Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2022 | 03h00

Visita a Taiwan

EUA contra Rússia e China

Decorridos mais de cinco meses da invasão da Ucrânia pelo exército do czar Putin, a águia americana enfrenta indiretamente o urso russo com o apoio dado à nação livre e soberana liderada por Volodmir Zelenski. Com a visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan, na terça-feira, terá de se desdobrar com a iminente e certeira reação do dragão chinês. Mesmo tendo o mais poderoso e bem equipado exército do planeta, não será tarefa fácil para os EUA ter de lidar, ao mesmo tempo, com duas grandes e poderosas forças militares, ambas nucleares e aliadas. O mundo corre sério e grave perigo. Oremos.

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

Momento sombrio

Na longa marcha da história das nações, há momentos de avanços de paz e liberdade e trágicos recuos a guerras, ditaduras e retorno a impérios anacrônicos. Infelizmente, estamos vivendo um destes momentos sombrios, com Vladimir Putin invadindo nação independente para restaurar o império dos czares e da URSS, já extintos. Na China, movimentos em torno de anexar a ilha de Taiwan ao império de Xi Jinping. Só falta as nações da Europa reivindicarem suas ex-colônias de volta e novas guerras nas Américas. Nada mais tóxico do que o imperialismo e o nacionalismo envenenando as democracias no século 21.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

Democracia

Mal educado

Na terça-feira o presidente Jair Bolsonaro disse, em entrevista à Rádio Guaíba, que “este pessoal que assina esse manifesto (pela democracia) é cara de pau, sem caráter”. E completou: “Não vou falar outros adjetivos porque sou uma pessoa bastante educada”. Caro senhor, eu assinei o manifesto, e com muito orgulho. Sou cidadão brasileiro, aposentado, 64 anos, e nunca ganhei um tostão dos cofres públicos para sustentar minha família. Ao contrário: sempre paguei impostos em dia e contribuí para cobrir as mordomias vergonhosas que o presidente e sua família, além de seus amigos, gostam de curtir. Acho que se esqueceu de que foi eleito para representar todos os brasileiros, e não só os fanáticos que o seguem de maneira cega. O presidente não quis gastar seus adjetivos, dizendo que é muito educado. Eu, como brasileiro, digo que ele não teve o mínimo de respeito pelos mais de 700 mil brasileiros que assinaram o manifesto. Além de cara de pau e sem caráter, Bolsonaro mostrou nestes quase quatro anos que tem um talento incrível para espancar a verdade histórica e aturdir a consciência do País. É um mal educado, teimoso, intratável, desaforado, descortês, incompetente, inapto, imprudente, fútil, truculento, muitas vezes inconveniente e indelicado. Esses foram alguns outros adjetivos que encontrei em dicionários. Peço que me respeite e respeite todos os brasileiros neste final de mandato, que certamente está terminando.

Valdecir Ginevro

valdecir.ginevro@uol.com.br

São José dos Campos

*

Invasão ao Capitólio

Ramificação no Brasil

A Câmara dos EUA avalia incluir o filho do presidente Bolsonaro Eduardo Bolsonaro – aquele que sabe fritar hambúrgueres – nas investigações da invasão do Capitólio. Sua ligação com o estrategista americano Steve Bannon chama a atenção, dizem membros da comissão que investiga o ataque ao Congresso. A pergunta que não quer calar é: Jair Bolsonaro conseguiria, neste caso, trocar o delegado do FBI, já que o procurador Augusto Aras certamente não teria o poder de engavetar essa investigação?

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

Câncer

Vacina contra o HPV

Com relação ao texto É possível prevenir o câncer? (Estadão Blue Studio, 31/8, página 8), foi levantada uma discussão essencial sobre prevenções primária e secundária de câncer. No contexto da importância da vacinação contra o HPV, além de ser método de prevenção primária para o câncer de colo de útero, que foi discutido no artigo, acredito ser vital ressaltar que essa vacina também é essencial na prevenção nos cânceres de orofaringe. Sendo assim, além de estimular a vacinação contra o HPV na população feminina, reforço também a necessidade da vacinação na população masculina.

