Pandemia reforça necessidade de inovação

Pesquisa da CNI aponta que 83% das empresas veem as mudanças como essenciais ao crescimento

Notas & Informações, O Estado de S. Paulo

09 de julho de 2020 | 03h00

A adoção de soluções inovadoras será decisiva para o enfrentamento dos efeitos da pandemia de covid-19, tanto para a saúde da população como para a redução dos prejuízos sociais e econômicos provocados pela crise sanitária. E continuará sendo decisiva, em seguida, para a aceleração da retomada da atividade econômica e para a preservação do ritmo de crescimento futuro. Em resumo, cada vez mais a inovação será necessária, ou até indispensável, para o enfrentamento dos problemas presentes e para o crescimento futuro, reconheceram 83% das empresas industriais ouvidas por uma pesquisa encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Há, como avaliou a CNI ao analisar os resultados do levantamento – realizado pelo Instituto FSB Pesquisa –, uma cultura de inovação no setor industrial, pois 92% das empresas consultadas informaram que inovam. Para 55% delas, a inovação aumentou muito a produtividade. Regionalmente, as empresas que informaram maiores ganhos de produtividade (66%) foram as do Centro-Oeste, a maioria das quais do segmento do agronegócio.

A pandemia e seu impacto sobre a vida das pessoas e sobre a atividade econômica devem ter fortalecido a percepção da importância de adoção de novos métodos de gestão, produção, distribuição e vendas. A diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio, diz que a pandemia “deixou ainda mais evidente para as empresas a necessidade de se investir em tecnologias inovadoras”.

O setor de vendas foi o mais afetado pela pandemia, de acordo com 57% dos entrevistados. Em seguida vem a cadeia de fornecedores, com 14% das citações, à frente da linha de produção, citada por 8%. Para a CNI, esses números mostram que mudanças foram inevitáveis. Alguma alteração no processo produtivo foi relatada por 68% das empresas pesquisadas. Nem toda mudança, porém, resultou em inovação, pois só 56% das empresas consideram ter inovado algum de seus processos.

Para 58% das empresas, a área de produção será prioritária para receber inovações; o segundo setor mais citado é o de vendas (19%). Mas orçamento e pessoal para inovação continuam sendo um problema para as empresas. Só 37% dizem ter recursos específicos para isso e só 33% têm profissionais dedicados exclusivamente à inovação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.