O crescimento do setor de serviços paulistano

Alta deveu-se ao desempenho das corretoras imobiliárias, das consultorias, dos escritórios de advocacia e das agências de comunicação

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2021 | 03h00

Foi surpreendente o desempenho do setor de serviços no Município de São Paulo no ano em que a pandemia atingiu duramente a vida das pessoas e as atividades das empresas. Com base nos dados da arrecadação do Imposto sobre Serviços (ISS) fornecidos pela Secretaria Municipal de Finanças e Desenvolvimento Econômico, a Pesquisa Conjuntural de Serviços (PCSS) constatou um aumento de 0,7% no faturamento real do setor.

É um raro dado positivo entre os muitos referentes à atividade econômica em 2020. Foi um ano marcado pela queda de 4,1% do Produto Interno Bruto (PIB) do País. Apesar de expressiva, a redução da economia brasileira foi menor do que a que se previa. No auge da pandemia – cujo recrudescimento volta a causar grande apreensão –, chegou-se a prever queda de mais de 7% do PIB em 2020.

A pesquisa, realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), mostra que o resultado positivo foi alcançado graças ao melhor desempenho do setor no mês de dezembro em toda a série histórica, iniciada em 2010. No último mês do ano passado, o faturamento dos serviços na capital paulista alcançou R$ 50,2 bilhões, 11,3% maior do que o de um ano antes.

A alta, segundo analistas da FecomercioSP, deveu-se basicamente ao desempenho das corretoras imobiliárias, das consultorias econômicas e de gestão administrativa, dos escritórios de advocacia e das agências de comunicação.

Um dos mais importantes segmentos do setor de serviços, o de turismo, hospedagem, eventos e assemelhados, no entanto, apresentou desempenho completamente diverso do observado nos demais. Entre as 13 atividades analisadas, o segmento de turismo foi o que teve o pior resultado. Com redução de 56,3% de seu faturamento real em 2020, na comparação com o resultado de 2019, o setor corresponde hoje a menos da metade do que era.

Pode-se imaginar o que uma redução dessas dimensões representa para as empresas do setor, de hotéis a agências de turismo, de empresas de serviços de transporte sob demanda a locadoras de veículos, bem como para o mercado de trabalho.

A cidade de São Paulo tem grande peso no setor de serviços do Estado e do País. Cerca de 20% da renda nacional do setor é gerada no Município.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.