Beatriz Martins,

dentista oncologista

bianflmartins@hotmail.com

São Paulo

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

SÓCIOS DO CAOS

O editorial Os sócios do caos são teimosos (Estado, 3/8, A3) mostra a política da insegurança que se quer instituir no País. Da mesma forma que as Forças Armadas se omitem quanto aos atentados à democracia feitos diuturnamente pelo despresidente, os ocupantes da Polícias Militar e congêneres têm comportamento semelhante. Sabemos que o generalato e os oficiais de patente mais alta em muito se beneficiaram das benesses concedidas, mas a tropa como um todo, incluindo os policiais, poucas vantagens obtiveram e são os responsáveis diretos pela segurança. Somente com uma política pública para o setor que não seja a do confronto, da força e da morte é que se poderá verdadeiramente resolver a questão. Não será, com certeza, com o atual grupo que comanda o País.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

OS GOVERNADORES E O COMANDO DA PM

É necessário que os governadores continuem com o poder de escolher o comando geral da Polícia Militar, porque se trata de um ato discricionário perfeito e a escolha resulta do fator confiança. Ficando os governadores adstritos a escolher um entre três nomes apresentados como se pretende, sem dúvida terão o direito de escolha tolhido, e prejudicada pode ficar a segurança de seus Estados. É incabível fazer política à custa de diretrizes existentes com eficiência na segurança pública, segundo os desejos de Bolsonaro.

José Carlos de Carvalho Carneiro

carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

CLUBE MILITAR

Com a devida vênia, a pretensão de devolução da área do Clube Militar em São Paulo está a comprovar que o Brasil não é um país sério. Falta ressaltar que não se trata apenas e tão somente de "área", certo como é que ao longo dos anos um sem número de investimentos foi feito com as inúmeras construções pertinentes no precitado clube. Olvidam-se que defronte ao aludido clube, quando da inauguração do Parque do Ibirapuera no 4.º Centenário de São Paulo, havia um vasto lago com fonte luminosa que "desapareceu" para edificação da Assembleia Legislativa, a um imensurável custo decorrente de superfaturamento de "n" coisas, tais como, por exemplo, o caríssimo alumínio que "reveste em duas camadas" os quatro lados da parte externa do edifício, lustres, mobiliário, tudo para abrigar os "laboriosos" deputados estaduais e os incontáveis membros dos respectivos gabinetes por nós pagos, como deixou entender certa feita o desembargador 44.º presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Por que não intentam a "devolução" desse "elefante branco" e reconstroem o magnífico lago com sua fonte luminosa? A ver verdade, o clube é área de lazer aos poucos edificada com inúmeros sócios e familiares que pagam por utilizar tal área de lazer paulistana, enquanto que o predito outro citado edifício pode ser substituído reconstruindo o mencionado lago e fonte, e os "operosos" deputados podem ocupar um dos inúmeros prédios do governo e/ou do município que estão literalmente abandonados na capital paulistana, como tem noticiado nossa imprensa. Confiamos no Poder Judiciário paulista repetindo o inigualável Ruy Barbosa, que deixou assentado: "A consciência é o registro fiel e perene, intérprete incorruptível da alma". Até porque o nosso Poder Judiciário estadual tem por hábito pôr em prática o que deixou firmado Honoré de Balzac: "A administração da justiça é a arte de aplicar as leis sem lesar os interesses".

Fernando de Oliveira Geribello

fernandogeribello@gmail.com

São Paulo

*

DECLARAÇÃO DE RENDA

Diante de tantos escândalos sobre recebimento do Auxílio Emergencial, Auxílio Brasil, etc., a Receita Federal deveria criar um mecanismo de controle com os dados da declaração de renda. Dos exercícios passados, aquele contribuinte que recebeu o benefício a que não teria direito automaticamente cairia na malha fina. Para os próximos exercícios, teria um campo específico para esses valores, e, aquele que recebe e deixa de informar, automaticamente o sistema recusaria sua declaração.

Jorge de Jesus Longato

financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi Mirim

*

DESEMPREGO

O desenvolvimento do capitalismo foi impulsionado pelo encadeamento das atividades de trabalho, produção, renda e consumo. Em torno desse eixo evoluíram processos sociais e culturais. Um desses é a escolarização, que tem a finalidade central, mas não exclusiva, de preparar para o trabalho, desse modo acenando para expectativas de uma vida digna. O desemprego coloca em xeque, todavia, essa possibilidade. Estudos indicam que as oportunidades geradas na quarta revolução industrial vão passar longe do necessário para absorver a mão de obra desocupada por força da mecanização. Imagine-se na pele de um jovem. Que efeitos podem resultar da constatação de que não terá direito a um lugar entre os que são remunerados por seu trabalho, podem se casar, criar filhos, etc.? Como será o futuro de crianças nascidas numa sociedade que não lhes oferece um lugar ao sol? Uma sociedade que considera normal aumentar o lucro de uns poucos por meio da supressão do ganha-pão de milhares.

