Centenário de São João Paulo II

Ele passou à História como um dos maiores pontífices que a Igreja teve em sua história

Dom Odilo P. Scherer, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2020 | 03h00

Transcorreu em 18 de maio passado o centenário de nascimento do papa São João Paulo II. Na sua Polônia natal, em Roma e em muitos outros lugares do mundo, seu centenário foi marcado por comemorações para lembrar a sua vida, sua atuação e seu legado para a Igreja Católica e para a humanidade. De alguma forma, o “papa que veio de longe” se tornou próximo de todos os que o conheceram.

Na sua eleição, em 1978, poucos tinham ouvido falar do cardeal Karol Wojtila, de Cracóvia, na Polônia. Eu era então um jovem sacerdote e me recordo de que meu bispo, já falecido, comentou com satisfação que tinha uma lembrança da atuação do jovem bispo polonês Wojtila durante o Concílio Vaticano II, com o qual ele havia participado de um mesmo grupo de trabalho. Mais tarde vim a saber que esse jovem bispo polonês participara ativamente da elaboração da Constituição Pastoral Gaudium et Spes, um dos documentos mais marcantes daquele concílio.

Sua eleição para o pontificado trouxe ares de novidade e esperança para a Igreja. Depois de um longo período de papas de origem italiana, a eleição do papa polonês pôs novamente em evidência a universalidade da Igreja e a abertura de sua missão a todas as nações, todos os povos, línguas e culturas. Ainda mais: o novo papa vinha de um país que vivia a experiência do regime comunista soviético. Sua eleição não poderia ser insignificante para a política internacional, pois trazia um elemento novo e surpreendente, que fazia pensar logo em possíveis mudanças nas relações entre os blocos comunista e capitalista. E não se enganou quem pensou assim, pois a atuação de João Paulo II foi importante para as mudanças no mundo socialista e comunista, que não demoraram a se manifestar.

Para muitos, São João Paulo II foi um papa político e não se pode negar isso. De fato, cabe ao papa exercer esse papel no seu significado mais elevado de promoção do bem comum, da justiça e da paz. O papa polonês empenhou-se na promoção do diálogo com os governantes e responsáveis pelos organismos internacionais, clamou pela superação dos conflitos e pela promoção da paz justa, pelo respeito à dignidade da pessoa humana e aos seus direitos fundamentais. Empenhou-se no estabelecimento de uma ordem econômica e financeira internacional justa, que tivesse o homem como centro, conforme aparece nos seus documentos sociais e pronunciamentos diante de autoridades e organismos internacionais. Promoveu a solidariedade entre os povos e culturas, a superação da miséria e da fome, o respeito pelas culturas dos povos, o diálogo entre os cristãos e com as diversas religiões.

Tudo isso, certamente, tem um peso político relevante e o reconhecimento da autoridade moral do papa apareceu de maneira eloquente no seu funeral, em abril de 2005. Na Praça de São Pedro, no espaço reservado às autoridades e representações internacionais, estavam presentes, ou representados, chefes de Estado e de governo da maioria dos países. Lado a lado, viam-se governantes de países antes em guerra entre si e que alcançaram a paz graças à ação diplomática do papa falecido. Até chefes de países ainda em conflito sentaram-se próximos na cena do funeral, prestando reconhecimento e homenagem ao pontífice que muito contribuiu para a convivência pacífica da grande família humana.

O longo pontificado de João Paulo II, de quase 27 anos, foi especialmente significativo para a vida da Igreja e lhe deixou um legado imenso. Coube-lhe levar avante a reforma e a renovação da Igreja, já iniciada por Paulo VI, conforme decisões do Concílio Vaticano II.

E o fez com grande determinação e fruto, apesar da fase difícil que a Igreja atravessava. As reformas envolveram os mais diversos aspectos da vida e da missão da Igreja. Fez publicar o novo Código de Direito Canônico e o Catecismo da Igreja, consolidou a reforma litúrgica, deu novas diretrizes à formação do clero e dos religiosos, incentivou os leigos católicos a assumirem seu papel na Igreja e na sociedade. Incentivou os jovens e as famílias, promoveu uma nova ação missionária, valorizou a ação da Igreja nos meios de comunicação, promoveu o diálogo ecumênico com as outras igrejas e comunidades cristãs, valorizou o diálogo e a colaboração com as religiões não cristãs em prol da paz e da dignidade humana. Enfrentou as difíceis questões morais da atualidade, como o respeito à vida humana, as diversas formas de injustiça e violência, as ideologias promotoras da violência, a miséria desumana, o comércio sujo das drogas, a exploração vil das pessoas em função de lucro, o escândalo da fome e das desigualdades absurdas entre ricos e pobres na comunidade humana.

A História dará seu julgamento sobre a importância de João Paulo II para a Igreja e a humanidade. Desde logo, porém, podemos afirmar sem medo de errar que ele passou à História como um dos maiores pontífices que a Igreja teve em sua história quase bimilenar. Que ele, junto de Deus, continue a olhar pela Igreja e pela humanidade, que enfrentam novos e antigos desafios.

CARDEAL-ARCEBISPO DE SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.