Terapia intensiva para o setor de turismo

Assim como o vírus é especialmente brutal com perfis de risco, seu impacto sobre alguns setores será devastador

Notas & Informações, O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2020 | 03h00

Assim como o vírus é especialmente brutal com perfis de risco (pessoas idosas ou com comorbidades), seu impacto sobre alguns setores será devastador. É o caso do turismo.

Em 2019, o turismo global celebrou um dos melhores resultados desde 1970, com crescimento de 4%, mas para 2020 o Conselho Mundial de Viagens e Turismo prevê uma contração de 20% a 30%. Mais de 100 milhões de empregos serão pulverizados e a recuperação das perdas pode levar de cinco a sete anos.

A FGV Projetos estima que em 2019 o PIB do turismo brasileiro – que representa 3,7% do PIB nacional, afeta cerca de 210 setores econômicos e emprega quase 7 milhões de pessoas (fora a cadeia informal) – passou de R$ 270 bilhões. Mas apenas nos últimos dois meses, segundo a Confederação Nacional do Comércio, as perdas já ultrapassam R$ 62 bilhões, e a FGV calcula que devem chegar a mais de R$ 116 bilhões até 2021 – uma contração de 21,5%.

Para manter os sinais vitais do turismo, o governo editou medidas emergenciais para a aviação – o setor mais impactado – e dilatou prazos para pagamentos de contribuições decorrentes de concessões federais e para reembolsos aos consumidores. Além disso, liberou R$ 5 bilhões em linhas de crédito, sendo 80% para micro, pequenas e médias empresas.

O diferencial para o setor será sua agilidade em implementar padrões sanitários que garantam a segurança dos consumidores. A experiência da Ásia e da Europa mostra que viagens domésticas essenciais e familiares devem ser os primeiros passos na retomada. As viagens internacionais serão os últimos, mas alguns países, como Alemanha, Áustria, Suíça, Austrália e Nova Zelândia, planejam “bolhas de viagens” entre suas fronteiras à medida que o contágio é controlado. É um modelo a ser estudado.

Antes da crise havia preocupações quanto ao impacto ambiental das viagens aéreas e aglomerações turísticas. O turismo doméstico no Brasil é relativamente forte. Será uma oportunidade para promover viagens de pequenos deslocamentos, com menor impacto ambiental e mais valor sentimental e relacionamento humano entre visitantes e moradores locais.

Já virou clichê dizer que os negócios precisam se reinventar com a pandemia. No caso do turismo, o mais destroçado de todos os setores, isso precisa se tornar um mantra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.