Pressão sobre alimentos deve se manter

Os mercados das principais commodities agropecuárias continuarão sendo marcados pela alta da cotação internacional

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2021 | 23h50

Os próximos meses devem continuar sendo bastante favoráveis para os produtores dos principais itens agropecuários que compõem a pauta de exportações do setor e, na maioria dos casos, fazem parte da mesa dos brasileiros. É o que mostra estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Demanda internacional aquecida, câmbio favorável às exportações, produção em nível elevado, entre outros fatores, devem continuar a manter em alta a renda dos produtores. A atual safra deve marcar novo recorde de produção.

Do lado de fora das porteiras, porém, o quadro é diferente. As famílias continuarão a sentir a pressão dos alimentos sobre seus orçamentos já apertados. Dentre 16 itens analisados no estudo do Ipea sobre mercados e preços agropecuários, uns poucos, como laranja e banana, podem ficar mais baratos nos próximos meses; os demais continuarão a ficar mais caros ou manterão os preços altos que já alcançaram. Dificilmente, assim, a alimentação contribuirá para reduzir as dificuldades financeiras de boa parte dos brasileiros no futuro próximo.

Em termos gerais, os mercados das principais commodities agropecuárias continuarão sendo marcados pela alta da cotação internacional. A soja continuará a liderar, de longe, o bom desempenho da balança comercial do setor. Sua demanda continuará aquecida. Outros itens da pauta de exportação, como milho, também propiciarão bons resultados.

Para parte dos produtores, o câmbio valorizado tem também o efeito de elevar seus custos de produção, pois encarece insumos importados, reduzindo sua margem. Mas a esperada retomada em ritmo acelerado das economias da China e dos Estados Unidos, importantes destinos das exportações brasileiras, associada a estoques baixos de diversos produtos, manterá a cotação alta dos itens agropecuários.

A queda da renda das famílias, o fechamento por período relativamente longo de bares e restaurantes, entre outros fatores, enfraquecem a demanda interna e tendem a pressionar os preços para baixo.

Mas a maioria dos produtos consumidos diretamente pelos brasileiros deve ter alta de preços ou manter a alta observada nos últimos meses. Estão nesse caso açúcar, carne bovina, carne suína, carne de frango, ovos, leite, arroz e batata. Só os preços da laranja e da banana podem cair.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarcommoditiesexportação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.