O temor do desemprego está diminuindo

A retomada gradual das atividades do comércio e da produção nos últimos meses ajudou na melhora da percepção

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

20 de outubro de 2020 | 03h00

Embora a taxa de desocupação medida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) venha aumentando desde o início do ano – e com mais intensidade depois da pandemia –, tendo registrado recorde na última aferição, o medo do desemprego começa a diminuir. A aparente contradição entre o aumento do número de pessoas desocupadas (eram 13,1 milhões no trimestre móvel encerrado em julho) e a redução, aferida pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), do temor que assombrou os brasileiros no período tem explicações claras.

“Apesar dos graves impactos da pandemia de covid-19 sobre a economia brasileira, a partir do final do primeiro trimestre de 2020, as medidas de proteção do emprego adotadas no período contribuíram para conter o desemprego e aumentar a segurança do emprego”, diz a entidade representativa da indústria em seu mais recente boletim Medo do Desemprego e Satisfação com a Vida.

Há outras razões que parecem ter contribuído de maneira expressiva para a redução do medo do desemprego enquanto as taxas de desocupação não param de crescer. Um deles é a política de transferência de renda para as famílias de rendimento mais baixo, que trouxe grande alívio para o orçamento doméstico dessa faixa da população e lhe assegurou um mínimo de conforto e segurança quanto à preservação de suas condições de vida num período tão difícil para todos.

Outro fator de contenção do temor com relação ao desemprego é a retomada, ainda que gradual, das atividades do comércio e da produção nos últimos meses, o que “tem impactado positivamente a formação de expectativas dos agentes, que, em um primeiro momento, esperavam por uma recuperação econômica mais lenta”.

A percepção, pelos brasileiros, do quadro do desemprego é, hoje, melhor do que a de antes do início da pandemia. Em setembro, o medo de ficar desempregado atingiu 55,0 pontos, com queda de 1,1 ponto em relação a dezembro de 2019 e de 3,2 pontos em relação a setembro do ano passado.

Embora tenha diminuído para a média da população, o medo do desemprego aumentou para certas faixas, como as pessoas com idade entre 25 e 54 (em particular para as mais jovens dessa faixa), as com ensino superior e as que integram famílias com renda superior a cinco salários mínimos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.