A cautela dos supermercadistas paulistas

As vendas do setor devem crescer apenas 1,45% neste ano, segundo previsão da Associação Paulista de Supermercados

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2021 | 03h00

Embora as projeções da Fundação Seade para o desempenho da economia do Estado de São Paulo sejam de crescimento de cerca de 5% no ano, os dirigentes de supermercados paulistas preveem desempenho bem mais modesto de seus negócios. As vendas do setor devem crescer apenas 1,45% neste ano, segundo previsão da Associação Paulista de Supermercados (Apas). “As dúvidas sobre o auxílio emergencial e os rumos da economia seguraram o ímpeto do consumidor”, avalia o presidente da Apas, Ronaldo dos Santos.

Os resultados de janeiro embasam suas projeções. O desempenho foi fraco. O faturamento real registrou queda de 0,2% na comparação com o de um ano antes, quando a pandemia ainda não havia chegado ao País.

Janeiro é um mês de movimento mais fraco nos supermercados, pois é o período do ano em que o orçamento das famílias é pressionado por despesas inadiáveis e que se concentram nessa época, como vários tributos e gastos com material escolar. Mas, no ano passado, o resultado de janeiro tinha sido 2,2% maior do que o de igual mês de 2019.

Os resultados de fevereiro ainda não foram totalmente computados, mas o fato de este ter sido um ano sem carnaval, por causa das restrições exigidas pelos programas de combate à pandemia, indica que a venda de vários produtos típicos da ocasião pode ter caído. Os supermercadistas lembram a comercialização de bebidas alcoólicas, que costuma impulsionar os negócios.

Se as previsões conservadoras da Apas para 2021 se confirmarem, este terá sido um ano ainda pior do que o de 2020, quando a pandemia resultou em forte pressão sobre toda a atividade econômica e afetou a vida das famílias. No ano passado, em meio à queda generalizada da produção, que resultou na redução de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do País, o faturamento dos supermercados paulistas cresceu 2,32% em valores reais.

Há elementos reais que turvam o cenário econômico e, de certa forma, alimentam cautela, quando não pessimismo, quanto aos resultados dos próximos meses. Ainda não há decisão sobre o pagamento do auxílio emergencial, que até dezembro beneficiou dezenas de milhões de famílias e decerto impulsionou as vendas dos supermercados. E a situação do mercado de trabalho, isto é, do emprego e da renda, continua a preocupar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.