O PIB paulista volta ao nível do início do ano

A recuperação nos últimos meses, sem dúvida um fato auspicioso diante da persistência das dimensões sociais da crise trazida pela pandemia, está longe, porém, de ser suficiente para indicar o caminho da retomada firme de crescimento

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2020 | 05h00

Embora tenha perdido ritmo em julho, a recuperação da economia paulista já faz o Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de São Paulo se aproximar do nível que havia alcançado antes da pandemia. O crescimento estimado de 2,1% soma-se aos observados nos dois meses anteriores (de 4,5% em maio e de 5,5% em junho), para elevar o PIB paulista a 103,2 pontos, praticamente o mesmo nível observado em janeiro (103,4). No pior mês da pandemia, o de abril, o índice tinha despencado para pouco mais de 90 pontos.

Os dados de julho fazem parte do novo indicador PIB+30 calculado pela Fundação Seade, que toma como referência o valor efetivamente observado no mês anterior, ao qual se acrescentam dados preliminares conhecidos nos 30 dias seguintes. Esse novo índice é parte do esforço da Fundação Seade, vinculada ao governo do Estado de São Paulo, para antecipar o quanto possível o impacto da pandemia sobre a economia paulista e dar às autoridades informações mais rápidas e precisas para a tomada de decisões.

Um dado surpreendente do novo estudo da Fundação Seade é o aumento de 1,8% do PIB de julho em relação ao resultado de julho de 2019. Menos do que um sinal de bom estado atual da economia paulista, pois ainda são notórios os efeitos da pandemia, essa comparação é uma comprovação de como patinava o setor produtivo do Estado no ano passado.

A recuperação nos últimos meses, sem dúvida um fato auspicioso diante da persistência das dimensões sociais da crise trazida pela pandemia, está longe, porém, de ser suficiente para indicar o caminho da retomada firme de crescimento. Com as altas observadas entre maio e julho, o PIB paulista é pouco mais de 3% maior do que o de 2010. Ou seja, no acumulado de dez anos, o volume do PIB paulista teve crescimento muito modesto.

Com base em dados efetivamente apurados pela Fundação Seade para o conjunto de informações utilizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para os cálculos das contas nacionais, o PIB paulista cresceu 5,5% entre maio e junho deste ano.

No acumulado de 12 meses, o aumento foi bem mais modesto, de 0,4%, indicando praticamente estagnação da economia do Estado de São Paulo. Na comparação com o resultado de um ano antes, o PIB paulista diminuiu 0,7% em junho.

Tudo o que sabemos sobre:
PIB [Produto Interno Bruto]economia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.