A doença da cleptocracia

Ela vai crescendo aos poucos e precisa ser debelada antes que seja tarde demais

Simon Schwartzman, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2021 | 03h00

Um tema importante, mas pouco estudado nas ciências sociais, é o das causas e efeitos da cleptocracia, termo de origem grega que significa, literalmente, governo de ladrões. Em todos os regimes políticos, democráticos ou autoritários, os governantes e seus apoiadores se beneficiam de seus cargos. Mas o que marca a cleptocracia é a pilhagem sistemática dos recursos públicos em benefício dos governantes e seus familiares, atropelando as instituições ou manipulando-as a seu favor. Os cleptocratas têm muito pouco apoio na sociedade, no entanto, conseguem se manter por longo tempo no poder. Como isso é possível?

Cerca de 20 anos atrás, Daron Acemoglu, economista de origem turca que ficou famoso por combinar a análise econômica com a história e as ciências políticas, tratou de responder a essa pergunta, que é mais atual do que nunca, sobretudo no Brasil (*). Ele tomou como exemplo os casos extremos do Congo, com Joseph Mobutu, e da República Dominicana, com Rafael Trujillo, que governaram por décadas e arruinaram seus países, mas o modelo que desenvolveu é de aplicação muito mais ampla.

O que permite que a cleptocracia se estabeleça e se mantenha, diz Acemoglu, é a debilidade das instituições de um país. “Quando as instituições são fortes”, diz ele, “os cidadãos punem os políticos retirando-os do poder; quando as instituições são fracas, os políticos punem os cidadãos que não os apoiam. Quando as instituições são fortes, os políticos competem pelo apoio e endosso de grupos de interesse; quando as instituições são fracas, os políticos criam e controlam os grupos de interesse. Quando as instituições são fortes, os cidadãos exigem direitos; quando as instituições são fracas, os cidadãos imploram por favores”.

Na cleptocracia todos perdem, exceto os cleptocratas, mas os diferentes setores da sociedade não conseguem se organizar para tirá-los do poder porque eles usam a conhecida tática de dividir para reinar. Pensemos em dois partidos que poderiam unir-se para derrotar os cleptocratas na próxima eleição. Antes que se juntem, o governo chama um deles, oferece vantagens e benefícios e ameaça punir quem ficar contra. Entre o medo e a ganância, o apoio é dado e o governo se mantém. No dia a dia, a técnica funciona trocando constantemente ministros e altos funcionários, provocando insegurança e fazendo as autoridades serem leais aos governantes, e não às responsabilidades e aos fins das instituições em que trabalham.

Existem algumas condições para que esse jogo de dividir para reinar tenha sucesso. A primeira é quando os setores mais organizados da sociedade só conseguem pensar no curto prazo, porque não acreditam na estabilidade das instituições políticas e econômicas. Entre o ganho imediato de um privilégio concedido ou bom negócio feito hoje com o governo e um ganho futuro de uma eventual vitória eleitoral e a economia prosperando, apostam no ganho imediato. O segundo é quando os governantes conseguem concentrar recursos significativos em suas mãos, seja porque recebem ajuda internacional, ou porque se beneficiam dos lucros da exportação de alguns produtos de grande valor, ou porque podem canalizar para si o dinheiro de impostos, ou emitir dinheiro novo. O terceiro é quando a economia é pouco produtiva, o que faz que os benefícios vindos dos favores do governo sejam muito mais valorizados do que os da atividade econômica e profissional independente. O último é quando os diferentes grupos de interesse na sociedade são igualmente débeis em sua capacidade de se organizar e mobilizar recursos, o que faz que nenhum deles seja capaz, sozinho, de desafiar e ganhar numa disputa com os tecnocratas.

Existem outros dois fatores que contribuem para a permanência das cleptocracias. Um é quando o poder político está concentrado numa pessoa, mais do que num cargo ou numa instituição. Com isso, em eventual conflito entre os interesses do governante e as regras institucionais, prevalecem os primeiros. O outro é quando a sociedade é muito desigual, permitindo que um pequeno grupo mantenha seus privilégios, cooptando parte dos setores mais pobres distribuindo migalhas.

Para os que conseguem acompanhar, Acemoglu e seus colaboradores apresentam um modelo matemático que mostra de forma precisa como a cleptocracia funciona e se mantém. Aqui basta dizer que uma consequência grave da cleptocracia é o ataque permanente às instituições existentes, não só do Executivo, mas também do Judiciário e do Legislativo, que acabam por perder legitimidade e autonomia. O resultado é a desorganização da economia, o empobrecimento da sociedade e o aumento da insegurança, fatores que, por sua vez, facilitam a permanência dos cleptocratas no poder. Mobutu, Trujillo, Stroessner e tantos outros mostram que quando a cleptocracia domina é muito difícil se livrar dela. Mas ela pode ser entendida também como uma doença que vai crescendo aos poucos e precisa ser debelada antes que seja tarde demais.

(*) Acemoglu, Daron, Thierry Verdier e James A. Robinson. Kleptocracy and divide-and-rule: A model of personal rule. Journal of the European Economic Association, 2 (2-3), pp 162-92, 2004.


SOCIÓLOGO, É MEMBRO DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.