A recuperação dos investimentos, segundo o Ipea

A melhora do quadro sanitário, em razão da eficácia das medidas preventivas e do avanço da vacinação, estimulou os investimentos em máquinas e equipamentos

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2021 | 03h00

Os investimentos mostram recuperação contínua, num movimento que se estende para todos os segmentos analisados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). O Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aumentou 2,2% entre junho e julho, mantendo uma tendência de alta que se observa desde abril.

A comparação com 2020 mostra crescimento expressivo, sobretudo em razão do fato de a base de comparação ser muito baixa (foi o período em que a pandemia mais afetou decisões empresariais). O aumento em relação a julho de 2020 foi de 27,7%; no trimestre móvel terminado em julho, de 24,9% sobre igual período do ano passado.

Nos sete primeiros meses do ano, o aumento alcançou 24,8% na comparação com 2020. No acumulado de 12 meses até julho, os investimentos em construção, máquinas e equipamentos e pesquisa cresceram 16%.

Em julho, todos os segmentos mostraram crescimento. O consumo aparente de máquinas e equipamentos – que corresponde à produção nacional destinada ao mercado interno somada às importações – aumentou 3,9% em julho na comparação com o mês anterior.

A melhora do quadro sanitário, em razão da eficácia das medidas preventivas – como uso de máscara e restrições à concentração de pessoas – e do avanço da vacinação, estimulou fortemente os investimentos em máquinas e equipamentos, sobretudo a partir de dezembro do ano passado.

O Indicador Ipea para esse item da FBCF mostrou, naquele mês, aumento excepcional de quase 250% sobre o resultado de abril de 2020, o pior mês da série do Ipea. A base muito baixa de comparação e a retomada rápida da confiança empresarial explicam aumento dessa ordem de grandeza. Embora venha caindo desde o fim do ano passado, o indicador de investimentos em máquinas e equipamentos continua alto. Já está acima do dado de dois anos atrás, antes da pandemia.

Na comparação com os resultados de 2019, os investimentos em construção apresentam resultados ainda mais animadores. Já são praticamente 25% maiores, sinal claro de que a crise da pandemia já foi superada.

Embora tenha diminuído depois do resultado de dezembro, um dos mais altos de toda a série iniciada em 1996, o Indicador Ipea de FBCF vem mostrando resistência até agora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.