Desaceleração desigual da inflação

Os mais pobres, que há meses acumulam inflação média mais alta do que a dos mais ricos, continuam a ter seus orçamentos comprimidos

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2021 | 03h00

Depois da alta de maio, a inflação se desacelerou para todas as faixas de renda em junho. Mas a redução foi mais intensa para as faixas mais altas. Os mais pobres, que há meses acumulam inflação média mais alta do que a dos mais ricos, continuam a ter seus orçamentos mais comprimidos pela alta dos preços do que os que têm renda maior.

É um fenômeno que a pesquisa feita regularmente pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) vem mostrando desde meados do ano passado e que, embora tenha perdido o impulso que apresentou nos meses iniciais, persiste. A inflação oficial do País, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aferido pelo IBGE, ficou em 0,53% em junho. Para as famílias de renda muito baixa, porém, alcançou 0,62% e para as famílias de renda alta ficou em 0,36%.

Durante meses, a alta dos principais itens que compõem a mesa dos brasileiros onerou as famílias que precisam reservar fatias maiores de seus orçamentos para a alimentação. São as famílias de renda mais baixa. Os preços desses produtos, como carne, arroz, óleo de soja, entre outros, pararam de subir ou variam num ritmo próximo do dos demais itens que compõem os índices de inflação. Mas estão se estabilizando num nível alto. E alguns preços continuam a subir.

Nos últimos meses, a maior contribuição para a alta dos preços tem vindo do grupo habitação. Também esse item tem peso maior no orçamento das famílias mais pobres do que no das mais ricas. Entre os itens que compõem esse grupo destacam-se, por aumentos recentes, a energia elétrica e, com peso menor, o gás de botijão e o gás encanado.

A conta de luz subiu 1,95% em junho, por causa do acionamento da bandeira vermelha no nível 2. A alta dos preços do petróleo vem afetando diretamente o preço interno do gás de botijão e do gás encanado, que, no primeiro semestre, aumentaram, respectivamente, 16% e 14,2%.

Para uma alta de 8,35% do IPCA em 12 meses, a inflação das famílias de renda muito baixa foi de 9,2%; para as de renda alta, de 6,5%. A inflação das famílias mais pobres ainda é pressionada pelos aumentos de 15,3% da alimentação no domicílio, 16,2% da energia elétrica e 24,2% do gás de botijão. Para as famílias de renda alta, a maior pressão vem dos combustíveis, com alta de 43,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.