gerando inflação.

Valério Costa Bronzeado

valeriocostabronzeado@gmail.com

João Pessoa

*

AUMENTO DOS PREÇOS

A gasolina e o diesel estão custando uma fortuna em diversas cidades brasileiras. Desde de que Bolsonaro assumiu o governo, em 2019, o preço dos combustíveis quase dobrou. Por que o combustível está tão caro? O que ninguém tem coragem de assumir publicamente, nem o Congresso, o governo ou a mídia, é que os aumentos são resultados de uma política de preços definida pelo governo federal em 2016, após o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Por essa política, a Petrobras cobra pelo combustível vendido ao brasileiro como se tudo fosse importado, como se fôssemos um país completamente dependente – mas não somos. A Petrobras exporta petróleo cru e importa uma parcela dos derivados que nós precisamos. Esse montante representa em torno de 20% da nossa demanda. Porém, todos esses derivados são cobrados como se nós importássemos 100%.

Antes de 2016, nós tínhamos o preço internacional como uma referência. Nosso custo de produção e refino de combustível no Brasil é muitíssimo mais baixo do que o preço internacional. A gente diluía esse preço mais baixo no preço mais alto do combustível importado. Tinha um preço, no geral, mais baixo. Só que isso mudou. A Petrobras começou a diminuir a utilização da capacidade de suas refinarias. Uma refinaria pode trabalhar com 90% de sua capacidade. Isso baixou para cerca de 70%. A gente refinava menos do que podia. Com isso, foi promovido o crescimento das importadoras de combustível no mercado brasileiro. O crescimento delas a partir de 2016 foi absurdo. Isso por si só já demonstra que, por trás da empresa e do governo, existem muitos interesses escusos que não são desnudados para conhecimento da nossa sociedade e dos consumidores. Para não inviabilizar o negócio das importadoras, a Petrobras esfola os usuários dos combustíveis no País. O Congresso finge tomar medidas para reduzir os preços enquanto o presidente Bolsonaro joga a culpa na guerra da Ucrânia e nos governadores de Estado, o que é uma enorme e gigantesca mentira. Por que a empresa não pode vender combustível barato hoje? Porque tem de viabilizar o negócio dos importadores e a venda das refinarias. Ninguém vai comprar refinaria no Brasil para vender combustível barato. Já foi vendida a Refinaria Landulpho Alves (Rlam), na Bahia, que hoje pertence ao fundo soberano dos Emirados Árabes. Eles vendem o combustível mais caro do Brasil. No fim, isso tudo é para viabilizar a privatização. Só que, quando privatizar, não haverá mais controle de preços. Ou o Estado vai subsidiar com dinheiro de todos ou vamos pagar mais caro. Pobre povo brasileiro que acredita em histórias de ICMS, Supremo Tribunal Federal (STF), boi da cara preta e dá carta branca ao seu algoz, que ri da cara dos brasileiros enquanto brinca em motociatas pelo país.

Rafael Moia Filho

rmoiaf@uol.com.br

Bauru

*

DANUZA LEÃO

Ex-modelo, escritora e colunista morre aos 88 anos (Estado, 24/6, C8). Qual o homem que não foi apaixonado virtualmente por Danuza Leão? Musa da transgressão e mestra da etiqueta. Realmente um ícone da comunicação que se vai.

José Ribamar Pinheiro Filho

pinheirinhoma@hotmail.com

Brasília

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.