Na crise, mais energia limpa e renovável

Nunca, nas duas últimas décadas, a geração e o uso de eletricidade originária de fontes renováveis e limpas cresceram tanto como na pandemia

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2021 | 03h00

No meio de notícias em geral desanimadoras sobre o impacto da pandemia na atividade econômica e na vida das pessoas, surge uma boa por si mesma, e também por aquilo que contém como indicação de mudanças importantes no futuro. Nunca, nas duas últimas décadas, a geração e o uso de eletricidade originária de fontes renováveis e limpas cresceram tanto como no ano em que a pandemia mudou tanta coisa.

O mais recente relatório sobre o mercado de energia renovável da Agência Internacional de Energia (AIE) sugere que 2020 pode ter sido o ano que marcará uma mudança notável na tendência mundial da produção e do consumo de energia.

A despeito da pandemia, que fez cair o consumo de todas as outras formas de energia, cresceu a demanda por energia renovável, sobretudo as de origem solar e eólica. A capacidade de geração de energia renovável aumentou 45% no ano passado, alcançando 280 gigawatts (GW). É o maior aumento anual em porcentagem desde 1999 – e ocorre, obviamente, sobre uma base de comparação muito maior, dada a expansão contínua dessas fontes de geração nas últimas décadas.

Só o aumento da capacidade ocorrida no ano passado corresponde à capacidade instalada total da Asean, o grupo de 10 países do Sudeste Asiático que estão entre as economias mais dinâmicas do mundo. A China está no centro da geração e da demanda de energia renovável.

A AIE considera que o desempenho de 2020 tende a se repetir neste e no próximo ano. A rápida expansão da capacidade de geração de energia renovável deve tornar-se “o novo normal” do mercado mundial de energia, supõe a agência. As fontes renováveis deverão responder por cerca de 90% do aumento da capacidade instalada de geração nos próximos anos.

A mudança do mercado de energia de fontes fósseis para renováveis é considerada essencial no esforço mundial para alcançar as metas ambientais que evitem ou retardem o aquecimento global.

“À medida que quebram recordes de geração, as energias solar e eólica nos dão mais razões para sermos otimistas quanto às metas climáticas”, disse o diretor executivo da AIE, Fatih Birol, ao apresentar o relatório da Agência. “A massiva expansão da energia limpa é essencial para alcançarmos as metas ambientais.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.