Crescem os investimentos em São Paulo

Do total de investimentos anunciados para São Paulo no primeiro semestre, 45% (R$ 30,5 bilhões) serão no setor de infraestrutura

O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2019 | 04h00

A Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo (Piesp), da Fundação Seade, é reveladora da pujança econômica paulista. No primeiro semestre de 2019 foram anunciados investimentos que totalizam R$ 67,7 bilhões. Trata-se do segundo maior anúncio semestral desde o início da série histórica da Piesp, há 21 anos. O resultado só perde para o do primeiro semestre de 2012, quando os investimentos anunciados chegaram a quase R$ 75 bilhões.

Do total de investimentos anunciados para São Paulo no primeiro semestre, 45% (R$ 30,5 bilhões) serão no setor de infraestrutura; 32,7% (R$ 22,2 bilhões), na indústria; 13,2% (R$ 9 bilhões), no setor de serviços; 0,7% (R$ 478,2 milhões), no comércio; e 8,6% (R$ 5,6 bilhões) serão investidos em “outros setores”, como agricultura.

De acordo com a Fundação Seade, os investimentos anunciados para a indústria quintuplicaram em relação ao mesmo período de 2018. Apenas o setor automotivo receberá mais da metade desse volume de recursos, seguido pela indústria de papel e celulose (31,6%). Para o setor de infraestrutura foram anunciados investimentos três vezes maiores do que o apurado pela Piesp no mesmo período do ano passado, com destaque para o setor de energia, que receberá R$ 12,7 bilhões (41%) do total anunciado para a área. Em telecomunicações, destaca-se o investimento de R$ 9 bilhões anunciado pela Vivo, empresa controlada pela espanhola Telefónica, para ampliação da cobertura de rede de internet 5G em todo o Estado de São Paulo. São amplas as possibilidades econômicas a serem exploradas por meio dessa tecnologia, o que projeta um crescimento ainda mais expressivo dos investimentos quando a rede estiver totalmente operacional.

Sem grande surpresa, a Região Metropolitana de São Paulo concentra a maior parte dos investimentos anunciados (23,7%, ou R$ 16 bilhões), seguida por Bauru (R$ 7,2 bilhões) e Campinas (R$ 4,2 bilhões). Cerca de R$ 38 bilhões serão investidos em áreas integradas, ou seja, que abrangem mais de uma região.

O resultado da Piesp aponta para a retomada da atividade à medida que avança no Congresso a tramitação de propostas de reformas estruturais, como as reformas da Previdência e tributária. Há, aqui, um claro sinal de confiança dos investidores nos resultados a serem auferidos pelas políticas de ajuste fiscal em andamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.