Patricia Porto da Silva

portodasilva@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

CARA DE PAU

Ao taxar de caras de pau e irresponsáveis os subscritores da carta defensiva da Constituição (Estado, 2/8), Bolsonaro envolve nesses amálgamas grosseiros todos os filósofos e constituintes que criaram os códigos maiores regentes das sociedades para limitar o poder político dos donos do poder. Desde os nobres de 1215 que provocaram a apoplexia de João Sem-Terra ao editar a Carta Magna, passando por muitos outros autores de documentos normativos fundamentais, até seu esplendor no século das luzes. E seus cultores atuais, como o português J. J. Gomes Canotilho e o brasileiro Carlos Ayres Britto, entre tantos doutos e brilhantes parceiros do Direito Constitucional. Além do ex-decano do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello, paulista emérito que leria o manifesto na Faculdade de Direito.

Amadeu Roberto Garrido de Paula

amadeugarridoadv@uol.com.br

São Paulo

*

VOTO ANTI-BOLSONARO

Sobre a matéria Carta pela democracia: Bolsonaro chama signatários de ‘sem caráter’ e ‘cara de pau’, é inadmissível a falta de respeito desse senhor para com os milhares de brasileiros, de diferentes setores da sociedade, que se manifestam a favor da confiabilidade das urnas eletrônicas, da independência, isenção e imparcialidade do Poder Judiciário e do pleno funcionamento do Estado Democrático de Direito. Por isso, em outubro meu voto será anti-Bolsonaro. Vou de Tebet-Gabrilli no primeiro turno e de Lula-Alckmin num provável segundo turno. O Brasil precisa se livrar, de uma vez por todas, desse gravíssimo câncer chamado Jair Messias Bolsonaro.

Celso Nobuo Kawano Junior 

nobuo.ck@gmail.com

Embu das Artes

*

CORRUPÇÃO E DEMOCRACIA

Não resta a menor dúvida de que é incomensurável o dano que a corrupção faz à democracia. Não incluir o tema na Carta pela Democracia é um falhanço histórico, que carece de imediata e urgente correção, doa a quem doer, antes da leitura formal no dia 11 de agosto na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, em São Paulo. De outra forma, tal omissão soa complacência com a corrupção que tem dilacerado o Brasil, mal que tem se mostrado muito poderoso e resistente, que impede que o nosso país seja um dos mais ricos do mundo.

João Carlos Araujo Figueira

jfigueira@uol.com.br

Rio de Janeiro

*

‘LESMA LERDA’

Atendendo a vários pedidos de amigos e até de desconhecidos que leram o comentário que enviei ao Fórum dos Leitores (Estado, 31/7), decidi rever minha posição e continuar minha luta inglória e davidiana, conforme a Bíblia em 1.º Samuel 17. Li a Carta às Brasileiras e aos Brasileiros em Defesa do Estado Democrático de Direito, manifesto divulgado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), as famosas Arcadas do Largo de São Francisco, e fiquei impressionado. O documento na sua forma é primoroso, deixando evidente ter sido redigido por juristas notáveis que passaram por aquela academia. No entanto, ela peca no conteúdo, em que aparecem algumas inverdades, para não dizer outra coisa. Elas surgem nos parágrafos 4.º e 5.º, em que são mencionados trechos de nossa Constituição afirmando que “o País sempre foi democrático, cabendo a decisão final à soberania popular", e depois “todo poder emana do povo, que o exerce por meio de seus representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Pergunto: desde quando o nosso povo é soberano para decidir qualquer coisa neste país? Desde quando os representantes eleitos pelo povo atendem a suas demandas? A resposta dos teóricos a essa pergunta é que o poder emana do povo através de representantes eleitos por ele, povo, que se não tem seus pleitos atendidos deve escolher melhor seus representantes. Ora, como, se vivemos numa ditadura imposta pelo sistema político vigente, que é impenetrável e só busca atender aos seus interesses privados, seus privilégios, seus altos salários, suas "rachadinhas" e suas verbas de "emendas secretas" cujos objetivos são tenebrosas transações com recursos ilícitos resultantes de corrupção? Não tem como. Esse problema só vai ser resolvido quando juristas, como esses que redigiram o manifesto, liderarem um movimento popular e arregimentarem a população exigindo reforma política já, com nova constituinte, fim da partidarização obrigatória dos candidatos na esfera municipal, voto distrital puro e devolução dos cargos pelos eleitos que demonstrarem incompetência e/ou se envolverem em práticas de corrupção. Com isso haverá alguma chance de nosso país viver uma verdadeira democracia. Caso contrário, vai continuar a “lesma lerda”.

