Bolsonaro não é genocida, mas pode ter incorrido em homicídios culposos

A Constituição aborda crimes comuns de presidentes, além dos de responsabilidade

Roberto Macedo, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2021 | 03h00

O genocídio usualmente envolve ações voltadas para grupos étnicos, como as de Hitler contra os judeus. E não estou condenando Jair Bolsonaro pelos crimes de que tratarei mais à frente, pois isso não me compete. Culpado seria se julgado e condenado.

Dos muitos pedidos de seu impeachment, percebi que focam mais em crimes de responsabilidade. São definidos no artigo 85 da Constituição: atos do presidente da República que atentem contra a própria Constituição e, especialmente, contra a existência da União, o livre exercício do Poder Legislativo, do Poder Judiciário, do Ministério Público, dos Poderes constitucionais das unidades da Federação e a probidade na administração, entre outros casos. E num parágrafo único: “Esses crimes serão definidos em lei especial, que estabelecerá as normas de processo e julgamento”.

O artigo 86 prossegue: “Admitida a acusação contra o Presidente ... por dois terços da Câmara ... será ele submetido a julgamento perante o Supremo Tribunal Federal, nas infrações penais comuns, ou perante o Senado Federal, nos crimes de responsabilidade”.

Note-se que esse artigo também trata de infrações penais comuns, dando-lhes status mais grave, com julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF), e não pelo Senado, como nos crimes de responsabilidade. Ademais, estes estão sujeitos apenas a sanções de natureza política, enquanto nos crimes comuns cabe também a prisão.

Sobre os crimes de responsabilidade há também a Lei n.º 1.079, de 10/4/1950. Parece-me ser a que cumpre o papel referido acima no parágrafo único do artigo 85 da Constituição. O artigo 2.º dessa lei diz que “os crimes de responsabilidade são passíveis da pena de perda do cargo, com inabilitação, até cinco anos, para o exercício de qualquer função pública ...”.

Volto agora à possibilidade referida no título, a de homicídio culposo, que é um tipo de crime comum, sujeito ao Código Penal. Este define o crime culposo no seu artigo 18 (II): “... quando o agente deu causa ao resultado por imprudência, negligência ou imperícia”. No artigo 121, parágrafo 3.º, a pena é detenção de um a três anos.

Nos debates sobre a gestão Bolsonaro na crise da covid-19, em especial na comissão parlamentar de inquérito (CPI) ora em andamento no Senado, transparece que teria atuado com imprudência e negligência que atrasaram o início da vacinação, ao protelar a aquisição das vacinas oferecidas pela Pfizer e, em menor grau, das ofertadas pelo Instituto Butantan. Ora, tal atraso impediu que fosse reduzido o número de mortes causado pela pandemia, ou seja, causou a morte de milhares de pessoas, o que caracterizaria crime doloso.

Há essa correlação negativa entre vacinação e número de mortes. Ou seja, se a vacinação se amplia, como no momento, o número de mortes cai, o contrário se verificando se a vacinação é reduzida. Isso pode ser comprovado cientificamente. Conforme o site da Folha no dia 24/6, o epidemiologista Pedro Hallal, pesquisador da Universidade Federal de Pelotas, ao depor na citada CPI, declarou: “Apenas levando em conta a vacinação, até 145 mil mortes poderiam ter sido evitadas com uma rápida e eficiente política de vacinação. São 95,5 mil mortes especificamente relacionadas à demora na assinatura da (compra da) Pfizer e da Coronavac”.

O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, argumenta que “falta materialidade” aos pedidos de impeachment que lhe foram apresentados e que engavetou. Mas os dados acima constituem materialidade. E outros estudos desse tipo poderiam ser encomendados pela CPI. No caso do negacionismo quanto ao uso de máscaras e da defesa do “kit covid”, de medicamentos recomendados pelo presidente, essa materialidade seria impossível de comprovar, até porque a relação entre isso e as mortes não é quantificável como o efeito do atraso na vacinação. Também se poderia argumentar que quem tomou o kit ou deixou de usar máscaras o fez por vontade própria. Já a falta de tubos de oxigênio em Manaus poderia materializar-se como causa se identificados os pacientes que faleceram por essa razão.

Parece também que a percepção de crime comum e culposo começa a se difundir. Na manifestação de rua do último dia 3, este jornal mostrou uma senhora que ostentava um grande cartaz dizendo: “Bolsonaro MATOU meu marido, 11/5/21. Ele não precisaria lutar para respirar se o Bolsonaro tivesse comprado vacinas”. E na Folha de 8/7 a articulista Mirian Goldenberg narrou o drama da advogada Maria Recchia, cujo filho foi contaminado pela covid, mas se recuperou após tratamento no hospital Albert Einstein. Ela disse que processará Bolsonaro por dano moral e material, e descobriu que já existe um grupo de vítimas da covid, e de parentes que perderam alguém, exigindo a responsabilização do presidente.

Ele que se cuide, pois essa linha de ação, principalmente se encampada pela CPI da Covid, pode causar-lhe problemas que sobreviveriam ao fim do seu mandato, eventualmente encurtando-o.


ECONOMISTA (UFMG, USP E HARVARD), PROFESSOR SÊNIOR DA USP. É CONSULTOR ECONÔMICO E DE ENSINO SUPERIOR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.