Acuado, Bolsonaro fecha-se cada vez mais em seu mundo

Com o escândalo da vacina, nem sobrou tempo para festejar a saída do incendiário

Rolf Kuntz, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2021 | 23h55

Sai o ministro da fogueira, do desmatamento e da porteira aberta para a devastação, mas fica o devastador-mor, seu chefe, o presidente Jair Bolsonaro. Não valeria a pena gastar rojões para festejar, nem haveria tempo para uma celebração. Mais um escândalo, o da vacina indiana, a Covaxin, já dominava o noticiário. Além disso, logo em seguida sairia mais um lembrete da situação miserável de milhões de brasileiros. Com a disparada dos preços, viver ficou 8,13% mais caro nos 12 meses até junho, segundo a prévia da inflação divulgada na sexta-feira. Sem folga no orçamento, as famílias têm sido forçadas a enfrentar grandes aumentos de itens essenciais, como comida, eletricidade, gás de cozinha e gasolina. Se os freios funcionarem, a taxa anual ficará em 5,9% até dezembro, segundo o mercado, ou 5,8%, de acordo com o Banco Central (BC).

Se qualquer dessas previsões se confirmar, a inflação, além de ficar muito acima da meta oficial, 3,75%, ainda vai estourar o limite de tolerância, fixado em 5,25%. A prévia, desta vez apurada entre 14 de maio e 14 de junho, é conhecida oficialmente como Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15).

Para conter a onda inflacionária, o BC continuará aumentando os juros básicos. Até dezembro poderá elevá-los dos atuais 4,25% para 6,25% ou 6,5%, mas, ainda assim, a inflação deverá permanecer bem acima dos padrões internacionais. Negociações entre inquilinos e proprietários mantiveram os aluguéis em níveis toleráveis. De resto, as famílias seguem tentando cortar gastos e pechinchando quando possível.

Mas esse é o mundo da maioria dos brasileiros, uma realidade conturbada pelos preços em alta, pelo desemprego elevado, pela vacinação atrasada e pela pandemia ainda devastadora, com média de mortes próxima de 2 mil por dia. No mundo do presidente Jair Bolsonaro os preços nem sempre importam e nem sempre se recorre à pechincha. Isso é visível nas “possíveis impropriedades” apontadas em relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) sobre a contratação de 20 milhões de doses da Covaxin. Exemplo: nada indica, segundo os auditores, tentativa de negociação do preço.

Esse preço, US$ 15 por dose, é mais alto que os das seis vacinas já compradas. Não houve ainda pagamento, mas o valor da compra, R$ 1,6 bilhão, já havia sido empenhado quando o noticiário começou a dar destaque ao assunto. Com o empenho, a despesa foi pelo menos incluída, de modo formal, na gestão orçamentária do Ministério da Saúde. Além de ser maior que os cobrados por outros fornecedores, o preço acertado pela vacina indiana foi, como apurou o Estadão, dez vezes superior ao anunciado seis meses antes pela fabricante.

Alertado várias vezes, o presidente pareceu pouco se importar com as dúvidas sobre a vacina e as condições da compra. Um deputado bolsonarista, Luís Miranda, e seu irmão, Luís Ricardo Fernandes Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, disseram ter apontado os problemas a Bolsonaro. O funcionário mencionou pressões para tentar conseguir a liberação mais veloz da importação. O presidente deveria ter agido, mas, segundo a Polícia Federal, nenhuma investigação foi solicitada.

Enquanto o novo escândalo ocupava o noticiário, com destaque para a atuação da Precisa Medicamentos, envolvida como intermediária na compra, Bolsonaro participava, sem máscara, de mais uma aglomeração, dessa vez no Rio Grande do Norte. Numa cerimônia em Jucurutu houve discurso presidencial e declamação de poema por uma garota de 10 anos. Fora dos padrões bolsonarianos, ela usava máscara, mas foi levada a retirá-la para atender o presidente. Não se fala em punição para quem induz uma criança ao risco do contágio e da transmissão do coronavírus à família. Para que pensar na saúde e na vida de mais uns poucos, depois de mais de meio milhão de mortos?

Enquanto o presidente punha em risco, mais uma vez, a vida alheia, a CPI da Covid preparava-se para investigar a bandalheira da Covaxin. Na quarta-feira, a patética defesa do governo pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, havia sobrevivido menos de dez minutos aos primeiros comentários jornalísticos e à reação do vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues, e do relator, Renan Calheiros.

Acuado, o presidente encerrou a semana atacando a imprensa, encastelado e fechado cada vez mais em seu mundo particular, contrário aos valores democráticos, à vida partidária, à ciência, à informação e às obrigações de um governante. Amplia-se o fosso entre o mundo bolsonariano e o da maioria dos cidadãos. Em 1957 um autor francês, Jacques Lambert, publicou Os dois Brasis, um livro sobre os diferentes graus do desenvolvimento brasileiro. Diferenças econômicas persistem, mas a expressão “dois Brasis” ganhou nos últimos dois anos e meio um segundo sentido, o do contraste cada dia maior entre o país de Bolsonaro – do negacionismo, do despreparo e do horror à democracia – e o dos brasileiros ameaçados por um desgoverno cada vez mais perigoso.


JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.