Indústria cresce, mas ainda acumula perdas

Avanço de 1,4% da produção industrial em maio em relação a abril tem vários significados animadores

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2021 | 04h07

O avanço de 1,4% da produção industrial em maio em relação a abril tem vários significados animadores. O resultado, em si, é bastante satisfatório. Além disso, com o crescimento em maio, interrompe-se uma sequência de três meses de queda, nos quais o resultado acumulado foi a redução de 4,7% da produção.

Se comparado com o resultado de 2020, o aumento foi de 24,0%, o segundo maior da série estatística do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o sétimo resultado mensal positivo consecutivo na comparação com os dados do ano anterior. Nessa comparação, a produção de bens de capital em maio aumentou 76,7% e a de bens de consumo duráveis, 149,4%.

Os motivos apontados pelo gerente da Coordenação de Indústria do IBGE, André Macedo, para os bons resultados de maio são os que, em geral, explicam a aceleração da atividade em outros segmentos da economia.

Os principais são o alívio das restrições sanitárias à medida que avança a vacinação da população e os números diários de infectados e de mortes pela covid-19 crescem menos ou até diminuem. Além disso, o reinício, em abril, do pagamento do auxílio emergencial para a população de menor renda estimulou o consumo e a produção.

“Embora em magnitude muito abaixo do que foi pago no ano passado, é algo que incorpora um pouco de renda na economia”, disse Macedo sobre o auxílio. Mas não há certeza sobre sua continuidade. “A grande questão é se isso vai permanecer daqui para a frente ou não.”

Apesar de propiciar comparações até exuberantes, como algumas citadas acima, o desempenho da indústria não chega a ser satisfatório. Seu dinamismo é baixo, como mostraram os dados dos quatro primeiros meses do ano. A alta taxa de desocupação, a estagnação da massa de rendimentos pagos e o ressurgimento do problema inflacionário inibem a expansão da produção.

O elevado índice de crescimento em relação ao ano passado se deve a uma base de comparação muito baixa. Se comparada com a de 2019, a produção de maio deste ano é 3,1% menor. A produção da indústria ainda é 16,7% menor do que a do pico alcançado em maio de 2011. A produção de bens de capital, em particular, é 26,5% menor do que do pico de setembro de 2013.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.