Ambiguidades petistas

Cabe pensar o que seria um eventual governo do PT no presente contexto do País.

Denis Lerrer Rosenfield, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2021 | 03h00

Lula posiciona-se cada vez mais como um candidato eleitoralmente viável dentro da polarização vigente. Diferentes pesquisas de opinião o colocam numa posição vencedora num embate com o presidente Jair Bolsonaro, embora o tempo seja senhor da razão, sem que se possa ainda predizer se o atual mandatário terá condições de se recuperar de seu desgaste ou se uma candidatura alternativa de centro, fora da atual radicalização, poderá se afirmar. Em todo caso, cabe pensar o que seria um eventual governo petista no presente contexto.

Observemos, preliminarmente, que o ex-presidente voltou a gozar de amplo prestígio, contando para isso com os erros de seus adversários reais ou potenciais e a benevolência do Supremo Tribunal Federal (STF). Em linguagem futebolística, tenderia a dizer que ele joga parado, não precisando fazer grandes jogadas, salvo as articulações partidárias de bastidores que estão sendo realizadas. Até agora, não aparece o Lula da demagogia e dos discursos recorrentes, sempre baseados no antagonismo do “nós contra eles”, dos “conservadores contra os progressistas”. Aliás, expõe-se publicamente com companheiros de esquerda, porém negocia com a direita tradicional.

Ocorre que essa estratégia está produzindo bons resultados, salvo quando se põe a falar, que é o momento em que todos os disparates e ambiguidades surgem. Tenderia a afirmar, seguindo o dizer de um amigo, que ele é, no silêncio, um admirável poeta!

Primeiro. Seus elogios frequentes aos regimes ditatoriais de Cuba, Venezuela e Nicarágua revelam a sua parca convicção democrática. Quem pode acreditar, quando critica o atual presidente, que procura salvar o País do autoritarismo? O que pensa fazer, seguir os passos dos Castros, dos Chávez/Maduros e dos Ortegas? Será isso o que almeja para o Brasil? Não podemos esquecer, sobretudo no que diz respeito a estes dois últimos governantes, que se aproveitaram de eleições e de um respeito aparente pela Constituição para miná-la, estabelecendo regimes autoritários. Foi a subversão da democracia por meios democráticos, por mais paradoxal que possa ser essa expressão. Enfim, qual seria a credibilidade democrática de Lula e do PT com tal tipo de posição?

Segundo. Diante da profunda crise político-econômica do País, diante de graves problemas fiscais se refletindo na dívida pública e em sua imagem internacional, com reflexos em investimentos, ratings e assim por diante, Lula, quando emite suas opiniões, lembra não o seu primeiro mandato, responsável fiscalmente graças à herança bendita do ex-presidente Fernando Henrique e à sua competente dupla Palocci/Meirelles. Ao contrário, traz-nos de volta a recordação de sua equipe do final do segundo mandato e, sobretudo, a irresponsabilidade fiscal e econômica da ex-presidente Dilma. Em seu primeiro mandato, Lula foi um liberal, enquanto Dilma foi petista. Qual a sua escolha? Com seus discursos contra o teto de gastos, pelo descontrole fiscal e pela intervenção governamental na Petrobrás, pretende reeditar uma crise que chegou a resultar em impeachment?

Terceiro. O PT privatizou partidariamente o Estado, utilizando-se para isso do discurso da justiça social. Na verdade, fez todo um trabalho de aparelhamento político-administrativo, colocando pessoas-chave em diferentes cargos. Vimos, graças à Lava Jato, todas as monstruosidades produzidas, resultando numa corrupção generalizada e no aproveitamento de verbas públicas para os seus objetivos políticos específicos. Ainda vimos, nos últimos dias, resquícios deste aparelhamento no Banco do Nordeste, em sua carteira de microcrédito, por intermédio de uma ONG que, graças ao novo presidente, será novamente licitada. Não convém tampouco esquecer o aparelhamento estatal por sindicatos e movimentos sociais que orbitavam em torno do partido. Tiveram eles grande apoio financeiro e tolerância governamental em invasões de terras, que desestabilizaram o campo brasileiro e lhe trouxeram enorme insegurança jurídica. Em caso de vitória petista, seria esta velha realidade que voltaria, com as bandeiras vermelhas tomando conta das empresas rurais e das estradas? Seriam novamente a violência das invasões e o desrespeito à propriedade privada?

São questões não apenas pertinentes, mas que dizem respeito ao futuro do País e ao Brasil que almejamos para nossos filhos e netos. Não há pessoa que não sinta agruras e desencanto com a pandemia, a inflação, o desemprego e, para muitos, a ausência de comida. A situação chega a ser dramática, com a miséria escancarada nas sinaleiras, nas ruas e favelas. A injustiça social brasileira, existente de há muito, se mostra de forma alarmante. Uma candidatura que se preze deve dizer claramente o que pretende fazer no que diz respeito à corrupção, à eficiência do Estado, à luta contra a pandemia, à liberdade de mercado, ao aparelhamento estatal e à busca incessante de igualdade de oportunidades.

O silêncio não pode ser, aqui, a resposta.

*

PROFESSOR DE FILOSOFIA NA UFGRS. E-MAIL: DENISROSENFIELD@TERRA.COM.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.