Mercado externo, oportunidade para pequena empresa

Não é razoável esperar que os meios digitais assegurem a conclusão dos negócios, mas eles abrem o caminho para vendas futuras

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2020 | 03h00

Mesmo tendo sido fortemente atingidas pela redução de negócios e das atividades produtivas decorrente da pandemia do novo coronavírus, pequenas e médias empresas dispõem, no momento, de algumas oportunidades de se preparar para expandir seus mercados depois que a crise passar. No comércio exterior pode estar uma dessas oportunidades. Embora grandes empreendimentos concentrem boa parte dos negócios com os itens que mais pesam na balança comercial, há espaço para empresas menores nas exportações brasileiras. Na verdade, elas já ocupam parte desse espaço. Estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do ano passado constatou que 40% das empresas exportadoras brasileiras são pequenos negócios. Em 2018, suas vendas externas somaram US$ 1,24 bilhão. Isso pode aumentar.

Uma possibilidade de ampliar essas exportações está sendo oferecida por uma iniciativa desenvolvida pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) com o apoio do Sebrae.

Pequenas e médias empresas interessadas em ampliar suas vendas ou sua prestação de serviços no exterior podem se cadastrar gratuitamente numa plataforma online que expõe seus produtos no mercado internacional. A plataforma chama-se Connectamericas e tem como objetivo estimular o comércio exterior e o fluxo de investimento entre países da América Latina e do Caribe.

É um ambiente de negócios confiável, diz a analista de competitividade do Sebrae Nacional, Andrea Restrepo. Por meio da plataforma, “os donos de pequenos negócios têm acesso a comunidades de clientes, fornecedores e investidores de várias partes do mundo, segmentados por indústria em todas as áreas de atividade”, completa a analista.

A plataforma registra mais de 4,8 milhões de visitantes e 320 mil empresas cadastradas. Do Brasil, cerca de 10 mil aderiram à Connectamericas, sendo 80% micro e pequenas empresas de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. A maior parte é do ramo de alimentos e bebidas, mas as oportunidades estão abertas em todos os segmentos de produtos e serviços.

Não é razoável esperar que os meios digitais assegurem a conclusão de muitos negócios imediatamente, mas eles abrem o caminho para negócios futuros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.