José Claudio Marmo Rizzo

jcmrizzo@uol.com.br

São Paulo

*

CARTA INCOMPLETA

Na semana passada comentei com vários amigos sobre a adequação da Carta às Brasileiras e aos Brasileiros assinada por vários banqueiros e empresários. Também a assinei. Sem dúvida a nossa jovem democracia é inegociável e deve ser preservada, entretanto, a carta está incompleta. Faltou um “segundo capítulo “ na mesma: a carta pela ética. O respeito ao dinheiro público deveria estar claro nesse documento. Qualquer empresa desses ilustres senhores deve respeitar as normas de ESG e o “g” de governança. Me parece que o tema foi desconsiderado, minimizado ou omitido. O competente Felipe Moura Brasil foi perfeito na coluna de segunda-feira (Muitos pró-‘democracia’, poucos antissistema, 1/8, A8). Parabéns, Felipe. Democracia e ética deveriam andar juntas.

José Eduardo Vaz Guimarães 

zeduvaz.guimaraes@gmail.com

Florianópolis

*

JUSTIÇA INDEPENDENTE

O STF é o guardião maior da nossa Constituição, e, portanto, da nossa democracia. Longe de mim defender ataques violentos a ele, mas necessita ser reformado para ficar mais distante da politicagem miúda. Esse conluio entre o ministro Nunes Marques e o presidente Bolsonaro para a escolha de juízes do Superior Tribunal de Justiça (STJ) é um escândalo que evidencia o quanto o STF virou uma instância política no sentido mais baixo possível. Não é novidade, pois esse jogo de compadrio na nomeação de ministros é antigo e as decisões do STF têm sido ao sabor do momento e se baseiam nos réus e seus aliados, não nas provas. Sem Justiça independente não temos democracia, e o STF não é independente como quer fazer crer.

Radoico Câmara Guimarães

radoico@gmail.com

São Paulo

*

URNAS ELETRÔNICAS

A insistência do Ministério da Defesa com tanta exigência sobre as urnas eletrônicas está parecendo a Escolinha do Professor Raimundo: “Você só pensa naquilo”.

Adalberto Amaral Allegrini

adalberto.allegrini@gmail.com

Bragança Paulista

*

MULHERES VALOROSAS

Duas mulheres valorosas e preparadas – Simone Tebet e Mara Gabrilli – lançam-se à candidatas à Presidência e Vice-Presidência da República. É uma oportunidade. Vamos ver, pelos seus eleitores e eleitoras, a reação da sociedade brasileira. Infelizmente, não posso ser otimista.

Euclides Rossignoli

clidesrossi@gmail.com

Ourinhos

*

SEM RISCO

Acho bonito temos representantes do sexo feminino disputando a Presidência. Ficou claro que há lugar para todos. O que acho estranho é que, na disputa, as três mulheres que se apresentam são senadoras em meio de mandato. Então fica patente que se não forem eleitas seus empregos no Senado continuam garantidos. Parece brincadeira e é. Não estão arriscando nada. Quero ver disputar mudando de cargo. Isso vale para deputados também concorrendo para prefeituras. Considero isso uma atitude imoral. Meu voto jamais terão.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

CAPITALISMO E DEMOCRACIA

No capitalismo ganha mais quem tem mais capital, dinheiro e patrimônio. De modo que o capitalismo favorece os ricos. Na democracia cada pessoa tem um voto, o voto do rico tem o mesmo peso do voto do pobre. Como existe mais pobre do que rico, o pobre decide a eleição. De modo que a democracia favorece os pobres. O problema é que os políticos ganham a eleição com os votos dos pobres, mas se vendem para os ricos e passam a trabalhar para os ricos. O problema da humanidade é o dinheiro, que tudo corrompe.

Francisco Anéas

franciscoaneas66@gmail.com

São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.