São Paulo tem mais investimento na agropecuária

Investimento anunciado para o setor canavieiro atingiu R$ 5,6 bilhões em 2019 e R$ 1,78 bilhão o ano passado

"Notas & Informações", O Estado de S.Paulo

14 de março de 2021 | 05h00

A agropecuária paulista vem recebendo fortes investimentos nos últimos anos. Em 2019, os investimentos anunciados apenas para o setor canavieiro alcançaram R$ 5,6 bilhões e, no ano passado, R$ 1,78 bilhão. Esse volume fez crescer expressivamente os investimentos no campo. Além disso, fortalece o argumento frequentemente utilizado pelas autoridades paulistas de que a diversificação e a complexidade da economia do Estado, bem como suas dimensões, são fatores que justificam investir em São Paulo.

De acordo com a Fundação Seade, que compilou os dados sobre investimentos no setor canavieiro, a política nacional de incentivo à produção de etanol e outros biocombustíveis, em vigor desde o fim de 2019, é um dos principais fatores para o grande volume de aplicações observado nos últimos dois anos.

Nitidamente positivo para o desempenho da economia paulista e nacional, por seu impacto na geração de riqueza e empregos e, em boa medida, para assegurar os saldos da balança comercial do País nos últimos anos, essa evolução da agropecuária e do setor sucroalcooleiro não tem sido acompanhada por outro importante segmento da economia paulista e nacional. Trata-se da indústria, em particular da indústria de transformação.

Em São Paulo, a indústria em geral registrou, no segundo semestre do ano passado, o menor volume de investimentos (de R$1,2 bilhão) em toda a série de pesquisas da Fundação Seade. A contração do consumo e a queda das exportações são citadas como causas desse mau resultado.

O crescimento do setor de serviços vem reduzindo gradualmente o peso da indústria nas economias da maioria das nações, a começar pelas mais desenvolvidas econômica e socialmente. Mas em São Paulo e no Brasil esse processo tem aspectos que vêm alimentando preocupações crescentes entre governantes, empresários e trabalhadores. Uma delas é com o risco de precoce obsolescência do setor.

Aqui o processo é mais rápido e está se transformando em sério obstáculo à necessária e vital modernização. Em meados da década de 1980, a participação da indústria no PIB brasileiro superou os 45%. Em 2019, tinha baixado para 21,4%. No ano passado caiu ainda mais, para 20,4%. São Paulo vem mantendo em cerca de 30% sua participação na produção da indústria nacional. Mas a fatia desta no PIB nacional é cada vez menor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.