Brasil aproveita janela global de oportunidade

Colocação de bônus soberanos no montante de US$ 3 bilhões realizada nesta semana pelo Brasil demonstra senso de oportunidade para melhorar o perfil da dívida externa

Editorial Econômico, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 04h00

A colocação de bônus soberanos no montante de US$ 3 bilhões realizada nesta semana pelo Brasil demonstra senso de oportunidade para melhorar o perfil da dívida externa. A demanda muito superior à oferta de papéis é o ponto central, pois significa que os investidores internacionais respaldaram a iniciativa brasileira. O País já colhe os frutos da redução do seguro contra calote (medido pelo CDS) para um patamar próximo dos 115 pontos, o menor desde 2013, quando o Brasil era avaliado pelas agências de classificação de risco como investment grade.

Foram colocados títulos no valor de US$ 500 milhões com vencimento em 10 anos (denominados Global 2029) e US$ 2,5 bilhões com vencimento em 30 anos (Global 2050). O retorno dos aplicadores será, respectivamente, de 3,8% ao ano e de 4,9% ao ano. Os prêmios foram de 203 pontos e de 265 pontos em relação aos bônus emitidos pelos títulos do Tesouro norte-americano de mesmo prazo.

Em relação a emissões anteriores, quando o retorno para um título soberano brasileiro com prazo de 10 anos chegou, em março de 2016, a 6,1% ao ano, a colocação atual significa um custo muito menor, que favorecerá a administração da dívida pública externa no longo prazo.

Parece evidente que a atratividade dos papéis brasileiros se deve aos sinais de melhora da situação fiscal e do crescimento mais lento da dívida pública. Para o investidor estrangeiro, subscrever emissões em dólares com juro real também parece interessante, pois a alternativa seria adquirir títulos públicos de países desenvolvidos cujo rendimento é próximo de zero.

O risco para o Brasil está em realizar operações em dólares, mas estas são pequenas em relação à dívida total. Se o dólar se valorizar até o vencimento dos papéis, o custo será mais elevado do que seria o de uma colocação expressa em reais no mercado interno.

O Brasil tenta recomprar emissões mais antigas que circulam no mercado global e rendem juros maiores. Ofertas de recompra no montante de US$ 13,2 bilhões foram feitas simultaneamente à colocação das novas emissões. Ao lançar papéis de longo prazo, o Tesouro busca fixar parâmetros para a negociação de outras emissões brasileiras. Com a queda do retorno dos títulos soberanos, empresas privadas também poderão ir ao mercado global pagando juros menores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.