Recorde de alvarás indica alta de lançamentos

No ano passado, 909 projetos de construção de edifícios foram aprovados, com alta de 29% em relação a 2018 - um recorde histórico

Notas & Informações, O Estado de S. Paulo

23 de fevereiro de 2020 | 03h00

Há mais um relevante indicador do mercado imobiliário paulistano recém-divulgado, revelando um recorde, em 2019, do número de alvarás de construção de empreendimentos verticais concedidos pela Prefeitura do Município de São Paulo (PMSP). É provável, portanto, que se verifique uma intensificação da oferta de imóveis residenciais na capital, o que só dependerá das condições de oferta e procura.

A pesquisa sobre os alvarás foi feita pela Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) e se baseia em dados oficiais. Denominada Indicador Antecedente do Mercado Imobiliário, mostra que, no ano passado, 909 projetos de construção de edifícios foram aprovados, com alta de 29% em relação a 2018. É um recorde histórico, alcançado após um ano também promissor – em 2018, o número de alvarás da capital havia crescido 36,4% em relação a 2017. Ao contrário, no triênio 2015/2017 havia ocorrido uma queda do volume de projetos aprovados.

A evolução positiva do número de alvarás ocorreu em todo o município, com destaque para as regiões leste e sul. A zona leste concentrou 43,6% dos alvarás de 2019. Na zona sul, houve crescimento de 65,1% do número de alvarás na comparação com 2018. Entre 2018 e 2019, o acréscimo de número de alvarás foi de 42,1% na zona norte; de 45,1% na zona oeste; e de 35% no Centro.

O recorde de alvarás registrado pela Abrainc segue-se à última pesquisa do sindicato da habitação ( SecoviSP) apontando para recordes de lançamentos e de vendas em 2019. Cabe não ignorar os riscos de que após uma fase de recessão na economia brasileira e no setor de imóveis se siga um período de retomada eufórica no segmento. É prudente evitar esse risco, já vivido pelo setor de imóveis no início da década e que deixou sequelas.

As decisões tomadas no mercado de imóveis têm consequências no longo prazo, tanto entre o lançamento de um projeto e sua conclusão como após a aquisição da unidade pelo comprador final. Este comprador, para adquirir um imóvel, costuma tomar um crédito de longuíssimo prazo, que pode ser igual ou mesmo superior a três décadas.

Está em curso o fortalecimento do mercado imobiliário paulistano, algo visível nos preços de vendas e de aluguéis. A queda de juros tem alto impacto sobre as prestações dos financiamentos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.