Propensão a investir caiu em 2018

São Paulo contabilizou 483 projetos, totalizando US$ 15,2 bilhões em 2018, 18,6% menos que em 2017

O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2019 | 04h00

A Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo (Piesp), conduzida pela Fundação Sistema de Análise de Dados (Seade), revela que São Paulo, o principal polo de atração de investimentos do País, contabilizou 483 projetos, totalizando US$ 15,2 bilhões em 2018, 18,6% menos que em 2017 (US$ 18,5 bilhões). Em reais, em razão da desvalorização da moeda nacional ao longo do ano passado, a queda foi de 5,4%, passando de R$ 58,9 bilhões em 2017 para R$ 55,7 bilhões no ano passado.

Ainda que os projetos de investimentos anunciados não assegurem a sua efetivação, como assinala a Seade, eles revelam a expectativa dos empresários quanto ao futuro de seus negócios e o nível de confiança com relação à economia. E o resultado confirma pouca propensão em investir em novos projetos.

Entre os quatro grupos analisados, a maior retração verificou-se na indústria, que registrou uma queda em valor de 62,8% no ano passado, em relação a 2017, com investimentos anunciados de US$ 2,7 bilhões, a maior parte direcionada para a metalurgia. Uma das explicações para essa acentuada baixa é que a base de comparação era muito elevada, tendo o setor automotivo, com investimentos de US$ 5,4 milhões, puxado o total de inversões em 2017.

Já a melhor performance foi dos investimentos no setor de serviços, para o qual foram anunciados investimentos de US$ 3,3 bilhões, 46,3% mais que no ano anterior. Grande parte foi para o setor imobiliário, seguindo-se Tecnologia da Informação (TI) demandada por serviços financeiros e centros de pesquisa e desenvolvimento.

Em termos de volume de recursos, sobressai a infraestrutura (US$ 8,7 bilhões), com um aumento de 3% em relação a 2017. Os recursos foram programados para obras diversas de transporte, energia elétrica e saneamento básico, bem como para telecomunicações e correios e atividades de entrega de mercadorias. O total abrange recursos dos setores público e privado.

O setor de comércio ficou com R$ 540,1 milhões, com 80% voltados para o varejo. Para projetos agrícolas e pecuários foram anunciados investimentos de R$ 3,3 milhões.

A Piesp mostra, ainda, alta concentração de intenções de investimentos na Grande São Paulo, para onde foram direcionados US$ 8,7 bilhões, 57% do total anunciado.

Mais conteúdo sobre:
economiaSão Paulo [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.