UE sofre mais e demora mais para se recuperar

Produto Interno Bruto (PIB) da União Europeia deve ter encolhido 6,4% no ano passado, segundo dados preliminares da Eurostat

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

06 de fevereiro de 2021 | 22h30

A pandemia, a reação dos governos a ela e o avanço da imunização da população estão produzindo resultados piores na economia da zona do euro do que nas duas outras principais economias do mundo, a dos Estados Unidos e a da China. A zona do euro, formada por 19 países, assim como a União Europeia (UE), com 27 nações, encolheram mais do que os Estados Unidos em 2020, ano em que a China conseguiu crescer, e devem ter desempenho mais fraco também em 2021. Essas áreas econômicas são os três principais destinos dos produtos exportados pelo Brasil.

De acordo com estimativas preliminares da Eurostat, a agência de estatísticas da UE, o Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro deve ter encolhido 6,8% no ano passado e o de toda UE, 6,4%.

Nos dois casos, a queda é maior do que a prevista para o PIB dos EUA, de 3,5%, e para o PIB brasileiro, estimada em torno de 4,5%. No ano passado, a China deve ter crescido 2,3%, no melhor desempenho entre todas as grandes economias do mundo no ano fortemente marcado pela pandemia de covid-19.

Embora tenha sido o país de origem da crise sanitária que afetou e ainda afeta todo o planeta, a China conseguiu conter mais rapidamente o impacto da covid-19 sobre sua economia e sobre a saúde de sua população. Em outros países, a pandemia ainda causa preocupações, com a persistência de altos índices de contágio e de mortalidade.

Países europeus reforçaram as medidas de isolamento social para conter o avanço da doença, o que tem afetado seu desempenho econômico. Mesmo assim, os efeitos econômicos do novo lockdown têm sido menos agressivos do que os previstos. Assim, o PIB da zona do euro caiu 0,7% no último trimestre de 2020, na comparação com o trimestre anterior. Na comparação com o resultado de 2019, porém, a redução foi de 5,1%, a despeito da “forte recuperação” entre julho e setembro destacada pela Eurostat.

A velocidade mais baixa do avanço da vacinação contra a covid-19 nos países europeus do que nos Estados Unidos e na China deve ter impacto no desempenho de suas economias em 2021. Assim, enquanto a projeção de crescimento da economia dos Estados Unidos neste ano é de 5,1% e da China, de 8,1%, a da zona euro é de 4,2%, o que deve aumentar a distância entre as maiores economias do mundo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.