PIB paulista volta a crescer, com menos vigor

Fundação Seade estima que em outubro a economia do Estado de São Paulo cresceu 0,3% em relação a setembro

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2020 | 03h00

Os dados e as projeções mais recentes da Fundação Seade sobre o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Estado de São Paulo mostram que, depois da recuperação intensa da atividade econômica em junho e julho, a economia paulista parece estar retomando o ritmo que apresentava antes da pandemia. Com base no indicador que desenvolveu para acompanhar com maior acuidade as tendências da economia paulista sob o impacto da crise sanitária causada pela covid-19, chamado de PIB+30, a Fundação Seade estima que em outubro a economia paulista cresceu 0,3% em relação a setembro.

Se esse resultado se confirmar (o PIB+30 é uma estimativa feita com base em novos indicadores que se acrescentam aos dados aferidos no mês anterior), será o menor crescimento mensal desde maio, quando a economia paulista, como a brasileira, começava a sair do fosso em que fora lançada em razão das medidas de restrição à circulação de pessoas e de bens e serviços exigidas para conter a evolução do novo coronavírus. Em maio, o PIB do Estado de São Paulo cresceu 1,9% em relação a abril; nos meses seguintes, as expansões foram de 5,4% em junho, 4,0% em julho, 0,9% em agosto e 1,2% em setembro.

Apesar da expansão contínua desde maio, na comparação com os meses imediatamente anteriores, o aumento observado até agora ainda é insuficiente para repor as perdas causadas pela pandemia. Nos dez primeiros meses de 2020, o PIB+30 apresentou redução de 1,4% em relação a igual período de 2019. No acumulado de 12 meses até outubro, a redução é de 0,9%. Já na comparação com outubro do ano passado, o PIB+30 é 1,7% maior.

Nos resultados efetivamente aferidos até setembro, que indicaram expansão de 1,2% sobre agosto e de 3,1% sobre setembro de 2019, destacou-se o desempenho do setor de serviços. Em relação ao mês anterior, seu crescimento foi de 1,3% e, sobre setembro de 2019, de 3,9%. Também a indústria mostrou que sua recuperação se mantém. O aumento de 3,7% em setembro, na comparação com agosto, é reflexo, em boa medida, da recomposição de estoques, segundo a Seade.

Os dados mais recentes não alteram as projeções para o PIB paulista em 2020. Sua variação deve ficar entre -1,1% e -0,1%. Estimativas mais recentes para o PIB brasileiro são de redução de 4,0% a 4,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.