Procura de crédito pelas empresas volta a crescer

Empreendimentos menores e do segmento de serviços estão liderando o aumento da demanda por crédito

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2020 | 03h00

As empresas que mais sofreram as consequências das medidas econômicas e sociais tomadas para conter a evolução da pandemia de covid-19 são as que, em média, mais buscam crédito para retomar suas atividades, que estiveram praticamente paralisadas desde a segunda quinzena de março. Os empreendimentos menores e majoritariamente do segmento de serviços, os mais prejudicados pela crise, estão liderando o aumento da demanda por crédito, de acordo com levantamento da Serasa Experian. Em junho, a demanda cresceu 12,1% na comparação com maio.

É o segundo crescimento mensal consecutivo apurado pela pesquisa, o que pode indicar que, ainda com lentidão, a atividade econômica está se recuperando e que os próximos meses podem trazer resultados melhores. Como outros indicadores, também a demanda por crédito registrou seu pior desempenho em abril, quando o isolamento social e as medidas restritivas à atividade econômica impostas pelas autoridades sanitárias tiveram o impacto mais forte sobre a vida das pessoas e das empresas. Naquele mês, a demanda por crédito caiu quase 20%.

Por setor, de acordo com a pesquisa, o crescimento da demanda por crédito em junho foi puxado pelos serviços, com alta de 15,7%. Em seguida vêm a indústria, com aumento de 9,3%, e o comércio, com 8,9%.

O setor de serviços é um dos que mais sofreram neste cenário econômico desafiador, lembra o economista da Serasa Experian Luiz Rabi. “Com a reabertura gradual, muitas empresas estão em busca de crédito para reequilibrar suas contas e se preparar para uma retomada do crescimento.”

Quanto ao porte das empresas que demandaram crédito em junho, as pequenas e médias lideraram o crescimento, com alta de 12,8%, repetindo o desempenho observado em maio. As empresas de médio porte e as grandes, no entanto, reduziram sua demanda em 3,8% e 4,5%, respectivamente.

Por região, o Norte foi o que apresentou o maior aumento, de 21,1%, seguido pelo Nordeste (18,7%), Sudeste (15,6%) e Sul (4,9%). O Centro-Oeste teve redução de 1,6%, depois de alta de 20,6% em maio.

Na comparação com o ano passado, a demanda por crédito em junho cresceu 5,3%. Também nessa comparação, o destaque é para o setor de serviço, cujo aumento foi de 8,5% em relação a junho de 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.