Safra assegura estabilidade dos preços

A produção de grãos na safra 2018/2019 deve alcançar 235,34 milhões de toneladas

O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2019 | 04h00

O último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) indica que a produção de grãos na safra 2018/2019 deve alcançar 235,34 milhões de toneladas, a segunda maior marca da série histórica, apresentando crescimento de 3,4% em relação à colheita anterior (227,67 milhões de toneladas). A se confirmarem as expectativas, o País poderá continuar ofertando ao mercado externo grande quantidade de produtos agrícolas e as condições podem ser mais favoráveis para a contenção dos preços ao consumidor, contribuindo para a manutenção da inflação sob controle.

A soja, com produção de 113,8 milhões de toneladas, é novamente campeã quanto ao volume colhido. Embora tenha havido uma queda de produção de 4,6% em comparação com a safra anterior (119,28 milhões de toneladas), mesmo com aumento de 1,8% da área plantada, isso não causa apreensão. Apesar de problemas climáticos, a quantidade prevista é a terceira maior da série histórica.

Convém notar, ainda, que as cotações internacionais da soja estão estáveis, não se prevendo pressões sobre os preços internos.

O grande destaque do levantamento é o milho – também com aumento da área plantada –, cuja colheita prevista é de 94 milhões de toneladas, somadas a primeira e a segunda safras, um aumento de 16,5% em relação à safra 2017/2018 (80,71 milhões de toneladas), muito prejudicada por um clima adverso. Essa quantidade deve permitir uma recuperação das exportações do produto nacional, que, segundo projeção do Departamento de Agricultura dos EUA (Usda), devem alcançar 31 milhões de toneladas neste ano, 14,8% mais que em 2018 (27 milhões de toneladas). Além disso, prevê-se que, com maior oferta de milho, a tendência é de que o custo da ração animal se reduza no mercado interno.

Já a produção do algodão em pluma deve alcançar 2,65 milhões de toneladas, com elevação de 32%, em confronto com a safra anterior, e com acréscimo de 35% na área plantada. Em vista do volume de vendas antecipadas pelos produtores, espera-se um expressivo aumento das exportações do produto neste ano.

Muito prejudicada pelo excesso de chuvas no Rio Grande do Sul, a safra de arroz é estimada em 10,7 milhões de toneladas, apresentando queda de 11,7% em comparação com a colheita anterior. As três safras de feijão devem ter um aumento de 0,5%, devendo ficar em 3,13 milhões de toneladas.

Tudo o que sabemos sobre:
agronegócio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.