A lenta desconcentração da economia

Entre 2002 e 2018, a participação dos 100 maiores municípios no PIB brasileiro se reduziu de 60% para 55%

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2021 | 03h00

O fato de apenas quatro municípios – São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte – responderem por um quinto (20,4%) de tudo o que o País produz mostra quanto ainda é concentrada a economia brasileira. Mas a concentração já foi maior, como se pode constatar no relatório Produto Interno Bruto dos Municípios 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Entre 2002 e 2018, a participação dos 100 maiores municípios no PIB brasileiro se reduziu de 60% para 55%. “A ampliação do número de municípios permite identificar a tendência à desconcentração, com municípios de menor PIB ganhando participação em relação aos de maior”, avalia o analista de contas nacionais do IBGE Luiz Antônio de Sá.

O analista cita outro dado que mostra a desconcentração. “Em 2002, 48 municípios concentravam quase a metade (49,9%) do PIB. Já em 2018, foram necessários 71 municípios para se alcançar esse mesmo porcentual.”

As capitais estaduais sempre foram grandes concentradoras da produção nacional. Mas, em 2018, elas respondiam por 31,8% do PIB nacional, a menor participação na série, iniciada em 2002.

O caso do Município de São Paulo é exemplar. Embora seu PIB tenha crescido entre 2017 e 2018, o do restante do País cresceu mais. Assim, seu peso no PIB nacional caiu de 10,61% para 10,20%. Houve perda proporcional em diversas atividades, como serviços e indústria. Entre 2002 e 2018, a perda da participação de São Paulo foi de 2,5 pontos porcentuais.

Mas a porção do território paulista que o IBGE classifica como a cidade-região de São Paulo, que engloba 92 municípios vizinhos à capital do Estado e com forte interação com ela, respondia por um quarto do PIB brasileiro em 2018.

Dois outros aspectos marcam os dados do IBGE sobre os municípios. O primeiro deles é o papel da exploração do petróleo (pagamento de royalties) na economia municipal. Maricá, Niterói e Campos dos Goytacazes, todos no Estado do Rio de Janeiro, são os municípios que mais aumentaram sua fatia no PIB brasileiro em 2018. Foram beneficiados pela alta do petróleo no ano.

A dependência econômica dos municípios à administração pública é outro aspecto que chama a atenção. Dos municípios, 2.739 (49,2%) têm os serviços ligados ao setor público como principal atividade econômica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.