O encolhimento do turismo paulistano

Com o avanço da vacinação, talvez os resultados dos próximos meses sejam melhores e mais animadores

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2021 | 03h00

O setor de turismo na capital paulista continua a sentir fortemente o impacto da pandemia. Depois de ver suas atividades despencarem mais de 60% entre janeiro e abril do ano passado, o segmento – que inclui transportes (aéreo e rodoviário de passageiros), indústria hoteleira e uma variedade de serviços – vinha mostrando resultados positivos nos meses seguintes. Embora lenta, a recuperação parecia firme, até alcançar, em dezembro, seu melhor momento. Em 2021, porém, cada mês tem sido pior do que o anterior.

O turismo em São Paulo – principal destino no País de visitantes estrangeiros – continua longe da recuperação. É o que mostra o Índice Mensal de Atividade de Turismo elaborado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e pelo Observatório de Turismo e Eventos da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa municipal que promove o turismo na cidade.

Todos os principais indicadores da atividade turística no Município estão caindo. Há quedas contínuas no faturamento das empresas, no número de empregados e no movimento de passageiros nos dois aeroportos que atendem a cidade e nos principais terminais rodoviários.

Assim, o índice da FecomercioSP caiu 6,3% em abril, na comparação com março. Com 38,9 pontos, o índice estava 61,1% abaixo do de janeiro do ano passado, mês em que a pesquisa teve início e foi tomado como base para toda a série.

O pior mês da série foi abril de 2020, quando o índice despencou para 27,2 pontos. Após meses seguidos de recuperação, em dezembro estava em 58,9 pontos, o nível mais alto da pandemia. Até abril, no entanto, tinha caído 33,6%. Com isso, observa a FecomercioSP, o setor volta a rondar os piores momentos da pandemia.

Dos componentes do índice, o que apresentou a maior queda foi o faturamento, com redução de 17,4% sobre março. A movimentação nos aeroportos diminuiu 15,1% e as chegadas nas rodoviárias caíram 7,6%. Estes dois indicadores mal passam de 20% do nível de janeiro do ano passado.

Abril de 2021 pode ter sido um mês particularmente ruim para o turismo, por causa das novas restrições à circulação de pessoas exigidas pelo recrudescimento da pandemia. Com o avanço da vacinação, talvez os resultados dos meses seguintes sejam melhores. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.